DA INSTANTIA CRUCIS AO EXPERIMENTO CRUCIAL: DIFERENTES PERSPECTIVAS NA FILOSOFIA E NA CIÊNCIA

Anabel Cardoso Raicik, Luiz de Quadro Peduzzi, José André Peres Angotti

Resumo


A existência e o significado dos experimentos cruciais são questões que não ostentam consenso na ciência e na filosofia da ciência. Duhem, Popper e Lakatos, por exemplo, apresentam posicionamentos antagônicos entre si e, inclusive, em relação à ideia de instantia crucis explicitada por Francis Bacon no Novum Organum. Este artigo visa resgatar a definição baconiana, reconhecendo que ela faz parte de uma postura filosófica distinta das teses contemporâneas, e discutir algumas concepções de experimento crucial tanto por filósofos da ciência, quanto por alguns estudiosos, como Newton.  Ainda, apontar algumas reflexões para o ensino de ciências.

Palavras-chave


Experimentos cruciais; Instantia crucis; Francis Bacon; Filósofos da Ciência.

Texto completo:

PDF

Referências


Amaro, A. J. G. (2009). A crítica de Pierre Duhem ao experimento crucial. (Dissertação de Mestrado, Universidade São Judas Tadeu), São Paulo. Recuperado de https://www.usjt.br/biblioteca/mono_disser/mono_diss/114.pdf

Andrade, J. A. (1979). Tradução e notas. In Bacon, F. Novum Organum ou verdadeiras indicações acerca da interpretação da natureza; Nova Atlântica. São Paulo: Abril Cultural.

Arteaga, E. G. G. (2011). Las prácticas experimentales en los textos y su influencia en el aprendizaje: Aporte Histórico y filosófico en la física de campos. (Tese de doutorado, Universidade Autonoma de Barcelona), Barcelona.

Assis, A. T. (2002). Óptica: tradução, introdução e notas. São Paulo: Editora da Universidade de São Paulo.

Bacon, F. (1882). Of the dignity and advancement of learning, books IV-IX. In Spedding, J., Ellis, R. L., & Heath, D. D. (Ed.).The Works of Francis Bacon (13-345). Boston: Houghton, Mifflin and Company.

Bacon, F. (1979). Novum Organum ou verdadeiras indicações acerca da interpretação da natureza; Nova Atlântica. São Paulo: Abril Cultural.

Boyle, R. (1662). A defence of the doctrine touching the spring and weight of the air. London: Printed by F.G. for Thomas Robinson.

Brasil (2014). Guia de livros didáticos: PNLD 2015; física: ensino médio. Brasília: Ministério da Educação, Secretaria de Educação Básica.

Carrilho, M. M. (1994). A filosofia das ciências de Bacon a Feyerabend. Lisboa: Editorial Presença.

Carmo, L. A., Medeiros, A., & Medeiros, C. F. (2000). Distorções conceituais em imagens de livros textos: o caso do experimento de Joule com o calorímetro de pás. In Atas do VII Encontro de Pesquisadores em Ensino de Física. Florianópolis, SC, Brasil. Recuperado de https://www.if.ufrgs.br/~lang/Textos/AlexMed/Exp_Joule.pdf

Cassini, A. (2015). Una reivindicación de los experimentos cruciales. Revista de Filosofia, 40(1), 105-137. Recuperado de http://revistas.ucm.es/index.php/RESF/article/view/48442/45285

Cohen, I. B., & Westfall, R. S. (2002). Newton: textos, antecedentes, comentários. Rio de Janeiro: Contraponto EDUERJ.

Cupani, A., & Pietrocola, M. (2002). A relevância da epistemologia de Mario Bunge para o ensino de ciências. Caderno Brasileiro de Ensino de Física, 19(número especial), 100-125. DOI:10.5007/%25x

Duhem, P. (2014). A teoria física: seu objeto e sua estrutura. Rio de Janeiro: EdUERJ.

Duhem, P. (1984). Teoria física y experimento. Teorema, 14(3),547- 582. Recuperado de https://dialnet.unirioja.es/descarga/articulo/2043808.pdf

Dumitru, C. (2013). Crucial Instances and Crucial Experiments in Bacon, Boyle, and Hooke. Society and Politics, 7(1), 45-61. Recuperado de http://socpol.uvvg.ro/docs/2013-1/3.%20Claudia%20Dumitru.pdf

Franklin, A. (1986). The neglect of experiment. New York: Cambridge University Press.

Galvão, M. S., Santos, L. A., & Barbosa, J. P. C. (2016). Demonstrações por redução ao absurdo no volume I do Elementos e Euclides. Educação Matemática na Contemporaneidade: desafios e possibilidades. In Atas do ENEM. São Paulo, SP, Brasil. Recuperado de http://www.sbem.com.br/enem2016/anais/pdf/7002_3030_ID.pdf

Georgescu, L. (2011). A new form of knowledge: Experientia Literata. Society and Politic, 5(2), 104-120. Recuperado de http://journaldatabase.info/articles/new_form_knowledge_experientia.html

Georgescu, L., & Giurgea, M. (2012). Redefining the Role of Experiment in Bacon’s Natural History: How Baconian was Descartes before Emerging from His Cocoon? Early Science and Medicine, 17(1-2), 158-180. DOI:10.1163/157338212X631828

Giglioni, G. (2013). Learning to Read Nature: Francis Bacon's Notion of Experiential Literacy {Experientía Literata} Earty Science and Medicine, 18(4-5), 405-434. DOI:10.1163/15733823-1845P0005

Gooding, D. C. (2000). Experiment. In Newton-Smith, W.H. (Ed.).A companion to the philosophy of science (pp. 117-126). USA: Blackwell Companions to Philosophy.

Granés, J. S. (2001). La gramática de una controversia cientifica: El debate alrededor de la teoria de Newton sobre los colores de la luz. Colombia: Editorial Unibiblos.

Granés, J. S. (2005). Isaac Newton: Obra y Contexto una Introducción. Bogotá: Universidad Nacional de Colombia, Facultad de Ciencias.

Hacking, I. (1988). Philosophers of Experiment. PSA: The Philosophy of Science Association, 2(1988), 147-156. DOI:10.1086/psaprocbienmeetp.1988.2.192879

Hacking, I. (2012). Representar e Intervir: tópicos introdutórios de filosofia da ciência natural. Rio de Janeiro: EdUERJ.

Hodson, D. (1988). Experiments in science and science teaching. Educational Philosophy and Theory, 20(2), 53-66. DOI:10.1111/j.1469-5812.1988.tb00144.x

Hooke, R. (1665). Micrographia: or some physiological descriptions of minute bodies made by magnifying glasses. London: J. Martyn and J. Allestry.

Horton, M. (1973). In defence of Francis Bacon: a criticism of the critics of the inductive method. Stud. Hist. Phil. Sci., 4(3), 241- 278. DOI:10.1016/0039-3681(73)90010-1

Jalobeanu, D. (2011). Core experiments, natural histories and the art of experientia literata: the meaning of baconian experimentation. Society and Politics, 5(2), 88-103. Recuperado de http://socpol.uvvg.ro/index.php?option=com_content&view=article&id=82&Itemid=94

Jalobeanu, D. (2013). Learning from experiment: classification, Concept formation and modeling in Francis Bacon’s experimental philosophy. Rev. Roum. Philosophie, 57(2), 75–93. Recuperado de http://philsci-archive.pitt.edu/10882/

Jalobeanu, D. (2016). Diciplining Experience: Francis Bacon’s experimental series and the art of experimenting. Perspectives on Science, 24(3), 324-342. DOI:10.1162/POSC_a_00209

Kipnis, N. (2001). Scientific controversies in teaching science: the case of Volta. Science & Education, 10, 33-49, 2001. DOI:10.1023/A%3A1008760521211

Kitcher, P. (2000). Patterns of scientific controversies. In Machamer, P. Peram M., & Baltas, A. (Ed.). Scientific Controversies: Philosophical and Historical Perspectives (pp. 3-17). New York: Oxford University Press.

Kuhn, T. S. (2011). A tensão essencial: estudos selecionados sobre tradição e mudança científica. São Paulo: Unesp.

Lakatos, I. (1987). Matemáticas, ciencia y epistemologia. Madrid: Alianza Editorial.

Lakatos, I. (1979). O falseamento e a metodologia dos programas de pesquisa científica. In Lakatos, I., & Musgrave, A. (Ed.). A crítica e o desenvolvimento do conhecimento (pp. 109-243). São Paulo: Editora Cultrix.

