PERSPECTIVAS DA SOCIOLOGIA DO CONHECIMENTO CIENTÍFICO E O ENSINO DE CIÊNCIAS: UM ESTUDO EM REVISTAS DA ÁREA DE ENSINO

Fernanda Aparecida Meglhioratti, Irinéa de Lourdes Batista

Resumo


Apesar do Ensino de Ciências enfatizar a importância de pesquisas em Epistemologia e História da Ciência e abarcar aspectos sociais da construção científica, ainda são relativamente poucos os estudos que estão sistematicamente fundamentados em perspectivas provindas da Sociologia da Ciência ou da Sociologia do Conhecimento Científico. Neste artigo, foi traçado um breve histórico das perspectivas sociológicas do conhecimento científico, caracterizando-as como diferenciacionista, antidiferenciacionista e tranversalista. Em seguida, foi realizado um estudo bibliográfico em revistas Qualis A1 e A2 na área de Ensino da CAPES, com ênfase no Ensino de Ciências, no período de 2007 a 2016, buscando compreender como as perspectivas sociológicas estão presentes no Ensino de Ciências. A pesquisa por artigos que articulassem aspectos sociológicos e o Ensino de Ciências ocorreu mediante a utilização de buscadores que emergiram do histórico realizado, entre eles: Sociologia da Ciência, Sociologia do Conhecimento Científico, Etnografia, Estudos de Laboratório, Programa Forte, Campos Científicos, Ethos Científico, Teoria Ator-Rede, Redes Sociotécnicas, Latour, Bloor, Merton e Bourdieu. Por meio dessa busca identificamos 46 artigos que tratavam da temática. Os artigos foram investigados por Análise de Conteúdo e organizados nas seguintes unidades temáticas: 1) Fundamentos da sociologia do conhecimento; 2) Ethos científico; 3) Sistema de funcionamento da Ciência; 4) Sociogênese do conhecimento; 5) Programa Forte da Sociologia do Conhecimento; 6) Estudos de laboratório e da prática científica; 7) Teoria Ator-Rede; 8) Fundamentação Bourdieusiana; 9) Abordagens tranversalistas não Bourdieusiana; 10) Apontamentos a respeito da Sociologia da Ciência. As unidades temáticas de análise com maior número de artigos foram “Estudos de laboratório e da prática científica” e “Teoria Ator-Rede”, ambas mais próximas de uma perspectiva antidiferenciacionista da Sociologia da Ciência, na qual os limites entre Ciência e seu entorno são diluídos. Além disso, apesar de um número restrito de autores e textos, o levantamento apontou que existe uma diversidade de objetos de pesquisas e estratégias metodológicas nos trabalhos analisados de modo a fazer a interlocução entre a Sociologia da Ciência/Sociologia do Conhecimento Científico e o Ensino de Ciências.


Palavras-chave


Sociologia da Ciência; Sociologia do Conhecimento Científico; Ensino de Ciências; Estudo Bibliográfico

Texto completo:

PDF

Referências


Alonso, A. V., Mas, M. A. M., Díaz, J. A. A., & Romero, P. A. (2007). Consensos sobre la naturaleza de la Ciencia: la comunidad tecnocientífica. Revista Electrónica de Enseñanza de las Ciencias, 6(2), 331-363. Recuperado de http://reec.uvigo.es/volumenes/volumen6/ART7_Vol6_N2.pdf

Araújo, F. M. B., Alves, E. M., & Cruz, M. P. (2009). Algumas reflexões em torno dos conceitos de campo e de habitus na obra de Pierre Bourdieu. Revista Perspectivas da Ciência e Tecnologia, 1(1), 31-40. Recuperado de http://revistascientificas.ifrj.edu.br:8080/revista/index.php/revistapct/article/viewFile/14/14

Bardin, L. (2011). Análise de Conteúdo. Tradução: Luís Antero Reto e Augusto Pinheiro. Lisboa: Edições 70.

Bastos, F., Nardi, R., Diniz, R. E. S., & Caldeira, A. M. A. (2004). Da necessidade de uma pluralidade de interpretações acerca do processo de ensino e aprendizagem em Ciências: revisitando os debates sobre construtivismo. In: Nardi, R., Bastos, F., & Diniz, R. E. S. (Orgs.). Pesquisas em ensino de ciências: contribuições para a formação de professores (pp.9-55). (5a ed). São Paulo: Escrituras.

Bloor, D. (2009). Conhecimento e imaginário social. São Paulo: Editora Unesp.

