O PRINCÍPIO DA PRECAUÇÃO NO ENSINO DE CIÊNCIAS COMO POSSIBILIDADE PARA A PROMOÇÃO DE DISCUSSÕES SOCIOCIENTÍFICAS

Leila Cristina Aoyama Barbosa Souza, Carlos Alberto Marques, Adélio A. S. C. Machado

Resumo


Avaliar situações de risco e evitar impactos socioambientais oriundos da ciência e da tecnologia é o que fundamenta as abordagens precaucionárias. A fim de identificar como as produções acadêmicas da área de ensino de ciências vislumbram o Princípio da Precaução na educação, realizou-se um levantamento bibliográfico em periódicos brasileiros e internacionais da área. Observa-se a existência de trabalhos que destacam a importância de tal princípio na formação para a cidadania na educação científica. Entretanto, poucos são aqueles que aprofundam sobre o tema ou propõem modos de inseri-lo no ensino. Ao considerar estes aspectos, procuramos evidenciar maneiras de sua aplicação para a tomada de decisão em situações que apresentam incertezas científicas.


Palavras-chave


Princípio da Precaução; Incerteza científica; Alfabetização científica e tecnológica; Tomada de decisão participativa.

Texto completo:

PDF

Referências


Ashley, M. (2000). Science: an unreliable friend to environmental education?. Environmental Education Research, 6(3), 269-280. doi: 10.1080/713664678

Auler, D. (2011). Novos Caminhos para a Educação CTS: ampliando a participação. In Santos, W. L. P. dos, & Auler, D. (Orgs.), CTS e Educação Científica: desafios, tendências e resultados de pesquisa (pp. 73-98). Brasília, DF: Editora UnB.

Auler, D., & Delizoicov, D. (2001). Alfabetização científico-tecnológica para quê? Revista Ensaio: pesquisa em educação e ciências, 3(3), 01-13. Recuperado de http://www.portal.fae.ufmg.br/seer/index.php/ensaio/article/view/44/203

Barbosa, L. C. A., & Marques, C. A. (2013). O princípio da precaução como aporte teórico para a educação ambiental. In Atas do 7º Encontro Pesquisa em Educação Ambiental. Rio Claro, SP: UNESP. Recuperado de http://www.epea.tmp.br/epea2013_anais/ pdfs/plenary/0055-1.pdf

Brunet, S., Delvene, P., & Joris, G. (2011). O princípio da precaução como uma ferramenta estratégica para redesenhar a (sub) política: compreensão e perspectivas da ciência política de língua francesa. Sociologias, 13(26), 176-200. Recuperado de http://www.scielo.br/pdf/ soc/v13n26/08.pdf

Bryce, T. G. K., & Day, S. P. (2014). Scepticism and the science of global warming: a rejoinder. Cultural Studies of Science Education, 9(4), 1025-1037. doi: 10.1007/s11422-014-9651-7

Bryce, T.; & Gray, D. (2004) Tough acts to follow: the challenges to science teachers presented by biotechnological progress. International Journal of Science Education, 26(6). 717-733. doi: 10.1080/0950069032000138833

Cezar, F. G., & Abrantes, P. C. C. (2014). Princípio da precaução: considerações epistemológicas sobre o princípio e sua relação com o processo de análise de risco. Cadernos de Ciência & Tecnologia, 20(2), 225-262. Recuperado de http://seer.sct.embrapa.br/index.php/ cct/article/view/8743/4920

Colluci-Gray, L., Elena Camino, G.B., & Gray, D. (2006). From scientific literacy to sustainability literacy: an ecological framework for education. Science Education, 90(2), 227-252. doi: 10.1002/sce.20109

Delizoicov, D., & Auler, D. (2011). Ciência, tecnologia e formação social do espaço: questões sobre a não-neutralidade. Alexandria, 4(2), 247-273. Recuperado de https://periodicos.ufsc.br/index.php/alexandria/article/view/37690/ 28861

Delizoicov. D., Angotti, J. A., & Pernambuco, M. M. (2002). Ensino de ciências: fundamentos e métodos. São Paulo, SP: Cortez.

Dinan, F., & Bieron, J. F. (2001). To Spray or Not To Spray? A debate over DDT. Journal of College Science Teaching, 31(1), 32-36. Recuperado de http://sciencecases.lib.buffalo.edu/cs/files/ddt.pdf

Ewald, F. (2002). The return of Descartes’s malicious demon: an outline of a philosophy of precaution. In Bakert, T., & Simon, J. (Ogs.), Embracing risk: the changing culture of insurance and responsibility (pp. 273-301). Chicago, IL: University Chicago Press.

