UTILIZAÇÃO DO PERFIL CONCEITUAL DE SUBSTÂNCIA NO PLANEJAMENTO DO ENSINO E NA ANÁLISE DO PROCESSO DE APRENDIZAGEM

Jaqueline Dantas Sabino, Edenia Maria Ribeiro do Amaral

Resumo


Este estudo teve como objetivo analisar a emergência de zonas do perfil conceitual de substância e o processo de conceituação vivenciado por alunos quando envolvidos em diferentes atividades em sala de aula. O percurso metodológico foi constituído por duas etapas: planejamento e estruturação de uma sequência de ensino e aprendizagem utilizando para o seu desenho, a perspectiva de Mehéut (2005) e zonas do perfil conceitual de substância proposta por Silva e Amaral (2013); e aplicação das atividades planejadas para análise do processo de conceituação vivenciado por alunos ao longo da sequência. Três aulas foram gravadas em vídeo (total de 4h) e posteriormente transcritas e analisadas, um questionário foi aplicado para toda turma e uma entrevista foi realizada com dois deles. Os resultados mostraram que quatro das cinco zonas do perfil conceitual de substância emergiram ao longo das aulas e em resposta ao questionário – generalista, utilitarista/pragmática, substancialista e racionalista - e não identificamos a emergência de ideias representativas da zona relacional. Verificamos que as diferentes atividades desenvolvidas em sala de aula promoveram mudanças nas formas de falar dos alunos e uma alternância entre diferentes modos de pensar caracterizou o processo de conceituação vivenciado pelos alunos. Esses resultados apontam para um aspecto relevante da prática docente: a importância de o professor ter conhecimento sobre os diferentes modos de pensar o conceito de substância, uma vez que eles desempenham um importante papel, não só no planejamento, mas também na mediação e direcionamento das discussões nas aulas.


Palavras-chave


Perfil conceitual; substância; sequência de ensino e aprendizagem; conceituação

Texto completo:

PDF

Referências


André, M. (2001). Pesquisa em educação: Bucando rigor e qualidade. Cadernos de pesquisa, (113), 51-64. DOI:10.1590/S0100-15742001000200003

Araújo, D. X., Silva, R. R., & Tunes, E. (1995). O conceito de substância em química apreendido por alunos do ensino médio. Química Nova, 18(1), 80-90. Recuperado de http://quimicanova.sbq.org.br/detalhe_artigo.asp?id=4817

Firme, R. N., Amaral, E. M. R., Barbosa, R. M. N., & Santos V. T. (2009). Validação de sequências didáticas: uma abordagem CTS no Ensino da química. Enseñanza de las Ciencias, 2874-2879. Recuperado de http://www.raco.cat/index.php/Ensenanza/article/download/294512/383021

Fonsceca, M. R. (2007). Quimica – Meio Ambiente – Cidadania (Vol. 1). São Paulo, Brasil: FTD.

Gagliardi, R. (1988). Cómo utilizar la historia de las ciencias en la enseñanza de las ciencias. Enseñanza de las ciencias: revista de investigación y experiencias didácticas, 6(3), 291-296. Recuperado de http://www.raco.cat/index.php/Ensenanza/article/view/51106

Lacerda, C. D., Campos, A. F., & Marcelino-Jr, C. de A. C. (2012). Abordagem dos Conceitos Mistura, Substância Simples, Substância Composta e Elemento Químico numa Perspectiva de Ensino por Situação-Problema. Química Nova na Escola, 34(2), 72-82. Recupertado de qnesc.sbq.org.br/online/qnesc34_2/05-RSA-73-10.pdf

Mattos, C. R. (2014). Conceptual profile as a model of a complex world. Em E. F. Mortimer, & C. N. El-Hani, Conceptual Profile: A Theory of Teaching and Learning Scientific Concepts (pp. 263-292). New York: Springer.

Méheut, M. (2005). Teaching-learning sequences tools for learning and/or research. Research and the quality of science education, 195-207. DOI:10.1007/1-4020-3673-6_16

Mortimer, E. F. (1995). Conceptual change or conceptual profile change? Science & Education, 4(3), 267-285. DOI:10.1007/BF00486624

Mortimer, E. F. (1997). Beyond chemical boundaries: a conceptual profile for molecule and molecular structure. Química Nova, 20(2), 200-207. DOI:10.1590/S0100-40421997000200013

Mortimer, E. F. (2001). Perfil conceptual: formas de pensar y hablar en las clases de ciencias. Infancia y aprendizaje, 24(4), 475-490. DOI:10.1174/021037001317117402

Mortimer, E. F., & Hani, C. N. (2014). Conceptual Profiles: A Theory of Teaching and Learning. New York: Springer Science & Business Media.

