A RELAÇÃO COM O SABER E O ENSINO DE QUÍMICA: FUNDAMENTOS TEÓRICOS PARA ANALISAR O PROCESSO DE APRENDIZAGEM EM ATIVIDADE DE SALA DE AULA

Welington Francisco

Resumo


Este trabalho discute a possibilidade de utilizar da noção da relação com o saber de Bernard Charlot para identificar elementos que permitem verificar o processo de aprendizagem Química de estudantes de nível superior. Para esta análise, considera-se a transposição de sete elementos que ao mesmo tempo podem conduzir ou bloquear a apropriação conceitual: atividade intelectual, mobilização, normatividade, professor questionador/mobilizador, rede de significados, relação de saber e sujeito. Apoiando-se em tais elementos, analisaram-se narrativas feitas por quatorze estudantes do curso de Química Ambiental da Universidade Federal do Tocantins – Campus de Gurupi com a proposta de uma atividade envolvendo a resolução de caso investigativo. Os resultados apontam que a noção da relação com o saber se configura como mais uma alternativa para o Ensino de Ciências de analisar o processo de aprendizagem. Isso porque permite avaliar todas as etapas/caminhos do desenvolvimento singular de cada sujeito (o processo) até a eficácia do produto final, desvelando para o professor os pontos que necessitarão de mais relações de saber para intensificar a mobilização dos sujeitos na atividade e na aprendizagem.

Palavras-chave


Saber; Relação com o saber; Aprendizagem; Caso investigativo

Texto completo:

PDF

Referências


Bardin, L. (2011). Análise de conteúdo (2a ed.). Lisboa, Portugal: Edições 70.

Brandão, C. R. (2006). Pesquisa participante (8a ed.). São Paulo, SP: Brasiliense.

Charlot, B. (2000). Da relação com o saber: elementos para uma teoria. Porto Alegre, RS: Artmed.

Charlot, B. (2001). Os jovens e o saber: perspectivas mundiais. Porto Alegre, RS: Artmed.

Charlot, B. (2005). Relação com o saber, formação dos professores e globalização: questões para a educação hoje. Porto Alegre, RS: Artmed.

Charlot, B. (2013). Da relação com o saber às práticas educativas. São Paulo, SP: Cortez.

Cliff, W. H., & Curtin, L. N. (2000). The Directed Case Method. Journal of College Science Teaching, 30(1), 64-66. Recuperado de https://search.proquest.com/openview/febff672c77a2447f8098a13d680acc6/1?pq-origsite=gscholar&cbl=49226

Freire, P. (2006). Criando métodos de pesquisa alternativa: aprendendo a fazê-la melhor através da ação. In C. R. Brandão (Org.). Pesquisa participante (pp. 34-41). (8a ed.). São Paulo, SP: Brasiliense.

Francisco, W. (2018). Casos investigativos e relações com o saber no ensino de ciências. São Carlos, SP: Pedro & João Editores.

Herreid, C. F. (1997). What is a case? Bringing to science education the established teaching tool of law and medicine. Journal of College Science Teaching, 27(2), 92-94. Recuperado de http://libweb.lib.buffalo.edu/cs/pdfs/What%20is%20a%20Case-XXVII-2.pdf

Herreid, C. F. (1998). What makes a good case? Journal of College Science Teaching, 27(3), 163-169. Recuperado de http://sciencecases.lib.buffalo.edu/cs/pdfs/What%20Makes%20a%20Good%20Case-XXVII-3.pdf

Herreid, C. F. (2011). Case study teaching. New Directions for Teaching and Learning, 1(128), 31-40. http://doi.org/10.1002/tl.466

Herreid, C. F., Prud’homme-Généreux, A., Schiller, N. A., Herreid, K. F., & Wright, C. (2016). What makes a good case, revisited: the survey monkey tells all. Journal of College Science Teaching, 46(1), 60-65. Recuperado de http://digital.nsta.org/publication/?i=329023&article_id=2558217&view=articleBrowser&ver=html5#{%22issue_id%22:329023,%22view%22:%22articleBrowser%22,%22article_id%22:%222558217%22}

Mortimer, E. F. (2010). As chamas e os cristais revisitados: estabelecendo diálogos entre a linguagem científica e a linguagem cotidiana no ensino das Ciências da natureza. In W. L. P. Santos & O. A. Maldaner (Orgs.). Ensino de Química em foco (pp. 181-208). Ijuí, RS: Unijuí.

Queiroz, S. L. (2001). A linguagem escrita no curso de graduação em química. Química Nova, 24(1), 143-146. Recuperado de http://submission.quimicanova.sbq.org.br/qn/qnol/2001/vol24n1/23.pdf

Queiroz, S. L., & Cabral, P. F. O. (2016). Estudos de caso no ensino de Ciências Naturais. São Carlos, SP: Cdcc-usp.

Talanquer, V. (2011). Macro, submicro, and symbolic: the many faces of the chemistry “triplet”. International Journal of Science Education, 33(2), 179-195. http://doi.org/10.1080/09500690903386435

Trópia, G., & Caldeira, A. D. (2011). Vínculos entre a relação com o saber de Bernard Charlot e categorias bachelardianas. Educação, 34(3), 369-375. Recuperado de http://revistaseletronicas.pucrs.br/ojs/index.php/faced/article/viewFile/5227/6787

Valadares, J. (2011). A teoria da aprendizagem significativa como teoria construtivista. Aprendizagem Significativa em Revista, 1(1), 36-57. Recuperado de http://www.if.ufrgs.br/asr/artigos/Artigo_ID4/v1_n1_a2011.pdf

Vygotsky, L. S. (1987). Pensamento e linguagem. São Paulo, SP: Martins Fontes.




DOI: http://dx.doi.org/10.22600/1518-8795.ienci2019v24n1p01

Licença Creative Commons
Este obra está licenciado com uma Licença Creative Commons Atribuição-NãoComercial 4.0 Internacional.

Revista Investigações em Ensino de Ciências (IENCI) - ISSN: 1518-8795 

Creative Commons License