PROCESSOS DE FORMAÇÃO CONTINUADA: COM A PALAVRA O PROFESSOR DE CIÊNCIAS

Valderez Marina do Rosário Lima, Marcia Zschornack Marlow Santos

Resumo


O artigo apresentado tem como tema central a formação continuada de professores, e o estudo foi delineado com o objetivo de: compreender como professores de Ciências que atuam na Educação Básica percebem eventos de formação continuada na perspectiva de contribuições para seu desenvolvimento pessoal e profissional. Do objetivo derivou-se o seguinte problema: que aspectos relativos ao desenvolvimento pessoal e profissional são destacados por docentes ao analisarem eventos de formação continuada dos quais participaram? A fim de responder à pergunta inicial organizaram-se dois estudos de caso, cada um deles referente a um evento de formação continuada para professores de Ciências, com a característica de serem ambos em parceria entre escola e universidade. Os sujeitos da pesquisa foram os professores participantes dos dois eventos, e os dados foram coletados por meio de entrevista e analisados pelo método de Análise Textual Discursiva (ATD). Após essa etapa, elaborou-se uma síntese integradora das ideias emergentes dos dois casos, enfatizando aspectos do âmbito do desenvolvimento pessoal e profissional. Sobre a repercussão dos processos de formação continuada no desenvolvimento profissional, evidenciou-se a ampliação de conhecimentos sobre a docência, não só em relação a conteúdos específicos, mas, especialmente, no que se refere a estratégias de ensino e possibilidades de relação entre conteúdos de distintas áreas de conhecimento. Sobre desenvolvimento pessoal, chamou atenção a presença de fatores que denotam incremento da motivação e da autonomia dos professores. Como implicações do estudo destacam-se, entre as condições importantes para qualificar as ações de formação continuada, algumas especificidades na caracterização da proposta e na vigência das ações de formação.


Palavras-chave


Formação continuada; Desenvolvimento profissional; Desenvolvimento pessoal

Texto completo:

PDF

Referências


Becker, F. (2001). Educação e construção do conhecimento. Porto Alegre: Artmed.

Beja, A. C., & Rezende, F. (2014). Processos de construção da identidade docente no discurso de es-tudantes da licenciatura em química. Revista Electrónica de Enseñanza de las Ciencias. 13(2),156-178. Recuperado de http://reec.uvigo.es/REEC/spanish/REEC_older_es.htm

Bogdan, R., & Biklen, S. (1994). Investigação qualitativa em Educação: uma introdução à teoria e aos métodos. Portugal: Porto Editora.

BRASIL. (2014). Todos pela Educação. Carga horária de professor brasileiro em sala de aula supera a de países da OCDE. 26 de junho de 2014. Recuperado de http://www.todospelaeducacao.org.br/educacao-na-midia/indice/30673/carga-horaria-de-professor-brasileiro-em-sala-de-aula-supera-a-de-paises-da-ocde/

BRASIL. (1999). Ministério de Educação e do Desporto. Secretaria de Educação Fundamental. Refe-renciais para a formação de professores. Brasília, DF: MEC/ SEF.

BRASIL. (2014). Fabricando Histórias: Direito, Literatura e Vida. São Paulo: Letra e Voz.

Candau, V. M. F. (1997). Formação continuada de professores: tendências atuais. In Candau, V. M. F. (Org.). Magistério: construção cotidiana (pp.51-68.). Petrópolis: Vozes.

Chiavenato, I. (1987). Teoria Geral da Administração. São Paulo: McGraw-Hill.

Contreras, J. (2012). A autonomia de professores. São Paulo: Cortez.

Demo, P. (2007). Educar pela pesquisa. Campinas: Autores Associados.

Demo, P. (2008). Professor e seu direito de estudar. In Shigunow Neto, A., & Maciel L. S. B. (Orgs.). Reflexões sobre a formação de Professores (pp.71-88). Campinas. Papirus.

Denzin, N., & Lincoln, Y. (2006). O planejamento da pesquisa qualitativa. Teorias e abordagens. Porto Alegre: Artmed.

Flick, U. (2009). Introdução à pesquisa qualitativa. Porto Alegre: Artmed.

Freire, P. (1996). Pedagogia da Autonomia: saberes necessários à prática docente. São Paulo: Paz e Terra.

Grillo, M. (2008). O professor e a docência: o encontro com o aluno. In Enricone D. et al. (Orgs.). Ser Professor (6a ed.). Porto Alegre: EDIPUC.

Jardilino, J. R. L., & Oliveri, A. M. R. (2013) A formação continuada de professores no âmbito do PIBID na região dos inconfidentes (MG). EntreVer - Revista das Licenciaturas, Florianópolis, 3(4), 237-249. Recuperado de http://incubadora.periodicos.ufsc.br/index.php/EntreVer/article/view/2582/3083

Huberman, M. (1995). O ciclo de vida profissional de professores. In Nóvoa, A. (Org.). Vida de professo-res (pp.31-62). Porto: Porto Editora.

Imbernón, F. (2010). Formação continuada de professores. Porto Alegre: Artmed.

Laranjeira, M. I. et al. (1999). Referências para formação de professores. In Bicudo, M.V., & Silva, Jr. C. A. (Orgs.). Formação do educador e avaliação educacional: formação inicial e contínua (pp. 7-45). São Paulo: UNESP.

Luckesi, C. C. (2008). Avaliação da aprendizagem escolar: Para além do autoritarismo. In Avaliação da aprendizagem escolar: estudos e proposições (19a ed.) (pp.27-47). São Paulo: Cortez.

Mayer, E., & Cury H. N. [s. n.] A articulação entre as disciplinas específicas e pedagógicas em um curso de licenciatura em Matemática. Comunicação Científica. Recuperado de http://www.unifra.br/professores/13935/CCMAYER-CIEM.pdf

Moraes, R., & Lima, V. M. R. (2012). Pesquisa em sala de aula: tendências para a educação em novos tempos. Porto Alegre: EDIPUCRS.

Moraes, R., & Galiazzi, M. do C. (2011). Análise Textual Discursiva. Ijuí: Unijuí.

Morosini, M. C., & Comarú, P. do A. (2009). A Dimensão Profissional Docente: Questões do Nosso Tempo. In Ernicone, D. (Org.). Professor como Aprendiz: saberes docentes (pp.61-92). Porto Alegre: EDIPUC.

Nóvoa, A. (2009). Professores: Imagem do futuro presente. Lisboa: EDUCA.

Nóvoa, A. (1997). A imprensa de educação e ensino. In CATANI, D. B., & BASTOS, M. H. C. Educação em revista: a imprensa periódica e a história da educação (pp. 11-32). São Paulo: Escrituras.

Pimenta, S. G. (2008). Formação de Professores: Identidade e saberes da docência. In Pimenta, S. G. (Org.). Saberes Pedagógicos e Atividades Docentes (6a ed.) (pp.15-32). São Paulo: Cortez.

Pimenta, S. G. (2006). Professor reflexivo: construindo uma crítica. In PIMENTA, S. G., & GHEDIN, E. (Org.). Professor reflexivo no Brasil: gênese e crítica de um conceito (4a ed.) (pp.17-47). São Paulo: Cortez.

Pimenta, S. G. (2005). Professor – Pesquisador: mitos e possibilidades. Revista Contrapontos, 5(1), 09-22. Recuperado de https://siaiap32.univali.br/seer/index.php/rc/article/view/802/654

Perrenoud, P. (2002). A prática Reflexiva no Ofício do Professor: Profissionalização e razão pedagógi-ca. Porto Alegre: Artmed Editora.

Pierson, A., & Neves, M. R. (2001). Interdisciplinaridade na formação de professores de Ciências: co-nhecendo obstáculos. Revista Brasileira de Pesquisa em Educação em Ciências,1(2),120-131. Re-cuperado de http://www.educadores.diaadia.pr.gov.br/arquivos/File/2010/artigos_teses/Biologia/Artigos/interdisciplina.pdf

Pires, C. M. C. (2000). Novos desafios para os cursos de licenciatura em matemática. Educação Mate-mática em Revista, 7(8), 10-15.

Ramos, T. A. A. (2013). Entre disciplinas pedagógicas e disciplinas específicas: A formação de profes-sores e a questão do estágio supervisionado em um curso de licenciatura integrada. Olh@res, Gua-rulhos, 1(1), 207-238.

Schön, D. (2007). Educando o profissional reflexivo: um novo design para o ensino e a aprendizagem. Porto Alegre: Artmed.

Selles, S. E. (2000). Formação continuada e desenvolvimento profissional de professores de ciências: anotações de um projeto. ENSAIO – Pesquisa em Educação em Ciências, 2(2), 209-229. DOI:10.1590/1983-21172000020206

Shulman, L. S. (2005). Conocimento y enseñanza: Fundamentos de la nueva reforma. Revista de Cur-rículum y formacíon del professorado. Espanha, 9(2), 1-30. Recuperado de http://www.ugr.es/~recfpro/rev92ART1.pdf

Silva, J. da C. M. (2011). Formação continuada dos professores: visando a própria experiência para uma nova perspectiva. Revista Iberoamericana de Educación, (55/3). Recuperado de http://www.rieoei.org/expe/3882Martins.pdf

Stake, R. (2011). Pesquisa Qualitativa. Estudando como as coisas funcionam. Porto Alegre: Penso.

Triviños, A. N. S. (1987). Introdução à pesquisa em ciências sociais. São Paulo: Atlas.

Yin, R. K. (2005). Estudo de caso: planejamento e métodos (3a ed.). Porto Alegre: Bookman.

Zabalza, M. (2006). Os diferentes âmbitos da avaliação. Revista Pátio Educação Infantil, Porto Alegre, IV(10), 6-8.




DOI: http://dx.doi.org/10.22600/1518-8795.ienci2017v22n3p61

Licença Creative Commons
Este obra está licenciado com uma Licença Creative Commons Atribuição-NãoComercial 4.0 Internacional.

Revista Investigações em Ensino de Ciências (IENCI) - ISSN: 1518-8795 

Creative Commons License