DIFICULDADES E AVANÇOS NO DOMÍNIO DO CAMPO CONCEITUAL DA MODELAGEM DIDÁTICO-CIENTÍFICA: UM ESTUDO DE CASO EM UMA DISCIPLINA DE FÍSICA EXPERIMENTAL

Leonardo Albuquerque Heidemann, Ives Solano Araujo, Eliane Angela Veit

Resumo


A concepção de que os modelos científicos são mediadores entre teoria e realidade orienta muitos dos trabalhos que têm enfoque na modelagem científica no ensino de Ciências. Defende-se que os estudantes precisam ser envolvidos com atividades de modelagem para que possam vincular os conhecimentos científicos com eventos reais. Neste artigo, a metodologia de Episódios de Modelagem é empregada para delinear e conduzir atividades experimentais sobre oscilações mecânicas, fluidos e termodinâmica. Fundamentado na Modelagem Didático-Científica, assume-se que existe um campo conceitual subjacente aos campos conceituais da Física que engloba situações, esquemas de ação e invariantes operatórios especificamente relacionados com a modelagem científica em contextos de ensino-aprendizagem. Os resultados das atividades são avaliados em termos: das atitudes dos estudantes frente às atividades experimentais; das suas concepções sobre conceitos relacionados com o processo de modelagem científica, focando-se principalmente em conceitos próprios do fazer experimental; e nos seus avanços e dificuldades relacionados com a construção, uso e validação de modelos didáticos-científicos para enfrentar situações experimentais. Os principais resultados deste estudo de caso mostram que os Episódios de Modelagem contribuíram para que os estudantes: i) construíssem atitudes mais positivas em relação a atividades experimentais; e ii) se defrontassem com situações que demandam a mobilização de conceitos e esquemas de ação relacionados ao campo conceitual da modelagem didático-científica. Apesar disso, os estudantes tiveram dificuldades em situações de modelagem, tanto em relação ao conhecimento predicativo, quanto operatório, necessários para concluir os Episódios de Modelagem. Esses resultados evidenciam que os Episódios de Modelagem se constituem em uma metodologia promissora para que os estudantes solucionem situações-problemas relacionadas ao trabalho experimental por meio da modelagem didático-científica. Contudo, para que efetivamente se tornem competentes para construir, explorar e validar modelos científicos, situações de modelagem devem permear todo o currículo dos cursos de Física.


Palavras-chave


modelagem didático-científica; Episódios de Modelagem; atividades experimentais; ensino de Física

Texto completo:

PDF

Referências


Araujo, I. S., & Mazur, E. (2013). Instrução pelos colegas e ensino sob medida: uma proposta para o engajamento dos alunos no processo de ensino-aprendizagem de Física. Caderno Brasileiro de Ensino de Física, 30(2), 362-384. DOI: 10.5007/2175-7941.2013v30n2p362

Boulter, C. J., & Gilbert, J. K. (2000). Challenges and opportunities of developing models in science education. In Boulter, C. J., & Gilbert, J. K. (Org.), Developing models in science education (343-362). New York: Kluwer Academic Publishers. DOI: 10.1007/978-94-010-0876-1_18

Brandão, R. V. (2012). A estratégia da modelagem didático-científica reflexiva para a conceitualização do real no ensino de Física (Tese de Doutorado em Ensino de Física, Universidade Federal do Rio Grande do Sul, Porto Alegre). Recuperado de http://hdl.handle.net/10183/70335

Brandão, R. V. , Araujo, I. S., & Veit. E. A. (2012). A modelagem científica vista como um campo conceitual. Caderno Brasileiro de Ensino de Física, 28(1) 507-545. DOI: 10.5007/2175-7941.2011v28n3p507

Bunge, M. (1974). Teoria e realidade. São Paulo: Editora Perspectiva.

Bunge, M. (2010). Caçando a realidade. São Paulo: Editora Perspectiva.

Day, C. (2015, 5 de maio). Why I didn't become an experimental physicist. DOI: 10.1063/PT.5.010313

Field, A. (2009). Discovering statistics using SPSS (and sex and drugs and rock ’n’ roll). Dubai: SAGE Publications.

Greca, I., & Moreira, M. A. (2002). Mental, physical, and mathematical models in the teaching and learning of physics. Science Education, 86(1) 106-121. DOI: 10.1002/sce.10013

Guillon, A., & Séré, M. (2002). The Role of Epistemological Information in open-ended Investigative Labwork. In Psillos, D.; Niedderer, H. (Eds.). Teaching and learning in science laboratory (121-138). New York: Kluwer Academic Publishers. DOI: 10.1007/0-306-48196-0_14

Heidemann, L. A. (2015). Ressignificação das atividades experimentais no ensino de física por meio do enfoque no processo de modelagem científica (Tese de Doutorado em Ensino de Física, Universidade Federal do Rio Grande do Sul, Porto Alegre). Recuperado de http://hdl.handle.net/10183/117767

Heidemann, L. A., Araujo, I. S., Veit, E. A. (2012). Um referencial teórico-metodológico para o desenvolvimento de pesquisas sobre atitude: a Teoria do Comportamento Planejado de Icek Ajzen. Revista Electrónica de Investigación en Educación en Ciencias, 7(1), 22-31. Recuperado de http://www.scielo.org.ar/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S1850-66662012000100003&lng=es&tlng=pt.

Heidemann, L. A., Araujo, I. S., Veit, E. A. (2015). Episódios de Modelagem sobre oscilações mecânicas, fluidos e termodinâmica. Recuperado de http://www.if.ufrgs.br/gpef/modelagem/hipermidia/.

