CIÊNCIA, POLÍTICA E MÍDIA NA PERSPECTIVA CENTRADA NO ESCLARECIMENTO: A SOCIOLOGIA DE ALAN IRWIN EM DIÁLOGO COM A EDUCAÇÃO EM CIÊNCIAS

Luis Gustavo D' Carlos Barbosa, Maria Emília de Castro Lima, Andréa Horta Machado

Resumo


Este trabalho pretende discutir a abordagem de controvérsias sociocientíficas em sala de aula a partir da perspectiva centrada no esclarecimento. Para tal, a sociologia de Alan Irwin foi apresentada, e utilizando princípios da filosofia de Bakhtin, procurou-se elucidar os sentidos conferidos por professora e estudantes a controvérsias circulantes sobre o aquecimento global em sequência de dez encontros, especialmente no que diz respeito à relação entre ciência, política e mídia. Constatou-se perplexidade e desconforto com os fatores não-epistêmicos das controvérsias, a ciência sendo tratada como sinônimo de conhecimento verdadeiro, unívoco e objetivo, frequentemente em oposição à política e à mídia, tratadas como artifícios de mascaramento da realidade ou busca pelo poder. Houve um espectro de reações e níveis de consciência distintos por parte dos estudantes, seja sobre a complexidade das controvérsias sociocientíficas, seja sobre a percepção de si mesmos ou sobre o alcance epistêmico dos julgamentos da realidade. Avalia-se a coexistência do argumento democrático para o ensino de ciências para todos com tal perspectiva criticada por Irwin, bem como recomenda-se maiores esforços para o ensino-aprendizagem da natureza da ciência, das relações ciência-politica-mídia e do ceticismo como possível competência a ser educada.

Palavras-chave


controvérsias sociocientíficas; perspectiva centrada no esclarecimento; Alan Irwin

Texto completo:

PDF

Referências


Auler, D. (2011). Novos caminhos para a educação CTS: ampliando a participação. In CTS e Educação científica: desafios, tendências e resultados de pesquisas (pp.73-97). Brasília: Editora da Universidade de Brasília.

Auler, D., & Delizoicov, D. (2001). Alfabetização científico-tecnológica para quê? Revista Ensaio - Pesquisa em Educação em Ciências, 3(1), 1-13. Recuperado de http://www.scielo.br/pdf/epec/v3n2/1983-2117-epec-3-02-00122.pdf

Bakhtin, M. M. (2003). Estética da criação verbal. São Paulo: Martins Fontes.

Bakhtin, M. M. (2005). Marxismo e Filosofia da Linguagem. São Paulo: Hucitec.

Bakhtin, M. M. (2010). Para uma filosofia do ato. São Carlos: Pedro e João Editores.

Barbosa, L. G. D’C. (2015). Circulação de sentidos e posicionamentos dos sujeitos na abordagem do aquecimento global como tema controverso: um olhar bakhtiniano. (Tese de doutorado, Faculdade de Educação, Universidade Federal de Minas Gerais), Minas Gerais. Recuperado de http://www.bibliotecadigital.ufmg.br/dspace/handle/1843/BUBD-A4CG2N

Barbosa, L. G. D’C., Lima, M. E. C. C., & Machado, A. H. (2012). Controvérsias sobre o aquecimento global: circulação de vozes e de sentidos produzidos em sala de aula. Revista Ensaio - Pesquisa em Educação em Ciências, 14(1), 113-130. Recuperado de www.scielo.br/pdf/epec/v14n1/1983-2117-epec-14-01-00113.pdf

Bryce, T. G. K., & Day, S. P. (2014). Scepticism and doubt in science and science education: the complexity of global warming as a socio-scientific issue. Cultural Studies of Science Education, 9(3), 599-632. DOI:10.1007/s11422-013-9500-0

Castro, R.S., Lima, M.E.C.C., & Paula, H. F. (2010). Formação de professores e compreensão pública das ciências: contribuições para a participação democrática. In Anais do VIII Jornada Latino americanas ESOCITE: Ciencia y Tecnología para la inclusión social (p.8). Buenos Aires, Argentina.

Christensen, C. K., & Fensham, P. J. (2012). Risk, uncertainty and complexity in science education. In Fraser, Barry J., Tobin, K. G., & McRobbie, C. J. (Eds.) Second International Handbook of Science Education (pp. 751-769). London: Springer.

Conselho Nacional de Educação. (1998). Parecer CEB número 15 de 1 jun. de 1998. Parâmetros Curriculares Nacionais. Relatora Conselheira Guiomar Namo de Mello; processo: 23001.0030. 72p.

Fensham, P. J. (2014). Skepticism and trust: Two counterpoint essentials in science education for complex socio-scientific issues. Cultural Studies of Science Education, 9(3), 649-661. DOI:10.1007/s11422-013-9560-1

Geraldi, J. W. (2012). Heterocientificidade nos estudos linguísticos. In GEGE – Grupo de estudos de gêneros (Ed.). Palavras e contrapalavras-Vol. IV (pp.19-39). São Carlos: Pedro & João Editores.

Irwin, A. (2009). Ciência cidadã: um estudo das pessoas, especialização e desenvolvimento sustentável. Lisboa: Instituto Piaget.

Latour, B. (2000). Ciência em ação: como seguir cientistas e engenheiros sociedade afora. São Paulo: editora UNESP.

Millar, R. (2003). Um currículo de Ciências voltado para a compreensão por todos. Revista Ensaio, 5(2), 73-91. DOI:10.1590/1983-21172003050206

Narasimhan, M. G. (2001). Controversy in science. Journal of Biosciences, 26(3), 299-304. Recuperado de http://www.ias.ac.in/article/fulltext/jbsc/026/03/0299-0304

Santos, M. E. V. M. (2004). Educação pela Ciência e educação sobre Ciência nos manuais escolares. Revista brasileira de Pesquisa em Educação de Ciências, 4(1), 76-89. Recuperado de https://seer.ufmg.br/index.php/rbpec/article/view/2299/1698

Silva, L. F., & Carvalho, L. M. A. (2008) Temática Ambiental e o Processo Educativo: o ensino de Física a partir de temas controversos. Ciência & Ensino, 1(Especial), 1-12. Recuperado de prc.ifsp.edu.br:3535/ojs/index.php/cienciaeensino/article/download/152/105




DOI: http://dx.doi.org/10.22600/1518-8795.ienci2018v23n1p79

Licença Creative Commons
Este obra está licenciado com uma Licença Creative Commons Atribuição-NãoComercial 4.0 Internacional.

Revista Investigações em Ensino de Ciências (IENCI) - ISSN: 1518-8795 

Creative Commons License