Fensham, P. J. (2014). Scepticism and trust: two counterpoint essentials in science education for complex socio-scientific issues. Cultural Studies of Science Education, 9(3), 649-661. doi: 10.1007/s11422-013-95600-1

Fernandes, L. O. (2009). Processo decisório do REACH: a nova política européia dos químicos. Ambiente & sociedade, 12(1), 189-202. Recuperado de http://www.scielo.br/pdf/asoc/ v12n1/v12n1a13.pdf

Firme, R. N.; & Amaral, E. M. R. (2008). Concepções de professores de química sobre ciência, tecnologia e sociedade e suas inter-relações: um estudo preliminar para o desenvolvimento de abordagens CTS em sala de aula. Ciência & Educação, 14(2), 251-269. Recuperado de https://dx.doi.org/10.1590/S1516-73132008000200005

Freire, P. (1979). Conscientização: teoria e prática da libertação. São Paulo, SP: Cortez & Moraes.

Freire, P. (1983). Extensão ou comunicação?. Rio de Janeiro, RJ: Paz e Terra.

Freire, P. (2005). Pedagogia do oprimido. São Paulo, SP: Paz e Terra.

Freire, P. (2006). Educação como prática da liberdade. Rio de Janeiro, RJ: Paz e Terra.

Gil Pérez, D., & Vilches, A. (2004). Compromisso por uma educação para a sustentabilidade. Caderno Brasileiro de Ensino de Física, 21(3), 411-412. Recuperado de https://periodicos.ufsc.br/index.php/fisica/article/download/6428/5944

Goklany, I. M. (2001). The precautionary principle: a critical appraisal of environmental risk assessment. Washington, DC: Cato Institute.

Harremoës, P., Gee, D., Macgarvin, M., Stiling, A., Keys, J., Wynne, B., & Vaz, S. G. (2001). Late lessons from early warnings: the precautionary principle, environmental issue - report n. 22. Copenhagen/Dinamarca: European Environment Agency.

Intergovernmental Panel on Climate Change. (2014). Summary for policymakers. In Field, C. B., Barros, V. R., Dokken, D. J., Mach, K. J., Mastrandrea, M. D., Bilir, T. E., … White, L.L. (Eds.), Climate Change 2014: Impacts, Adaptation, and Vulnerability. Part A: Global and Sectoral Aspects. Contribution of Working Group II to the Fifth Assessment Report of the Intergovernmental Panel on Climate Change (pp. 1-32). Cambridge, United Kingdom: Cambridge University Press.

Jacobson, M. Z., & Delucchi, M. A. (2011). Providing all global energy with wind, water, and solar power, Part I: Technologies, energy resources, quantities and areas of infrastructure, and materials. Energy Policy, 39(3), 1154-1169. doi: 10.1016/j.enpol.2010.11.040

Jesus, C. S. de, Böck, B. S., & Chrispino, A. (2014). A ciência reguladora e precaucionária na análise dos riscos tecnológicos. Alexandria, 7(2), 73-101. Recuperado de https://periodicos.ufsc.br/index.php/alexandria/article/view/38216/29120

Kaiser, M. (2004). Uncertainty and Precaution 2: the precautionary principle and its relevance to science. Global Bioethics, 17(1), 81-92. doi: 10.1080/11287462.2004.10800845

Kolstø, S. D. (2006). Patterns in students’ argumentation confronted with a risk-focused socio-scientific issue. International Journal of Science Education, 28(14), 1689-1716. doi: 10.1080/09500690600560878

Kolstø, S. D., Bungum, B., Arnesem, E., Isnes, A., Kristensen, T., Mathiassen, K., … Ulvik, M. (2006). Science students' critical examination of scientific information related to socioscientific issues. Science Education, 90(4), 632-655. doi: 10.1002/sce.20133

Lacey, H. (2006). O princípio de precaução e a autonomia da ciência. Scientia e Studia, 4(3), 373-392, 2006. Recuperado de http://www.scielo.br/pdf/ss/v4n3/a02v4n3.pdf

Layrargues, P. P. (1998). A cortina de fumaça: o discurso empresarial verde e a ideologia da racionalidade econômica. São Paulo, SP: Annablume.

Levinson, R., Kent, P., Pratt, D., Kapadia, R., & YoguiI, C. (2012). Risk-based decision making in a scientific issue: a study of teachers discussing a dilemma through a microworld. Science Education, 96(2), 212-233. doi: 10.1002/sce.21003

Marcelino, L. V., & Marques, C. A. (2013). O princípio da precaução no ensino de química para a regulação social da ciência e tecnologia. In Atas do 9º Encontro Nacional de Pesquisa em Educação em Ciências. Rio de Janeiro, RJ: ABRAPEC. Recuperado de http://www.nutes.ufrj.br/abrapec/ixenpec/atas/resumos/R0882-1.pdf

Marcelino, L. V., & Marques, C. A. (2014). Biotecnologia no ensino de química: discussão axiológica para a promoção do princípio da precaução. In Atas do 17º Encontro Nacional de Ensino de Química (pp. 69-80). São Paulo, SP: SBQ, 2014.

Martínez Pérez, L. F., & Fúquene, D. P. V. (Comps.). (2014). Unidades didácticas sobre cuestiones sociocientíficas: construcciones entre la escuela y la universidad. Bogotá, Colômbia: Colciencias; ALTERNACIENCIAS; Universidad Pedagógica Nacional.