Heidemann, L. A., Araujo, I. S., & Veit, E. A. (2016a). A integração de atividades teóricas e experimentais no ensino de física através de ciclos de modelagem: um estudo de caso exploratório no ensino superior. Alexandria: Revista de Educação em Ciência e Tecnologia, 9(1), 151-178. DOI: 10.5007/1982-5153.2016v9n1p151

Heidemann, L. A., Araujo, I. S., & Veit, E. A. (2016b). Modelagem Didático-científica: integrando atividades experimentais e o processo de modelagem científica no ensino de Física. Caderno Brasileiro de Ensino de Física, 33(1), 3-32. DOI: 10.5007/2175-7941.2016v33n1p3

Heidemann, L. A., Araujo, I. S., & Veit, E. A. (2016c). Atividades experimentais com enfoque no processo de modelagem científica: Uma alternativa para a ressignificação das aulas de laboratório em cursos de graduação em física. Revista Brasileira de Ensino de Física, 38(1), 1504. DOI: 10.1590/S1806-11173812080

Heidemann, L. A., Araujo, I. S., & Veit. E. A. (2017). Um estudo de caso explanatório sobre o desenvolvimento de atividades experimentais com enfoque no processo de modelagem científica para o ensino de Física. Revista Brasileira de Ensino de Ciência e Tecnologia, 10(3), 379-405. DOI: 10.3895/rbect.v10n3.5672

Hestenes, D. (2006). Notes for a Modeling Theory of Science, Cognition and Instruction. In Girep Conference: Modelling in Physics and Physics Education. Amsterdam, Netherlands. Recuperado de http://modeling.asu.edu/R&E/Notes_on_Modeling_Theory.pdf

Hodson, D. (1994). Hacia un enfoque más crítico del trabajo de laboratorio. Enseñanza de las Ciencias, 12(3), 299-313. Recuperado de https://www.raco.cat/index.php/Ensenanza/article/download/21370/93326

Jackson, J., Dukerich, L., & Hestenes, D. (2008). Modeling Instruction: an effective model for Science Education. Science Educator, 17(1), 10-17. Recuperado de https://files.eric.ed.gov/fulltext/EJ851867.pdf.

Justi, R. S., & Gilbert, J. K. (2002) Modelling, teachers’ views on the nature of mode lling, and implications for the education of modellers. International Journal of Science Education, 24(4), 369-387. DOI: 10.1080/09500690110110142

Krapas, S. , Queiroz, G., Colinvaux, D. & Franco, C. (1997). Modelos: uma análise de sentidos na literatura de pesquisa em Ensino de Ciências. Investigações em Ensino de Ciências. 2(3), 185-205. Recuperado de https://www.if.ufrgs.br/cref/ojs/index.php/ienci/article/view/627/416

Kneubil, F. B. (2016). Models in physics teaching: an approach to highlight the nature of knowledge. Physics Education, 51(6), 1-6. Recuperado de http://iopscience.iop.org/article/10.1088/0031-9120/51/6/065008/meta

Koponen, I. T. (2007). Models and modelling in Physics Education: A critical re-analysis of philosophical underpinnings and suggestions for revisions. Science & Education, 16(7), 751-773. DOI: 10.1007/s11191-006-9000-7

López-Ríos, S., Veit, E. A., & Araujo, I. S. (2011). Modelación computacional apoyada en el uso del diagrama V de Gowin para el aprendizaje de conceptos de dinámica newtoniana. Revista Electrónica de Enseñanza de las Ciencias, 10(1), 202-226. Recuperado de http://reec.uvigo.es/volumenes/volumen10/ART10_Vol10_N1.pdf

Louca, L., & Zacharia, Z. (2012). Modeling-based learning in Science education: cognitive, metacognitive, social, material and epistemological contributions. Educational Review, 64(4), 471 492. DOI: 10.1080/00131911.2011.628748.

Panadero, E., & Jonsson, A. (2013). The use of scoring rubrics for formative assessment purposes revisited: A review. Educational Research Review, 9, 129-144. DOI: 10.1016/j.edurev.2013.01.002

Pietrocola, M. (1999). Construção e realidade: o realismo científico de Mario Bunge e o ensino de ciências através de modelos. Investigações em Ensino de Ciências, 4(3), 213-227. Recuperado de https://www.if.ufrgs.br/cref/ojs/index.php/ienci/article/view/604

Trumper, R. (2003). The physics laboratory A historical overview and future perspectives. Science & Education, 12(7), 645-670. DOI: 10.1023/A:1025692409001

Vergnaud, G. (2009). The theory of conceptual fields. Human Development, Basel, 52(2), 83-94, 2009. DOI: 10.1159/000202727

__________. (2013). Por qué la teoría de los campos conceptuales? Infancia y Aprendizaje, 36(2), 131-161. 10.1174/021037013806196283

Yin, R. K. (2005). Estudo de caso: planejamento e métodos. (3a. ed.). Porto Alegre: Bookman.

__________. (2011). Qualitative research from start to finish. New York: The Guilford Press.




DOI: http://dx.doi.org/10.22600/1518-8795.ienci2018v23n2p352

Licença Creative Commons
Este obra está licenciado com uma Licença Creative Commons Atribuição-NãoComercial 4.0 Internacional.

Revista Investigações em Ensino de Ciências (IENCI) - ISSN: 1518-8795 

Creative Commons License