REVISITANDO PROJETOS DE ENSINO DE FÍSICA NUMA PERSPECTIVA BAKHTINIANA

José Ortega, André Machado Rodrigues, Cristiano Mattos

Resumo


Neste artigo, apontamos algumas correlações entre o contexto histórico-social da década de 1970 e a esfera do ensino de física da época, por meio da análise de enunciados expressos nos textos de dois projetos de ensino: O Projeto Física da Universidade de Harvard e o Projeto de Ensino de Física da Universidade de São Paulo. Dada a infinidade e complexidade das mediações entre sociedade e projeto, focamos nas mediações que se referem às esferas mais amplas da atividade social. Queremos delinear as mediações sócio históricas que permitem identificar os limites sociais e históricos a que estavam submetidos. Portanto, é nessa relação dialética entre obra educacional e horizonte histórico de uma sociedade que tomamos o conceito de gênero discursivo (Bakhtin, 2006), com o qual é possível representar as relações entre história e discurso. Nessa relação se estabelecem a teleologia social, as intenções comunicativas e as escolhas discursivas dos sujeitos da atividade humana. Dessa forma, nossa perspectiva discursiva, social e histórica de análise indica que os discursos educacionais por eles produzidos expressaram necessidades, valores e compromissos de grupos sociais organizados daquelas sociedades e que suas produções ideológicas foram refletidas e refratadas no conteúdo temático, na composição e estilo dos gêneros produzidos para o ensino daquele contexto.


Palavras-chave


Projetos de ensino de física; Sociologia da Educação; Análise do discurso; Gêneros do discurso

Texto completo:

PDF

Referências


Alves Filho, J. de P. (2000). Atividades experimentais: do método à prática construtivista (Tese de Doutorado, Universidade Federal de Santa Catarina). Recuperado de https://repositorio.ufsc.br/xmlui/handle/123456789/79015

Andrade Filho, D. A. (2010). O livro didático como mercadoria - 1990 a 2003. Emblemas - Revista do Departamento de História e Ciências Sociais - UFG/CAC, 1(4), 19-28. Recuperado de http://www.revistas.ufg.br/index.php/emblemas/article/view/11633/7635

Bakhtin, M. (2006). Estética da criação verbal. São Paulo: Martins Fontes.

Barnett, N. (2013). “Russia wins space race”: The British Press and the Sputnik Moment, 1957. Media History, 19(2), 182–195. DOI:10.1080/13688804.2013.791419

Barra, V. M., & Lorenz, K. M. (1986). Produção de materiais didáticos de Ciências no Brasil, período: 1950 a 1980. Ciência & Cultura, 38(12), 1970–1983.

Bittencourt, D. R. S. (1977). Uma análise do Projeto de Ensino de Física - Mecânica. Universidade de São Paulo, São Paulo.

Cachapuz, A., Paixão, F., Lopes, J. B., & Guerra, C. (2008). Do estado da arte da pesquisa em educação em Ciências: linhas de pesquisa e o caso “Ciência-Tecnologia-Sociedade”. Alexandria Revista de Educação em Ciência e Tecnologia, 1(1), 27–49. DOI:10.5007/%25x

Carr, E. H. (1996). O que é história? São Paulo: Paz & Terra.

Engeström, Y., & Sannino, A. (2010). Studies of expansive learning: Foundations, findings and future challenges. Educational Research Review, 5(1), 1–24.

Feyerabend, P. (2007). Contra o método. São Paulo: UNESP. Recuperado de http://books.google.com.br/books?id=Is68ro1jFA4C

Garcia, N. M. D. (2006). Ensinando a ensinar física: um projeto desenvolvido no Brasil nos anos 1970. In IV Congresso Brasileiro de História da Educação (pp. 1–10). Goiás: Universidade Católica de Goiás. Recuperado de http://www.sbhe.org.br/novo/congressos/cbhe4/individuais-coautorais/eixo02/Nilson%20Marcos%20Dias%20Garcia.pdf%20

Gaspar, A. (1997). Cinqüenta Anos de Ensino de Física: Muitos Equívocos, Alguns Acertos e a Necessidade do Resgate do Papel do Professor. In Anais do XV Encontro de físicos do norte e nordeste (pp. 1–13). Natal: SBF. Recuperado de https://edisciplinas.usp.br/pluginfile.php/3360182/mod_resource/content/0/CINQ%C3%9CENTA%20ANOS%20DE%20ENSINO%20DE%20F%C3%8DSICA.pdf

Gaspar, A. (2005). Cinqüenta anos de ensino de física: muitos equívocos, alguns acertos e a necessidade de recolocar o professor no centro do processo educacional. Educação, 13(21), 71–91.

Guisasola, J., Almudí, J. M., & Furió, C. (2005). The nature of science and its implications for physics textbooks: The case of classical magnetic field theory. Science & Education, 14(5), 321–328. DOI:10.1007/s11191-004-7936-z

Hamburger, E. W., & Moscati, G. (Orgs.). (1971a). Projeto de Ensino de Física: Eletricidade. São Paulo: MEC/Fename.

Hamburger, E. W., & Moscati, G. (Orgs.). (1971b). Projeto de Ensino de Física: Mecânica. São Paulo: MEC/Fename.

Hamburger, E. W., & Moscati, G. (Orgs.). (1974). Projeto de Ensino de Física (Vol. 3–eletromagnetismo). Rio de Janeiro: Fename.

Hartman, A. (2008). Education and the Cold War: The Battle for the American School. New York: Palgrave Macmillan.

Heckert, A. L. C. (2004). Narrativas de resistência: educação e políticas (RJ). (Tese de Doutorado. Universidade Federal Fluminense). Recuperado de http://www.bdtd.ndc.uff.br/tde_arquivos/2/TDE-2004-11-16T14:34:59Z-45/Publico/Texto%20completo%20(Tese-Ana%20Heckert).pdf

Hobsbawm, E. (2005). A era dos extremos: o breve século XX. São Paulo: Cia. das Letras.

Holton, G. (1976). The project physics course: Notes on its educational philosophy. Physics Education, 11(5), 330–335.

Holton, G. (2003). The Project Physics Course, Then and Now. Science & Education, 12(8), 779–786. DOI:1023/B:SCED.0000004544.55635.40

Holton, G., Rutherford, F. J., & Watson, F. G. (Orgs.). (1980a). Projeto Física – HARVARD. Unidade 1: Conceitos de Movimento (Vol. 1). Lisboa: Fundação Calouste Gulbenkian.

Holton, G., Rutherford, F. J., & Watson, F. G. (Orgs.). (1980b). Projeto Física – HARVARD. Unidade 2: Movimento nos céus (Vol. 2). Lisboa: Fundação Calouste Gulbenkian.

Holton, G., Rutherford, F. J., & Watson, F. G. (Orgs.). (1980c). Projeto Física – HARVARD. Unidade 4: Luz e Eletromagnetismo (Vol. 4). Lisboa: Fundação Calouste Gulbenkian.

Hunt, L. (1991) Secret Agenda: The United States Government, Nazi Scientists, and Project Paperclip, 1945 to 1990. New York: St. Martin’s Press.

Jacobsen, A. M. (2014). Operation Paperclip: The Secret Intelligence Program that Brought Nazi Scientists to America. New York: Little, Brown and Company.

Krasilchik, M. (1987). O professor e o currículo de ciências. São Paulo: Edusp.

Krasilchik, M. (1995). Inovação no ensino das Ciências. In Inovação Educacional no Brasil: Problemas e Perspectivas (pp. 177–194). São Paulo: Cortez e Autores Associados.

Krasilchik, M. (2000). Reformas e realidade: o caso do ensino das ciências. São Paulo em Perspectiva, 14(1), 85–93. DOI:10.1590/S0102-88392000000100010

Kuhn, T. S. (2005). A estrutura das revoluções científicas. São Paulo: Perspectiva.

Lagemann, E. C. (2002). An Elusive Science: The Troubling History of Education Research. Chicago: University of Chicago Press.

Mattos, C. R. (2014). Conceptual Profile as a Model of a Complex World. In Conceptual Profile: A theory of teaching and learning scientific concepts (pp. 263–291). Dordrecht: Springer.

Maybury, R. H. (1975). Technical Assistance and innovation in science education. The Ford Foundation. Science Education: an Interscience Publication. New York: John Wilwy and Suns.

Medviédev, P. N. (2010). O método formal nos estudos literários: Introdução a uma poética sociológica. São Paulo: Contexto.

Moreira, M. A., & Axt, R. (1986). A questão das ênfases curriculares e a formação de professores de ciência. Caderno Catarinense de Ensino de Física, 3(2), 66–68.

Munakata, K. (2012). O livro didático como mercadoria. Pro-Posições, 23(3), 51–66. DOI:10.1590/S0103-73072012000300004

Nardi, R. (2005). Memórias da educação em Ciências no Brasil: a pesquisa em ensino de Física. Investigações em Ensino de Ciências, 10(1), 63–101.

Neufeld, M. J. (2013). Overcast, Paperclip, Osoaviakhim: Looting and the Transfer of German Military Technology. In D. Junker, P. Gassert, W. Mausbach, & D. B. Morris (Orgs.). The United States and Germany in the Era of the Cold War: 1945–1968. A handbook (pp. 197–203). Cambridge: Cambridge University Press.

Nicioli Junior, R. B., & Mattos, C. R. (2006). A influência francesa nos livros didáticos de física no fim do século XIX e início do século XX. In Anais da 58a Reunião Anual da SBPC.

Nicioli Junior, R. B., & Mattos, C. R. (2008). A disciplina e o conteúdo de cinemática nos livros didáticos de física do Brasil (1801 a 1930). Investigações Em Ensino de Ciências, 13(3), 275–298.

Nicioli Junior, R. B., & Mattos, C. R. (2012). História e memória do ensino de física no brasil: a Faculdade de Medicina de São Paulo (1913-1943). Investigações Em Ensino de Ciências, 18(4), 851–873.

Pacca, J. L. de A. (1976). Análise do desempenho de alunos frente a objetivos do PEF. (Dissertação de Mestrado). Universidade de São Paulo, São Paulo.

Pacheco, J. A. (2000). Reconceptualização curricular: os caminhos de uma teoria curricular crítica. Perspectiva, 18(33), 11–33. DOI:10.5007/%25x

Ricardo, E. C., & Zylbersztajn, A. (2008). Os parâmetros curriculares nacionais para as ciências do ensino médio: uma análise a partir da visão de seus elaboradores. Investigação Em Ensino de Ciências, 13(3), 257–274.

Riehl, N., & Seitz, F. (1996). Stalin’s Captive: Nikolaus Riehl and the Soviet Race for the Bomb. New York: Chemical Heritage Foundation.

Rodrigues, A. M., & Mattos, C. R. (2007). Reflexões sobre a noção de significado em contexto. Indivisa, Boletín de Estudios e Investigación, 7(1), 323–331.

Rudolph, J. L. (2002). Scientists in the Classroom: The Cold War Reconstruction of American Science Education. New York: Macmillan.

Santos, A. R., & Casali, A. D. (2009). Currículo e educação: origens, tendências e perspectivas na sociedade contemporânea. Olhar de Professor, 12(2), 207–231. DOI:10.5212/OlharProfr.

Santos, W. L. P. (2007). Educação científica na perspectiva de letramento como prática social: funções, princípios e desafios. Revista Brasileira de Educação, 12, 474–492. DOI:10.1590/S1413-24782007000300007

Silva, C. C. (2007). The role of models and analogies in the electromagnetic theory: a historical case study. Science & Education, 16(4), 835–848.

Simon, J. (2013). Physics and Textbooks Physics in the Nineteenth Textbooks and Twentieth Centuries. In J. Z. Buchwald & R. Fox (Orgs.). The Oxford Handbook of the History of Physics (pp. 651–678). New York: Oxford University Press.

Skidmore, T. (1988). Brasil: de Castelo a Tancredo. Rio de Janeiro: Paz e Terra.

Sodré, N. W. (1984). Vida e Morte da Ditadura. Petrópolis: Vozes.

Stuhlinger, E., & Ordway, F. (1996). Wernher von Braun, Crusader for Space: A Biographical Memoir. Malabar: Krieger Publishing Company.

Stuhlinger, E., Ordway, F., McCall, J. C., & Bucher, G. C. (1962). From Peenemuende to Outer Space: Commemorating the Fiftieth Birthday of Wernher von Braun. Huntsville: U.S. Dep. of Commerce - National Technical Information Service.

Vigotski, L. S. (2001). A construção do pensamento e da linguagem. São Paulo: Martins fontes.

Violin, A. G. (1976). O Projeto de Ensino de Física. (Dissertação de Mestrado). Universidade de São Paulo, São Paulo.

Volochinov/Bakhtin, M. (2006). Marxismo e filosofia da linguagem. São Paulo: Hucitec.




DOI: http://dx.doi.org/10.22600/1518-8795.ienci2017v22n3p16

Licença Creative Commons
Este obra está licenciado com uma Licença Creative Commons Atribuição-NãoComercial 4.0 Internacional.

Revista Investigações em Ensino de Ciências (IENCI) - ISSN: 1518-8795 

Creative Commons License