FORMAÇÃO INICIAL DE PROFESSORES NO CURSO DE PEDAGOGIA PARA O ENSINO DE CIÊNCIAS: REPRESENTAÇÕES DOS SUJEITOS ENVOLVIDOS

Elocir Aparecida Corrêa Pires, Vilmar Malacarne

Resumo


Nessa pesquisa de cunho qualitativo, temos como proposta de discussão, o processo de formação inicial dos professores que atuam com o ensino de Ciências, em específico nos anos iniciais do Ensino Fundamental. O problema que se apresenta, a partir do objeto de investigação, é: Como tem ocorrido a formação de Pedagogos, tendo em vista sua preparação para atuar no processo de ensino e aprendizagem de Ciências nos anos iniciais do Ensino Fundamental? Tal processo formativo se configura em uma fase determinante para o desenvolvimento de habilidades que serão requeridas em sala de aula. Nessa perspectiva, buscou-se verificar se, na compreensão dos sujeitos envolvidos, nesse processo de formação inicial (professores da disciplina de Ciências, coordenadores dos cursos, orientadores do Estágio Supervisionado e graduandos), o curso de Pedagogia tem proporcionando conhecimentos para atuar com a disciplina de Ciências. Para refletir sobre a problemática de pesquisa elegeu-se, como cenário de investigação, o contexto de quatro instituições de ensino superior que ofertam o curso de pedagogia presencial, na cidade de Cascavel/PR. Com base na técnica da Análise de Conteúdo, realizou-se o tratamento e interpretação do material coletado por meio de entrevistas e aplicação de questionários. Os resultados da pesquisa apontam que o curso de Pedagogia contribui com conhecimento teóricos e prático-metodológicos para a atuação docente nos anos iniciais do Ensino Fundamental. Entretanto, em relação aos conhecimentos específicos, mantém-se na superficialidade, uma vez que, diante da pouca carga horária destinada à área, não consegue abarcar a amplitude dos conhecimentos relacionados aos conteúdos necessários para atuação desse profissional.

Palavras-chave


Formação docente; Curso de Pedagogia; Ensino de Ciências; anos iniciais do Ensino Fundamental

Texto completo:

PDF

Referências


Althaus, M. T. M. (2004). Ação didática no Ensino Superior: a docência em discussão. Revista Teoria e Prática da Educação, 7(1), 101-106. Recuperado de https://www1.ufrb.edu.br/nufordes/pedagogia-universitaria?download=11:acao-didatica-no-ensino-superior

Augusto, T. G. S., & Amaral, I. A. (2014). Concepções de professoras das séries iniciais, em formação em serviço, sobre a prática pedagógica em ciências. Investigações em Ensino de Ciências, 19(1), 163-176. Recuperado de http://www.if.ufrgs.br/ienci/artigos/Artigo_ID364/v19_n1_a2014.pdf

Andrade, C. S. (2008). Concepções de alunos do Curso de Pedagogia da UFRN acerca da Natureza da Ciência: subsídio para a formação de professores. (Dissertação de Mestrado, Universidade Federal do Rio Grande do Norte), Natal. Recuperado de https://repositorio.ufrn.br/jspui/handle/123456789/14285

André, M. E. D. A. et al. (2010). O trabalho docente do professor formador no contexto atual das reformas e das mudanças no mundo contemporâneo. Revista Brasileira de Estudos Pedagógicos, Brasília, 91(227), 122-143. DOI:10.24109/2176-6681.rbep.98i248

Bachelard, G. (1996). A formação do espírito científico. Rio de Janeiro: Contraponto.

Bardin, L. (2016). Análise do conteúdo. São Paulo: Edições 70.

Bastos, F., Nardi, R., Diniz, R. E. S., & Caldeira, A. M. A. (2004). Da necessidade de uma pluralidade de interpretações acerca do processo de ensino e aprendizagem de Ciências: revisitando os debates sobre Construtivismo. In Nardi, R., Bastos, F., & Diniz, R. E. S. (Eds.). Pesquisas em ensino de ciências: contribuições para a formação de professores (pp. 9-55.). São Paulo: Escrituras.

Becker F. (2012a). A epistemologia do professor: o cotidiano da sala de aula (15a ed.). Petrópolis: Vozes.

Becker, F. (2012b). Epistemologia do professor de Matemática. Petrópolis, RJ: Vozes.

Bizzo, N. M. V. (2007). Ciências: fácil ou difícil? São Paulo: Ática.

Brasil. (2006). Conselho Nacional de Educação. Resolução CNE/CP nº 12006. Institui as Diretrizes Curriculares Nacionais para o Curso de Graduação em Pedagogia, licenciatura. Diário Oficial da União, Brasília, 15 de maio de 2006. Recuperado de http://portal.mec.gov.br/cne/arquivos/pdf/rcp01_06.pdf

Brasil. (1999). Decreto Presidencial n° 3.276, de 6 de dezembro de 1999. Dispõe sobre a formação em nível superior de professores para atuar na educação básica. Diário Oficial da União, Brasília, 7 dez. Recuperado de http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/decreto/D3276.htm

Brasil. (1996). Lei nº 9.394/1996. Estabelece as Diretrizes e Bases da Educação Nacional. Diário Oficial da União, Brasília, DF, 24 dez. Recuperado de http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/leis/l9394.htm

Brasil. (1997). Ministério da Educação. Secretaria de Educação Fundamental. Parâmetros Curriculares Nacionais: Ciências 1º e 2º ciclo. Brasília: MEC/SEF. Recuperado de http://portal.mec.gov.br/seb/arquivos/pdf/livro01.pdf.

Briccia, V., & Carvalho, A. M. P. (2016). Competências e formação de docentes dos anos iniciais para a Educação Científica. Revista Ensaio, 18(1),1-22. DOI:10.1590/1983-21172016180103

Cascavel. (2015). Universidade do Município de Cascavel. Portal Altillo, Cascavel. Recuperado de http://www.altillo.com/pt/universidades/brasil/estado/municipio_pr_cascavel.asp

Cachapuz, A., Gil-Perez, D., Carvalho, A. M. P., Praia, J., & Vilches, A. (2011). A necessária renovação do ensino de das ciências (2a ed.). São Paulo: Cortez.

Cachapuz, A., Carvalho, A. M. P., & Gil-Perez, D. (2012). O Ensino de ciências como compromisso científico e social: os caminhos que percorremos. São Paulo: Cortez.

Carvalho, A. M. P. (1997). Ciências no ensino fundamental. Cadernos de Pesquisa, (101), 152-168. Recuperado de http://publicacoes.fcc.org.br/ojs/index.php/cp/article/viewFile/757/769

Carvalho, A. M. P. (2009). Critérios estruturantes para o ensino das ciências. In Carvalho, A. M. P. (Ed.) Ensino de ciências: unindo a pesquisa e a prática (pp. 1-20). São Paulo: Cengage Learning.

Carvalho, A. M. P. (2012). Os estágios nos cursos de licenciatura. São Paulo: Cengage Learning.

Carvalho, A. M. P., & Gil-Pérez, D. (2011). Formação de professores de ciências: tendências e inovações (10a ed.). São Paulo: Cortez.

Carvalho, C. R., & Grigole, J. A. G. (2006). A prática pedagógica dos professores das séries iniciais do ensino fundamental: uma reflexão sobre a construção dos saberes necessários para o exercício da docência. In Atas do II Seminário Internacional: fronteiras étnico-culturais e fronteiras da exclusão. Campo Grande. Recuperado de www.neppi.org/gera_anexo.php?id=487%20target=

Chassot, A. I. (2003). Alfabetização científica: uma possibilidade para a inclusão social. Revista Brasileira de Educação, Rio de Janeiro, (22), 98-100. DOI:10.1590/S1413-24782003000100009

Costa, R. N. M. (2000). Saber Ciências e saber ensinar Ciências: a escola, as professoras e a educação em ciências nas séries iniciais no ensino fundamental. Educação em Foco, 5(1), 131-142.

Delizoicov, D. (2004). Pesquisa em ensino de ciências como ciências humanas aplicadas. Cad. Bras. Ens. Fís, 21(2),145-175. DOI:10.5007/%25x

Delizoicov, N. C., Lopes, A. R. L. V., & Alves, B. D. (2005). Ciências Naturais nas Séries Iniciais: características e demandas no ensino de Ciências. In Atas do Encontro Nacional de Pesquisa em Educação em Ciências, 5, Bauru, SP. Recuperado de www.nutes.ufrj.br/abrapec/venpec/conteudo/artigos/3/doc/p348.doc

Delizoicov, D., & Angotti, J. A. (2000). Metodologia do Ensino de Ciências. São Paulo: Cortez.

Delizoicov, D., Angotti, J. A., & Pernambuco, M. M. (2011). Ensino de Ciências: fundamentos e métodos (4a ed.). São Paulo: Cortez.

