MESTRADOS PROFISSIONAIS EM ENSINO DE CIÊNCIAS: ESTRUTURA, ESPECIFICIDADE, EFETIVIDADE E DESENVOLVIMENTO PROFISSIONAL DOCENTE

Alberto Villani, Elisabeth Barolli, Juliana de Oliveira Maia, Luciana Massi, Victor Ferreira Dias Santos, Wilson Elmer Nascimento

Resumo


A formação de professores, historicamente, tem se constituído em um importante objeto de estudos e ações na área de educação em ciências. Dentre essas ações, os Mestrados Profissionais (MP) em Ensino de Ciências e Matemática representam um dos movimentos formativos mais abrangentes e desafiadores dos últimos anos. No entanto, a produção da área sobre esse tema ainda é dispersa e escassa. Por se tratar de um projeto complexo e exemplar de formação continuada e por envolver um grande número de participantes e instituições de todo o Brasil, parece importante construir uma visão analítica dessa iniciativa, que já dura quinze anos e foi caracterizada por vários embates e mudanças. Para monitorar essas contribuições, realizamos um estudo do tipo “estado da arte” com base nas orientações da meta-análise, isto é, por meio de uma análise crítica, enfrentamos o desafio de discutir a produção científica sobre esse tema. Buscamos em todas as revistas de Educação e Ensino de Ciências, avaliadas de A1 a B4 no Qualis da Capes e publicadas entre 2000 e 2015, artigos sobre o tema e selecionamos 26 trabalhos para análise. Com base na análise empírica desse corpus, foram definidas a posteriori duas categorias que representavam as temáticas fundamentais para as quais os artigos pretendiam contribuir: a natureza ampla dos mestrados profissionais em ensino de Ciências – estrutura, especificidade e efetividade, e o Mestrado Profissional em Ensino de Ciências (MPEC) e o desenvolvimento profissional docente. A primeira categoria permitiu identificar as características do mestrado profissional quanto à estrutura curricular, corpo docente e projetos formativos. Merece destaque o fato de que, desde sua criação, o MPEC carrega controvérsias quanto às suas características peculiares. A contraposição entre suas principais metas e aquelas do Mestrado Acadêmico em ensino de Ciências vem sendo repetidamente utilizada para encontrar elementos de distinção que permitam atribuir ao MP uma identidade própria. A segunda categoria foi organizada de modo a reunir os artigos que tinham em comum o fato de destacar possíveis contribuições dos mestrados profissionais para a formação de professores de ciências. A metainterpretação dessas contribuições foi realizada com o apoio de um esquema de análise elaborado pelos próprios autores. Tal esquema estabelece oito dimensões para caracterizar o desenvolvimento profissional docente: atualização dos conhecimentos científicos; atualização dos conhecimentos pedagógicos; organização e condução do ensino; sustentação da aprendizagem dos alunos; participação na gestão escolar; investigação da própria prática, planejamento da carreira profissional e participação na responsabilidade social. A despeito das controvérsias apontadas na categoria anterior, todos os artigos reunidos nesta segunda categoria consideram que os MPEC se constituem em espaços formativos com potencial para que os professores se desenvolvam profissionalmente em diferentes dimensões da carreira docente.


Palavras-chave


Mestrado Profissional; Desenvolvimento profissional; Estado da arte; Meta-análise

Texto completo:

PDF

Referências


Araújo, M. S. T., & Amaral, L. H. (2006). Impactos do Mestrado Profissional em Ensino de Ciências e Matemática da Unicsul sobre a atividade docente de seus estudantes: do processo de reflexão às transformações na prática pedagógica. Revista Brasileira de Pós-Graduação, 3(5), 150-166. DOI: 10.21713/2358-2332.2006.v3.102

Arce, A. (2001). Compre o kit neoliberal para a educação infantil e ganhe grátis os dez passos para se tornar um professor reflexivo. Educação & Sociedade, 22(74), 251-283. DOI: 10.1590/S0101-73302001000100014

Avaliação trienal: 2013. Coordenação de Aperfeiçoamento de Pessoal de Nível Superior (2013). Documento de Área de Ensino. Brasília. Recuperado de http://ppgect.ufsc.br/files/2013/09/Documento-de-Area-Ensino-Trienal-2013.pdf

Bardin, L. (2016). Análise de conteúdo. (Luis Antonio Reto, Augusto Pinheiro, Trad.). São Paulo: Edições 70.