Bourdieu, P. (1975). La spécificité du champ scientifique et les conditions sociales du progrès de la raison. Sociologie et Sociétés, 7(1), 91-118. DOI: 10.7202/001089ar

Bourdieu, P. (2004a). Para uma sociologia da ciência. Lisboa: Edições 70.

Bourdieu, P. (2004b). Os usos sociais da ciência. São Paulo: Editora UNESP.

Candela, A. (2010). Time and space: undergraduate Mexican physics in motion. Cultural Studies of Science Education, 5(3), 701–727. DOI: 10.1007/s11422-010-9259-5

Cappelle, V., & Coutinho, F. Â. (2015). Tornar-se Fisiologista Vegetal: Potencialidades Educacionais de uma Controvérsia entre Cientistas do Século XIX sob o Ponto de Vista de Bruno Latour. Alexandria, 8(3), 181-205. DOI: 10.5007/1982-5153.2015v8n3p181

Carvalho, R. B., Piotto, H. B., Lima, L. G. A., & Schetinger, M. R. C. (2016). Prêmio Capes de Tese: uma análise das influências do programa sobre a carreira científica e profissional dos premiados. Revista Brasileira de Pesquisa em Educação em Ciências, 16(2), 257-273. Recuperado de https://seer.ufmg.br/index.php/rbpec/article/view/2717/2201

Carvalho, A. M. P. (2003). Produção de conhecimento científico pelos alunos em aulas de ciências. In: IV Encontro Nacional de Pesquisa em Educação em Ciências. Recuperado de http://abrapecnet.org.br/enpec/iv-enpec/orais/ORAL149.pdf

Catani, A. M. (2011). As possibilidades analíticas da noção de campo social. Educação & Sociedade,32(114), 189-202. DOI: 10.1590/S0101-73302011000100012

Chrispino, A., Lima, L. S., Albuquerque, M. B., Freitas, A. C. C., & Silva, M. A. F. B. (2013). A área CTS no Brasil vista como rede social: onde aprendemos? Ciência & Educação, 19(2), 455-479. DOI: 10.1590/S1516-73132013000200015

Coutinho, F. Â., & Silva, F. A. R. (2014). Análise do texto de um livro didático de biologia orientada pela teoria ator-rede: um estudo sobre o tema evolução biológica. Investigações em Ensino de Ciências, 19(3), 531-539. Recuperado de http://www.if.ufrgs.br/ienci/artigos/Artigo_ID426/v19_n3_a2014.pdf

Coutinho, F. Â., Goulart, M. I. M., Munford, D., & Ribeiro, N. A. (2014). Seguindo uma lupa em uma aula de ciências para a educação infantil. Investigações em Ensino de Ciências, 19(2), 381-402. Recuperado de https://www.if.ufrgs.br/cref/ojs/index.php/ienci/article/view/85/60

Delizoicov, D., Castilho, N., Cutolo, L. R. A., Ros, M. A., & Lima, A. C. (2002). Sociogênese do conhecimento e pesquisa em ensino: contribuições a partir do referencial fleckiano. Caderno Brasileiro de Ensino de Física, 19(número especial), 52-69. Recuperado de https://periodicos.ufsc.br/index.php/fisica/article/view/10054/15384

Develaki, M. (2008). Social and ethical dimension of the natural sciences, complex problems of the age, interdisciplinarity, and the contribution of education. Science & Education, 17(8-9), 873–888. DOI: 10.1007/s11191-007-9077-7

Dodick, J., Argamon, S., & Chase, P. (2009). Understanding Scientific Methodology in the Historical and Experimental Sciences via Language Analysis. Science & Education, 18(8), 985–1004. DOI: 10.1007/s11191-008-9146-6

Duarte, T. R. (2007). O Programa Forte e a Busca de uma Explicação Sociológica das Teorias Científicas: Constituição, Propostas e Impasses (Dissertação de Mestrado). Faculdade de Filosofia e Ciências Humanas, Universidade Federal de Minas Gerais, Belo Horizonte.

Dubois, M. (2013). Introdução. La Science une activité sociale comme une autre? Controverses autour de l’autonomie scientifique, L’Année sociologique, 63(2), 345-357. DOI: 10.3917/anso.132.0343

Dutra, L. H. de A. (2009). Introdução à teoria da ciência. (3a ed). Florianópolis: Ed. Da UFSC.

Eijck, M. V., & Roth, W. (2009). Authentic science experiences as a vehicle to change students’ orientations toward science and scientific career choices: Learning from the path followed by Brad. Cultural Studies of Science Education, 4(3), 611–638. DOI: 10.1007/s11422-009-9183-8

El-Hani, C. N., & Bizzo, N. (2002). Formas de Construtivismo: Construtivismo Contextual e Mudança Conceitual. Ensaio Pesquisa em Educação em Ciências, 4(1), 1-25. DOI: 10.1590/1983-21172002040104

El-Hani, C. N. (2007). Notas sobre o ensino de História e Filosofia da Biologia na Educação Superior. In: Nardi, R. (org.) A pesquisa em ensino de ciências no Brasil: alguns recortes (p. 293-316). São Paulo: Escrituras.

Fages, V., & Albe, V. (2015). Social issues in nanoscience and nanotechnology master’s degrees: the socio-political stakes of curricular choices. Cultural Studies of Science Education, 10(2), 419–435. DOI: 10.1007/s11422-014-9593-0

Feres, G. G. (2010). A pós-graduação em Ensino de Ciências no Brasil: uma leitura a partir da teoria de Bourdieu (Tese de Doutorado, Faculdade de Ciências, Universidade Estadual Paulista, Bauru). Recuperado de http://hdl.handle.net/11449/102050

Fetz, M., Defacci, F. A., & Nascimento, L. (2011). Olhares sociológicos sobre a ciência no século vinte: mudanças e continuidades. Sociologias, 13(27), p. 284-317. DOI: 10.1590/S1517-45222011000200011

Feyerabend, P. (1977). Contra o método. Tradução: Octanny S. da Mota e Leonidas Hegenberg. Rio de Janeiro, Francisco Alves Editora.

Freire, L. I. F., & Fernandez, C. (2015). O professor universitário novato: tensões, dilemas e aprendizados no início da carreira docente. Ciência & Educação, 21(1), 255-272. DOI: /10.1590/1516-731320150010016

Fonseca, A. B. (2007). Ciência, Tecnologia e desigualdade social no Brasil: contribuições da Sociologia do conhecimento para a educação em Ciências. Revista Electrónica de Enseñanza de las Ciencias, 6(2), 364-377. Recuperado de http://reec.uvigo.es/volumenes/volumen6/ART8_Vol6_N2.pdf

García-Carmona, A., Criado, A. M., & Cañal, P. (2014). Qué educación científica se promueve para la etapa de primaria en España? Un análisis de las prescripciones oficiales de la LOE. Enseñanza de las Ciencias, 32(1), 139-157. DOI: 10.5565/rev/ensciencias.778

Gil-Pérez, D., Montoro, I. F., Alís, J. C., Cachapuz, A., & Praia, J. (2001). Para uma imagem não deformada do trabalho científico. Ciência & Educação, 7(2), 125-153. Recuperado de http://www.scielo.br/pdf/ciedu/v7n2/01.pdf

Gilbert, G. N., & Mulkay, M. (1984). Opening pandora's box: a sociological analysis of scientists' discourse. Cambridge: Cambridge University Press.

Gray, C., Price, C., Lee, C. T., Dewald, A. H., Cline, M. A., McAnany, C. E., Columbus, L., & Mura, C. (2015). Known Structure, Unknown Function: An Inquiry-based Undergraduate Biochemistry Laboratory Course. Biochemistry and Molecular Biology Education, 43(4), 245-262. DOI: 10.1002/bmb.20873

Greca, I. M., & Freire, O. J. (2004). A “crítica forte” da ciência e implicações para a educação em ciências. Ciência & Educação, 10(3), 343-361. DOI: 10.1590/S1516-73132004000300004

Guo, Y. (2014). The Philosophy of Science and Technology in China: Political and Ideological Influences. Science & Education, 23(9), 1835–1844. DOI: 10.1007/s11191-014-9675-0

Hayashi, M. C. P. I. (2012). Sociologia da ciência, bibliometria e cientometria: contribuições para a análise da produção científica. In Anais Eletrônico – IV EPISTED – Seminário de Epistemologia e Teorias da Educação (1-29), Campinas, SP. Recuperado de https://www.marilia.unesp.br/Home/Graduacao/PETBiblioteconomia/soc-da-ciencia-pet.pdf

Heidrich, D. N., & Delizoicov, D. (2009). Fleck e a construção do conhecimento sobre Diabetes Mellitus e insulina: contribuições para o ensino. Revista Brasileira de Pesquisa em Educação em Ciências, 9(2), 1-18. Recuperado de https://seer.ufmg.br/index.php/rbpec/article/view/2200/1600

Kamberelis, G., & Wehunt, M. D. (2012). Hybrid discourse practice and science learning. Cultural Studies of Science Education, 7(3), 505–534. DOI: 10.1007/s11422-012-9395-1

Kirch, S. A. (2007). Re/Production of science process skills and a scientific ethos in an early childhood classroom. Cultural Studies of Science Education, 2(4), 785–845. DOI: 10.1007/s11422-007-9072-y

Kuhn, T. (2011). A estrutura das revoluções científicas. Tradução: Beatriz Vianna Boeira e Nelson Boeira. 10 ed. São Paulo: Editora Perspectiva S. A.

Lakatos, I. (1978) The methodology of scientific research Programmes. (Philosophical Papers I). Cambridge: Cambridge University Press.

Lambach, M., & Marques, C. A. (2014). Lavoisier e a influência nos estilos de pensamento químico: contribuições ao ensino de química contextualizado sócio-historicamente. Revista Brasileira de Pesquisa em Educação em Ciências, 14(1), 9-30. Recuperado de https://seer.ufmg.br/index.php/rbpec/article/view/2484

Latour, B., & Woolgar, S. (1997). A vida de laboratório: a produção dos fatos científicos. Rio de Janeiro: Relume Dumara.

Latour, B. (2000). Ciência em Ação: como seguir cientistas e engenheiros sociedade afora. São Paulo: Editora Unesp.

Latour, B. (2001). A esperança de pandora: ensaios sobre a realidade dos estudos científicos. Tradução: Gilson César Cardoso de Sousa. Bauru, SP: EDUSC.

Latour, B. (2012). Reagregando o Social: uma introdução à Teoria do Ator-Rede. Tradução: Gilson César Cardoso de Sousa. Salvador/Bauru: Edufba/Edusc.

Lima Junior, P., Silveira, F. L., Ostermann, F., & Pinheiro, N. C. (2015). A Física como uma construção cultural arbitrária: Um exemplo da controvérsia sobre o status ontológico das forças inerciais. Revista Brasileira de Pesquisa em Educação em Ciências, 15(1), 195-217. Recuperado de https://seer.ufmg.br/index.php/rbpec/article/view/2512

Lorenzi, B. R., & Andrade, T. N. (2011). Latour e Bourdieu: rediscutindo as controvérsias. Teoria & Pesquisa: Revista de Ciência Política, 20(2), 107-121. Recuperado de http://www.teoriaepesquisa.ufscar.br/index.php/tp/article/viewFile/266/196

Marques, C. A. (2012). Estilos de pensamento de professores italianos sobre a Química Verde na educação química escolar. Revista Electrónica de Enseñanza de las Ciencias, 11(2), 316-340. Recuperado de http://reec.uvigo.es/volumenes/volumen11/REEC_11_2_4_ex568.pdf

Massi; L., Abreu, L. N., & Queiroz, S. L. (2008). Apropriação da linguagem científica por alunos de iniciação científica em Química: considerações a partir da produção de enunciados científicos. Revista Electrónica de Enseñanza de las Ciencias, 7(3), 704-721. Recuperado de http://reec.uvigo.es/volumenes/volumen7/ART11_Vol7_N3.pdf

Mayr, E. (2005). Biologia, ciência única: reflexões sobre a autonomia de uma disciplina científica. São Paulo: Companhia das Letras.

Melo, M. de F. A. de Q. (2010). A pipa e os quatro significados da mediação sociotécnica: articulações possíveis entre a Educação e a Psicologia para o estudo de um brinquedo. Revista Brasileira de Pesquisa em Educação em Ciências, 10(2), 1-18. Recuperado de https://seer.ufmg.br/index.php/rbpec/article/view/2180/1580

Melo, M. de F. A. de Q. (2011). Discutindo a aprendizagem sob a perspectiva da teoria ator-rede. Educar em Revista, 27(39), 177-190. Recuperado de http://revistas.ufpr.br/educar/article/view/14548/14119

Merton, R. (2013). Ensaios de sociologia da ciência. São Paulo: Associação Filosófica Scientiae Studia/Editora 34.