Martínez Pérez, L. F., & Lozano, D. L. P. (2013a). La emergencia de las cuestiones sociocientíficas en el enfoque CTSA. Góndola, enseñanza y aprendiz de las ciencias, 8(1), 23-35. Recuperado de http://comunidad.udistrital.edu.co/geaf/files/2013/08/2013Vol8No1-003.pdf

Martínez Pérez, L. F., & Lozano, D. L. P. (2013b) Discurso ético y ambiental sobre cuestiones sociocientíficas: aportes para la formación del profesorado. Bogotá, Colômbia: Universidad Pedagógica Nacional.

Morris, J. (2000). Rethinking risk and the precautionary principle. Oxford, UK: Butterworth/ Heinemann.

Morris, J. (2002). The relationship between risk analysis and the precautionary principle. Toxicology, 181(182), 127-130. doi: 10.1016/S0300-483X(02)00268-8

O’Riordan, T., & Cameron, J. (1994). Interpreting the precautionary principle. London, England: Earthscan.

Organização das Nações Unidas. (1992). Declaração sobre meio ambiente e desenvolvimento. Conferência das Nações Unidas sobre Meio Ambiente e Desenvolvimento: Rio de Janeiro, RJ: Autor;

Parga, D., Mora, W., & Cárdenas, Y. (2014). Dimensión ambiental: una inclusión necesaria para la formación de profesores de química. Góndola, enseñanza y aprendizaje de las ciencias, 9(1), 38-46.

Recuperado de http://revistas.udistrital.edu.co/ojs/index.php/GDLA/article/viewFile/7310/9008

Pence, L.E., Greene, E., & Pence, H.E. (2010). Using a google jockey to enhance classroom discussion. Journal of Chemistry Education, 87(3), 254-255. doi: 10.1021/ed800105f

Praia, J.; Gil Pérez, D.; Vilches, A. (2007). O papel da natureza da ciência na educação para a cidadania. Ciência & Educação, 13(2), 141-156. Recuperado de http://www.scielo.br/pdf/ciedu/v13n2/v13n2a01.pdf

Ratcliffe, M., & Grace, M. (2003). Science Education for citizenship: teaching socioscientific issues. Philadelphia, USA: Open University Press.

Sadler, T. D. (2011). Socio-scientific Issues in the Classroom: Teaching, Learning and Research. London, England: Springer.

Sandin, P. (1999). Dimensions of the precautionary principle. Human and Ecological Risk Assessment, 5(5), 889-907. doi: 10.1080/10807039991289185

Santos, W. L. P. dos. (2008). Educação científica humanística em uma perspectiva freireana: resgatando a função do ensino de CTS. Alexandria, 1(1), 109-131. Recuperado de https://periodicos.ufsc.br/index.php/alexandria/article/view/37426/28747

Science and Environmental Health Network. (1998). Wingspread Statement on the Precautionary Principle. Wisconsin, USA: Author.

Séralini, G. e., Mesnage, E., Clair, E., Gress, S., Vendômois, J. S . de, & Cellier, D. (2011). Genetically modified crops safety assessments: present limits and possible improvements. Environmental Sciences Europe, 23(10). doi: 10.1186/2190-4715-23-10

Simonneaux, L. (2001). Role-play or debate to promote students' argumentation and justification on an issue in animal transgenesis. International Journal of Science Education, 23(9), 903-927. doi: 10.1080/09500690010016076

Simonneaux, L., Panissal, N., & Brossais, E. (2013). Students’ perception of risk about nanotechnology after an SAQ teaching strategy. International Journal of Science Education, 35(14), 2376-2406. doi: 10.1080/09500693.2011.635164

Souza, L. C. A. B. (2016). A problematização do Princípio da Precaução na formação do técnico agrícola: reflexões para o enfrentamento da racionalidade instrumental a partir de uma questão sociocientífica (Tese de doutorado. Programa de Pós-Graduação em Educação Científica e Tecnológica, Universidade Federal de Santa Catarina), Florianópolis, SC. Recuperado de http://tede.ufsc.br/teses/PECT0282-T.pdf

Tickner, J. A., & Raffensperger, C. (1998). The precautionary principle in action: a handbook. Windsor, North Dakota: Science and Environmental Health Network.

Vilches, A., & Gil Pérez, D. (2011). El Antropoceno como oportunidad para reorientar el comportamiento humano y construir un futuro sostenible. Revista Electrónica de Enseñanza de las Ciencias, 10(3), 394-419. Recuperado de http://reec.uvigo.es/volumenes/volumen10/REEC_ 10_3_1.pdf




DOI: http://dx.doi.org/10.22600/1518-8795.ienci2016v21n2p137

Licença Creative Commons
Este obra está licenciado com uma Licença Creative Commons Atribuição-NãoComercial 4.0 Internacional.

Revista Investigações em Ensino de Ciências (IENCI) - ISSN: 1518-8795 

Creative Commons License