Lakatos, I. (1978). Falsificação e metodologia dos programas de investigação científica. Portugal: Edições 70.

Lakatos, I. (1974). The role of crucial experiments in science. Studies in History and Philosophy of Science, 4(4), 344-355. DOI:10.1016/0039-3681(74)90007-7

Levinas, M. L., & Carretero, M. (2010). Conceptual Change, Crucial Experiments and Auxilliary Hypotheses. Integr Psych Behav, 44(4), 288-298. DOI:10.1007/s12124-010-9139-2

Newton, I. (1672). A letter of Mr. Isaac Newton, professor of the Mathematicks in the University of Cambridge; containing his new theory about light and colours; sent by the author to the publisher from Cambridge, Febr. 6. 1671/72; in order to be communicated to the R. Society‟, Philosophical Transactions of the Royal Society, 6(80), 3075-3087. Recuperado de http://www.newtonproject.ox.ac.uk/view/texts/normalized/NATP00006

Newton, I. (2002). Óptica. São Paulo: Editora da Universidade de São Paulo.

Niaz, M. (2010). Science curriculum and teacher education: The role of presuppositions, contradictions, controversies and speculations vs Kuhn's ‘normal Science. Teaching and Teacher Education, 26(4), 891-899. DOI:10.1016/j.tate.2009.10.028

Nickels, U. T. (1999). Ciencia y Pseudociencia en Lakatos: La falsación del falsacionismo y la problemática de la demarcación. Cinta Moebio, 5, 51-60. Recuperado de http://www.cintademoebio.uchile.cl/index.php/CDM/article/viewFile/26441/27734

Oliva, A. (2007). Há falibilismo em Bacon e Popper não reconhece isso. Manuscrito – Rev. Int. Fil., 30(1) 135-184. Recuperado de https://periodicos.sbu.unicamp.br/ojs/index.php/manuscrito/article/view/8643514/11015

Freire Jr., O. (2013). Filosofia da ciência e controvérsia científica: um leque de concepções físicas e interpretações filosóficas da física quântica. ScientiaeStudia, 11(4), 959-962. Recuperado de http://www.scielo.br/pdf/ss/v11n4/v11n4a11.pdf

Oliveira, B. J. (2010). Francis Bacon e a fundamentação da ciência como tecnologia. Belo Horizonte: Editora UFMG.

Paixão, M. F. C. S (2003). História e Filosofia da Ciência: Construir uma Nova Imagem da Ciência na Formação de Professores. Castelo Branco: Instituto Politécnico de Castelo Branco.

Peduzzi, L. O. Q. (2015). A relatividade einsteiniana: uma abordagem conceitual e epistemológica. Florianópolis: publicação interna. Recuperado de http://media.wix.com/ugd/7d71af_5d8925828479433eb694a14a8f294449.pdf

Peduzzi, L. O., & Raicik, A. C. (2017). Sobre a natureza da ciência: asserções comentadas para uma articulação com a história da ciência. Florianópolis: Universidade Federal de Santa Catarina. Recuperado de www.evolucaodosconceitosdafisica.ufsc.br

Peres, P. S. (2002). Epistemologia sem sujeito: a filosofia da ciência proposta por Karl Popper. Universidade de São Paulo. Recuperado de https://works.bepress.com/pauloperes/13/

Popper, K. R. (1959). A lógica da pesquisa científica. São Paulo: Editora Cultrix.

Popper, K. R. (1982). Conjecturas e Refutações. Brasília: Editora Universidade de Brasília.

Raicik, A. C., & Peduzzi, L. O. Q. (2015). Uma discussão acerca dos contextos da descoberta e da justificativa: a dinâmica entre hipótese e experimentação na ciência. Revista Brasileira de História da Ciência, 8(1), 132-146. Recuperado de www.sbhc.org.br/arquivo/download?ID_ARQUIVO=1991

Raicik, A. C. (2015). Experimentos exploratórios: os contextos da descoberta e da justificativa nos trabalhos de Gray e Du Fay. (Dissertação de Mestrado, Universidade Federal de Santa Catarina), Florianópolis. Recuperado de https://repositorio.ufsc.br/handle/123456789/134938

