ANÁLISE HISTÓRICA DO CONCEITO DE CALOR NOS TRABALHOS DE JOULE E IMPLICAÇÕES PARA O ENSINO DE FÍSICA

Bianca Cintra de Carvalho, Luciano Carvalhais Gomes

Resumo


Esta pesquisa teve como objetivo realizar uma análise dos textos originais de Joule, escritos em meados do século XIX, buscando compreender como ocorreram as modificações no conceito de calor ao longo de sua obra. Para embasar nossa análise teórica, foi feita uma revisão bibliográfica com a leitura de textos sobre a utilização da história da ciência, além do estudo das concepções alternativas sobre calor. Guiados por essa revisão bibliográfica, utilizou-se como metodologia a Análise Textual Discursiva para examinar quais fatores influenciaram Joule na mudança de concepção a respeito da natureza do calor. Joule inicialmente aceitava a teoria do calórico e, instigado por aspectos internos à sua pesquisa e por trabalhos de outros pesquisadores como Rumford, Davy e Herapath, passa a compreender o calor como um estado de movimento das partículas. Acredita-se que este trabalho tem potencial para servir como subsídio para o ensino de Física, visto que o estudo dos trabalhos de Joule pode contribuir para que haja uma ressignificação do conceito de calor para os estudantes.


Palavras-chave


Ensino de Física; História da Ciência; Calor; Joule

Texto completo:

PDF

Referências


Augusto, T. G. S., & Amaral, I. A. (2014). Concepções de professoras das séries iniciais, em formação em serviço, sobre a prática pedagógica em Ciências. Investigações em Ensino de Ciências, 19(1), 163-176. Recuperado de https://www.if.ufrgs.br/cref/ojs/index.php/ienci/article/view/101/72

Bardin, L. (2011). Análise de conteúdo. São Paulo: Edições 70.

Barros, M. A., & Carvalho, A. M. de. (1998). A história da ciência iluminando o ensino de visão. Revista Ciência & Educação, 5(1), 83-94. Recuperado de http://www.scielo.br/pdf/ciedu/v5n1/a08v5n1.pdf

Batista, G. L. F., Drummond, J. M. H. F., & Freitas, D. B. (2015). Fontes primárias no ensino de física: considerações e exemplos de propostas. Caderno Brasileiro de Ensino de Física, 32(3), 663-702. Recuperado de https://periodicos.ufsc.br/index.php/fisica/article/view/2175-7941.2015v32n3p663/30633

Becker, F. (1993). O que é construtivismo? In Alves, M. L., Duran, M. C. G., Borja, A. de, Toledo, C. de, & Mattos, M. G. (Eds.). Idéias: Construtivismo em revista (pp. 87-93). São Paulo: FDE.

Bransford, J. D., Brown, A. L., & Cocking, R. R. (Eds.). (2007). Como as pessoas aprendem: cérebro, mente, experiência e escola. São Paulo: Editora Senac São Paulo.

Brasil. (2000). Ministério da Educação. Parâmetros Curriculares Nacionais: Ensino Médio. Brasília: MEC/SEB. Recuperado de http://portal.mec.gov.br/seb/arquivos/pdf/blegais.pdf

Bravo, S., & Pesa, M. (2015). El fenómeno de la difracción en la historia de la óptica y en los libros de texto: reflexiones sobre sus dificultades de aprendizaje. Investigações em Ensino de Ciências, 20(2), 76-102. Recuperado de https://www.if.ufrgs.br/cref/ojs/index.php/ienci/article/view/44/23

Brockington, G. (2005). A Realidade escondida: a dualidade onda-partícula para estudantes do Ensino Médio. (Dissertação de Mestrado, Universidade de São Paulo), São Paulo. Recuperado de http://www.inf.unioeste.br/~reginaldo/FisicaModerna/emerson/A%20Realidade%20escondida%20a%20dualidade%20onda-part%EDculapara%20estudantes%20do%20Ensino%20M%E9dio.pdf

Brown, S. C. (1949). Count Rumford and the caloric theory of heat. Proceedings of the American Philosophical Society, 93, 316-325. Recuperado de https://www.jstor.org/stable/3143157?seq=1#page_scan_tab_contents

Brush, S. G. (1988). The history of Modern Science: a guide to the second revolution, 1800-1950. Ames: Iowa University Press.