Mortimer, E. F., & Wertsch, J. V. (2003). The architecture and dynamics of intersubjectivity in science classrooms. Mind, Culture, and Activity, 10(3), 230-244. DOI:10.1207/s15327884mca1003_5

Mortimer, E. F., Scott, P., & El-Hani, C. N. (2011). Bases teóricas e epistemológicas da abordagem dos perfis conceituais. TED: Tecné, Episteme y Didaxis, (30), 111-125. Recuperado de posgrad.fae.ufmg.br/posgrad/viienpec/pdfs/22.pdf

Mortimer, E. F., Scott, P., Amaral, E. M., & El-Hani, C. N. (2014). Conceptual Profiles: Theoretical-Methodological Bases of a Research Program. In E. F. Mortimer, & C. N. El-Hani, Conceptual Profi les (pp. 3-34). New York: Springer Science & Business Media.

Moura, M. O., Araújo, E. S., Moretti, V. D., Panossian, M. L., & Ribeiro, F. (2010). Atividade orientadora de ensino: unidade entre ensino e aprendizagem. Revista Diálogo Educacional, 10(29), 205-229. Recuperado de https://periodicos.pucpr.br/index.php/dialogoeducacional/article/view/3094

Nuñez, I. B. (2009). Gauperin: Formação de conceitos e principios didaticos. Brasília: Liber livro.

Oki, M. D. (2002). O conceito de elemento da antiguidade à modernidade. Química Nova na Escola, (16), 21-25. Recuperado de qnesc.sbq.org.br/online/qnesc16/v16_A06.pdf

Oliveira, R. J. (1995). O mito da Substância. Química Nova na Escola, (1), 8-11. Recuperado de qnesc.sbq.org.br/online/qnesc01/conceito.pdf

Penny Le Couteur, Jay. Burreson. (2006). Os botões de Napoleão: as moléculas que mudaram a história. Rio de Janeiro: Zahar.

Rodrigues, G. M., & Ferreira, H. S. (2011). Elaboração e análise de Sequências de Ensino-Aprendizagem sobre os estados da matéria. VIII Encontro Nacional de Pesquisa em Educação em Ciências, (pp. 1-12). Campinas. Recuperado de http://www.nutes.ufrj.br/abrapec/viiienpec/resumos/R0234-2.pdf

Silva, J. R. (2011). Um perfil conceitual para o conceito de substância. (Dissertação de mestrado, Universidade Federal Rural de Pernambuco), Recife. Recuperado de

Silva, J. R., & Amaral, E. M. (2010). Uma análise sobre concepções de alunos e professores de química relativas ao conceito de substância. XV Encontro Nacional de Ensino de Química (XV ENEQ). Brasília-DF. Recuperado de https://edisciplinas.usp.br/mod/resource/view.php?id=1210400

Silva, J. R., & Amaral, E. M. (2013). Proposta para um Perfil Conceitual de substância. Revista Brasileira de Pesquisa em Educação em Ciências, 13(3), 53-72. Recuperado de https://seer.ufmg.br/index.php/rbpec/article/view/2475

Silva, N. S., & Aguiar, O. (2011). O uso dos conceitos de elemento e substância por estudantes do ensino fundamental: uma perspectiva de análise sociocultural. Revista Brasileira de Pesquisa em Educação em Ciências, 8(3). Recuperado de https://seer.ufmg.br/index.php/rbpec/article/download/2215/1614

Vogelezang, M. J. (1987). Development of the concept ‘chemical substance’‐some thoughts and arguments. International Journal of Science Education, 9(5), 519-528. DOI:10.1080/0950069870090502

Vygotsky, L. S. (1978). Mind in society: The development of higher mental process. Cambridge: Havard Universit Press.




DOI: http://dx.doi.org/10.22600/1518-8795.ienci2018v23n1p245

Licença Creative Commons
Este obra está licenciado com uma Licença Creative Commons Atribuição-NãoComercial 4.0 Internacional.

Revista Investigações em Ensino de Ciências (IENCI) - ISSN: 1518-8795 

Creative Commons License