A IMPORTÂNCIA DA LIBRAS: UM OLHAR SOBRE O ENSINO DE QUÍMICA A SURDOS

Emanuela Pinheiro Nogueira, Maria Cleide da Silva Barroso, Caroline de Goes Sampaio

Resumo


A pesquisa tem como tema a importância da LIBRAS - Língua Brasileira de Sinais para o ensino de química dos surdos. A língua tem um papel imprescindível na formação do ser. Através dela é possível transmitir costumes e conhecimentos, desenvolvendo assim também, novos saberes. A libras consiste na língua de sinais natural dos surdos nascidos no Brasil. Por meio dela os surdos podem se comunicar livremente e compreender assuntos mesmo que complexos, tendo em vista que a capacidade cognitiva do surdo é normal e a Língua de Sinais é uma língua verdadeira. Entretanto, verifica-se que os sinais de química existentes são mínimos se comparados à riqueza do conteúdo químico e a sua presença assídua no nosso cotidiano. O objetivo deste trabalho foi além de analisar a importância e o real significado dos sinais para os surdos, constatar a necessidade de criação de novos sinais químicos e a relevância do ensino de química para os surdos. Para isso, também foi abordado sobre como ocorre a aquisição da linguagem, conceitos relevantes acerca da surdez e do surdo, além do que, a parte de legislação e conhecimentos gerais em libras. A metodologia constituiu-se em um levantamento bibliográfico onde foi utilizado como apoio autores da área de linguagem como Skliar (1997), Moura (2000), Sacks (2010), Goldfeld (1997), Quadros e Karnopp (2004), Quadros e Cruz (2011), Soares (2005), entre outros. Para o mapeamento dos sinais químicos que foi feito, o recurso principal foi o Dicionário enciclopédico ilustrado trilíngue da língua de sinais brasileira de Capovilla e Raphael (2005). Desta forma, foi possível concluir a importância da língua de sinais para os surdos e para uma sociedade inclusiva. Destacamos que, assim como é direito do surdo receber educação na sua língua natural, deveria também ser reivindicada a expansão de sua língua, para uma ampliação de possibilidades.


Palavras-chave


Língua de sinais; Ensino de Química; Química em Libras; Libras; Surdez

Texto completo:

PDF

Referências


Araujo, G. (2013). R7 Educação. Recuperado de Estudo Prático: http://www.estudopratico.com.br/linguagem-lingua-e-fala-o-que-sao-e-suas-diferencas/

Araújo, G. M. (2005). Segurança na Armazenagem, Manuseio e Transporte de Produtos Perigosos. (2a ed., Vol. 1). Rio de Janeiro: GVC.

Baldwin, T., Rubin, R., & Bommer, W. (2008). Desenvolvimento de habilidades gerenciais. São Paulo: Elsevier.

Bento, R. F., Miniti, A., & Marone, W. (1998). Tratado de Otologia. São Paulo: Edusp.

Busarello, R. I., Bieging, P., & Ulbricht, V. R. (2015). Sobre educação e tecnologia. Conceitos e aprendizagem. São Paulo: Pimenta Cultural.

Buscato, L., Garcia, M., & Pelachin, M. (1996). Minidicionário LUFT. Ática.

Callou, D., & Leite, Y. (2009). Iniciação à Fonética e à Fonologia (11a ed.). Rio de Janeiro: ZAHAR.

Capovilla, F. C., & Raphael, W. D. (2005). Enciclopédia da Lingua de Sinais Brasileira. O Mundo do Surdo em Libras. (Vol. 8). São Paulo: edusp.

Carneiro, M. A. (2008). O acesso de alunos com deficiência às escolas e classes comuns (2a ed.). Petrópolis: Vozes.

Castro, A. M., Rodrigues, A. J., Caiado, K. R., Moreira, L. C., Ferreira, M. E., Ribeiro, M. L., et al. (2003). Educação especial: Do querer ao Fazer. São Paulo: Avercamp.

Danesi, M. C. (2007). O admirável mundo dos surdos. Novos olhares do fonoaudiólogo sobre a surdez (2a. ed.). Porto Alegre: ediPUCRS.

Diaz, F et al. (2009). Educação Inclusiva, Deficiência, e Contexto Social: questões contemporâneas. Salvador: EDUFBA.

Dorziat, A. (2009). O outro da educação. Pensando a Surdez com Base nos Temas Identidade/Diferença, Currículo e Inclusão. Petrópolis: Vozes.

Ferreyra, E. N. (1998). A linguagem oral na educação de adultos. Porto Alegre: Artmed.

Garcia, A., Santos, C., Grzona, M. A., Moura, M. C., Garcia, M., & Pilar Samaniego. (2014). Olhares sobre a inclusão. Uma perspectiva educacional ibero-americana. (S. C. Silva, Ed.) Quártica.

Glat, R. (2007). Questões Atuais em Educação Especial VI. Educação Inclusiva: Cultura e Cotidiano Escolar. Rio de Janeiro: 7 Letras.

Goldfeld, M. (1997). A Criança Surda (2a ed.). Plexus.

Greenberg, A. (2009). Uma Breve História da Química. Da Alquimia às Ciências Moleculares Modernas. São Paulo: Edgard Blücher.

Guch, I. (2013). Química. O Guia Completo para quem não é C.D.F. (2a ed.). Rio de Janeiro: Alta Books.

Helito, A. S.; Kauffman, P. (2007). Saúde. Entendendo as Doenças, a enciclopédia médica da família. São Paulo: Nobel, 2007.

Hebgemühle, A. (2008). Significar a Educação: da Teoria à Sala de Aula. Porto Alegre: ediPUCRS.

Honora, M. (2015). Inclusão educacional de alunos com surdez. Concepção e alfabetização. São Paulo: CORTEZ.

Lourenço, É. (2010). Conceitos e Práticas para Refletir sobre a Educação Inclusiva. Ouro Preto: Autêntica.

Maar, J. H. (2008). História da Química. Primeira parte: Dos primórdios à Lavoisier (2a ed.). (T. H. Maar, Ed.) São José: Conceito.

Mainieri, C. M. (2012). Desenvolvimento e Aprendizagem de Alunos Surdos: Cognitivo, Afetivo e Social. Curitiba: IEDE Brasil S.A.

Mantoan, M. T. (2008). O desafio das diferenças nas escolas. Petrópolis: Vozes.

Mantoan, M. T., & Prieto, R. G. (2006). Inclusão Escolar: pontos e contrapontos (2a ed.). (V. A. Arantes, Ed.) São Paulo :Summus.

Mateus, A. L. (2008). Química na cabeça. Experiências espetaculares para você fazer na sua casa ou na escola. Belo Horizonte: UFMG.

Moura, D. R., & Vieira, C. R. (Março de 2011). A atual proposta bilíngue para educação de surdos em prol de uma educação inclusiva. Pandora Brasil.

Moura, M. C. (2000). O Surdo. Caminhos para uma Nova Identidade. Rio de Janeiro: RevinteR Ltda.

Monteiro, F. H. S. (2011). O Ensino de Biologia e Química para Alunos Surdos no Ensino Médio da Rede Pública da Cidade de Fortaleza: Estudo de Caso. (Dissertação de Mestrado). Universidade Federal do Ceará. Fortaleza.

Oliveira, L. A. (2012). Fundamentos Históricos, Biológicos e Legais da Surdez. Curitiba: IESDE Brasil.

Pereira, M. C., Choi, D., Vieira, M. I., Gaspar, P., & Nakasato, R. (2011). LIBRAS. Conhecimento Além dos Sinais. PEARSON.

Quadros, R. M. (2008). Educação de surdos. A aquisição da linguagem. Porto Alegre: Artmed.

Quadros, R. M., & Cruz, C. R. (2011). Língua de Sinais. Instrumentos de Avaliação. Porto Alegre: Artmed.

Quadros, R. M., & Karnopp, L. B. (2004). Língua de sinais brasileira. Estudos linguísticos. Porto Alegre: Artmed.

Quadros, R. M., Leite, T. A., Diniz, H. G., & Nascimento, S. P. (2013). Estudo da Língua Brasileira de Sinais I. Série: Estudos de Língua de Sinais (Vol. I). (N. R. Moura, Ed.) Florianópolis: Insular.

Reis, E. d. (2015). O ensino de química para alunos surdos: desafios e práticas dos professores e interpretes no processo de ensino e aprendizagem de conceitos químicos traduzidos para libras, Fortaleza.

Rodrigues, C. S., & Valente, F. (2012). Aspectos Linguísticos da LIBRAS. Curitiba: IEDES Brasil S.A.

Sacks, O. (2010). Vendo Vozes. Uma Viagem ao Mundo dos Surdos. São Paulo: SCHWARCZ.

Saldanha, J. C. (2011). O Ensino de Química em Língua Brasileira de Sinais. (Dissertação de Mestrado). Universidade do Grande Rio (UNIGRANRIO). Duque de Caxias.

Silva, D. N. (2002). Como brincam as crianças surdas. (2a ed.). (A. Print, Ed.) São Paulo: plexus.

Silva, I. R., Kauchakje, S., & Gesueli, Z. M. (2003). Cidadania, Surdez e Linguagem. Desafios e realidades. São Paulo: plexus.

Siqueira , A. (2012). A alquimia em três dimensões. Clube dos Autores.

Skliar , C., Ceccim, R. B., Lulkin, S. A., Beyer, H. O., & Lopes, M. C. (1997). EDUCAÇÃO & EXCLUSÃO. Abordagens Sócio-antropológicas em Educação Especial (5a ed.). (D. F. Silva, Ed.) Porto Alegre: Mediação.

Smith, D. D. (2008). Introdução à Educação Especial. Ensinar em tempos de inclusão. (5a ed.). Santana: Artmed.

Souza, S. F., & Silveira, H. E. (2011). Terminologias Químicas em Libras: A utilização de Sinais na Aprendizagem de Alunos Surdos. Química Nova Escola. 33(1), Belo Horizonte: Editora UFMG.

Vesco, C. S. (2009). Linguagem e escrita, origem e mudanças. Jaboticabal: Clube de Autores.




DOI: http://dx.doi.org/10.22600/1518-8795.ienci2018v23n2p49

Licença Creative Commons
Este obra está licenciado com uma Licença Creative Commons Atribuição-NãoComercial 4.0 Internacional.

Revista Investigações em Ensino de Ciências (IENCI) - ISSN: 1518-8795 

Creative Commons License