PERFIL METACOGNITIVO (PARTE I): UMA PROPOSTA DE INSTRUMENTO DE ANÁLISE

Marinez Meneghello Passos, Nancy Nazareth Gatzke Corrêa, Sérgio de Mello Arruda

Resumo


Neste artigo apresentamos os resultados de uma investigação que procurou elaborar, por meio de evidências presentes nos textos de Flavell, Brown e seus colaboradores e em entrevistas realizadas com alunos de Ensino Médio, um instrumento de análise que permite traçar perfis metacognitivos. O instrumento é constituído por quinze categorias que emergiram a partir dos procedimentos da Análise Textual Discursiva. As categorias são as seguintes: especificidade do conhecimento; associativa; contextual; estratagema; constatação; processo cognitivo; memorização; experimentos escolares; sentimento de entendimento; interesse; emoções confortáveis; emoções desconfortáveis; comparação com o outro; necessidade do outro; relação com o mundo. O instrumento é utilizado, em um segundo artigo complementar a este, para interpretar os relatos de sete estudantes do Ensino Médio, permitindo evidenciar o perfil metacognitivo de cada um deles.


Palavras-chave


Ensino de Física; Metacognição; Análise Textual Discursiva; Perfil metacognitivo

Texto completo:

PDF

Referências


Andretta, I., Silva, J. G. da, Susin, N., & Freire, S. D. (2010). Metacognição e Aprendizagem: como se relacionam? Psico, 41(1), 7-13.

Azevedo, R., & Aleven, V. A. W. M. M. (2013). International handbook of metacognition and learning technologies. Amsterdam: Springer.

Baker, E. (2010). Metacognition. In Peterson, P., Baker, E., & McGaw, B. (Orgs.). International Encyclopedia of Education. (3a ed.). (pp. 204-210). Oxford: Elsevier.

Bardin, L. (2004). Análise de conteúdo. (3a ed.). Lisboa: Edições 70.

Bata, I. F., & Matos, R. S. (2015). Possíveis soluções para a problemática do ensino de Física: metacognição, artefatos experimentais e simulações computacionais. Estação Científica, 4(2), 75-83.

Brown, A. L. (1977). Theories of memory and the problems of development: activity, growth, and knowledge. Center for the Study of Reading Technical Report, n.051. Recuperado de https://www.ideals.illinois.edu/bitstream/handle/2142/17798/ctrstreadtechrepv01977i00051_opt.pdf

Brown, A. L., Bransford, J. D., Ferrara, R., & Campione, J. (1982). Learning, remembering and understanding. Technical Report, n.244. Recuperado de https://www.ideals.illinois.edu/bitstream/handle/2142/17511/ctrstreadtechrepv01982i00244_opt.pdf

Brown, A. L., & Smiley, S. S. (1978). The development of strategies for studying texts. Child Development, 49(4), 1076-1088. DOI:10.2307/1128747

Coelho, S. M., Rodríguez, C. R., Ghisolfi, E. S., & Rego, F. A. do. (2012). Um exemplo prático de atividades metacognitivas aplicadas na formação de professores de física com base na pesquisa didática. Caderno Brasileiro de Ensino de Física, 29(3),1108-1120. DOI:10.5007/2175-7941.2012v29n3p1108

Corrêa, N. N. G. (2017). Percepções e reflexões de estudantes de Ensino Médio no processo metacognitivo da aprendizagem em Física. (Dissertação de Mestrado. Programa de Pós-graduação em Ensino de Ciências e Educação Matemática, Universidade Estadual de Londrina), Londrina).

Corso, H. V., Sperb, T. M., Jou, G. I. De, & Salles, J. F. (2013). Metacognição e funções executivas: relações entre os conceitos e implicações para a aprendizagem. Psicologia: teoria e pesquisa, 29(1), 21-29. DOI:10.1590/S0102-37722013000100004

Davis, C., Nunes, M. M. R., & Nunes, C. A. A. (2005). Metacognição e sucesso escolar: articulando teoria e prática. Cadernos de Pesquisa, 35(125), 205-230. DOI:10.1590/S0100-15742005000200011

Efklides, A. (2006). Metacognition and affect: What can metacognitive experiences tell us about the learning process? Educational Research Review,1(1), 3-14. DOI:10.1016/j.edurev.2005.11.001

Ertmer, P. A., & Newby, T. J. (1996). The expert learner: strategic, self-regulated, and reflective. Instructional Science, 24(1),1-24. DOI:10.1007/BF00156001

Flavell, J. H. (1971). First discussant’s comments: what is memory development the development of? Human Development,14, 272-278. DOI:10.1159/000271221

Flavell, J. H. (1976). Metacognitive aspects of problem solving. In: Resnick, L. B. (Org.). The nature of intelligence. (pp.231-236). Hillsdale, New Jersey: Lawrence Erlbaum Associates.