Raicik, A. C., & Peduzzi, L. O. Q. (2016). Experimentos exploratórios e novos caminhos para reflexões epistemológicas da experimentação: revisitando considerações baconianas. In Atas do 15º Seminário Nacional de História da Ciência e da Tecnologia. Florianópolis, SC, Brasil. Recuperado de http://www.15snhct.sbhc.org.br/resources/anais/12/1473603574_ARQUIVO_artigo15snhc,2016.pdf

Raicik, A. C., Peduzzi, L. O. Q., & Angotti, J. A. P. (2017). Francis Bacon e a chama apagada na ciência: a experientia literata. In Atas do XI Encontro Nacional de Pesquisa em Educação em Ciências. Florianópolis, SC, Brasil. Recuperado de http://www.abrapecnet.org.br/enpec/xi-enpec/anais/resumos/R0915-1.pdf

Reichenbach, H. (1938). Experience and Prediction: An Analysis of the Foundations and the Structure of Knowledge. Chicago: University of Chicago Press.

Ribeiro, J. F. P. (2005). Domina Aeris ou qual é mais ilustre se a leveza ou a gravidade (Dissertação de Mestrado, Universidade São Judas Tadeu), São Paulo. Recuperado de http://www.usjt.br/biblioteca/mono_disser/mono_diss/025.pdf

Rufatto, C. A., & Carneiro, M. C. (2009). A concepção de ciência de Popper e o ensino de ciências. Ciência & Educação, 15(2), 269-89. DOI:10.1590/S1516-73132009000200003

Sargent, R. M. (1989). Scientific Experiment and Legal Expertise: The Way of Experience In Seventeenth-Century England. Studies in History and Philosophy of Science, 20(1), 19-45. DOI:10.1016/0039-3681(89)90032-0

Schmiedecke, W. G., & Porto, P. A. (2015). A história da ciência e a divulgação científica na TV: subsídios teóricos para uma abordagem crítica dessa aproximação no ensino de ciências. Revista Brasileira de Pesquisa em Educação em Ciências, 15(2), 627-643. Recuperado de https://seer.ufmg.br/index.php/rbpec/article/viewFile/2536/1937

Silva, B. V. C. (2010). A Natureza da Ciência pelos alunos do ensino médio: um estudo exploratório. Lat. Am. J. Phys. Educ., 4(3), 670-677. Recuperado de http://www.educadores.diaadia.pr.gov.br/arquivos/File/2010/artigos_teses/fisica/artigos/Natureza_da_ciencia_boniek.pdf

Silva, F. M. S. (2008). Sobre a indução em Francis Bacon. Revista Urutágua: revista acadêmica interdisciplinar, (14), 1-17. Recuperado de http://www.urutagua.uem.br/014/14silva_fernando.html

Silva, C. C., & Martins, R. A. (1996). A Nova teoria sobre luz e cores de Isaac Newton: uma tradução comentada. Revista Brasileira de Ensino de Física, 18(4), 313-27. Recuperado de http://www.sbfisica.org.br/rbef/pdf/v18a33.pdf

Silveira, F. L. (1996). A metodologia dos programas de pesquisa: a epistemologia de Imre Lakatos. Caderno Catarinense de Ensino de Física, 13(3), 219-230. DOI:10.5007/%25x

Steinle, F. (2002). Experiments in History and Philosophy of Science. Perspectives on Science, 10(4), 408- 432. DOI:10.1162/106361402322288048

Weeks, S. (2008). The role of mechanics in Francis Bacon’s great instauration. In Zittel, C., et al (Eds.). Philosophies of technology: Francis Bacon and his contemporaries (pp. 133-196). Leiden-Boston: Brill.

Westfall, R. S. (1962). The Development of Newton's Theory of Color. Isis, 53(3), 339-358. DOI:10.1086/349596

Zempler, G. A., & Demeter, T. (2010). Being Charitable to Scientific Controversies. The Monist, 93(4), 640-656. DOI:10.5840/monist201093436




DOI: http://dx.doi.org/10.22600/1518-8795.ienci2017v22n3p192

Licença Creative Commons
Este obra está licenciado com uma Licença Creative Commons Atribuição-NãoComercial 4.0 Internacional.

Revista Investigações em Ensino de Ciências (IENCI) - ISSN: 1518-8795 

Creative Commons License