X

Salinidade das águas oceânicas: qual é a sua origem?

Por que a água do mar é salgada?

Respondido por: Prof. Fernando Lang da Silveira - www.if.ufrgs.br/~lang/

Os sais encontrados em mares, oceanos e lagos são provenientes em sua maior parte rochas das terras por onde correm os rios. As águas dos rios dissolvem sais e os transportam até os mares, oceanos e lagos. Vide Por que os mares são salgados?

Parte desses sais acabam por sair dos oceanos, tirados pelos organismos que lá vivem e os usam.

Uma das primeiras propostas de datar a idade da Terra está relacionada ao fato de que a salinidade dos oceanos tende a aumentar com o constante transporte de sais pelos rios. O grande astrônomo Edmund Halley em 1715 idealizou esta possibilidade. Entretanto hoje sabemos que o “relógio salino” pensado por Halley é um método inviável pelas razões postas em Ocean Salinity as a Failed Scientific Clock. A propósito deste tema vide também Halley on the Age of the Ocean.

“Docendo discimus.” (Sêneca)


2 comentários em “Salinidade das águas oceânicas: qual é a sua origem?

  1. Kaique Fernandes disse:

    Parte de cristais de sais no assoalho oceânico provém também das reações químicas no interior de camadas de subducção em encontros convergentes (bordos continentais) e transformantes (como no caso das cordilheiras do Himalaia) devido a pressão e temperatura específica ideal pra formação desses cristais. Um material magmático em erupção submarina vinda do manto terrestre, que fica imediatamente abaixo da crosta, misturaram nos oceanos parte da água quimicamente derivada desse magma (conhecida como água magmática) e sua constituição química é profundamente rica em cloretos, sulfatos, brometos, iodetos, carbono, cloro, boro, nitrogénio, e mais substâncias, as vezes contendo óxido de ferro como em salinas do Hawaii que tem uma coloração mais avermelhada.

    • Zero disse:

      Qual proporção vem dos fenômenos que você descreve? Porque é claro para mim que há uma variedade de fontes para a salinidade do mar, mas é interessante saber a proporção estimada para cada uma delas (ou pelomenos para as mais significativas), como cultura geral. Então eu (como leigo no assunto) valorizo mais a descrição acompanhada de um número, uma porcentagem, do que a informação solta e específica sem o número, que acaba parecendo um pseudo adendo ao restante. Fica parecendo “informação de biscoito chinês” ou curiosidade para esquecer em dez minutos.

Deixe uma resposta para Zero Cancelar resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *