EXPERIMENTOS EXPLORATÓRIOS E EXPERIENTIA LITERATA: (RE) PENSANDO A EXPERIMENTAÇÃO

Anabel Cardoso Raicik, Luiz O. Q. Peduzzi, José A. P. Angotti

Resumo


Francis Bacon é, por vezes, apontado como o primeiro filósofo experimental e, normalmente, sua filosofia é atrelada à ideia comum empírico-indutivista. A fim de mostrar uma nova imagem baconiana, este artigo analisa partes de sua principal obra, o Novum Organum, e apresenta seu conceito de experientia literata, pouco conhecido. Além disso, explicita contrapontos entre algumas considerações apresentadas por Bacon e certas concepções do “novo experimentalismo”, sobretudo à luz do conceito de experimentação exploratória delineado por Steinle. Por fim, aborda-se algumas implicações dessas reflexões para o ensino de ciências.


Palavras-chave


Bacon; Experientia literata; Experimentação exploratória; Ensino de ciências

Texto completo:

PDF

Referências


Assis, A. K. T. (2011). Os fundamentos experimentais e históricos da eletricidade. São Paulo: Editora Livraria da Física.

Bacon, F. (1882). Of the dignity and advancement of learning, books IV-IX. In Spedding, J. Ellis, R. L. & Heath, D. D. (Ed.). The Works of Francis Bacon (pp.13-345). Boston: Houghton, Mifflin and Company.

Bacon, F. (1979). Novum Organum ou verdadeiras indicações acerca da interpretação da natureza; Nova Atlântica. São Paulo: Abril Cultural.

Bacon, F. (2006). Da proficiência e o avanço do conhecimento divino e humano. São Paulo: Madras Editora.

Blaga, L. (2014). O experimento e o espírito matemático. São Paulo: É realizações Editora.

Borges, R. M. R. (1996). Em debate: cientificidade e educação em ciências. Porto Alegre: SE/CECIRS.

Brasil (2014). Guia de livros didáticos: PNLD 2015; física: ensino médio. Brasília: Ministério da Educação, Secretaria de Educação Básica.

Brown, R. (1828). A brief account of microscopical observations made in the months of June, July and August, 1827, on the particles contained in the pollen of plants and on the general existence of active molecules in organic and inorganic bodies. Edinburgh New Philosophical Journal, 5, 358-371. DOI:10.1080/14786442808674769

Butterfield, H. (1949). As origens da ciência moderna. Portugal: Edições 70.

Caliman, L. V., & Almeida, R. G. (2009). Entrevista com Ian Hacking (por Paul Kennedy e David Cayley). Psicologia & Sociedade, 21(3), 465-470. Recuperado de http://www.scielo.br/pdf/psoc/v21n3/a21v21n3.pdf

Carrilho, M. M. (1994). A filosofia das ciências de Bacon a Feyerabend. Lisboa: Editorial Presença.

Chalmers, A. F. (1993). O que é ciência afinal? São Paulo: Editora Brasiliense.

Clough, M. O., & Oslon, J. K. (2008). Teaching and assessing the nature of science: An Introduction. Science & Education, 17(2-3), 143–145. DOI:10.1007/s11191-007-9083-9

Cupani, A. (1985). A crítica do positivismo e o futuro da filosofia. Florianópolis: Editora da UFSC.

Echevarría, J. (1998). Filosofía de la ciencia. Ediciones Akal.

El-Hani, C. N. (2006). Notas sobre o ensino de História e Filosofia das Ciências na educação científica de nível superior. In C. C. (Org.). História e Filosofia da Ciência no Ensino de Ciências: Da Teoria à Sala de Aula (pp. 3-22). São Paulo: Editora Livraria da Física.

Fernãndez, I., Gil Pérez, D., Carrascosa, J., Cachapuz, A., & Praia, J. (2002). Visiones Deformadas de La Ciencia Transmitidas por la Enseñanza. Enseñanza de las ciencias, 20(3), 477-488. Recuperado de http://www.raco.cat/index.php/Ensenanza/article/download/21841/21675&prev=search

Forato. T C. M., Pietrocola, M., & Martins, R A. (2011). Historiografia e natureza da ciência na sala de aula. Caderno Brasileiro de Ensino de Física, 28(1), 27-59. DOI:10.5007/2175-7941.2011v28n1p27

Franklin, A. (1986). The neglect of experiment. New York: Cambridge University Press.

Franklin, A. (2002). Fisica y Experimentacion. Theoria, 17(2), 221-242. Recuperado de https://www.pdcnet.org/pdc/bvdb.nsf/purchase?openform&fp=theoria&id=theoria_2002_0017_0002_0221_0242

Gárcia-Carmona, A., Vázquez, Á. A., & Manassero, M. A. M. (2012). Comprensión de los estudiantes sobre Naturaleza de la Ciencia: análisis del estado atual de la cuestión y perspectivas. Enseñanza de las ciências, 30(1), 23-34. Recuperado de http://www.raco.cat/index.php/Ensenanza/article/view/252558

Garcia, E. G. A., & Estany, A. (2010). Filosofía de las prácticas experimentales y enseñanza de las ciências. Praxis Filosófica, 31, 7-24. Recuperado de http://www.redalyc.org/pdf/2090/209020106001.pdf

Georgescu, L. & Giurgea, M. (2012). Redefining the Role of Experiment in Bacon’s Natural History: How Baconian was Descartes before Emerging from His Cocoon? Early Science and Medicine, 17(1-2), 158-180. DOI:10.1163/157338212X631828

Georgescu, L. (2011). A new form of knowledge: Experientia Literata. Society and Politic, 5(2), 104-120. Recuperado de http://socpol.uvvg.ro/index.php?option=com_content&view=article&id=81&Itemid=95

Giglioni, G. (2013). Learning to Read Nature: Francis Bacon's Notion of Experiential Literacy {Experientía Literata} Earty Science and Medicine, 18(4-5), 405-434. DOI:10.1163/15733823-1845P0005

Gil Pérez, D., Montoro, I. F., Alis, J. C., Cachapuz, A., & Praia, J. (2001). Para uma imagem não deformada do trabalho científico. Ciência & Educação, 7(2), 125-153. DOI:10.1590/S1516-73132001000200001

Gooding, D. C. (2000). Experiment. In W. H. Newton-Smith, W.H. (Ed.). A companion to the philosophy of science (pp. 117-126). USA: Blackwell Companions to Philosophy.

Granés, J. S. (2001). La gramática de una controversia cientifica: El debate alrededor de la teoria de Newton sobre los colores de la luz. Colombia: Editorial Unibiblos.

Gray, S. (1731-2). A letter to Cromwell Mortiner, M. D. Secr. R. S. Containing Several Experiments concerning Electricity. Philosophical Transactions, 37, 18-44. Recuperado de https://www.jstor.org/stable/104056?seq=1#page_scan_tab_contents

Hacking, I. (2009). Entrevista com Ian Hacking (por Paul Kennedy e David Cayley). Psicologia & Sociedade, 21(3), 465-470. DOI:10.1590/S0102-71822009000300021

Hacking, I. (2012). Representar e Intervir: tópicos introdutórios de filosofia da ciência natural. Rio de Janeiro: EdUERJ.

Hanson, N. R. (1979). Observação e interpretação. In S. Morgenbesser (Ed.). Filosofia da ciência (pp.127-138). São Paulo: Cultrix.

Heilbron, J. L. (1979). Electricity in the 17th & 18th Centuries. Berkeley: University of California Press.

Hodson, D. (1988). Experiments in science and science teaching. Educational Philosophy and Theory, 20(2), 53-66. DOI:10.1111/j.1469-5812.1988.tb00144.x

Jalobeanu, D. (2011). Core experiments, natural histories and the art of experientia literata: the meaning of baconian experimentation. Society and Politics, 5(2), 88-103. Recuperado de http://socpol.uvvg.ro/index.php?option=com_content&view=article&id=82&Itemid=94

Jalobeanu, D. (2013). Learning from experiment: classification, Concept formation and modeling in Francis Bacon’s experimental philosophy. Rev. Roum. Philosophie, 57(2), 75–93. Recuperado de https://philarchive.org/archive/JALLFEv1

Jalobeanu, D. (2016). Diciplining Experience: Francis Bacon’s experimental series and the art of experimenting. Perspectives on Science, 24(3), 324-342. DOI:10.1162/POSC_a_00209

Japiassu, H. (2013). A face oculta da ciência moderna. Rio de Janeiro: Imago Editora.

Kipnis, N. (2001). Scientific controversies in teaching science: the case of Volta. Science & Education, 10(1-2), 33-49, 2001. DOI:10.1023/A:1008760521211

Kipnis, N. (2005). Chance in Science: the discovery of Electromagnetism by H.C. Oersted. Science & Education, 14(1), 1-28. DOI:10.1007/s11191-004-3286-0

Kuhn, T. S. (2011). A tensão essencial: estudos selecionados sobre tradição e mudança científica. São Paulo: Unesp.

Laudan, L. (2000). Teorias do método científico de Platão a Mach. Cad. Hist. Fil. Ci., 10(2), 9-140. Recuperado de https://www.cle.unicamp.br/eprints/index.php/cadernos/article/view/562/442

Lohne, J. A. (1968). Experimentum Crucis. Notes & Recordes of The Royal Society, 23(2), 169-199. Recuperado de http://rsnr.royalsocietypublishing.org/content/23/2/169

Matthews, M. R. (1995). História, filosofia, e ensino de ciências: a tendência atual de reaproximação. Caderno Catarinense de Ensino de Física, 12(3), 164-214. DOI:10.5007/%25x

Medeiros, A., & Monteiro Jr, F. N. (2001). A reconstrução de experimentos históricos como uma ferramenta heurística no ensino da física. Publicação interna. Recuperado de http://www.nutes.ufrj.br/abrapec/iiienpec/Atas%20em%20html/o12.htm

Moreira, A. M., & Ostermann, F. (1993). Sobre o ensino do método científico. Caderno Catarinense de Ensino de Física, 10(2), 108-117. Recuperado de http://www.lume.ufrgs.br/handle/10183/85011

Neto, J P. P., & Silva, S A. (2012). Análise da História e Filosofia da Ciência nas aulas de Química no ensino médio, em duas escolas públicas estaduais na cidade de Campina Grande – PB. In XVI Encontro Nacional de Ensino de Química (XVI ENEQ) e X Encontro de Educação Química da Bahia (X EDUQUI). Salvador, BA. Recuperado de https://portalseer.ufba.br/index.php/anaiseneq2012/article/view/7556

Oliveira, B. J. (2010). Francis Bacon e a fundamentação da ciência como tecnologia. Belo Horizonte: Editora UFMG.

Peduzzi, L. O. Q. (2015). Força e movimento: de Thales a Galileu. Florianópolis: publicação interna. Recuperado de http://docs.wixstatic.com/ugd/7d71af_b8d64ce76f164c869d5f7f633d0ac787.pdf

Pera, M. (1992). The Ambiguous Frog: the Galvani-Volta controversy on animal electricity. New Jersey: Princeton University Press.

Piccolino, M., & Bresadola, M. (2013). Shocking Frogs. New Your: Oxford Press.

Popper, K. R. (1982). Conjecturas e Refutações. Brasília: Editora Universidade de Brasília.

Praia, J., Cachapuz, A., & Gil Pérez, D.(2002). A hipótese e a experiência científica em educação em ciência: contributos para uma reorientação epistemológica. Ciência & Educação, 8(2), 253-262. DOI:10.1590/S1516-73132002000200009

Praia, J., Gil Pérez, D., & Vilches, A. (2007). O papel da natureza da ciência na educação para a cidadania. Ciência & Educação, 13(2), 141-156. DOI:10.1590/S1516-73132007000200001

Raicik, A. C., & Peduzzi, L. O. Q. (2016a). A estrutura conceitual e epistemológica de uma descoberta científica: reflexões para o ensino de ciências. Alexandria Revista de Educação em Ciência e Tecnologia, 9(2), 149-176. DOI:10.5007/1982-5153.2016v9n2p149