Flavell, J. H. (1979). Metacognition and cognitive monitoring: a new area of cognitive-developmental inquiry. American psychologist, 34(10), 906-911.

Flavell, J. H. (1987). Speculations about the nature and development of metacognition. In F. Weinert; R. Kluwe (Orgs.). Metacognition, motivation, and understanding. (pp.21-29). New Jersey: Lawrence Erlbaum Associates.

Flavell, J. H., & Wellman, H. M. (1977). Metamemory. Nota: Documento apresentado na Reunião Anual da American Psychological Association.

Grendene, M. V. C. (2007). Metacognição: uma teoria em busca de validação. (Dissertação de Mestrado. Programa de Pós-Graduação em Psicologia. Pontifícia Universidade Católica do Rio Grande do Sul), Porto. Aligre. Recuperado de http://repositorio.pucrs.br/dspace/bitstream/10923/4870/1/000390151-Texto%2bCompleto-0.pdf

Hartman, H. J. (2001). Metacognition in learning and instruction: theory, research and practice. Springer Science & Business media.

Jones, B. F., & Idol, L. (1990). Dimension of thinking and cognitive instruction. How metacognition can promote academic learning and instruction. (pp.15-51). Hillsdale: Laurence Erlbaum,.

Maturano, C. I., Macías, A., & Soliveres, M. A. (2002). Estrategias cognitivas y metacognitivas en la comprensión de un texto de Ciencias. Enseñanza de las Ciencias, 20(3), 415-425.

Mayor, J., Suengas, A., & Marqués, J. G. (1995). Estratégias metacognitivas: aprender a aprender y aprender a pensar. Madrid: Editorial Síntesis.

Moraes, R., & Galiazzi, M. C. (2011). Análise textual discursiva. Ijuí: Unijuí.

Neto, A. J. (1991). Factores psicológicos de insucesso na resolução de problemas de física: una amostra significativa. Enseñanza de las Ciencias, 9(3), 275-280.

Peixoto, M., Silva, M. A., & Rocha, C. C. (2010). Aprendizagem e metacognição no ensino de metodologia científica. Ensaio Pesquisa em Educação em Ciências,12(1),1-11.

Pereira, M. M., Abib, M. L. V. S. (2016). Afetividade e metacognição em percepções de estudantes sobre sua aprendizagem em Física. Ensaio: Pesquisa em Educação em Ciências, 18(1),107-122. DOI:10.1590/1983-21172016180106

Pereira, M. M., & Andrade, V. A. (2012). Autoavaliação como estratégia para o desenvolvimento da metacognição em aulas de ciências. Investigações em Ensino de Ciências, 17(3), 663-674.

Peteranetz, M. S. (2014). Fostering Metacognition in the Middle School Classroom: An Exploration of Teachers’ Practices. University of Nebraska-Lincoln. Public Access Theses and Dissertations from the College of Education and Human Sciences.

Ribeiro, C. (2003). Metacognição: um apoio ao processo de aprendizagem. Psicologia: reflexão e crítica,16(1),109-116. DOI:10.1590/S0102-79722003000100011

Rosa, C. T. W. (2014). Metacognição no ensino de Física: da concepção à aplicação. Passo Fundo: UPF Editora.

Rosa, C. T. W., Darroz, L. M., & Rosa, A. B. (2013). A ação didática como ativadora do pensamento metacognitivo: a análise de um episódio fictício no ensino de física. Alexandria: Revista de Educação em Ciência e Tecnologia, 7(1), 3-22. DOI:10.5007/%25x

Rosa, C. T. W., & Filho, J. de P. A. (2009). A dimensão metacognitiva na aprendizagem em física: relato das pesquisas brasileiras. REEC: Revista Electrónica de Enseñanza de las Ciencias, 8(3),1-9.

Schraw, G., & Moshman, D. (1995). Metacognitive theories. Educational Psychology Review, 7(4), 351-371. DOI:10.1007/BF02212307

Szymanski, H., Almeida, L. R. de, & Prandini, R. C. A. R. (2008). A entrevista da pesquisa em educação: a prática reflexiva. Brasília: Liber Livro Editora.




DOI: http://dx.doi.org/10.22600/1518-8795.ienci2017v22n3p176

Licença Creative Commons
Este obra está licenciado com uma Licença Creative Commons Atribuição-NãoComercial 4.0 Internacional.

Revista Investigações em Ensino de Ciências (IENCI) - ISSN: 1518-8795 

Creative Commons License