Ducatti-Silva, K. C. (2005). A formação no curso de pedagogia para o ensino de ciências nas séries iniciais. (Dissertação de Mestrado, Universidade Estadual Paulista Júlio de Mesquita Filho), São Paulo. Recuperado de https://repositorio.unesp.br/handle/11449/91234

Fernandes, R.C.A., & Megid-Neto, J. (2015). Características e tendências das dissertações e teses brasileiras sobre práticas de ensino de ciências nos anos iniciais escolares (1972-2011). Revista Interacções, 11(39), 540-551. Recuperado de revistas.rcaap.pt/interaccoes/article/download/8757/6315

Franco, M. A. S., Libâneo, L. C., & Pimenta, S. G. (2007). Elementos para a formulação de diretrizes curriculares para cursos de pedagogia. Cadernos de Pesquisa, 37(130), 63- 97.DOI:10.1590/S0100-15742007000100005

Franco, M. L. P. B (2008). Análise de Conteúdo (3a ed). Brasília: Liber Livro Editora.

Gatti, B. A., & Barreto, E. S. S. (Orgs.). (2009). Professores do Brasil: impasses e desafios. Brasília: UNESCO.

Gil-Pérez, D., Fernández M. I., Carrascosa, A. J., Cachapuz, A., & Praia, J. (2001). Para uma imagem não deformada do trabalho científico. Ciência & Educação, Bauru, 7(2), 125-153. DOI:10.1590/S1516-73132001000200001

Hamburger, E. W. (2007). Alguns apontamentos sobre o ensino de Ciências nas séries escolares iniciais. Estudos Avançados, 21(60), 93-104. DOI:10.1590/S0103-40142007000200007

ISAIA, Silvia. M. A. (2007). Aprendizagem docente como articuladora da formação e do desenvolvimento profissional dos professores da Educação Superior. In Engers, M. E., Morosini, M. (Orgs.). Pedagogia Universitária e Aprendizagem (pp. 153-165). Porto Alegre: EDIPUCRS.

Libâneo, J. C. (2002). Ainda as perguntas: o que é pedagogia, quem é o pedagogo, o que deve ser o curso de Pedagogia. In Pimenta, S. G. Pedagogia e Pedagogos: caminhos e perspectivas (pp. 59-97). São Paulo: Cortez.

Libâneo, J. C. (2006). Diretrizes curriculares da pedagogia: imprecisões teóricas e concepção estreita da formação profissional de educadores. Educão e Sociendade, 27(96), 843-876. DOI:10.1590/S0101-73302006000300011

Libâneo, J. C. (2010). O ensino da didática, das metodologias especificas e dos conteúdos do ensino fundamental nos currículos dos cursos de Pedagogia. Revista Brasileira de Estudos Pedagógicos, 91(229), 562-583. DOI:10.24109/2176-6681.rbep.91i229.630

Libâneo, J. C., & Pimenta, S. G. (2002). Formação dos profissionais da educação: visão crítica e perspectiva de mudança. In Pimenta, S. G. (Ed.) Pedagogia e Pedagogos: caminhos e perspectivas (pp. 11-58). São Paulo: Cortez.

Mello, G. N. (2000). Formação inicial de professores para Educação Básica: uma (re)visão radical. São Paulo em Perspectiva,14(1), 98-110. DOI:10.1590/S0102-88392000000100012

McNeill, K. L. (2011). Elementary students’ view of explanation, argumentation, and evidence, and their abilities to construct arguments over the school year. The Journal of Reasearch in Science Teaching, 47(4), 474-496. DOI:10.1002/tea.20430

Menezes, L. C. (1996). Formação Continuada de Professores de Ciências no Contexto Íbero-Americano. Campinas: Autores Associados.

Mizukami, M. G. N., Reali, A. W. M. R., & Reyes, C. R. (2003). Escola e aprendizagem da docência: processos de investigação e formação. São Carlos: EDUFSCAR.

Oliveira, C. B., Gonzaga, A. M. (2012). Professor pesquisador-Educação científica: o estagiário com pesquisa na formação de professores para os anos iniciais. Ciência & Educação,18(3), 689-702. DOI:10.1590/S1516-73132012000300013

Ovigle, D. F. B., & Bertucci, M. C. S. (2009). O ensino de ciências nas series iniciais e a formação do professor nas instituições públicas paulistas. Revista Brasileira de Ensino de Ciência e Tecnologia, 2(2), 194-209. DOI:10.3895/S1982-873X2009000200007

Pimenta, S. G. (2006). O estágio na formação de professores: unidade teoria e prática (7a ed.). São Paulo: Cortez.

Pimenta, S. G., & Lima, M. S. L. (2010). Estágio e Docência (6a ed.). São Paulo: Cortez.