Cardwell, D. S. L. (1989). James Joule: a biography. Manchester: Manchester University Press.

Carmo, L. A. C. (2000). Perspectivas Históricas e Experimentais no Desenvolvimento da Equivalência Calor-Energia. (Dissertação de Mestrado, Universidade Federal Rural de Pernambuco), Recife.

Carvalho, A. M. P. de. (1989). Física: proposta para um ensino construtivista. São Paulo: EPU.

Carvalho, A. M. P. de. (2009). Critérios estruturantes para o ensino de Ciências. In Carvalho, A. M. P. de (Ed.), Ensino de Ciências: unindo a pesquisa e a prática (pp. 1-17). São Paulo: Cengage Learning.

Carvalho, A. M. P. de, & Sasseron, L. H. (2010). Abordagens histórico-filosóficas em sala de aula: questões e propostas. In Carvalho, A. M. P. de (Ed.). Ensino de Física (pp. 107-139). São Paulo: Cengage Learning.

Castro, R. S. de. (2009). Uma e outras histórias. In Carvalho, A. M. P. de (Ed.). Ensino de Ciências: unindo a pesquisa e a prática (pp. 101-117). São Paulo: Cengage Learning.

Castro, R. S. de, & Carvalho, A. M. P de. (1992). História da Ciência: investigando como usá-la num curso de segundo grau. Caderno Catarinense de Ensino de Física, 9(3), 225-237. DOI:10.5007/%25x

Diaz, V. J. (1987). Algunos aspectos a considerar en la didactica del calor. Enseñanza de las ciencias, 5(3), 235-238. Recuperado de http://www.raco.cat/index.php/Ensenanza/article/download/51006/92927

Fernandes, R. C. A., & Megid Neto, J. (2012). Modelos educacionais em 30 pesquisas sobre práticas pedagógicas no ensino de Ciências nos anos iniciais da escolarização. Investigações em Ensino de Ciências, 17(3), 641-662. Recuperado de https://www.if.ufrgs.br/cref/ojs/index.php/ienci/article/view/175/119

Fox, R. (1971). The caloric theory of gases: from Lavoisier to Regnault. Oxford: Oxford University Press.

Gardelli, D. (2004). Concepções de Interação Física: Subsídios para uma Abordagem Histórica do Assunto no Ensino Médio. (Dissertação de Mestrado, Universidade de São Paulo), São Paulo. Recuperado de http://www.ghtc.usp.br/server/Teses/Daniel-Gardelli.pdf

Gehlen, S. T., & Delizoicov, D. (2012). A dimensão epistemológica da noção de problema na obra de Vygotsky: implicações no ensino de Ciências. Investigações em Ensino de Ciências, 17(1), 59-79. Recuperado de https://www.if.ufrgs.br/cref/ojs/index.php/ienci/article/view/207/141

Germano, M. G., & Feitosa, S. S. (2013). Ciência e senso comum: concepções de professores universitários de Física. Investigações em Ensino de Ciências, 18(3), 723-735. Recuperado de https://www.if.ufrgs.br/cref/ojs/index.php/ienci/article/view/122/86

Gomes, L. C. (2012). Representação social dos autores dos livros didáticos de física sobre o conceito de calor. (Tese de Doutorado, Universidade Estadual de Maringá), Maringá. Recuperado de http://www.pcm.uem.br/uploads/luciano-carvalhais-gomes--02052012_1434851045.pdf

