O ESQUEMA DE MOVIMENTO COMO ORGANIZADOR DA AÇÃO EM MECÂNICA CLÁSSICA E RELATIVÍSTICA

Gabriel Junior Dias de Carvalho

Resumo


O presente trabalho relata a utilização do conceito de esquema como uma das referências para análise do processo de significação do tempo relativo. Ele se coloca dentro de uma perspectiva atual que discute a inclusão de temas de Física Moderna no ensino médio, investigando as condições para que tal inclusão possa ocorrer. Para tanto, foi produzida uma sequência didática apoiada na transição entre os conceitos-chave da Mecânica Clássica e a Teoria da Relatividade, onde um dos pontos centrais era a discussão sobre a influência do referencial no estudo dos movimentos. As atividades de pesquisa duraram 16 horas-aulas em uma escola de terceira série do ensino médio e foram bastante diversificadas. Analisamos, neste trabalho, episódios de interação verbal e atividades escritas dos estudantes ligados ao conceito de referencial e a influência sobre a noção de tempo relativo. Foram identificados diferentes conteúdos epistêmicos nos esquemas de movimento e de tempo dos estudantes. Concluímos nossa pesquisa com a indicação de que pode ocorrer uma assimilação recíproca entre os esquemas de tempo e de movimento. 


Palavras-chave


esquema; invariantes operatórios; sujeito em situação; movimento; tempo

Texto completo:

PDF


DOI: http://dx.doi.org/10.22600/1518-8795.ienci2016v20n3p205

Licença Creative Commons
Este obra está licenciado com uma Licença Creative Commons Atribuição-NãoComercial 4.0 Internacional.

Revista Investigações em Ensino de Ciências (IENCI) - ISSN: 1518-8795 

Creative Commons License