IDENTIFICANDO A EVOLUÇÃO CONCEITUAL NO ENSINO DE ELETROMAGNETISMO, ATRAVÉS DE UMA UEPS BASEADA NUM SISTEMA DE SOM AUTOMOTIVO GERADOR DE ENERGIA

Carla Beatriz Spohr, Isabel Krey Garcia, Maria Cecília Pereira Santarosa

Resumo


No presente estudo apresenta-se a proposta de uma Unidade de Ensino Potencialmente Significativa (UEPS) para o ensino de eletromagnetismo a partir de um circuito elétrico capaz de transformar a energia sonora emitida pelo alto-falante em energia elétrica para recarregar a bateria. Tal circuito foi considerado significativo para apresentar as relações entre os conceitos trabalhados, por exemplo, corrente elétrica e indução eletromagnética com o funcionamento de alto-falantes e microfones. Para tanto, acadêmicos do Curso de Licenciatura em Ciências da Natureza (UNIPAMPA – Uruguaiana/RS) se propuseram a elaborar, implementar e avaliar uma UEPS para ensinar conceitos de eletromagnetismo para alunos de nível médio, a partir da utilização do circuito elétrico que mostrou ser um instrumento provocador da motivação do aprendiz, uma das condições necessárias e imprescindíveis para que ocorra a aprendizagem significativa.  Ao final da UEPS, foi notória a motivação por parte dos acadêmicos responsáveis por ensinar com fundamentos teóricos baseados na teoria construtivista ausubeliana, bem como por parte dos estudantes de ensino médio através da predisposição em aprender, evidenciada ao longo dos encontros. Os resultados obtidos no presente estudo comparam os avanços, retrocessos e estagnações dos alunos participantes, em relação às evidências de aprendizagem significativa indicadas através das respostas dadas pelos alunos ao início e ao final dos encontros. Os dados apontam que a evolução conceitual se deve ao planejamento e aplicação da UEPS, que procurou observar constantemente a organização sequencial dos conteúdos a serem desenvolvidos, de maneira coerente com as relações de dependência que existem naturalmente entre eles. Além da organização dos conteúdos previstos no planejamento da UEPS, considerou-se a cada encontro o conhecimento prévio do aluno, bem como a presença de subsunçores em sua estrutura cognitiva para possibilitar a ancoragem de novos conhecimentos. Reitera-se que os frutos desta pesquisa, estão em conformidade com os princípios da teoria psicológica de Ausubel, de que para facilitar a aprendizagem significativa deve-se levar em consideração: o conhecimento prévio do aluno, sua predisposição para aprender e o material apresentado deve ser potencialmente significativo.


Palavras-chave


Aprendizagem significativa; Predisposição do aluno; Ensino de Física; Material didático; Eletromagnetismo

Texto completo:

PDF

Referências


Ausubel, D. P. (1968). Educal psychology: a cognitive view. (1a ed.). Nova York, Holt, Rinehart and Winston.

Ausubel, David P. (1963). The psychology of meaningful verbal learning. New York: Grune and Stratton.

Ausubel, D. P., Novak, J. D., & Hanesian, H. (1980). Psicologia educacional. Rio de Janeiro: Interamericana.

Ausubel, D. P., Novak, J. D., &Hanesian, H. (1978). Educational psychology: a cognitive view. (2a ed.). Nova York: Holt, Rinehart and Winston.

Bardin, L. (2006). Análise de conteúdo (L. de A. Rego & A. Pinheiro, Trads.). Lisboa: Edições 70.

Bardin, L. (2009). Análise de Conteúdo. Lisboa: Edições 70.

BRASIL. (2013). Ministério da Educação. Secretaria de Educação. Diretrizes Curriculares Nacionais Gerais da Educação Básica / Ministério da Educação. Brasília: MEC, SEB, DICEI.

BRASIL. (1996). Ministério de Educação e Cultura. LDB - Lei nº 9394/96, de 20 de dezembro de 1996. Estabelece as diretrizes e bases da Educação Nacional. Brasília: MEC.

BRASIL. (2000). Ministério da Educação. Secretaria de Educação Média e Tecnológica. Parâmetros Curriculares Nacionais (Ensino Médio). Brasília: MEC.

BRASIL. (2002). Ministério da Educação. Secretaria da Educação Média e Tecnológica. Parâmetros Curriculares Nacionais + (PCN+) - Ciências da Natureza e suas Tecnologias. Brasília: MEC.

GREF – Grupo de Reelaboração do Ensino de Física. Instituto de Física da USP, 2002. Recuperado de http://www.laboratoriodefisica.com.br/GREF/eletro/eletro31.pdf.

Hewitt, P. G. (2002). Física Conceitual. (Tradução de Trieste Freire Ricci e Maria Helena Gravina). (9a ed.). Porto Alegre: Bookman.

