CARACTERÍSTICAS DO DISCURSO DE DIVULGAÇÃO CIENTÍFICA: IMPLICAÇÕES DA DIALOGIA EM UMA INTERAÇÃO ASSÍNCRONA

Guilherme da Silva Lima, Marcelo Giordan

Resumo


Apresentamos nesse ensaio uma reflexão teórica com o objetivo de examinar as implicações da dialogia em caso de interações assíncronas na divulgação científica (DC), quando comunicada pela escrita. Para tanto, problematizamos a questão da assincronia e pautamos nossas análises no conceito de dialogia proposto pelo círculo de Bakhtin. Em nossa discussão destacamos duas dimensões da dialogia presentes nas interações promovidas pela DC e nos seus enunciados, que chamamos de relações discurso-objeto e discurso-réplica. Por fim, apresentamos exemplos de interações que ocorrem por meio da seção cartas dos leitores da revista Ciência Hoje, bem como de trechos de dois artigos de DC, publicados pelo Instituto Ciência Hoje e pelo G1, em que é evidente a antecipação de réplica.


Palavras-chave


Divulgação científica; Dialogia; Assincronia.

Texto completo:

PDF

Referências


Almeida, M. J. P. M. (2004). Discurso da Ciência e da Escola: ideologia e leituras possíveis. Campinas: Mercado das Letras.

Assumpção, A. M., & Gouvêa, G. (2010). Práticas enunciativas em um evento de divulgação científica em um museu de ciências no Rio de Janeiro. Ensaio, 12(2), 49-68. Recuperado de http://www.scielo.br/pdf/epec/v12n2/1983-2117-epec-12-02-00049.pdf

Authier-Revuz, J. (1999). Dialogismo e divulgação científica. Rua: revista do núcleo de desenvolvimento da criatividade, (5). Recuperado de http://periodicos.sbu.unicamp.br/ojs/index.php/rua/article/view/8640645/8193

Bakhtin, M. (2006). Estética da criação verbal. Tradução de Paulo Bezerra. (4a ed.). São Paulo: Martins Fontes.

Bakhtin, M. (2009). Marxismo e Filosofia da Linguagem. Tradução de Michel Lahud e Yara Frateschi Vieira. (13a ed.). São Paulo: Hucitec.

Bakhtin, M. (2010). Questões de Literatura e de Estética (A teoria do romance). Tradução de Aurora Fornoni Bernardini, José Pereira Junior, Augusto Góes Júnior, Helena Spryndis Nazáro e Homero Freitas de Andrade. (6a ed.). São Paulo: Hucitec.

Beranger, C. (2009). Carta de Celisa Beranger. Recuperado de http://www.cienciahoje.org.br/noticia/v/ler/id/1182/n/carta_de_celisa_beranger/Post_page/1147

Brait, B. (2005). Bakhtin e a natureza constitutivamente dialógica da linguagem. In Brait, B. Bakhtin, dialogia e construção do sentido. (2a ed.). Campinas: Editora UNICAMP.

Bueno, W. (1985). Jornalismo cientifico no Brasil: os compromissos de uma prática dependente (SP). Tese de Doutorado. Escola de Comunicação e Arte da Universidade de São Paulo.

Cardoso, D., Noronha, A., Watanabe, G., & Gurgel, I. (2015). Texto jornalístico sobre a Ciência: uma análise do discurso sobre a natureza da ciência. Revista de Educação em Ciência e Tecnologia, 8(3), 229-251. DOI:10.5007/1982-5153.2015v8n3p229

Caribé, R. C. V. (2015). Comunicação científica: reflexões sobre o método. Informação & Sociedade, 25(3), 89-108. Recuperado de http://www.ies.ufpb.br/ojs/index.php/ies/article/view/23109

Cunha, M. B. (2009). A percepção de Ciência e Tecnologia dos estudantes do ensino médio e a divulgação científica (SP). (Tese de Doutorado, Faculdade de Educação da Universidade de São Paulo). Recuperado de http://www.teses.usp.br/teses/disponiveis/48/48134/tde-02032010-091909/pt-br.php

Cunha, M. B., & Giordan, M. (2015). Divulgação científica na sala de aula: implicações de um gênero. In Giordan, M., & Cunha, M. B. Divulgação científica na sala de aula: perspectivas e possibilidades (pp. 67-86). Ijuí: Editora Unijuí.

Dietz, T. (2013). Bringing values and deliberation to science communication. PNAS – Proceendings of the National Academy of Sciences of the United States of America, 110(3), 14081-14087. Recuperado de http://www.pnas.org/content/110/Supplement_3/14081.full

Epstein, I. (2012). Comunicação da Ciência: rumo a uma teoria da divulgação científica. Espaço aberto, 9(16/17). Recuperado em http://www.revistaorganicom.org.br/sistema/index.php/organicom/article/view/513/429

Fioravantti, C. H. (2013). Um enfoque mais amplo para o Jornalismo Científico. Intercom – Revista Brasileira de Ciências da Comunicação, 36(2), 315-332. DOI:10.1590/S1809-58442013000200015

Ferreira, L. N. A., & Queiroz, S. L. (2012). Textos de divulgação científica no ensino de ciências: uma revisão. Alexandria: Revista de Educação em Ciência e Tecnologia, 5(1), 3-31. Recuperado de https://periodicos.ufsc.br/index.php/alexandria/article/view/37695/28866

Giannotti, J. A. (2013). Considerações sobre o método. In Marx, K. O capital: crítica da economia política: Livro I: o processo de produção do capital (pp. 59-73). São Paulo: Boitempo.

Globo (2012). Físicos dos EUA afirmam ter achado forte evidência da 'partícula de Deus'. G1. Recuperado de http://g1.globo.com/ciencia-e-saude/noticia/2012/07/fisicos-dos-eua-afirmam-ter-achado-forte-evidencia-da-particula-de-deus.html

Grillo, S. V. C. (2006). Divulgação científica na esfera midiática. Intercâmbio, 15, 1-10, Recuperado de https://revistas.pucsp.br/index.php/intercambio/article/view/3691/2416

_______. (2013). Divulgação científica: linguagens, esferas e gêneros (SP). Tese de Livre. Faculdade de Filosofia, Letras e Ciências Humanas da Universidade de São Paulo.

Lewenstein, B.V. (2003). Models of public communication of science and technology. Editor, Public Understanding of Science. Ithaca: Cornell University, 2003. Recuperado de https://edisciplinas.usp.br/pluginfile.php/43775/mod_resource/content/1/Texto/Lewenstein%202003.pdf

Lima, G. S. (2016). O professor e a divulgação científica: apropriação e uso em situações formais de ensino (SP). (Tese de doutorado, Faculdade de Educação da Universidade de São Paulo). Recuperado de http://www.teses.usp.br/teses/disponiveis/48/48134/tde-16082016-093959/pt-br.php

Lima, G. S., & Giordan, M. (2015). A divulgação científica em sala de aula: aportes do planejamento de ensino entre professores de Ciências. In Giordan, M., & Cunha, M. B. Divulgação científica na sala de aula: perspectivas e possibilidades (pp. 285-306). Ijuí: Editora Unijuí.

Martins, I., Nascimento, T. G., & Abreu, T. B. (2004). Clonagem na sala de aula: um exemplo do uso didático de um texto de divulgação científica. Investigações em Ensino de Ciências, 9(1), 95-111. Recuperado de http://www.if.ufrgs.br/ienci/artigos/Artigo_ID111/v9_n1_a2004.pdf

Massarani, L., & Moreira, I. C. (2004). Divulgación de la ciência: perspectivas históricas y dilemas permanentes. QUARK, 33, 30-35. Recuperado de http://www.raco.cat/index.php/quark/article/viewFile/55031/63224

Morson, G. S., & Emerson, C. (2008). O Cronótopo. In Moron, G. S., & Emerson, C. Mikhail Bakhtin: criação de uma prosaística (pp. 383-449). São Paulo: Editora da Universidade de São Paulo.

Motta-Roth, D., & Scherer, A. (2012). Expansão e contração dialógica na mídia: intertextualidade entre ciência, educação e jornalismo. Documentação de Estudos em Linguística Teórica e Aplicada, 28, 639-672. DOI:10.1590/S0102-44502012000300010

Nascimento, T. G., & Resende Jr, M. F. (2010). A produção sobre divulgação científica na área de educação em ciências: referenciais teóricos e principais da temática. Investigações em ensino de ciências, 15(1), 97-120. Recuperado de https://www.if.ufrgs.br/cref/ojs/index.php/ienci/article/view/317

Oliveira, A. (2011). Luzes e cores. Ciência Hoje. Recuperado de http://www.cienciahoje.org.br/noticia/v/ler/id/2769/n/luzes_e_cores.

Pinto, G. M. (2009). Literatura não-canônica de divulgação científica em aulas de ciências. Ensaio, 11(2), 299-317. Recuperado de http://www.portal.fae.ufmg.br/seer/index.php/ensaio/article/view/219

Polino, C., & Castelfranchi, Y. (2012). Comunicación pública de la ciencia. Historia, prácticas y modelos. In: Aibar, E., & Quintanilla, M.A. Enciclopedia IberoAmericana de Filosofía Volume 32: Ciencia, tecnología y sociedade, 351-378, Madrid: Editorial Trotta.

Rojo, R. (2008). O letramento escolar e os textos da divulgação científica - a apropriação dos gêneros de discurso na escola. Linguagem em (dis)curso, 8(3), 581-612. Recuperado de http://www.scielo.br/pdf/ld/v8n3/09.pdf

Silva, H. C. (2006). O que é divulgação científica? Ciência & Ensino, 1(1) Recuperado de http://prc.ifsp.edu.br:8081/ojs/index.php/cienciaeensino/article/view/39/98

Vogt, C. (2012). The spiral of scientific culture and cultural well-being: Brazil and Ibero-America. Public Understanding of Science, 21(1), 4-16, 2012. DOI:10.1177/0963662511420410

Vigotski, L. (2009). A construção do pensamento e da linguagem. Tradução de Paulo Bezerra. (2a ed.). São Paulo: WMF Martins Fontes.

Wertsch, J. V. (1998). Mind as action. New York: Oxford Univ. Press.

Wuensche, C. A. (2009). Astronomia versus Astrologia. Ciência Hoje, 43(256), 24-29.

Zamboni, L. M. S. (2001). Cientistas, jornalistas e a divulgação científica: subjetividade e heterogeneidade no discurso da divulgação científica. Campinas: Autores associados.




DOI: http://dx.doi.org/10.22600/1518-8795.ienci2017v22n2p83

Licença Creative Commons
Este obra está licenciado com uma Licença Creative Commons Atribuição-NãoComercial 4.0 Internacional.

Revista Investigações em Ensino de Ciências (IENCI) - ISSN: 1518-8795 

Creative Commons License