ESTRUTURAS CULTURAIS, ESQUEMAS E RECURSOS: COMO LICENCIANDOS EM FÍSICA CONCEBEM E JUSTIFICAM O STATUS ONTOLÓGICO DE ENTIDADES EM DIFERENTES CONTEXTOS

Fábio Marineli, Maurício Pietrocola

Resumo


Apresentamos no presente trabalho uma investigação acerca dos modos pelos quais estudantes de licenciatura em física compreendem a realidade de entidades científicas e de entes que compõem outros domínios, como o religioso e o cotidiano. Como referencial teórico, adotamos uma abordagem sobre cultura que destaca a influência de diversos sistemas culturais nas formas de entendimento do mundo e permite conceber a ciência como um desses sistemas. Cultura é aqui entendida a partir das caracterizações feitas por Sewell (2005), como um conjunto de várias estruturas que se sobrepõem, cada uma delas formada por esquemas e recursos. Nessa perspectiva, a aprendizagem científica seria um tipo de imersão em uma nova cultura, sendo um processo sujeito a influências de outras estruturas culturais, que trazem diferentes abordagens e formas de entendimento do mundo. Essa influência pode se fazer presente inclusive na compreensão de aspectos ontológicos do conhecimento científico, em particular no entendimento da realidade de entidades inobserváveis da ciência. O estudo aqui apresentado se deu por meio de um questionário, onde licenciandos em física atribuíram uma “intensidade da realidade” a entes/entidades pertencentes a diferentes contextos culturais e apresentaram uma justificativa para essa atribuição. Entre os resultados obtidos, destacamos a possibilidade de mais de uma leitura acerca dos critérios usados pelos licenciandos para caracterizar a realidade das entidades científicas, inclusive uma interpretação em que esses critérios parecem ser influenciados pelas estruturas culturais originárias do contexto cotidiano.

Palavras-chave


Cultura; Realidade; Entidades Científicas

Texto completo:

PDF

Referências


Bachelard, G. (1977). O Racionalismo aplicado. Tradução de N. Caixeiro. Rio de Janeiro: Zahar.

Bardin, L. (2011). Análise de Conteúdo. Tradução de L. A. Reto e A.. São Paulo: Edições 70.

Carvalho, A. M. P. (2007). Habilidades de professores para promover a enculturação científica. Contexto & Educação, 22(77), 25-49. Recuperado de

https://www.revistas.unijui.edu.br/index.php/contextoeducacao/article/view/1084/839

Driver, R., Asoko, H., Leach, J., Mortimer, E., & Scott, P. (1999). Construindo conhecimento científico na sala de aula. Química Nova na Escola, 9, 31-40. Recuperado de http://qnesc.sbq.org.br/online/qnesc09/aluno.pdf

Dutra, L. H. A. (1998). Introdução à Teoria da Ciência. Florianópolis: Editora da UFSC.

Geertz, C. (1973). The Interpretation of Cultures: Selected Essays.New York: Basic.

Giddens, A. (2009). A constituição da sociedade. (3a ed.) Cabral. São Paulo: Editora WMF Martins Fontes.

IBGE. (2012). Censo demográfico 2010: características gerais da população, religião e pessoas com deficiência. Rio de Janeiro: IBGE. Recuperado de

http://biblioteca.ibge.gov.br/visualizacao/periodicos/94/cd_2010_religiao_deficiencia.pdf

Kincheloe, J. L., & Barry, K. S. (2007). Pesquisa em educação: conceituando a bricolagem. Tradução de R. C. Costa. Porto Alegre: Artmed.

Kuhn, T. (2005). Posfácio - 1969. In: Kuhn, T. A estrutura das revoluções científicas. (9a ed.) São Paulo: Perspectiva.

Lage, M.C. (2011). Os softwares tipo CAQDAS e a sua contribuição para a pesquisa qualitativa em educação. ETD: Educação Temática Digital, 12(2), 42-58. Recuperado de http://basessibi.c3sl.ufpr.br/brapci/_repositorio/2011/06/pdf_b8a40a2dcc_0017347.pdf

Macedo, B.& Katzkowicz, R. (2003). Educação científica: sim, mas qual e como? In Sasson, A. et al. (Orgs.). Cultura científica: um direito de todos. Brasília: UNESCO, p. 67-86.

Marineli, F. (2016). A realidade das entidades científicas e a formação de professores de física: uma análise sociocultural. (Tese de Doutorado em Educação. Universidade de São Paulo, São Paulo). Recuperado de http://www.teses.usp.br/teses/disponiveis/48/48134/tde-29042016- 132736/pt-br.php

Marineli, F., & Pietrocola, M. (2010). Um estudo exploratório sobre critérios de atribuição de realidade utilizados por estudantes de física: construindo categorias de análise. In: XII Encontro de Pesquisa em Ensino de Física (EPEF). Águas de Lindóia, SP, Brasil. Recuperado de http://www.sbf1.sbfisica.org.br/eventos/epef/xii/sys/resumos/T0183-1.pdf

Martins, I.,& Ogborn, J., & Kress, G. (1999). Explicando uma explicação. Ensaio: Pesquisa em Educação em Ciências, 1(1), 29-46. Recuperado de

http://www.portal.fae.ufmg.br/seer/index.php/ensaio/article/view/8/28

Moraes, R. (1999). Análise de conteúdo. Educação, Porto Alegre, 22(37), 7-32. Recuperado de http://cliente.argo.com.br/~mgos/analise_de_conteudo_moraes.html

Pietrocola, M. (2014). Bachelard e a Filosofia do Não. In: Magalhães Jr., C. A. O., Lorencini Jr., A., Corazza, M. J. (Orgs.) Ensino de Ciências: múltiplas perspectivas, diferentes olhares. (79-98). Curitiba: CRV.

Ramsey, J. (1993). The science education reform movement: implications for social responsibility. Science Education, 77(2), 235-258. doi: 10.1002/sce.3730770210

Sahlins, M. (1985). Islands of history. Chicago: The University of Chicago Press.

Santos, W. L. P. (2007). Educação científica na perspectiva de letramento como prática social: funções, princípios e desafios. Revista Brasileira de Educação, 12(36), 474-492. doi:10.1590/S1413-24782007000300007

Schutz, A. (1962). On Multiple Realities. In Collected Papers, Vol. I: The Problem of Social Reality. (207-259). The Hague: Martinus Nijhoff.

Sewell, W. H. Jr. (2005). Logics of history: social theory and social transformation. Chicago: The University of Chicago Press.

Silva, M.R. (1998). Realismo e anti-realismo na ciência: aspectos introdutórios de uma discussão sobre a natureza das teorias. Ciência & Educação, 5(1), 7-13. doi: 10.1590/S1516-73131998000100002

Tiercelin, C. (1999). Verbete “Realisme”. In Lecourt, D. (Org). Dictionnaire d’histoire et philosophie des sciences. Paris: Puf.

Tobin, K., & Ritchie, S. M. (2012). Multi-Method, Multi-Theoretical, Multi-Level Research in the Learning Sciences. The Asia-Pacific Education Researcher, 21(1), 117-129.

Whitaker, D.C.A., & Bezzon, L.C. (2006). A Cultura e o Ecossistema: reflexões a partir de um diálogo. Campinas: Ed. Alínea.




DOI: http://dx.doi.org/10.22600/1518-8795.ienci2016v21n3p109

Licença Creative Commons
Este obra está licenciado com uma Licença Creative Commons Atribuição-NãoComercial 4.0 Internacional.

Revista Investigações em Ensino de Ciências (IENCI) - ISSN: 1518-8795 

Creative Commons License