Hülsendeger, M. J. V. C. (2007). A história da ciência no ensino da termodinâmica: um outro olhar sobre o ensino de física. Ensaio Pesquisa em Educação em Ciências, 9(2), 222-237. Recuperado de http://www.scielo.br/pdf/epec/v9n2/1983-2117-epec-9-02-00222.pdf

Joule, J. P. (1884). The scientific papers of James Prescott Joule. London: The Physical Society of London. Recuperado de https://archive.org/details/scientificpapers01joul

Joule, J. P. (1887). Joint Scientific Papers. Londres: The Physical Society of London. Recuperado de https://archive.org/details/scientificpapers01joul

Köhnlein, J. F. K., & Peduzzi, S. S. (2002). Um estudo a respeito das concepções alternativas sobre calor e temperatura. Revista Brasileira de Investigação em Educação em Ciências, 2(3), 25-35. Recuperado de https://seer.ufmg.br/index.php/rbpec/article/view/2336/1736

Kuhn, T. S. (2011a). A estrutura das revoluções científicas. São Paulo: Perspectiva.

Kuhn, T. S. (2011b). A conservação da energia como exemplo de descoberta simultânea. In Kuhn, T. S., A tensão essencial: estudos selecionados sobre tradição e mudança científica (pp. 89-126). São Paulo: Editora Unesp.

Lavoisier, A. L. (1777). De la combinaison de la matière du feu avec les fluides évaporables, et de la formation des fluides élastiques aëriformes. In Académie Royale des Sciences (Ed.), Mémoires de l'Académie Royale des Sciences (pp. 420-433). Paris: Académie Royale des Sciences.

Libâneo, J. C. (1994). Didática. São Paulo: Cortez.

Lima, L. O. (1980). Piaget para principiantes. São Paulo: Summus.

Marcet, J. H. (1817). Conversations on chemistry: in which the elements of that science are familiarly explained and illustrated by experiments. Londres: Longman.

Martins, R. A. (1984). Mayer e a conservação da energia. Cadernos de História e Filosofia da Ciência, 6, 63-95. Recuperado de http://www.ghtc.usp.br/server/PDF/ram-18.PDF

Martins, R. A. (2001). Como não escrever sobre História da Física - um manifesto historiográfico. Revista Brasileira de Ensino de Física, 23(1), 113-129. Recuperado de http://www.sbfisica.org.br/rbef/pdf/v23_113.pdf

Martins, R. A. (2006). Introdução. A história das ciências e seus usos na educação. In Silva, C. C. (Ed.), Estudos de história e filosofia das ciências: subsídios para aplicação no ensino (pp. xxi-xxxiv). São Paulo: Livraria da Física.

Massoni, N. T., & Moreira, M. A. (2012). Ensino de Física em uma escola pública: um estudo de caso etnográfico com um viés epistemológico. Investigações em Ensino de Ciências, 17(1), 147-181. Recuperado de https://www.if.ufrgs.br/cref/ojs/index.php/ienci/article/view/211/145

Matthews, M. R. (1995). História, Filosofia e Ensino de Ciências: a Tendência Atual de Reaproximação. Caderno Catarinense de Ensino de Física, 12(3), 164-214. Recuperado de https://periodicos.ufsc.br/index.php/fisica/article/view/7084

Medeiros, A. (2009). Entrevista com o Conde Rumford: da teoria do calórico ao calor como uma forma de movimento. Física na escola, 10(1), 04-16. Recuperado de http://www.sbfisica.org.br/fne/Vol10/Num1/a02.pdf

Moraes, R. (2003). Uma tempestade de luz: a compreensão possibilitada pela análise textual discursiva. Ciência & Educação, 9(2), 191-211. Recuperado de http://www.scielo.br/pdf/ciedu/v9n2/04.pdf

Moraes, R., & Galiazzi, M. C. (2006). Análise Textual Discursiva: processo reconstrutivo de múltiplas faces. Ciência & Educação, 12(1), 117-128. Recuperado de http://www.scielo.br/pdf/ciedu/v12n1/08.pdf

Moraes, R., & Galiazzi, M. C. (2011). Análise Textual Discursiva (2a ed.). Ijuí: Editora Unijuí.

Mortimer, E. F., & Amaral, L. O. F. (1998). Quanto mais quente melhor: calor e temperatura no ensino de termoquímica. Revista Química Nova na Escola, 7, 30-34. Recuperado de http://qnesc.sbq.org.br/online/qnesc07/aluno.pdf

Oliveira, A. R. E. (2006). A evolução do conceito físico de trabalho no contexto das máquinas. (Tese de Doutorado, Universidade Federal do Rio de Janeiro), Rio de Janeiro. Recuperado de https://pt.scribd.com/document/179117943/A-EVOLUCAO-DO-CONCEITO-FISICO-DE-TRABALHO-NO-CONTEXTO-DAS-MAQUINAS

Oliveira, R. A., & Silva, A. P. B. (2012). História da ciência e Ensino de Física: uma análise meta-historiográfica. In Peduzzi, L. O. Q., Martins, A. F. P., & Ferreira, J. M. H. (Eds.), Temas de História e Filosofia da Ciência no Ensino (pp. 41-64). Natal: EDUFRN. Recuperado de http://ppgect.ufsc.br/files/2012/11/Temas-de-Historia-e-Filosofia-da-Ciencia-no-Ensino1.pdf

Ortiz, E., & Silva, M. R. (2016). O uso de abordagens da História da Ciência no ensino de Biologia: uma proposta para trabalhar a participação da cientista Rosalind Franklin na construção do modelo da dupla hélice do DNA. Investigações em Ensino de Ciências, 21(1), 106-123. Recuperado de https://www.if.ufrgs.br/cref/ojs/index.php/ienci/article/view/237/178

Passos, J. C. (2009). Os experimentos de Joule e a primeira lei da termodinâmica. Revista Brasileira de Ensino de Física, 31(3), 1-8. Recuperado de http://www.sbfisica.org.br/rbef/pdf/313603.pdf

Piaget, J. (1970). Genetic Epistemology. New York: Columbia University Press.

Queirós, W. P. (2012). A articulação das culturas humanística e científica por meio do estudo histórico-sociocultural dos trabalhos de James Prescott Joule: contribuições para a formação de professores universitários em uma perspectiva transformadora. (Tese de Doutorado, Universidade Estadual Paulista), Bauru. Recuperado de http://repositorio.unesp.br/bitstream/handle/11449/102029/queiros_wp_dr_bauru.pdf?sequence=1

Queirós, W. P. de, Nardi, R., & Delizoicov, D. (2014). A produção técnico-científica de James Prescott Joule: uma leitura a partir da epistemologia de Ludwik Fleck. Investigações em Ensino de Ciências, 19(1), 99-116. Recuperado de https://www.if.ufrgs.br/cref/ojs/index.php/ienci/article/view/98/69

Queirós, W. P. de, Camargo, E. P. de, & Nardi, R. (2009). Uma reflexão histórico-filosófica sobre o ensino do conceito de energia para alunos videntes e com deficiência visual. In Atas do Inter-American Conference on Physics Education, Medelin (pp. 1-10). Medelin, Colombia. Recuperado de http://www2.fc.unesp.br/encine/2009-10-uma+reflexao+historico+filosofica+sobre+o+ensino+do+conceito+de+energia+para+alunos+videntes+e+e+com+deficiencia+visual.php

Rafael, F. J. (2007). Elaboração e aplicação de uma estratégia de ensino sobre os conceitos de calor e temperatura. (Dissertação de Mestrado, Universidade Federal do Rio Grande do Norte), Natal. Recuperado de https://repositorio.ufrn.br/jspui/handle/123456789/16037