Bisognin, E. (2013). Produtos educacionais: análise da produção do Mestrado Profissional em Ensino de Física e de Matemática do Centro Universitário Franciscano de Santa Maria. Polyphonía, 24(2), 269-284. DOI: 10.5216/rp.v24i2.37938

Borges, P. F. (2005). Professor profissional/mestrado profissional: uma proposta para reflexão. Educação & Tecnologia, 10(1), 12-18. Recuperado de https://seer.dppg.cefetmg.br/index.php/revista-et/article/view/70/67

Brandão, M. A., Deccahe-Maia, E., & Bomfim, A. M. (2013). Os desafios da construção de um Mestrado Profissional: um panorama dos sete anos do Propec. Polyphonía, 24(2), 319-337. DOI: 10.5216/rp.v24i2.37941

Cachapuz, A., Paixão, F., Lopes, J. B., & Guerra, C. (2008). Do Estado da arte da Pesquisa em Educação em Ciências: Linhas de Pesquisa e o Caso “Ciências-Tecnologia-Sociedade”. Alexandria Revista de Educação em Ciência e Tecnologia, 1(1), 27-49.

Contreras, J. (2002). A autonomia de professores. (Sandra Trabuco, Trad.). São Paulo: Cortez.

Curi, E., & Amaral, L. H. (2013). Dez anos de Mestrado Profissional em Ensino de Ciências e Matemática: a contribuição da pesquisa para a educação básica. Polyphonía, 24(2), 285-302. DOI: 10.5216/rp.v24i2.37939

Day, C. (2001). Desenvolvimento Profissional de Professores: Os desafios da aprendizagem permanente. Porto: Porto Editora.

Draibe, S. M. (2001). Avaliação de implementação: esboço de uma metodologia de trabalho em políticas. In M. C. R. Barreira, & M. C. B. de Carvalho (Org.). Tendências e perspectivas na avaliação de políticas sociais. (pp. 13-42). São Paulo: IEE/PUC-SP.

Fernandes, R. C. A., & Megid Neto, J. (2007). Pesquisas sobre o Estado da Arte em Educação em Ciências: uma revisão em periódicos científicos brasileiros. In Encontro Nacional de Pesquisa em Educação em Ciências (pp. 1-12). Florianópolis: ABRAPEC.

Freire, M. L. F., & Germano, M. G. (2009). Mestrados profissionalizantes em ensino de ciências: algumas considerações sobre o processo seletivo. Scientia Plena, 5(4), 1-6. Recuperado de https://www.scientiaplena.org.br/sp/article/view/628/289

Gatti, B. A. (2010). Formação de professores no Brasil: características e problemas. Educação & Sociedade, 31(113), 1355-1379. DOI: 10.1590/S0101-73302010000400016

Gómez, A. P. (1995). Formar professores como profissionais reflexivos. In A. Nóvoa. Os professores e a sua formação (2. ed, pp. 93-114). Lisboa: Publicações Dom Quixote.

Hunter, J., & Schmidt, F. (1990). Methods of meta-analysis. Newbury Park, CA: Sage Publications.

Imbeau, L. M., Pétry, F., & Lamari, M. (2001). Left-right party ideology and government policies: A meta-analysis. European Journal of Political Research, 40(1), 1-29. DOI: 10.1023/A:1011889915999

Kuenzer, A. Z. A. (2011). Formação de professores para o ensino médio: velhos problemas, novos desafios. Educação & Sociedade, 32(116), 667-688. DOI: 10.1590/S0101-73302011000300004

Latini, R. M., Oliveira, L. R. de Anjos, M. B. dos, & Carvalho, R. H. de S. B. F. de. (2011). Análise dos produtos de um mestrado profissional da área de ensino de Ciências e Matemática. Revista Ensino, Saúde e Ambiente, 4(2), 45-57. Recuperado de http://ensinosaudeambiente.uff.br/index.php/ensinosaudeambiente/article/viewFile/94/93

Marcelo, C. (1999). Formação de Professores para uma mudança educativa. Porto: Porto Editora.

Martin, V. A. F., & Pereira, M. G. (2014). Sobre o mestrado profissional em astronomia da UEFS. Polyphonía, 25(2), 611-618.

Megid Neto, J. (2011). Gêneros de trabalhos científico e tipos de pesquisa. In J. Megid Neto, & M. Kleinke. U. (Orgs.). Fundamentos de Matemática, Ciências e Informática para os Anos Iniciais do Ensino Fundamental – Livro III (3v, pp. 125-132), Campinas, SP: FE/UNICAMP.

Moreira, M. A. (2001). A nova área de Ensino de Ciências e Matemática na CAPES e o mestrado em ensino [Editorial]. Revista Brasileira de Pesquisa em Educação em Ciências, 1(2), 1-2. Recuperado de https://seer.ufmg.br/index.php/rbpec/article/view/2369/1769

Moreira, M. A. (2002). A área de ensino de Ciências e Matemática na Capes: panorama 2001/2002 e critérios de qualidade. Revista Brasileira de Pesquisa em Educação em Ciências, 2(1), 36-59.

Moreira, M. A. (2004). O mestrado (profissional) em ensino. Revista Brasileira de Pós-Graduação, 1(1), 131-142. DOI: 10.21713/2358-2332.2004.v1.26

Moreira, M. A., & Nardi, R. (2009). O mestrado profissional na área de Ensino de Ciências e Matemática: alguns esclarecimentos. Revista Brasileira de Ensino de Ciência e Tecnologia, 2(2), 1-9. DOI: 10.3895/S1982-873X2009000300001

Nascimento, S. S. (2013). O Mestrado Nacional Profissional de Ensino de Física: a experiência da Sociedade Brasileira de Física. Polyphonía, 24(2), 255-268. DOI: 10.5216/rp.v24i2.37937

Nascimento, S. S., Batista, M. R., & Cardoso, L. (2015). Mestrados profissionais em física e astronomia no Brasil: contexto e dilemas. Dialogia, 21, 101-114.

Niezer, T. M., Fabri, F., Frasson, A. C., & Pilatti, L. A. (2015). Caracterização dos Produtos Desenvolvidos por um Programa de Mestrado Profissional da Área de Ensino de Ciências e Tecnologia. Revista Brasileira de Ensino de Ciência e Tecnologia, 8(3), 1-29. DOI: 10.3895/rbect.v8n3.2084

Nóvoa, A. (2009). Professores: Imagens do futuro presente. Lisboa: EDUCA.

Oliveira, L. R., Latini, R. M., Santos, M. B. P. dos, Canesin, F. de P., & Coutinho, L. G. R. (2014). Uma análise do mestrado profissional em ensino de ciências da natureza da Universidade Federal Fluminense. Polyphonía, 25(2), 391-403. DOI: 10.5216/rp.v25i2.38151

Ostermann, F., & Ricci, T. S. F. (2004). Construindo uma unidade didática conceitual sobre mecânica quântica: um estudo na formação de professores de Física. Ciência & Educação, 10(2), 235-257. DOI: 10.1590/S1516-73132004000200007

Ostermann, F., Prado, S. D., & Ricci, T. S. F. (2008). Investigando a aprendizagem de professores de Física acerca do fenômeno da interferência quântica. Ciência & Educação, 14(1), 35-54. DOI: 10.1590/S1516-73132008000100003

Ostermann, F., & Rezende, F. (2009). Projetos de desenvolvimento e de pesquisa na área de ensino de ciências e matemática: uma reflexão sobre os mestrados profissionais. Caderno Catarinense de Ensino de Física, 16(1), 66-80.DOI: 10.5007/2175-7941.2009v26n1p66

Passos, C. L. B., Nacarato, A. M., Fiorentini, D., Miskulin, R. G. S., Grando, R. C., Gama, R. P., Megid, M. A. B. A., Freitas, M. T. M. & Melo, M. V. de. (2006). Desenvolvimento profissional do professor que ensina Matemática: uma meta-análise de estudos brasileiros. Quadrante, 15(1), 193-219.

Perrenoud, P. (2000). Dez novas competências para ensinar. Porto Alegre: Artes Médicas Sul.

Pimenta, S. G. (Org.). (2000). Saberes pedagógicos e atividade docente (2a ed). São Paulo: Cortez.

Pinto, C. M. (2013). Metanálise qualitativa como abordagem metodológica para pesquisas em letras. Atos de Pesquisa em Educação, 8(3), 1033-1048.

Ponte, J. P. (1998). Da formação ao desenvolvimento profissional. In Actas do ProfMat (pp. 27-44). Lisboa: APM.

Porlán, R., & Rivero, A. (1998). El conocimiento de los profesores. Sevilla, ES: Díada.

Portaria Normativa nº 17, de 28 de dezembro de 2009 (2009, 28 de dezembro). Dispõe sobre o mestrado profissional no âmbito da Fundação Coordenação de Aperfeiçoamento de Pessoal de Nível Superior – CAPES. Brasília. Recuperado de https://www.capes.gov.br/images/stories/download/legislacao/PortariaNormativa_17MP.pdf

Rôças, G., Siqueira-Batista, R., Bomfim, A. M. do, & Brandão, M. (2011). O mestrado profissional em ensino de ciências do Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia do Rio de Janeiro: o desafio do ensino de pós-graduação na região da baixada fluminense do Rio de Janeiro. Ensino, saúde e ambiente, 4(2), 02-16.

Rezende, F., & Ostermann, F. (2015). O protagonismo controverso dos mestrados profissionais em ensino de ciências. Ciência & Educação, 21(3), 543-558. DOI: 10.1590/1516-731320150030002

Santos, S. R. M., Martins, H. G., Puggian, C., & Costa, P. M. D. da (2012). Didáticas específicas, novas tecnologias e formação de professores para o ensino das Ciências na baixada fluminense: a experiência do mestrado profissional da Universidade do Grande Rio. Revista Brasileira de Pós-Graduação, 9(16), 115-138. DOI: 10.21713/2358-2332.2012.v9.279

Schäfer, E. D. A. (2013). Impacto do Mestrado Profissional em Ensino de Física da UFRGS na prática docente: um estudo de caso. (Tese de doutorado). Universidade Federal do Rio Grande do Sul, Porto Alegre, Rio Grande do Sul, Brasil.

Schäfer, E. D. A., & Ostermann, F. (2013a). Autonomia profissional na formação de professores: Uma análise de entrevistas realizadas num mestrado profissional em ensino de física. Revista Electrónica de Enseñanza de lãs Ciências, 12(2), 287-312.

Schäfer, E. D. A., & Ostermann, F. (2013b). O impacto de um mestrado profissional em ensino de Física na prática docente de seus alunos: uma análise bakhtiniana sobre os saberes profissionais. Revista Ensaio, 15(2), 87-103. Recuperado de http://www.portal.fae.ufmg.br/seer/index.php/ensaio/article/view/777/1291

Schön, D. (2000). Educando o profissional reflexivo: um novo design para o ensino e a aprendizagem. Porto Alegre: Artes Médicas.

Silva, S. C. R., & Schirlo, A. C. (2014). Reflexões sobre produtos do programa de pós-graduação em ensino de ciência e tecnologia da UTFPR/Ponta Grossa. Vidya, 34(1), 117-132. Recuperado de http://www.periodicos.unifra.br/index.php/VIDYA/article/view/21/209

Silveira, V. O. da, & Pinto, F. C. de S. (2005). Reflexões necessárias sobre o mestrado profissional. Revista Brasileira de Pós-graduação, 2(4), 38-47. DOI: 10.21713/2358-2332.2005.v2.76

Tardif, M. (2007). Saberes docentes e formação profissional. (8a ed). Petrópolis, RJ: Ed. Vozes.

Teixeira, P. M. M., & Megid Neto, J. (2011). Pós-graduação e pesquisa em ensino de biologia no Brasil: um estudo com base em dissertações e teses. Ciência e Educação, 17(3), 559-578. DOI: 10.1590/S1516-73132011000300004

Tocafundo, R. D., Nascimento, S. S., & Verdejo, A. M. (2015). Mestrado Profissional em Ensino: uma inovação promissora? Dialogia, 21, 41-54.

Vital, A., & Guerra, A. (2014). A natureza da ciência no ensino de Física: estratégias didáticas elaboradas por professores egressos do mestrado profissional. Caderno Brasileiro de Ensino de Física, 31(2), 225-257. DOI: 10.5007/2175-7941.2014v31n2p225

Zeichner, K. M. (2008). Uma análise crítica sobre a “reflexão” como conceito estruturante na formação docente. Educação & Sociedade, 29(103), 535-554. DOI: 10.1590/S0101-73302008000200012




DOI: http://dx.doi.org/10.22600/1518-8795.ienci2017v22n1p127

Licença Creative Commons
Este obra está licenciado com uma Licença Creative Commons Atribuição-NãoComercial 4.0 Internacional.

Revista Investigações em Ensino de Ciências (IENCI) - ISSN: 1518-8795 

Creative Commons License