X

Decolagem de aeronave em esteira transportadora

Boa tarde,

Uma dúvida recorrente que surge no meio dos amantes da aviação é a seguinte:

Imagine-se uma aeronave tipo Boeing 747 em cima de uma esteira grande e robusta que pode andar em sentido contrário ao das rodas do avião. A esteira foi concebida de tal forma que igualará a velocidade das rodas do avião em sentido oposto. Ou seja, sempre que o piloto aumenta a velocidade do avião em relação à esteira, a esteira aumenta também a sua velocidade.

A pergunta que se faz é a seguinte: Poderá o avião decolar?

Porque a experiência dos MythBusters está errada? https://www.youtube.com/watch?v=0ul_5DtMLhc

Muito obrigado, Carlos Rodrigues

Respondido por: Prof. Fernando Lang da Silveira - www.if.ufrgs.br/~lang/

Para o avião decolar o que realmente interessa é a velocidade do ar em relação ao avião. Existe uma velocidade mínima em relação ao ar para que a sustentação seja suficiente para decolar. No caso proposto o avião move-se em relação à correia transportadora e o ar fica em repouso em relação ao avião, não havendo força de sustentação, impedindo então a decolagem.

Aviões decolam mais facilmente com vento de proa. Teoricamente é possível um 747 decolar com vento de centenas de km/h de proa estando o avião parado em relação ao solo. Aqui no RS, em uma tempestade, um avião pequeno ancorado fracamente na pista, sem piloto, decolou. Depois acabou caindo sobre uma construção próxima.

No vídeo do MythBusters o pequeno avião não fica parado em relação ao ar. No dia da experiência não havia vento e portanto o ar estava parado em relação à pista. Entretanto o avião não fica parado em relação à pista e ao ar conforme suposto na pergunta.

“Docendo discimus.” (Sêneca)

 


6 comentários em “Decolagem de aeronave em esteira transportadora

  1. Rafael Compassi disse:

    Mas as turbinas não produzem deslocamento de ar suficiente para isso?

    • Fernando Lang disse:

      Quem sustenta o avião não são as turbinas diretamente. Elas são responsáveis por mover o avião através do ar para que as asas sejam sustentadas pelo ar. Se as turbinas produzissem diretamente sustentação, aviões não necessitariam de asas.

Acrescente um Comentário:

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *