Conversas ao Pé do Físico

CONVERSAS AO PÉ DO FÍSICO 2017

Ciclo de eventos do Instituto de Física/UFRGS na Saraiva

Avenida Praia de Belas, 1181 – Porto Alegre

Sempre às 19h30min

 

Como ingresso para cada evento, solicitamos a doação de 1 kg de alimento não perecível que será distribuído às instituições carentes do entorno do Campus do Vale da UFRGS.

                                                                                                                                                        

 MÊS DE MARÇO

29 de março de 2017 (quarta-feira)

horário: 19h30min

 

Mudanças Climáticas no Planeta Terra: Evidências e Impactos na Vida dos Seres Vivos.

Desde a revolução industrial, o homem alterou significativamente a química da atmosfera do planeta Terra, gerando assim diversas mudanças no clima da Terra. Quais são as evidências destas mudanças? E quais são as implicações disto atualmente e para o futuro? Nesta palestra eu mostrarei algumas evidências das mudanças climáticas, tais como o aumento da concentração de gases de efeito estufa na atmosfera terrestre, o aumento da temperatura média global e o derretimento dos mantos de gelo. Discutirei como o homem influenciou estas mudanças e quais as possíveis implicações disto, incluindo como isto afeta os seres vivos.

CAROLINA BRITO – é professora no departamento de Física da Universidade Federal do Rio Grande do Sul (UFRGS). É graduada em física pela UFRGS, com mestrado e doutorado realizados na UFRGS e pelo Comissariat à lÉnergie Atomique (CEA, França). Fez pós-doutorado no CEA e na Universidade de Leiden. É pesquisadora nível 2 do CNPq e suas principais áreas de pesquisa são em sistemas complexos, o que inclui desde análise de eventos extremos climáticos à biofísica. Carolina é também apresentadora e produtora do podcast de divulgação científica “Fronteiras da Ciência”, o qual em está na oitava temporada e tem uma média de 17mil downloads por semana. Ele vai ao ar pela rádio da Universidade e fica disponível no sitehttp://frontdaciencia.ufrgs.br.

                                                                                                                                                        

MÊS DE ABRIL

26 de abril de 2017 (quarta-feira)

horário: 19h30min

 

Vidros: 6000 anos de maravilhas.

Nesta apresentação, conheceremos a física presente nos vidros. Abordaremos a evolução neste campo da ciência e tecnologia. Desde os primeiros vidros datado há 6000 anos atrás, até o emprego como próteses humanas nos dias de hoje. A contribuição dos vidros ao longo de 6000 anos na evolução da ciência nos vários campos do conhecimento, sua estreita relação com a física, geologia, medicina e engenharias. Como um grão de areia pode se transformar em um vidro?

SILVIO BUCHNER- possui graduação em Física pela Universidade Federal de Santa Maria, mestrado em Física pela Universidade Federal do Paraná e doutorado em física pela Universidade Federal do Rio Grande do Sul. Pós-Doutorado no instituto de física da UFRGS. Atualmente é professor Adjunto do departamento/instituto de Física da UFRGS. Tem experiência na área de Física, com ênfase em Física Geral, atuando principalmente nos seguintes temas: Física da Matéria Condensada, difração de raios-x, Altas Pressões, Vidros, Vitrocerâmicas, Biomateriais, estruturas e propriedades de vitrocerâmicas submetidos a condições extremas de Pressão e/ou temperaturas. Tem experiência nas seguintes técnicas de caracterização de vitrocerâmicas: Difração de raios-x, espectroscopia raman e IR, análise térmica (DTA, DSC, TGA), microscopias, medidas de dureza. Está ligado ao laboratório de altas pressões e materiais avançados cujo link é http://www.if.ufrgs.br/lapma/.

 

 

                                                                                                                                                        

MÊS DE MAIO

31 de maio de 2017 (quarta-feira)

horário: 19h30min

 

Evolução de Estrelas.

Assim como nós, as estrelas nascem, crescem e morrem. Mas a vida não é igual para todas, os diferentes estágios e o tempo de evolução, que elementos elas produzem e como morrem depende da massa inicial das estrelas.
Nesta palestra eu mostrarei como é a vida das estrelas simples, desde seu nascimento até sua morte, dependendo da massa inicial, descrevendo cada estágio da evolução, as fontes de combustível e como elas morrem se tornando objetos compactos como anãs brancas, estrelas de nêutrons ou buracos negros.

ALEJANDRA ROMERO – é professora no departamento de Astronomia da Universidade Federal do Rio Grande do Sul (UFRGS). É graduada em física pela Universidade de Buenos Aires na Argentina, com doutorado realizado também na Universidade de Buenos Aires com locação no Observatório Astronômico de La Plata (Argentina). Fez pós-doutorado no Departamento de Astronomia da UFRGS. É pesquisadora nível 2 do CNPq e suas principais áreas de pesquisa são evolução de estrelas de baixa massa e intermediária, caracterização da estrutura e propriedades de estrelas anãs brancas e anãs brancas variáveis, estudo de aglomerados globulares e abertos da galáxia e evolução da Galáxia.

 

 

                                                                                                                                                        

MÊS DE JUNHO

28 de junho de 2017 (quarta-feira)

horário: 19h30min

 

Números: como lidamos e somos enganados por eles.

Saber fazer contas, e outras operações matematicamente complexas, não é exclusividade dos seres humanos. A diferença é que nós, às vezes, entendemos o que estamos fazendo. Embora tenhamos evoluído usando os dedos para contar e nos acostumamos com números, nossa intuição para probabilidades e números muito grandes (ou muito pequenos) costuma falhar. Números associados a eventos cosmológicos, tempo geológico, moléculas em um gás, etc, estão muito além da nossa compreensão. Nesta palestra vamos ilustrar várias destas situações e discutir seus perigos e consequências.
JEFERSON ARENZON – possui graduação (1989), mestrado (1991) e doutorado em Física pela Universidade Federal do Rio Grande do Sul (1995), onde atualmente é professor, pós-doutorado pela Università di Napoli (1996) e estágio sênior na Université Pierre et Marie Curie em Paris (2012). Tem experiência na área de Física, com ênfase em Mecânica Estatística, atuando principalmente em sistemas fora do equilíbrio e com dinâmica lenta (crescimento de domínios, vidros de spin e estruturais, sistemas granulares), mas também em teoria de jogos e sistemas carregados. É também produtor/apresentador do podcast de divulgação científica “Fronteiras da Ciência”; (http://frontdaciencia.ufrgs.br), retransmitido por várias rádios nacionais e internacionais.

 

                                                                                                                                                        

MÊS DE JULHO

26 de julho de 2017 (quarta-feira)

horário: 19h30min

 

A revolução do grafeno no nosso dia-a-dia.

Desde sua síntese no ano de 2004, o grafeno tornou-se um dos materiais mais falados da atualidade. Existe muito investimento em aplicações usando esse material devido a suas ótimas propriedades mecânicas, térmicas, elásticas, elétricas. Essa palestra apresentará algumas aplicações desde raquetes de tênis, futuras telas sensíveis ao toque, preservativos, baterias, dispositivos de transporte de informação, aplicações no ramo da medicina, entre outras.
BÁRBARA CANTO – possui Bacharelado em Física (2008), Licenciatura em Física (2012), Mestrado em Ciências dos Materiais (2010) e Doutorado em Física (2014). Toda sua formação foi realizada no Instituto de Física da Universidade Federal do Rio Grande do Sul. Atualmente é Pós-doutoranda na mesma Universidade onde trabalha em projetos de caracterização e modificação de grafenos com o objetivo de construção de dispositivos com barreiras túneis mais eficientes para uso em spintrônica.

                                                                                                                                                        

 

MÊS DE AGOSTO

30 de agosto de 2017 (quarta-feira)

horário: 19h30min

 

Um “lugar ao sol” para a fotossíntese artificial.

