O ENSINO DE CIÊNCIAS POR INVESTIGAÇÃO: VIVÊNCIAS E PRÁTICAS REFLEXIVAS DE PROFESSORES EM FORMAÇÃO INICIAL E CONTINUADA

André Luis de Oliveira, Ana Tiyomi Obara

Resumo


Parte significativa da aprendizagem docente acontece quando o professor em formação percebe, com a própria prática educativa, o que está aprendendo. Assim, nos propomos investigar a formação inicial e continuada de professores de Ciências no contexto do Programa Institucional de Bolsas de Iniciação à Docência – PIBID, do curso de Ciências Biológicas de uma Universidade Pública do Estado do Paraná, valendo-nos dos fundamentos teórico-metodológicos do Ensino de Ciências por Investigação e da formação de professores reflexivos. Para tanto, realizamos uma análise de alguns planejamentos de ensino elaborados pelos acadêmicos bolsistas em conjunto com os professores supervisores do PIBID e a coerência das propostas nas situações reais de ensino. Trata-se de parte constituinte dos resultados da tese de doutorado defendida no Programa de Pós-Graduação em Educação para a Ciência e a Matemática da Universidade Estadual de Maringá-UEM, intitulada “Um estudo sobre a formação inicial e continuada de professores de Ciências: o Ensino por Investigação na Construção do Profissional Reflexivo”. A análise dos planejamentos e relatos de experiência dos módulos selecionados neste estudo nos permite inferir que o Ensino por Investigação não foi plenamente desenvolvido pelos colaboradores da pesquisa. Porém, de alguma forma, os participantes se apropriaram de metodologias e práticas que favoreceram a reflexão sobre o papel do professor de Ciências. Diante dessas premissas, sugerimos que a formação de professores integre, entre outros aspectos, a pesquisa e o ensino e caracterize outro perfil para esse profissional em seu campo de atuação, ou seja, de um professor reflexivo.


Palavras-chave


atividades investigativas; planejamentos de ensino; PIBID; formação de professores

Texto completo:

PDF

Referências


Abegg, I., & Bastos, F. P. (2005a). Prática de Ensino-Investigativas em Ciências Naturais e suas Tecnologias nas séries iniciais do Ensino Fundamental. In Encontro ibero-americano de coletivos escolares e redes de professores que fazem investigação na sua escola. Lajeado, RS/Brasil: UNIVATES e da Rede Ibero-americana.

Abegg, I., & Bastos, F. P. (2005b). Fundamentos para uma prática de ensino-investigativa em Ciências Naturais e suas tecnologias: exemplar de uma experiência em séries iniciais. Revista Electrónica de Enseñanza de las Ciências, 4(3), 1-15. Recuperado de http://reec.uvigo.es/volumenes/volumen4/ART7_Vol4_N3.pdf

Alarcão, I. (1996). Reflexão crítica sobre o pensamento de D. Schön e os programas de formação de professores. In Alarcão, I. (Org.), Formação reflexiva de professores: estratégias de supervisão. (pp.10-39). Porto, PT: Porto Editora.

Alarcão, I. (2003). Professores reflexivos em uma escola reflexiva. São Paulo, SP: Cortez.

Alarcão, I. (2010). Professores reflexivos em uma escola reflexiva.(7a. ed.). São Paulo, SP: Cortez.

Azevedo, M. C. P. S. (2010). Ensino por Investigação: problematizando as atividades em sala de aula. In Carvalho, A. M. P. de (Org.), Ensino de Ciências: unindo a pesquisa e a prática (pp.19-33). São Paulo, SP: Pioneira Thomson Learning.

Carvalho, A. M. P. C. (Org.). (2013). Ensino de Ciências por Investigação: condições para implementação em sala de aula. São Paulo, SP: Cengage Learning.