Montagner, M. Â., & Montagner, M. I. (2011). A teoria geral dos campos de Pierre Bourdieu: uma leitura. Tempus - Actas de Saúde Coletiva, 5(2), 255-273. Recuperado de http://www.tempusactas.unb.br/index.php/tempus/article/view/979/919

Moura, C. B. de, & Guerra, A. (2016). História cultural da ciência: um caminho possível para a discussão sobre as práticas científicas no ensino de ciências? Revista Brasileira de Pesquisa em Educação em Ciências, 16(3), 725–748. Recuperado de https://seer.ufmg.br/index.php/rbpec/article/view/2859

Mueller, M. P. (2015). Alaskan Salmon and Gen R: hunting, fishing to cultivate ecological mindfulness. Cultural Studies of Science Education, 10(1), 109–119. DOI: 10.1007/s11422-014-9645-5

Nielsen, K. H. (2013). Scientific communication and the nature of science. Science & Education, 22(9), 2067–2086. DOI: 10.1007/s11191-012-9475-3

Oliveira, M. A. (2008). O laboratório didático de química: uma micronarrativa etnográfica pela ótica do conceito de articulação. Ciência & Educação, 14(1), 101-114. DOI: 10.1590/S1516-73132008000100007

Oliveira, M. A. (2010). Alfabetização científica no clube de ciências do ensino fundamental: uma questão de inscrição. Ensaio Pesquisa em Educação em Ciências, 12(02), 11-26. Recuperado de https://seer.ufmg.br/index.php/ensaio/article/view/8596

Oliveira, M. B. (2013). On the commodification of science: the programmatic dimension. Science & Education, 22(10), 2463–2483. DOI: 10.1007/s11191-012-9455-7

Oliveira, J. R. S., & Queiroz, S. L. (2015). Elaboração de um mapa de caracterização do texto científico: referenciais teóricos e aplicação em destaque. Investigações em Ensino de Ciências, 20(1), 142-166. Recuperado de https://www.if.ufrgs.br/cref/ojs/index.php/ienci/article/view/63/40

Papayannakos, D. P. (2008). Philosophical skepticism not relativism is the problem with the strong programme in science studies and with educational constructivism. Science & Education, 17(6), 573–611. DOI: 10.1007/s11191-006-9061-7

Pierce, C. (2015). Learning about a fish from an ANT: actor network theory and science education in the postgenomic era. Cultural Studies of Science Education, 10(1), 83–107. DOI: 10.1007/s11422-013-9498-3

Queirós; W. P., Nardi, R., & Delizoicov, D. (2014). A produção técnico-científica de James Prescott Joule: uma leitura a partir da epistemologia de Ludwik Fleck. Investigações em Ensino de Ciências, 19(1), 99-116. Recuperado de https://www.if.ufrgs.br/cref/ojs/index.php/ienci/article/view/98/69

Ramos, F. P., Silva, M. R., Arruda, S. M., & Passos, M. M. (2014). Evidências no discurso acadêmico sobre o Projeto Genoma Humano: entre o discurso epistemológico e a apropriação de uma abordagem social. Revista Electrónica de Enseñanza de las Ciencias, 13(3), 373-394. Recuperado de http://reec.uvigo.es/volumenes/volumen13/REEC_13_3_7_ex909.pdf

Razera, J. C. C. (2016). A formação de professores em artigos da revista Ciência & Educação (1998-2014): uma revisão cienciométrica. Ciência & Educação (Bauru), 22(3), 561-583. DOI: 10.1590/1516-731320160030002

Roth; W., Hsu, P. (2014). Space, relations, and the learning of science. Cultural Studies of Science Education, 9(1), 77–113. DOI: 10.1007/s11422-013-9533-4

Sasseron, L. H. (2015). Alfabetização científica, ensino por investigação e argumentação: relações entre ciências da natureza e escola. Ensaio Pesquisa em Educação em Ciências, 17, 49-67.DOI: 10.1590/1983-2117201517s04

Sampaio, H. R., & Batista, I. (2007). A filosofia da ciência como um saber necessário para a teorização da prática docente. In: Anais do VI Encontro Nacional de Pesquisa em Educação em Ciências - SC. Florianópolis, SC, Brasil. Recuperado de http://www.nutes.ufrj.br/abrapec/vienpec/CR2/p905.pdf

Segata, J. (2012). Resenha. LATOUR, Bruno. Reagregando o social: uma introdução à Teoria do Ator-Rede. Ilha, Revista de Antropologia, 14(2), 238-243. DOI: 10.5007/2175-8034.2012v14n1-2p238

Silveira, T. A da, Silveira, M. A. A. da, & Oliveira, M. M. (2016). Estudo cientométrico dos anais do encontro nacional de pesquisa em educação em ciências sobre o pibid (2011-2013). Revista Ensino & Pesquisa, 14(2), 128-143. Recuperado de http://periodicos.unespar.edu.br/index.php/ensinoepesquisa/article/view/893

Setton, M. G. J. (2002). A teoria do habitus em Pierre Bourdieu: uma leitura contemporânea. Revista Brasileira de Educação, 20, 60-70. doi: DOI: 10.1590/S1413-24782002000200005

Shinn, T., & Ragouet, P. (2008). Controvérsias sobre a Ciência: por uma sociologia transversalista da atividade científica. São Paulo: Editora 34.