Uma das principais reações químicas responsáveis pela vida em nosso planeta, a fotossíntese, converte energia solar em energia química através da formação de glicose a partir de água e dióxido de carbono. A energia consumida por ano no planeta Terra devido à atividade humana é aproximadamente igual à energia proveniente do Sol atingindo a Terra em apenas 1 hora. Portanto, um bom aproveitamento da energia solar com certeza seria suficiente para cumprir todas as exigências de energia elétrica e química da nossa civilização de forma limpa e sustentável, sem prejuízos ao ambiente. Assim surge a ideia de projetar novos materiais que possam realizar a reação de fotossíntese, nesse caso chamada de fotossíntese artificial. Mas quais são as barreiras existentes nesse campo de pesquisa? Afinal, existe um “lugar ao sol” para a fotossíntese artificial?
FABIANO BERNARDI – possui graduação (2004), mestrado (2006) e doutorado (2010) em Física pela UFRGS com período de doutorado sanduíche na Johannes Gutenberg-Universitat Mainz (UNI-MAINZ) – Alemanha (2006), pós-doutorado em Física pela UFRGS (2010), pós-doutorado em Física pelo Advanced Light Source (ALS), Lawrence Berkeley National Lab (LBNL) – Estados Unidos (2011) e pós-doutorado em Física pela UNICAMP (2012). Possui bolsa de produtividade em pesquisa nível II pelo Conselho Nacional de Desenvolvimento Científico e Tecnológico (CNPq). Atualmente é Prof. Adjunto III do Instituto de Física da UFRGS. Tem experiência na área de Física da Matéria Condensada, atuando principalmente na área de Física de Superfícies com o uso de Radiação Síncrotron, para aplicações em catálise e energia. Desde 2014 coordena o projeto de inclusão social denominado Laboratórios Abertos, o qual divulga ciência e tecnologia a estudantes de ensino médio de baixa renda e possibilita o acesso desses aos laboratórios de ensino do Instituto de Física e Química da UFRGS.

                                                                                                                                                        

 

MÊS DE SETEMBRO

27 de setembro de 2017 (quarta-feira)

horário: 19h30min

 

Topologia e Física Quântica.

Nesta palestra vamos conversar sobre um assunto bastante atual nas pesquisas no mundo afora. Vou tentar relacionar as propriedades topológicas da matéria com a física quântica. De um modo geral este tópico entrou na área de pesquisa em física muito recentemente. Os exemplos são vários: efeito Hall quântico, supercondutores topológicos, modos de Majorana. Estes últimos devem seu nome a Ettore Majorana, físico italiano, que após propor os férmions de Majorana, partículas que são suas próprias antipartículas, desapareceu misteriosamente numa viagem de barco entre Palermo e Nápoles, em 1938. Talvez conte a história dele para amenizar a palestra.

GERARDO MARTINEZ PINO – Doutorado em Física pela Universidade Estadual de Campinas, SP (1989). Pós-doutorado no Max-Planck Institut für Festkörperforschung em Stuttgart, Alemanha (1989-1991). Foi Pesquisador Associado CNPq (1992-1995). Foi Professor visitante na Universität Stuttgart, Alemanha (2003), Professor visitante na Universidad Técnica Federico Santa María, Valparaíso, Chile (2008) e Professor visitante no Instituto de Física Teórica, UAM-CSIC, Madrid, Espanha (2013-2014). Tem feito estágios no International Centre for Theoretical Physics-ICTP, Trieste, Itália; Oak Ridge National Laboratory-ORNL, EUA; Laboratoire de Physique de Solides, Orsay, França; e no Institut Lorentz, Universiteit Leiden, Holanda. Atualmente é Professor Associado no Instituto de Física da UFRGS, onde desenvolve pesquisa em física quântica.

                                                                                                                                                        

MÊS DE OUTUBRO

25 de outubro de 2017 (quarta-feira)

horário: 19h30min

 

Contando um caso ou um caos? O caso de relações de afinidade no batimento cardíaco.

 

THOMAZ BRAUN e FLAVIO DEPAOLI – 

                                                                                                                                                        

MÊS DE NOVEMBRO

29 de novembro de 2017 (quarta-feira)

horário: 19h30min

 

Física na minha vida? Sim, por toda parte! Quanta ciência nos ro-deia no dia a dia.

 

 

MARIO BAIBICH –