Raicik, A. C., & Peduzzi, L. O. Q. (2015). Potencialidades e limitações de um módulo de ensino: uma discussão histórico-filosófica dos estudos de Gray e Du Fay. Investigações em Ensino de Ciências, 20(2), 138-160. Recuperado de https://www.if.ufrgs.br/cref/ojs/index.php/ienci/article/view/47/26

Raicik, A. C., & Peduzzi, L. O. Q. (2016). Um resgate histórico e filosófico dos estudos de Stephen Gray. Revista Brasileira de Pesquisa em Educação em Ciências, 16(1), 109-128. Recuperado de https://seer.ufmg.br/index.php/rbpec/article/view/2543/1944

Reis, U. V., & Reis, J. C. O. (2016). Os conceitos de espaço e de tempo como protagonistas no ensino de Física: um relato sobre uma sequência didática com abordagem histórico-filosófica. Caderno Brasileiro de Ensino de Física, 33(3), 744-778. Recuperado de https://periodicos.ufsc.br/index.php/fisica/article/view/2175-7941.2016v33n3p744/33011

Ribeiro, J. F. R. (2010). Deposição e caracterização de filmes finos para baterias de lítio em estado sólido. (Dissertação de Mestrado, Universidade do Minho), Portugal. Recuperado de http://intranet.dei.uminho.pt/gdmi/galeria/temas/pdf/43010.pdf

Roller, D. (1950). The early development of the concepts of temperature and heat: the rise and decline of caloric theory. Cambridge: Harvard University Press.

Rosa C. W. da, & Rosa, A. B. da. (2012). O ensino de ciências (Física) no Brasil: da história às novas orientações educacionais. Revista Ibero-americana de Educação, 58(2), 1-24. Recuperado de rieoei.org/deloslectores/4689Werner.pdf

Sibum, H. O., & Morel, G. (1998). Les gestes de la mesure: Joule, les pratiques de la brasserie et la science. Annales Histoire, Sciences Sociale, 53(4/5), 745-774. Recuperado de http://www.persee.fr/doc/ahess_0395-2649_1998_num_53_4_279696

Silva, O. H. M. da, Laburú, C. E., & Nardi, R. (2008). Reflexões para subsidiar discussões sobre o conceito de calor na sala de aula. Caderno Brasileiro de Ensino de Física, 25(3), 383-396. Recuperado em https://periodicos.ufsc.br/index.php/fisica/article/view/2175-7941.2008v25n3p383/8458

Teixeira, P. M. M. (2003). A educação científica sob a perspectiva da Pedagogia Histórico-Crítica e do Movimento C.T.S. no Ensino de Ciências. Revista Ciência & Educação, 9(2),177-190. Recuperado em http://www.scielo.br/pdf/ciedu/v9n2/03.pdf

Tolentino Neto, L. C. B. (2008). Os interesses e posturas de jovens alunos frente às ciências: resultados do projeto ROSE aplicado no Brasil. (Tese de Doutorado, Universidade de São Paulo), São Paulo. Recuperado de http://roseproject.no/network/countries/brazil/bra-caldeira-tolentino-neto.pdf

Valente, M. J. P. (1999). Uma leitura pedagógica da construção histórica do conceito de energia: contributo para uma didáctica crítica. (Tese de Doutorado, Universidade Nova de Lisboa), Lisboa. Recuperado de https://run.unl.pt/handle/10362/332

Zômpero, A. F., & Laburú, C. E. (2012). Implementação de atividades investigativas na disciplina de Ciências em escola pública: uma experiência didática. Investigações em Ensino de Ciências, 17(3), 675-684. Recuperado de https://www.if.ufrgs.br/cref/ojs/index.php/ienci/article/view/181/121




DOI: http://dx.doi.org/10.22600/1518-8795.ienci2017v22n3p264

Licença Creative Commons
Este obra está licenciado com uma Licença Creative Commons Atribuição-NãoComercial 4.0 Internacional.

Revista Investigações em Ensino de Ciências (IENCI) - ISSN: 1518-8795 

Creative Commons License