Brasil. (1998). Secretaria de Educação Fundamental. Parâmetros Curriculares Nacionais: Ciências Naturais. Secretaria de Educação Fundamental. Brasília, DF: MEC/SEF. Recuperado de http://portal.mec.gov.br/seb/arquivos/pdf/livro01.pdf

Brasil. (1999). Ministério da Educação. PCNEM – Parâmetros Curriculares Nacionais – Secretaria de educação Média e Tecnológica. Brasília: MEC; SEMTC. Recuperado de http://portal.mec.gov.br/seb/arquivos/pdf/livro02.pdf

Brito, L. O. de., Fireman, E. C. (2016). Ensino de Ciências por Investigação: Uma Estratégia Pedagógica para a Promoção da Alfbetização Científica nos Primeiros Anos do Ensino Fundamental. Revista Ensaio. Belo Horizonte,MG, 18(1), 123-146. DOI: 10.1590/1983-21172016180107

Carr, W., & Kemmis, S. (1986). Becoming Critical: education, knowledge and action research. London: The Falmer Press.

Carvalho, A. M. P. de et al. (1995). El papel de las atividades en la construcción del conocimiento em clase. Investigación em la Escuela, (25), 60-70. Recuperado de https://idus.us.es/xmlui/handle/11441/59632

Carvalho, A. M. P. de. (2002). A pesquisa no ensino, sobre o ensino e sobre a reflexão dos professores sobre seus ensinos. Educação e Pesquisa, São Paulo, 28(2), 57-67. DOI:10.1590/S1517-97022002000200005

Carvalho, A. M. P. de, Gil-Pérez, D. (2009). Formação de professores de Ciências: tendências e inovações (9a. ed.). São Paulo, SP: Cortez.

Contreras, D. J. (2002). A autonomia de professores. São Paulo, SP: Cortez.

Delizoicov, D., & Angotti, J. A. P. (1990). Metodologia do Ensino de Ciências. São Paulo, SP: Cortez.

Dewey, J. (1979). Democracia e educação. São Paulo, SP: Companhia Editora Nacional.

Franco, M. A. (2005). Pedagogia da pesquisa-ação. Educação e Pesquisa, São Paulo, 31(3), 483-502. Recuperado de www.scielo.br/pdf/ep/v31n3/a11v31n3.pdf

Laburú, C. E., Arruda, S. M. de., & Nardi, R. (2003). Pluralismo metodológico no ensino de Ciências. Ciência e Educação, 9(2), 247-260. Recuperado de http://www.scielo.br/pdf/ciedu/v9n2/07.pdf

Libâneo, J. C. (2002). Adeus professor, adeus professora: novas exigências educacionais e profissão docente (6a. ed.) São Paulo, SP: Cortez.

Libâneo, J. C. (2005). Reflexividade e formação de professores reflexivos: outra oscilação do pensamento pedagógico brasileiro? In Pimenta, S. G., & Ghedin, E. (Orgs.). Professor reflexivo no Brasil: gênese e crítica de um conceito (pp. 53-79). São Paulo, SP: Cortez.

Marinho, B. R. (2009). A formação do profesor reflexivo sob o olhar da epistemología marxiana (Tese de Doutorado). Faculdade de Filosofia e Ciências. Universidade Estadual Paulista – UNESP, Marília, SP.

Monteiro, A. M. (2005). Formação docente: território contestado. In Marandino, M. et al. (Org.). Ensino de Biologia: conhecimentos e valores em disputa (pp. 153-170). Niterói, RJ: Eduff.

Munford, D, & Lima, M. E. C. C. (2008). Ensinar ciências por investigação: em quê estamos de acordo? Revista Ensaio, 9(1), 1-23. DOI: 10.1590/1983-21172007090107

Nóvoa, A. (Coord.). (1992). Os professores e sua formação. Lisboa: Dom Quixote.