Silva, L. L. (2011). Estudo do Perfil Científico dos Pesquisadores com Bolsa de Produtividade do CNPq que atuam no Ensino de Ciências e Matemática. Revista Brasileira de Pesquisa em Educação em Ciências, 11(3), 75-100. Recuperado de https://seer.ufmg.br/index.php/rbpec/article/view/2413/1813

Silva, F. A. R., Lisboa, D. P., Oliveira, D. P. L., & Coutinho, F. Â. (2016). Teoria ator-rede, literatura e educação em ciências: uma proposta de materialização da rede sociotécnica em sala de aula. Ensaio Pesquisa em Educação em Ciências, 18(1), 47-64. DOI: 10.1590/1983-21172016180101

Silva, H. C., Ramos, M. B., Maidame, G. F., Pessoa, T. C. C., Oliveira, G. J. de, Melo, V. R. de O., & Galvão, D. M. (2015). Efeito-leitor de ciência: a textualização e circulação da ciência em folders sobre transgênicos. Revista Brasileira de Pesquisa em Educação em Ciências, 15(1), 219-232. Recuperado de https://seer.ufmg.br/index.php/rbpec/article/view/2513

Tala, S., & Vesterinen, V. (2015). Nature of science contextualized: studying nature of science with scientists. Science & Education, 24(4), 435–457. DOI: 10.1007/s11191-014-9738-2

Thompson, J. J., Conaway, E., & Dolan, E. (2015). Undergraduate students’ development of social, cultural, and human capital in a networked research experience. Cultural Studies of Science Education, 11(4), 959-990. DOI: 10.1007/s11422-014-9628-6

Tolentino, P. C., & e Rosso, A. J. (2014). As representações sociais dos licenciandos em ciências biológicas sobre o ser biólogo e o ser professor. Ensaio Pesquisa em Educação em Ciências, 16(3), 15-34. DOI: 10.1590/1983-21172014160301

Tovar-Gálvez, J. C. (2009). La dinámica de las Ciencias como modelo didáctico: propuesta para el aprendizaje del concepto reacción química y la generación de actitudes hacia la ciencia, desde el estudio de la organización espacial del laboratorio y del manejo de residuos químicos. Revista Electrónica de Enseñanza de las Ciencias, 8(2), 490-504. Recuperado de http://reec.uvigo.es/volumenes/volumen8/ART6_Vol8_N2.pdf

Vermeir, K. (2013). Scientific research: commodities or commons? Science & Education, 22(10), 2485–2510. DOI: 10.1007/s11191-012-9524-y

Vianna, D. M., & Carvalho, A. M. P. (2001). Do fazer ao ensinar ciência: a importância dos episódios de pesquisa na formação de professores. Investigações em Ensino de Ciências, 6(2), 111-132. Recuperado de https://www.if.ufrgs.br/cref/ojs/index.php/ienci/article/view/580

Whitley, R., Gläser, J., & Laudel, G. (2018). The impact of changing funding and authority relationships on scientific innovations. Minerva, 56(1),109-134. DOI: 10.1007/s11024-018-9343-7

Zhang, S. (2008). A Research project-based and self-determined teaching system of molecular biology techniques for undergraduates. Biochemistry and molecular biology education, 36(3), 181–188. DOI: 10.1002/bmb.20167

Zanon, D. A. V., Almeida, M. J. P. M. A., & Queiroz, S. L. (2007). Contribuições da leitura de um texto de Bruno Latour e Steve Woolgar para a formação de estudantes em um curso superior de Química. Revista Electrónica de Enseñanza de las Ciencias, 6(1), 56-69. Recuperado de http://reec.uvigo.es/volumenes/volumen6/ART4_Vol6_N1.pdf




DOI: http://dx.doi.org/10.22600/1518-8795.ienci2018v23n1p01

Licença Creative Commons
Este obra está licenciado com uma Licença Creative Commons Atribuição-NãoComercial 4.0 Internacional.

Revista Investigações em Ensino de Ciências (IENCI) - ISSN: 1518-8795 

Creative Commons License