ABORDAGEM TEMÁTICA E CONHECIMENTO ESCOLAR CIENTÍFICO COMPLEXO: ORGANIZAÇÕES TEMÁTICA E CONCEITUAL PARA PROPOSIÇÃO DE PERCURSOS ABERTOS

Giselle Watanabe, Maria Regina Dubeux Kawamura

Resumo


O conhecimento escolar das ciências, de forma tradicional, especialmente no ensino médio, consolida-se a partir de um conjunto de conteúdos conceituais que refletem uma dada construção histórica da ciência de referência, seja ela Biologia, Física ou Química.  Nesse formato, os livros didáticos apresentam, em geral, uma visão mais determinista e reducionista. Esse esquema tem consequências que impactam na formação dos alunos, dentre as quais uma aprendizagem mecanizada e com pouco significado.  Em um movimento de contraposição a essas limitações, vêm sendo propostas e discutidas, na área de pesquisa em ensino de ciências, abordagens denominadas temáticas, que propõem o tratamento um dado tema, considerado de relevância para a formação dos jovens. No entanto, a organização por temas dificulta sua inserção na cultura escolar curricular. Diante dessa questão, esse artigo pretende investigar possíveis formas de aproximação entre as duas abordagens mencionadas (tradicional e temática), identificando possibilidades para a construção de um conhecimento com potencial para promover uma formação mais crítica e reflexiva. Com essa perspectiva, metodologicamente, a pesquisa propõe uma reflexão teórica a partir do olhar da complexidade acerca dos trabalhos com temas, mas considerando a realidade escolar nacional. Dessas considerações emergem, por contraposição, a proposta de articulação entre duas formas de organização, uma conceitual e outra temática, que abrem espaço para escolhas diversificadas por parte dos professores, a partir de considerações de seus cotidianos escolares e dos objetivos formativos pretendidos. Essas escolhas são representadas pelo que denominamos de percursos temáticos abertos. Dos resultados, conclui-se que as estratégias propostas podem promover um outro olhar da ciência, o da complexidade, possibilitando tratar questões de natureza aberta e dinâmica e, com isso, abrir espaços para reflexões sobre sentidos, atitudes e valores. Ao mesmo tempo, apontam para formas de atuação dos professores com maior autonomia e protagonismo.


Palavras-chave


Ensino de Ciências; Complexidade; Organização Temática; Organização Conceitual; Meio Ambiente

Texto completo:

PDF

Referências


Auler, D. (2002). Interações entre Ciência-Tecnologia-Sociedade no Contexto da Formação de Professores de Ciências. (Tese de Doutorado, Universidade Federal de Santa Catarina), Florianópolis. Recuperado de http://repositorio.ufsc.br/xmlui/handle/123456789/82610

Auler, D. (2007). Enfoque Ciência-Tecnologia-Sociedade: Pressupostos para o Contexto Brasileiro. Ciência & Ensino, 1 (n. esp.)

Bardin, L. (2008). Análise de conteúdo. Portugal: Edição 70.

Beck, U. (2010). Sociedade de Risco. São Paulo: Editora 34.

Carvalho, F. R., Rodriguez-Marín, F., & Watanabe, G. (2016). The socio-environmental questions presented in the high school´s didactic books of physics. In 2nd World Conference on Physics Education. Brasil: IFUSP. Recuperado: http://www.wcpe2016.org/arquivos/Poster_Presentations_2final.pdf

Contreras, J. (2002). A autonomia de professores. São Paulo: Cortez.

Delizoicov, D., Angotti, J. A., & Pernambuco, M. M. (2002). Ensino de Ciências: fundamentos e métodos. São Paulo: Cortez.

Demo, P. (1997). Educar pela Pesquisa. Campinas: Autores Associados.

García, J. E. (1998). Hacia una teoría alternativa sobre los contenidos escolares. Espanha: Díada Editora.

Freire, P. (2005). Pedagogia do oprimido. Rio de Janeiro: Paz e Terra.

Freschi, M., & Ramos, M. G. (2009). Unidade de Aprendizagem: um processo em construção que possibilita o trânsito entre senso comum e conhecimento científico. Revista Electrónica de Enseñanza de las Ciencias, 8(1), 156-170.

Halliday D., & Resnik, R. (2009). Fundamentos da Física Volume 2: Gravitação, Ondas e Termodinâmica. Rio de Janeiro: LTC.

Maldaner, O. A. (2007). Situações de Estudo no ensino médio: nova compreensão de educação básica. In Nardi, R. (Org.). Pesquisa em Ensino de Ciências no Brasil: alguns recortes. São Paulo: Escrituras.

Morin, E. (2007). Introdução ao pensamento complexo. (3a ed.). Porto Alegre: Sulina.

Nussenzveig, H. M. (1981). Curso de Física Básica: volume 2 - Fluidos. São Paulo: Editora Edgard Blücher.

Prigogine, I. (1996). O fim das certezas: tempo, caos e as leis da natureza. São Paulo: Editora da UNESP.

Reis, P. & Galvão, C. (2008). Os Professores de Ciências Naturais e a Discussão de Controvérsias Sociocientíficas: dois casos distintos. Revista Electrónica de Enseñanza de las Ciencias, 8(1), 746-772.

Santos, W.L.P., & Mortimer, E. F. (2000). Uma Análise de Pressupostos Teóricos da Abordagem C-T-S (Ciência-Tecnologia-Sociedade) no contexto da Educação Brasileira. Ensaio - Pesquisa em Educação em Ciências, 2(2), 133-162. DOI:10.1590/1983-21172000020202

Strieder, R. B. (2012). Abordagens CTS na Educação Científica no Brasil: sentidos e perspectivas. (Tese de Doutorado. Universidade de São Paulo), São Paulo. DOI:10.11606/T.81.2012.tde-13062012-112417

Strieder, R. B.; Watanabe, G., & Gehlen, S.T. (2012). Abordagem de temas no ensino médio: compreensões de professores de física. Revista Ensaio. Belo Horizonte.14(2),153-169. DOI:10.1590/1983-21172012140210

Tipler, P. (1995). Física Volume 2: Gravitação, Ondas e Termodinâmica. Rio de Janeiro: LTC.

Watanabe, G. (2012). Aspectos da complexidade: contribuições da Física para a compreensão do tema ambiental. (Tese de Doutorado, Universidade de São Paulo), São Paulo. Recuperado de http://www.teses.usp.br/teses/disponiveis/81/81131/tde-13082012 104627/publico/Giselle_Watanabe_Caramello.pdf

Watanabe, G. (2008). Elementos para uma abordagem temática: a questão das águas e sua complexidade. (Dissertação de Mestrado, Universidade de São Paulo), São Paulo. Recuperado de http://www.teses.usp.br/teses/disponiveis/81/81131/tde-10042010-113405/publico/watanabe_kawamura_final.pdf




DOI: http://dx.doi.org/10.22600/1518-8795.ienci2017v22n3p145

Licença Creative Commons
Este obra está licenciado com uma Licença Creative Commons Atribuição-NãoComercial 4.0 Internacional.

Revista Investigações em Ensino de Ciências (IENCI) - ISSN: 1518-8795 

Creative Commons License