Nascimento, F., Fernandes, H. L., & Mendonça, V. M. M. (2010). Ensino de Ciências no Brasil: História, formação de professores e desafios atuais. Revista HISTEDBR On-line, (39), 225-249. Recuperado de http://www.histedbr.fe.unicamp.br/revista/edicoes/39/art14_39.pdf

Paraná. (2007). Secretaria de Estado da Educação do Paraná. Departamento de Educação Básica. TV Pendrive. Curitiba, PR: SEED. Recuperado de http://www.gestaoescolar.diaadia.pr.gov.br/arquivos/File/pdf/manual_tvpendrive.pdf

Paraná. (2008). Secretaria de Estado da Educação do Paraná. Departamento de Educação Básica. Diretrizes Curriculares Estaduais – Ciências. Curitiba, PR: SEED. Recuperado de http://www.educadores.diaadia.pr.gov.br/arquivos/File/diretrizes/dce_cien.pdf

Pimenta, S. G. Professor reflexivo: construindo uma crítica. (2002). In Pimenta, S. G., & Ghedin, E. (Orgs.). Professor reflexivo no Brasil: gênese e crítica de um conceito (17-52). São Paulo, SP: Cortez.

Pimenta, S. G. (2005). Pesquisa-ação crítico-colaborativa: construindo seu significado a partir de experiências com a formação docente. Educação e Pesquisa, 31(3), 521-539. Recuperado de www.scielo.br/pdf/ep/v31n3/a13v31n3.pdf

Rodrigues, B. A., & Borges, A. T. (2008). O ensino de ciências por investigação: reconstrução histórica. In Anais do Encontro de Pesquisa em Ensino Física, 10. Curitiba, PR. Recuperado de http://botanicaonline.com.br/geral/arquivos/artigo4.pdf

Sá, E. F., Lima, M. E. C. C., & Aguiar Júnior, O. (2011). A construção de sentidos para o termo ensino por investigação no contexto de um curso de formação. Investigações em Ensino de Ciências, 16(1), 79-102. Recuperado de https://www.if.ufrgs.br/cref/ojs/index.php/ienci/article/view/247

Schön, D. (1983). The reflective practitioner: how professional thinking action. New York: Basic Books.

Schön, D. (1997). Formar professores como profissionais reflexivos. In Nóvoa, A. (Org.) Os professores e a sua formação (3a. ed.). Lisboa: Publicações Dom Quixote.

Sedano, L., Carvalho, A. M. P. (2017, maio). Ensino de Ciências por Investigação: Oportunidades de Interação Social e sua Importância para a Construção da Autonomia Moral. Alexandria: Revista de Educação, em Ciência e Tecnologia. 10(1), 199-220. DOI: 10.5007/1982-5153.2017v10n1p199

Solino, A. P., Gehlen, S. T. (2014). Abordagem Temática Freireana e o Ensino de Ciências por Investigação: Possíveis Relações Epistemológicas e Pedagógicas. Investigações em Ensino de Ciências. 19(1), 141-162. Recuperado de https://www.if.ufrgs.br/cref/ojs/index.php/ienci/article/view/100

National Research Council - NRC. (2000). Inquiry and the National Science Education Standards: A Guide for Teaching and Learning. Washington: National Academy Press.

Zeichner, K. M. (1993). A formação reflexiva de professores: ideias e práticas. Lisboa: Educa.

Zeichner, K. M. (2003). Formando professores reflexivos para a educação centrada no aluno. In Barboza, R. L. L. (Org.). Formação de educadores: desafios e perspectivas. São Paulo, SP: Ed. da UNESP.

Zeichner, K. M. (2005). Los Profesores como profesionales reflexivos y la democratización de la reforma escolar. Profesíon Docente. 25.

Zeichner , K. M. (2008). Uma análise crítica sobre a “reflexão” como conceito estruturante na formação docente. Educação e Sociedade. 29(103), 535- 554. DOI: 10.1590/S0101-73302008000200012.

Zeichner, K. M. (2010). Repensando as conexões entre a formação na universidade e as experiências de campo na formação de professores em faculdades e universidades. Educação. 35(3), 479-504. Recuperado de http://www.redalyc.org/articulo.oa?id=117116968009




DOI: http://dx.doi.org/10.22600/1518-8795.ienci2018v23n2p65

Licença Creative Commons
Este obra está licenciado com uma Licença Creative Commons Atribuição-NãoComercial 4.0 Internacional.

Revista Investigações em Ensino de Ciências (IENCI) - ISSN: 1518-8795 

Creative Commons License