Moreira, M. A. (2004). A Teoria dos campos conceituais de Vergnaud: o ensino de ciencias nesta área. Porto Alegre: Instituto de Física da UFRGS.

Moreira, M. A. (2012a). ¿Al final, qué es aprendizaje significativo? Revista Qurriculum, 25; marzo 2012, pp. 29-56. Disponível em: http://www.lume.ufrgs.br/handle/10183/96956.

Moreira, M. A. (2012b). Unidades de Ensino Potencialmente Significativas UEPS. Porto Alegre: UFRGS, Instituto de Física. In Textos de apoio ao professor de física, 23(2). Recuperado de http://www.if.ufrgs.br/public/tapf/moreira_v23_n2.pdf.

Moreira, M.A. (1999a). Teorias de Aprendizagem. São Paulo. EPU.

Moreira, M.A. (1999b). Aprendizagem significativa. Brasília: Editora Universidade de Brasília.

Moreira, M. A. (2010). Aprendizagem Significativa Crítica. Atas do III Encontro Internacional Sobre Aprendizagem Significativa, Lisboa (Peniche), 11 a 15 de setembro de 2000. (2a ed.). Recuperado de http://www.if.ufrgs.br/~moreira/apsigcritport.pdf

Moreira, M. A. (2009). Subsídios teóricos para o professor pesquisador em ensino de ciências: comportamentalismo, construtivismo e humanismo (1a ed.). Porto Alegre. Recuperado de http://www.if.ufrgs.br/~moreira/Subsidios5.pdf.

Moreira, M. A. (2011). Unidades de enseñanza potencialmente significativas – UEPS. Aprendizagem Significativa em Revista/MeaningfulLearning Review, 1(2), 43-63. Recuperado de http://www.if.ufrgs.br/asr/artigos/Artigo_ID10/v1_n2_a2011.pdf

Moreira, M. A., & Buchweitz, B. (1993). Novas estratégias de ensino e aprendizagem: os mapas conceituais e o Vê epistemológico. Lisboa: Plátano.

Moreira, M. A., Caballero, M. C., & Rodríguez, M. L. (Orgs.) (1997). Aprendizagem Significativa: um conceito subjacente. Actas del Encuentro Internacional sobre el Aprendizaje Significativo (pp.19-44). Burgos, España.

Moreira, M. A., & Masini, E. A. F. S. (1982). Aprendizagem significativa: a teoria de David Ausubel. São Paulo: Moraes.

Osterman, F., & Moreira, M. A. (2001) A atualização do currículo de Física na escola de nível médio: um estudo desta problemática na perspectiva de uma experiência em sala de aula e da formação inicial. Caderno Catarinense de Física, Florianópolis,18(2), 135-151.

Penteado, P. C. M., & Torres, C. M. A. (2005). Física, Ciência e Tecnologia – Volume 3. Porto Alegre: Moderna.

Resnick, R., & Halliday, D. (1984). Física 3. (4a ed.). Rio de Janeiro: LCT.

Rodrigues, Eduardo Amandia Marçal. (2016) O Uso de um Sistema de Som Automotivo Gerador de Energia em uma Proposta de Ensino por Investigação (RS). Trabalho de Conclusão de Curso Licenciatura em Ciências da Natureza da Universidade Federal do Pampa.

Schacht, M. (2010). Transformação de energia sonora em energia elétrica num sistema de som automotivo (RS). Trabalho de Conclusão de Curso. Graduação em Engenharia Mecânica da Faculdade Horizontina – FAHOR.

Silva, S. C. R., & Schirlo, A. C. (2014). Teoria da aprendizagem significativa de Ausubel: Reflexões para o ensino de física ante a nova realidade social. Imagens da Educação, 4(1), 36-42. Recuperado de http://periodicos.uem.br/ojs/index.php/ImagensEduc/article/viewFile/22694/PDF

Spohr, C. B. (2015). Eletromagnetismo na educação básica: uma proposta de ensino por investigação a partir da transformação de energia sonora em elétrica em um sistema de som automotivo. VI Encontro Estadual de Ensino de Física – RS, Porto Alegre, 2015 (65 – 71 p.). Recuperado de http://www.if.ufrgs.br/mpef/6eeefis/VI_EEEFis-RS/home_files/Atas_VI_EEEFis_RS.pdf

Vergnaud, G. (1990). La théorie des champs conceptuels. Récherches em Didactique des Mathématiques, 10(23), 133-170. Recuperado de http://rdm.penseesauvage.com/La-theorie-des-champs-conceptuels.html




DOI: http://dx.doi.org/10.22600/1518-8795.ienci2017v22n3p162

Licença Creative Commons
Este obra está licenciado com uma Licença Creative Commons Atribuição-NãoComercial 4.0 Internacional.

Revista Investigações em Ensino de Ciências (IENCI) - ISSN: 1518-8795 

Creative Commons License