Raicik, A. C., & Peduzzi, L. O. Q. (2016b). Um resgate histórico e filosófico dos estudos de Stephen Gray. Revista Brasileira de Pesquisa em Educação em Ciências, 16(1), 109-128. Recuperado de https://seer.ufmg.br/index.php/rbpec/article/view/2543

Raicik, A. C., & Peduzzi, L. O. Q. (2015a). Uma discussão acerca dos contextos da descoberta e da justificativa: a dinâmica entre hipótese e experimentação na ciência. Revista Brasileira de História da Ciência, 8(1), 132-146. Recuperado de www.sbhc.org.br/arquivo/download?ID_ARQUIVO=1991

Raicik, A. C., & Peduzzi, L. O. Q. (2015b). Um resgate Histórico e Filosófico dos estudos de Charles Du Fay. Revista Ensaio Pesquisa em Educação em Ciências, 17(1), 105-125. Recuperado de www.scielo.br/pdf/epec/v17n1/1983-2117-epec-17-01-00105.pdf

Raicik, A. C., & Peduzzi, L. O. Q. (2015c). Potencialidades e limitações de um módulo de ensino: uma discussão histórico-filosófica dos estudos de Gray e Du Fay. Investigações em Ensino de Ciências, 20(2), 138-160. Recuperado de https://www.if.ufrgs.br/cref/ojs/index.php/ienci/article/view/47

Ribe, N., & Steinle, F. (2002). Exploratory experimentation: Goethe, land, and color theory. Physics Today, 55(7), 43-49. DOI:10.1063/1.1506750

Rossi, P. (1992). A ciência e a filosofia dos modernos: aspectos da Revolução Científica. Tradução: Álvaro Lorencini. São Paulo: Editora da Universidade Estadual Paulista.

Russel, B. (1969). História da filosofia ocidental: livro terceiro. São Paulo: Companhia Editora Nacional.

Silveira, F. L. (1992). A Filosofia da Ciência e o Ensino de Ciências. Em Aberto, 11(55), 36-41. Recuperado de https://www.rbep.inep.gov.br/index.php/emaberto/article/download/1856/1827

Silveira, F. L., & Ostermann, F. (2002). A insustentabilidade da proposta indutivista de “descobrir a lei a partir de resultados experimentais”. Caderno Brasileiro de Ensino de Física, 19(especial), 7-27. Recuperado de https://periodicos.ufsc.br/index.php/fisica/article/view/10052

Steinle, F. (1997). Entering new fields: exploratory uses of experimentation. Philosophy of Science, 64, 65-74. Recuperado de https://www.jstor.org/stable/188390

Steinle, F. (2002). Experiments in History and Philosophy of Science. Perspectives on Science, 10(4), 408- 432. DOI:10.1162/106361402322288048

Steinle, F. (2006). Concept formation and the limits of justification: “Discovering” the two electricities. In Schickore, J. & Steinle, F. (Ed.). Revisiting Discovery and Justification (pp. 183-195). Netherlands: Springer.

Videira, A. A. P. (2006). Breves considerações sobre a natureza do método científico. In C.C. Silva (Ed.).Estudos de História e Filosofia das Ciências (pp. 23-40) . São Paulo: Editora Livraria da Física.

Villani, A. (2001). Filosofia da Ciência e Ensino de Ciência: Uma Analogia. Ciência & Educação, 7(2), 169-181. DOI:10.1590/S1516-73132001000200003

Weeks, S. (2008). The role of mechanics in Francis Bacon’s great instauration. In Zittel, C. et al (Ed.). Philosophies of technology: Francis Bacon and his contemporaries (pp. 133-196). Leiden-Boston: Brill.

Zaterka, L. (2004). A filosofia experimental na Inglaterra do século XVII: Francis Bacon e Robert Boyle. São Paulo: Associação Editorial Humanitas: Fapesp.




DOI: http://dx.doi.org/10.22600/1518-8795.ienci2018v23n1p111

Licença Creative Commons
Este obra está licenciado com uma Licença Creative Commons Atribuição-NãoComercial 4.0 Internacional.

Revista Investigações em Ensino de Ciências (IENCI) - ISSN: 1518-8795 

Creative Commons License