Pimenta, S. G., Fusari, J. C., Pedroso, C. C. A., & Pinto, U. A. (2017). Os cursos de licenciatura em Pedagogia: fragilidades na formação inicial do professor polivalente. Educação e Pesquisa, São Paulo, 43(1), 15-30. DOI:10.1590/s1517-9702201701152815

Pinheiro, G. C. G., & Romanowski, J. P. (2008). O estágio curricular na formação de professores do curso Normal Superior: dilemas e possibilidades. In Atas do VIII Congresso Nacional de Educação - EDUCERE _ III Congresso Ibero-Americano sobre Violências nas Escolas. Curitiba/PR. Recuperado de educere.bruc.com.br/arquivo/pdf2008/630_820.pdf

Ponte, J. P. (2012). Estudando o conhecimento e o desenvolvimento profissional do professor de Matemática. In Planas, N. (Ed.). Teoria, crítica y prática dela Educacion Matemática (pp. 83-98). Barcelona: Grao.

Porlán, R., & Toscano, J. T. (2000). El saber práctico de los profesores especialistas: aportaciones desde las didácticas específicas. In Marília, C. M. (Eds.). Em Professor do Ensino Superior: identidade, docência e formação (pp. 35-42). Brasília: Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais.

Praia, J. F., Cachapuz, A. F. C., & Gil-Pérez, D. (2002). A hipótese e a experiência científica em educação em ciência: contributos para uma reorientação epistemológica. Ciência & Educação, 8(2), 253-262. DOI:10.1590/S1516-73132002000200009

Rocha, M. B. (2013). A formação dos saberes sobre ciências e seu ensino: trajetórias de professores dos anos iniciais do Ensino Fundamental. (Tese de Doutorado em Educação, Universidade Estadual de Campinas), São Paulo. Recuperado de repositorio.unicamp.br/bitstream/REPOSIP/251138/1/Rocha_MainaBertagna_D.pdf

Romanowski, J. P. (2006). Formação e profissionalização docente. Curitiba: IBEPEX.

Sasseron, L. H. (2015). Alfabetização Científica, Ensino de Ciências e Argumentação: Relações entre Ciências da Natureza e Escola. Revista Ensaio, 17(Especial), 49-67. DOI:10.1590/1983-2117201517s04

Schön, D. A. (1995). Formar professores como profissionais reflexivos. In Novoa, A. (Eds.). Os professores e a sua formação (2a. ed.) (pp. 79-91). Lisboa: Dom Quixote.

Schnetzler, R. P. (2002). A pesquisa em ensino de química no brasil: conquistas e perspectivas. Química Nova, 25(1), 14-24. DOI:10.1590/S0100-40422002000800004

Schwartzman, S., & Christophe, M. (2009). A educação em Ciências no Brasil. Instituto de Estudos do Trabalho e Sociedade, Rio de Janeiro: Academia Brasileira de Ciências. Recuperado de https://www.abc.org.br/IMG/pdf/doc-210.pdf

Silva, A. F. A. (2006). Ensino e aprendizagem de Ciências nas séries iniciais do Ensino Fundamental: concepções de um grupo de professores em formação. (Dissertação de Mestrado, Universidade de São Paulo), São Paulo. Recuperado de http://www.teses.usp.br/teses/disponiveis/81/81132/tde-29092015-145747/pt-br.php

Silva, V. S. (2014). A formação de pedagogos para o ensino de ciências nos anos iniciais. Dissertação (Mestrado em Educação, Universidade Estadual do Oeste do Paraná), Paraná. Recuperado de http://tede.unioeste.br/handle/tede/902

Souza, A. L. S., & Chapani, D. T. (2015). Concepções de ciência de um grupo de licenciandas em Pedagogia e suas relações com o processo formativo. Ciência & Educação, 21(4), 945-957. Recuperado de DOI:10.1590/1516-731320150040010

Terrazan, E. A. (2003). Necessidades e perspectivas para os novos estágios curriculares na formação de professores: primeiras aproximações. In Selles S. E., & Ferreira, M. S. (Eds.). Formação docente em ciências: memórias e práticas (p.77-92). Niterói: Eduff.

Zeichner, K. M. (1993). A formação reflexiva de professores: ideias e práticas. Lisboa: Educa.

Viecheneski., J. P., & Carletto, M. R. (2013). Iniciação à alfabetização científica nos anos iniciais: contribuições de uma sequência didática. Investigações em Ensino de Ciências, 18(3), 525-543. Recuperado de http://www.if.ufrgs.br/ienci/artigos/Artigo_ID341/v18_n3_a2013.pdf




DOI: http://dx.doi.org/10.22600/1518-8795.ienci2018v23n1p56

Licença Creative Commons
Este obra está licenciado com uma Licença Creative Commons Atribuição-NãoComercial 4.0 Internacional.

Revista Investigações em Ensino de Ciências (IENCI) - ISSN: 1518-8795 

Creative Commons License