X

Frenagem em meio líquido: a imersão do saltador parece quase não depender da altura de queda!

Atuo como professor de Educação Física e pratico canionismo. A minha pergunta busca o esclarecimento sobre as razões de uma variação tão pequena na relação altura do salto e profundidade de imersão do saltador. Entre um salto de 3 metros e um salto de 10 metros parece-me, pela experiência que a diferença de emersão não passa de 1 metro na água. Presumo que a força de arrasto aumente em proporção maior que o aumento da altura do salto. Ou seja, embora a velocidade de entrada da água seja o dobro, essa proporção parece não se repetir na profundidade de imersão. Gostaria se pudesse fazer um comentário sobre isso. Desde já agradeço pelo seu retorno.

 

Respondido por: Prof. Fernando Lang da Silveira - www.if.ufrgs.br/~lang/

A força de arrasto (ou de resistência) que a água oferece a um corpo que se move através dela é proporcional ao quadrado da velocidade do corpo em relação à agua. Indico aqui três referências a artigos de minha autoria que tratam da força de arrasto (no ar e na água) e desta dependência com a velocidade: 1 – A frenagem de um projétil em um meio fluido,  2 – A física no salto recorde de Felix Baumgartner e 3- Potência de tração de um veículo automotor que se movimenta com velocidade constante.

A velocidade que o saltador adquire quando se precipita até atingir a água aumenta com a altura da queda. Segundo a bem conhecida “Equação de Torricelli” o quadrado da velocidade (V) no final da queda cresce linearmente com altura de queda (H):  V^{2} = 2 g H onde g é aceleração da gravidade.

Assim a força de arrasto inicial (isto é, quando o saltador toca a água) cresce proporcionalmente à altura de queda. A  aceleração de frenagem que o saltador sofre é tanto maior quanto maior é a altura de queda, explicando assim a  intuição baseada nas tuas experiências.

O modelo quantitativo que desenvolvi no primeiro artigo supracitado pode ser aplicado ao saltador pois ele se torna um “projétil humano” sendo freado pela água; entretanto tal modelo desconsidera quaisquer outras forças de frenagem além da força da arrasto. Utilizei-o para fazer uma estimativa da imersão do Laso Schaller em seu salto espetacular de 59 m de altura – Salto recorde de Laso Schaller na cachoeira e força de impacto na água – que resultou em uma imersão de cerca de 4 m a contar dos pés ou de cerca de não mais de 2,5 m do topo de sua cabeça. Esta estimativa deve superestimar extensão da imersão por desconsiderar o empuxo hidrostático.

Demonstrei no artigo 1 que a redução percentual (fator de atenuação na seção IV do artigo) do quadrado da velocidade (melhor, da energia cinética do projétil na água) é independente da energia cinética inicial e tal decorre diretamente do fato que a força de arrasto cresce com o quadrado da velocidade. O decaimento da velocidade ou da energia cinética é exponencial com a distância percorrida através do fluido.

Então a tua intuição tem suporte teórico pois o estancamento do “projétil humano” é quase independente  da altura do salto. Isso pode ter uma consequência terrível para saltadores de grande altura (intuitiva também): a força de arrasto pode produzir lesões sérias no saltador.

Outras postagens relacionadas com a força de arrasto:

Efeito da resistência do ar na queda de corpos 

Velocidade das pedras de granizo ao chegarem ao solo!        

Força de impacto na água da pessoa que cai da ponte   

Frenagem do projétil do fuzil AK-47 na água 

Balística: é possível receber o projétil .22 na boca sem prejuízos para o David Blaine?  

Dimensionamento de um tanque balístico para coleta de projéteis    

Velocidade de uma bala ao cair considerando a resistência do ar

“Docendo discimus.” (Sêneca)


Um comentário em “Frenagem em meio líquido: a imersão do saltador parece quase não depender da altura de queda!

  1. Carlos Roberto Alcântara de Rezende disse:

    Agradeço a sua atenção e a resposta esclarecedora. Esteja certo que será útil para mim e para os praticantes de canionismo que tiverem acesso.

Acrescente um Comentário:

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *