SENTIDOS DE EDUCAÇÃO AMBIENTAL MOBILIZADOS EM DISCURSOS DE PROFESSORES DE ESCOLAS ENVOLVIDOS NA FORMAÇÃO DE LICENCIANDOS EM CIÊNCIAS BIOLÓGICAS

Elizabeth Bozoti Pasin, Reinaldo Luiz Bozelli

Resumo


Apesar de destacada em documentos legislativos, as escolas habitualmente abordam a Educação Ambiental (EA) de forma fragmentada e pouco consolidada. A formação inicial e continuada dos professores tem influência sobre esse panorama. Nosso objetivo foi interpretar os sentidos sobre EA, sobre a formação docente para a EA e sobre as ações em EA nas escolas mobilizados em discursos dos professores de instituições do Ensino Básico onde estagiavam licenciandos de Ciências Biológicas. Aplicamos questionários semiestruturados e nos embasamos no referencial teórico-metodológico da Análise de Discurso de linha francesa. Como resultados, observamos pequena diversidade de sentidos em relação à EA, com uma hegemonia daqueles relacionados à mudança de hábitos para preservar recursos, de EA para conservação e de EA restrita a aspectos biológicos. Alguns participantes também apresentaram uma hibridização entre EA e ensino de Ecologia. Nos discursos dos professores, as ações e discussões relacionadas à temática nas escolas são pontuais e pouco sistematizadas, carecendo de abordagens interdisciplinares, assim como se deu na formação inicial e continuada da maioria. Concluímos propondo o estabelecimento de uma relação mais orgânica entre escola e universidade, com ampliação de tempos e espaços para interações, incluindo reflexões e pesquisas coletivas que favoreçam a compreensão da constituição e mobilização de sentidos sobre a temática e problematizem seus reflexos no fazer docente.


Palavras-chave


Educação Ambiental; Educação em Ciências; Formação de Professores; Currículo Escolar; Análise de Discurso

Texto completo:

PDF

Referências


Aguinaga, M. A. O., & Fachin-Terán, A. (2008). O livro didático em biologia desde a perspectiva CTS. In Anais do III Seminário em Ensino de Ciências na Amazônia – SC (pp.611-620). Manaus, SC. Recuperado de http://files.ensinodeciencia.webnode.com.br/200000339-610d86207a/2008_%20O%20Livro%20Did%C3%A1tico%20em%20Biologia%20CTS%20.pdf

Almeida, M. J. P. M. de, & Sorpreso, T. P. (2010). Memória e formação discursivas na interpretação de textos por estudantes de licenciatura. Revista Brasileira de Pesquisa em Educação em Ciências, 10(1), 1-16.

Alves, J. Q., Silva, F. A., & Andrade, J. J. (2016). Propostas curriculares e práticas docentes: o que pensam/dizem os professores? Revista Brasileira de Pesquisa em Educação em Ciências, 16(1), 149-165.

Araújo, M. L. F., & Oliveira, M. M. de. (2008). Formação de Professores de Biologia e Educação Ambiental: contribuições, deficiências e estratégias. Revista Eletrônica do Mestrado em Educação Ambiental, 20, 256-273.

Augusto, T. G. da S.; & Caldeira, A. M. de A. (2007). Dificuldades para a implantação de práticas interdisciplinares em escolas estaduais, apontadas por professores da área de Ciências da Natureza. Investigações em Ensino de Ciências, 12(1), 139-154. Recuperado de https://www.if.ufrgs.br/cref/ojs/index.php/ienci/article/download/481/283

Brasil. (1999). Lei no 9795 de 27 de abril de 1999. Dispõe sobre a educação ambiental, institui a Política Nacional de Educação Ambiental e dá outras providências. Publicada em D.O. de 28/04/1999. Recuperado de http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/leis/L9795.htm

Brasil. (2015). Resolução CNE/MEC no 2 de 01/07/2015. Define as Diretrizes Curriculares Nacionais para a formação inicial em nível superior (cursos de licenciatura, cursos de formação pedagógica para graduados e cursos de segunda licenciatura) e para a formação continuada. Publicada no D.O. de 02/07/2015. Recuperado de http://pronacampo.mec.gov.br/images/pdf/res_cne_cp_02_03072015.pdf

Cassab, M., & Martins, I. (2008). Significações de professores de ciências a respeito do livro didático. Ensaio Pesquisa em Educação em Ciências, 10(1), 1-24. DOI: 10.1590/1983-21172008100108

Campos, L. M. L., & Diniz, R. E. S. (2001). A prática como fonte de aprendizagem e o saber da experiência: o que dizem professores de ciências e de biologia. Investigações em Ensino de Ciências, 6(1), 79-96. Recuperado de https://www.if.ufrgs.br/cref/ojs/index.php/ienci/article/view/587/380

Campos, D. B. de. (2007). A temática ambiental e o ensino de Biologia: o professor enquanto sujeito ecológico. Dissertação de mestrado. Curso de pós-graduação em Educação do Instituto de Biociências, Departamento de Educação da Universidade Estadual Paulista “Julio de Mesquita Filho” – Campus de Rio Claro. Rio Claro: SP. Recuperado de https://repositorio.unesp.br/handle/11449/90226

Carvalho, L. M. de, Cavalari, R. M. F., & Campos, M. J. de O. (2003). Educação ambiental e materiais impressos: o processo educativo e as práticas pedagógicas. In Anais da 26 Reunião da ANPEd – MG (pp. 1-7). Poço de Caldas, MG. Recuperado de http://26reuniao.anped.org.br/trabalhos/luizmarcelodecarvalho.rtf

Cattelan, J. C. (2003). Mattrix? In Gregolin, M. R., Baronas, R. (Orgs.). Análise do Discurso: as materialidades do sentido (2a ed). São Carlos, SP: Claraluz.

Eschenhagen, M. L. (2007). La educación ambiental superior en América Latina: una evaluación de la oferta de posgrados ambientales. Revista Theomai: Estudios sobre Sociedad y Desarrollo, 16, 87-107.

Faculdade de Educação da Universidade Federal de Juiz de Fora. FACED. (2011). Resolução 001/2011. Apresenta a concepção de Estágio, Regulamenta a oferta e o desenvolvimento dos Estágios Curriculares sejam eles obrigatórios, opcionais e não obrigatórios no âmbito do Curso de Pedagogia – presencial e a distância - e demais Licenciaturas da Faculdade de Educação. Recuperado de http://www.ufjf.br/faculdadedeeducacao/files/2011/03/RESOLUÇÃO.pdf

Farias, C. R. de O., Guilherme, B. C., & Almeida, A. V. de. A dimensão prática na formação inicial: reinterpretações locais das políticas curriculares para a Licenciatura em Ciências Biológicas. In Atas do IX Encontro Nacional de Pesquisa em Educação em Ciências – SP (pp.1-7). Águas de Lindóia, SP. Recuperado de http://www.nutes.ufrj.br/abrapec/ixenpec/atas/resumos/R1650-1.pdf

Flôr, C. C., & Souza, S. C. (2008). Quando o dizer de um sujeito é objeto de pesquisa: contribuições da Análise do Discurso Francesa para a compreensão da fala de professores em situação de entrevista. Ensaio Pesquisa em Educação em Ciências, 10(1),1-16.

Fontes, V. P., & Gomes, M. M. (2014). A temática ambiental no currículo de Ciências. Revista da Sbenbio, 7, 7356-7367.

Foucault, M. (2013). A ordem do discurso: aula inaugural no Collège de France, pronunciada em 2 de dezembro de 1970 (23a ed.). São Paulo: Edições Loyola.

Galieta, T., & Almeida, M. J. P. M. (2013). A Análise de Discurso como dispositivo analítico em pesquisas de Educação em Ciências. In Atas do IX Encontro Nacional de Pesquisa em Educação em Ciências (pp.1-8). Águas de Lindóia, SP. Recuperado de http://www.nutes.ufrj.br/abrapec/ixenpec/atas/resumos/R0712-1.pdf

Garcia, M. M. A., Hypolito, A. M., & Vieira, J. S. (2005). As identidades docentes como fabricação da docência. Educação e Pesquisa, 31(1), 45-56.

Guimarães, M., Queiroz, E. D., & Plácido, P. de O. (2014). Reflexões sobre a pesquisa na formação de professores/educadores ambientais. Pesquisa em Educação Ambiental, 9(1), 110-119. DOI: 10.18675/2177-580X.vol9.n1.p110-119

Guimarães, S. S. M., & Inforsato, E. do C. (2010). Educação Ambiental e formação de professores de biologia no município de Piracicaba/SP. Revista Eletrônica do Mestrado em Educação Ambiental, 25, 315-329.

Guimarães, S. S. M., & Inforsato, E. do C. (2012). A percepção do professor de Biologia e a sua formação: a Educação Ambiental em questão. Ciência & Educação (Bauru), 18(3), 737-754. DOI: 10.1590/S1516-73132012000300016

Hadzigeorgiou, Y., & Skoumios, M. (2013). The development of environmental awareness through school science: Problems and possibilities. International Journal of Environmental and Science Education, 8, 405-426.

Jorgensen, M. W., & Philips, L. (2002). Discourse Analisys as Theory and Method. London: Sage Publications.

Krasilchik, M. (2000). Reformas e realidade: o caso do ensino das ciências. São Paulo em Perspectiva, 14(1), 85-93. DOI: 10.1590/S0102-88392000000100010yghb

Krasilchik, M. (2011). Prática de Ensino de Biologia (4a ed.). São Paulo: Universidade de São Paulo.

Lamosa, R. (2010). Educação Ambiental e o novo padrão da sociabilidade do capital: um estudo nas escolas de Teresópolis (RJ). Dissertação de Mestrado. Programa de pós-graduação em Educação da Faculdade de Educação da Universidade Federal do Rio de Janeiro. Recuperado de http://www.educacao.ufrj.br/ppge/dissertacoes/rodrigo_lamosa.pdf

Lima, M. J. G. S. (2011). A disciplina Educação Ambiental na rede municipal de educação de Armação dos Búzios (RJ): investigando a tensão disciplinaridade/integração na política curricular. Tese de doutorado. Curso de pós-graduação em Educação da Faculdade de Educação da Universidade Federal do Rio de Janeiro. Rio de Janeiro: RJ. Recuperado de http://www.educacao.ufrj.br/ppge/teses/TESE_JACQUELINE_GIRAO.pdf

Lopes, A. C. (2006). Relações macro/micro na pesquisa em currículo. Cadernos de Pesquisa, 36(129), 619-635. DOI: 10.1590/S0100-15742006000300006

Macedo, E. F. (2010). Parâmetros Curriculares Nacionais: a falácia de seus temas transversais. In Moreira, A. F. B. (Org.). Currículo: políticas e práticas (12a ed.) (pp. 43-58). Campinas, SP: Papirus.

Machado, C. R. da S. & Santos, C. F. dos (Orgs.). (2013). Processo formador em Educação Ambiental a Distância : módulo 5 : educação ambiental e mudanças ambientais globais no estado do Rio Grande do Sul : subsídios ao estudo. Rio Grande, RS: Universidade Federal do Rio Grande. Recuperado de http://ongcea.eco.br/wp-content/uploads/2014/01/Livro-EA-Mudan%C3%A7as-Ambientais-RS.pdf

Maingueneau, D. (2006). Termos-chave da análise do discurso (2a reimp.). Original: Les Termes Clés de l'Analyse du Discours. Tradução de Márcio Venício Barbosa e Maria Emília Amarante Torres Lima. Belo Horizonte: UFMG.

Maldaner, O. A., Zanon, L. B., & Auth, M. A. (2011). Pesquisa sobre Educação em Ciências e formação de professores. In Santos, F. M. T. dos, & Greca, I. M. (Orgs.). A pesquisa em Ensino de Ciências no Brasil e suas metodologias (2a ed. rev.) (pp. 49-88). Ijuí, RS: Unijuí.

Marcomin, F. E. (2010). Discutindo a formação em Educação Ambiental na universidade: o debate e a reflexão continuam. Revista Eletrônica do Mestrado em Educação Ambiental, v. especial, 172-187.

Ministério da Educação. MEC. (2013). Diretrizes Curriculares Nacionais Gerais da Educação Básica. Secretaria de Educação Básica. Secretaria de Educação Continuada, Alfabetização, Diversidade e Inclusão. Conselho Nacional da Educação. Diretoria de Currículos e Educação Integral. – Brasília: MEC, SEB, DICEI.

Menezes, P. H. D. (2012) .Formação profissional prática específica do professor: reflexões sobre um modelo colaborativo de estágio curricular supervisionado. In Calderano, M. A. (Org.). Estágio Curricular: concepções, reflexões teórico-práticas e proposições (pp. 211-236). Juiz de Fora, MG: UFJF.

Micarello, H. (2012). Memórias de formação no relato de futuros professores: o estágio como espaço de ressignificação. In Calderano, M. A. (Org.). Estágio Curricular: concepções, reflexões teórico-práticas e proposições (pp. 87-102). Juiz de Fora, MG: UFJF.

Oliveira, C. S., & Ferreira, M. S. (2007). Educação Ambiental na escola: diálogos com as disciplinas escolares Ciências e Biologia. Anais do IV EPEA. Encontro de Pesquisa em Educação Ambiental. Rio Claro, 15 a 18 de julho de 2007. Recuperado de http://www.epea.tmp.br/epea2007%5Fanais/pdfs/plenary/TR25.pdf

Orlandi, E. P. (2012). Análise de Discurso: princípios e procedimentos (10a ed.). Campinas (SP): Pontes Editores.

Paredes, G. G. O., & Guimarães, O. M. (2012). Compreensões e significados sobre o PIBID para a melhoria da Formação de Professores de Biologia, Física e Química. Química Nova na Escola, 34(4), 266-277.

Pasin, E. B., & Bozelli, R. L. (2016). An Analysis of Curriculum and Undergraduate Students' Discourses about Environmental Education: A Debate Concerning Teacher Training. International Journal of Environmental and Science Education, 11(18), 12197-12234. Recuperado de http://www.ijese.net/makale/1676

Pêcheux, M., & Fuchs, C. (2010). A propósito da análise automática do discurso: atualização e perspectivas (1975). In Gadet, F., & Hak, T. (Orgs.). Por uma análise automática do discurso (4a ed.) (pp. 159-249). Campinas (SP): UNICAMP.

Pedretti, E. (2014). Environmental Education and Science Education: Ideology, hegemony, traditional knowledge, and alignment. Revista Brasileira de Pesquisa em Educação em Ciências, 14(2), 305-314.

Pinhão, F., & Martins, I. (2012a). O discurso sobre saúde e ambiente no livro didático de ciências brasileiro. Revista Electrónica de Enseñanza de las Ciencias, 11(2), 342-364.

Pinhão, F., & Martins, I. (2012b). Diferentes abordagens sobre o tema saúde e ambiente: desafios para o ensino de ciências. Ciência & Educação, 18(4), 819-835. DOI: 10.1590/S1516-73132012000400006

Ricardo, E. C., & Zylbersztajn, A. (2008). Os parâmetros curriculares nacionais para as ciências do Ensino Médio: uma análise a partir da visão de seus elaboradores. Investigações em Ensino de Ciências, 13(3), 257-274.

Ricardo, E. C. (2009). Políticas curriculares e o ENEM: perspectivas de implementação no contexto escolar. In Atas do VII ENPEC Encontro Nacional de Pesquisa em Educação em Ciências. Florianópolis, SC. Recuperado de http://posgrad.fae.ufmg.br/posgrad/viienpec/pdfs/mesa_1.1.pdf

Rodrigues, A. C. (2008). A Educação Ambiental e o fazer interdisciplinar na escola. Araraquara, SP: Junqueira & Marin; Juiz de Fora, MG: FAPEB.

Ruy, R. A. V. (2006). A educação ambiental em escolas de ensino fundamental e médio do município de São Carlos – SP. Dissertação de Mestrado. Universidade Estadual Paulista "Júlio de Mesquita Filho" Instituto de Biociências (Campus de Rio Claro). 2006. Recuperado de http://repositorio.unesp.br/bitstream/handle/11449/90192/ruy_rav_me_rcla.pdf.

Sauvé, L. (2005). Currents in environmental education: Mapping a complex and evolving pedagogical field. Canadian Journal of Environmental Education, 10(1), 11-37.

Schulz, M. S., De Araújo, M. C. P., Bianchi, V., & Boff, E. T. de O. (2012). Educação Ambiental na educação básica e superior segundo licenciandos de ciências biológicas e professores em exercício. Revista Eletrônica do Mestrado em Educação Ambiental, 29, 1-12.

Silva, L. H. O. da, & Pinto, F. N. P. (2009). Interdisciplinaridade: as práticas possíveis. Revista Querubim – revista eletrônica de trabalhos científicos - Letras, Ciências Humanas e Ciências Sociais, ano 5, 1-18. Recuperado de http://www.uff.br/feuffrevistaquerubim/images/arquivos/artigos/interdisciplinaridade__entre_teorias_e_prticas.pdf

Silva, S. N., & Carvalho, G. S. de. (2013). O saber ambiental dos licenciandos de ciências biológicas: uma análise crítica. Investigações em Ensino de Ciências, 18(3), 737-752.

Souza, V. M., Kelecom, A., & Araujo, J. de A. (2011). A Educação Ambiental: conceitos e abordagens pelos alunos de licenciatura da Universidade Federal Fluminense. Revista Uniara, 14(1), 52-67.

Tardif, M. (2012). Saberes docentes e formação profissional (14a ed.). Petrópolis, RJ: Vozes.

Teixeira, C., & Torales, M. A. (2014). A questão ambiental e a formação de professores para a educação básica: um olhar sobre as licenciaturas. Educar em Revista, Edição Especial (3), 127-144. DOI: 10.1590/0104-4060.38111

Trajber, R., & Mendonça, P. R. (Orgs.) (2007) ) Educação na diversidade: o que fazem as escolas que dizem que fazem educação ambiental? Ministério da Educação. MEC. Secretaria de Educação Continuada, alfabetização e diversidade. Brasília, DF. Recuperado de Ministério%20da%20Educação.%20Recuperado%20de:%20http:/portal.mec.gov.br/dmdocuments/publicacao5.pdf

Tréllez-Solís, E. (2006). Algunos elementos del proceso de construcción de la educación ambiental en América Latina. Revista Iberoamericana de Educación, 41, 69-81.

Veneu, A., Ferraz, G., & Rezende, F. (2015). Análise de discursos no ensino de ciências: considerações teóricas, implicações epistemológicas e metodológicas. Ensaio, 17(1), p. 126-149. DOI: 10.1590/1983-211720175170106

Vilela, M., Selles, S. L. E., & Andrade, E. P. (2009). A produção de conhecimento na Prática de Ensino de Ciências Biológicas: investigando dimensões formativas em confronto. Anais do VII ENPEC – SC. Florianópolis, SC. Recuperado de: http://posgrad.fae.ufmg.br/posgrad/viienpec/pdfs/827.pdf

Zanon, L. B., Hames, C., & Sangiogo, F. A. (2012). Interações em espaços de formação docente inicial na perspectiva da (re)construção do currículo escolar na modalidade de situação de estudo. Investigações em Ensino de Ciências, 17(1), 21-35.

Zeichner, K. (2010). Repensando as conexões entre a formação na universidade e as experiências de campo na formação de professores em faculdades e universidades. Educação, 35(3), 479-504. DOI: 10.5902/198464442357




DOI: http://dx.doi.org/10.22600/1518-8795.ienci2017v22n2p33

Licença Creative Commons
Este obra está licenciado com uma Licença Creative Commons Atribuição-NãoComercial 4.0 Internacional.

Revista Investigações em Ensino de Ciências (IENCI) - ISSN: 1518-8795 

Creative Commons License