X

Tocando espelhos do nosso cotidiano o objeto e sua a imagem não se tocam?

Está viral esta imagem – https://imgur.com/ –  de como identificar um espelho falso, com câmera em um provador ou banheiro, mas não me parece muito correto, visto que a imagem de um espelho verdadeiro deve gerar imagens reais e manter as distâncias, portanto se o dedo encosta no espelho, ele deve encostar na imagem, correto?

Respondido por: Prof. Fernando Lang da Silveira - www.if.ufrgs.br/~lang/

Espelhos planos conjugam imagens VIRTUAIS de objetos reais.

Os espelhos no nosso cotidiano são constituídos de uma lâmina fina de aço sobre uma placa transparente de vidro ou cristal. O lado que funciona como espelho é o lado que fica atrás da lâmina de vidro e portanto não pode ser tocado pelo dedo. Ou seja, quando alguém toca no espelho, está tocando no vidro que separa a superfície espelhada da face acessível de vidro. Desta forma, a imagem virtual do dedo fica distante do próprio dedo pelo dobro da espessura da lâmina de vidro. Quanto mais fina a lâmina de vidro, mais difícil é perceber a distância entre o objeto que toca o vidro e sua imagem no espelho.

Quando a superfície externa do espelho é tocada por um objeto fino como a ponta de uma caneta fica fácil de se perceber que a ponta da caneta não toca sua imagem. A distância entre objeto e imagem torna-se mais acentuada quanto mais espessa é a lâmina transparente de vidro ou cristal conforme evidencia-se na figura 1.

Tocando com o dedo ambos os espelhos fica mais difícil perceber que a imagem do dedo não está justaposta ao dedo. Esta dificuldade aumenta com a diminuição da lâmina protetora do espelho conforme observa-se na figura 2.

O inconveniente, dificilmente notado nos espelhos do nosso cotidiano, é que a luz sofre no mínimo uma dupla reflexão ao atingi-lo (figura 3). A primeira reflexão ocorre na interface da lâmina transparente com o ar e a segunda reflexão na lâmina metálica do espelho propriamente dito. A primeira reflexão determina usualmente que a luz refletida tenha pouca intensidade quando comparada com a luz refletida na superfície metálica e por isto pode passar desapercebida.

Instrumentos ópticos que utilizam espelhos (por exemplo telescópios refletores)  utilizam espelhos sem a lâmina transparente de cobertura pois as múltiplas reflexões prejudicariam as características ópticas dos instrumentos.

Fica aqui um desafio ao leitor da postagem, podendo ser respondido nos comentários abaixo. Por que na verdade podem ocorrer mais de dois raios refletidos (apenas dois foram indicados na figura 3) em um espelho com cobertura de vidro ou cristal?

Outras postagens sobre espelhos planos: Espelhos planos.

“Docendo discimus.” (Sêneca)


Um comentário em “Tocando espelhos do nosso cotidiano o objeto e sua a imagem não se tocam?

  1. Felipe Martins disse:

    Quando a luz refletida pela lâmina metálica chega a interface vidro-ar, parte sofre refração voltando para o ar, mas parte é novamente refletida (desde que o ângulo de incidência não seja maior que o ângulo limite ai teríamos reflexão total) retornando para o vidro.

Deixe uma resposta para Felipe Martins Cancelar resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *