CONTROVÉRSIAS CIENTÍFICAS NA CONSTRUÇÃO DO CONHECIMENTO BIOLÓGICO: INVESTIGANDO UM CURSO DE FORMAÇÃO CONTINUADA DE PROFESSORES REFERENTE À EVOLUÇÃO BIOLÓGICA HUMANA

Marcelo Erdmann Bulla, Fernanda Aparecida Meglhioratti

Resumo


A pesquisa aqui apresentada tem como tema central a evolução biológica humana, suas controvérsias científicas e a formação continuada de professores de ciências e biologia. Avaliamos o desenvolvimento de uma sequência didática sobre o tema, enfatizando a controvérsia científica referente ao suposto fóssil hominídeo Ardipithecus ramidus (“Ardi”) em um curso de formação continuada para professores de Ciências e Biologia da rede básica pública de Cascavel-PR e região. O trabalho empírico envolveu a coleta de dados a partir das respostas fornecidas pelos professores a um questionário inicial e a um final. As análises e discussões dos dados permitiram evidenciar a importância das controvérsias científicas para o desenvolvimento do conhecimento científico e a urgência em inserir o conteúdo de evolução humana em disciplinas na formação inicial de cursos de Licenciatura em Ciências Biológicas. É necessário também o oferecimento de cursos de formação continuada, que abordem tais conteúdos, para os docentes já inseridos nas escolas. Concluímos que ensinar biologia e ciências utilizando controvérsias científicas pode constituir-se em satisfatória ferramenta pedagógica para apresentar a história e a natureza da ciência, uma vez que a atividade científica é permeada por conflitos.

Palavras-chave


Controvérsias Científicas; Evolução Biológica Humana; Formação Continuada

Texto completo:

PDF

Referências


Almeida, A. V. & Falcão, J. T. R. (2005). A Estrutura Histórico-Conceitual dos Programas de Pesquisa de Darwin e Lamarck e sua Transposição para o Ambiente Escolar. Ciência & Educação, 11 (1), 17-32.

Araújo, D. F. & Mól, G. S. (2015). A Radioquímica e a Idade da Terra. Química Nova na Escola, 37 (3), 164-171.

Ayala, F. J. (2007). Darwin´s Gift to Science and Religion. Washington, DC: Joseph Henry Press.

Ayala, F. J. (2010). Am I a Monkey? Maryland: John Hopkins University Press.

Barber, B. (1961). Resistance by Scientists to Scientific Discovery. Science, 134, 596-602.

Bardin, L. (1977). Análise de Conteúdo. São Paulo: Martins Fontes.

Bernardo, D. V. (2013). Entrevista com Danilo Vicensotto Bernardo: Fala, Doutor - Diversidade Craniana Humana e suas Implicações Evolutivas. Recuperado de http://univesptv.cmais.com.br/fala-doutor/fala-doutor-danilo-vicensotto-bernardo-diversidade-craniana-humana-e-suas-implicacoes-evolutivas

Bizzo, N. (1991). Ensino de Evolução e História do Darwinismo. (Tese de Doutorado. Faculdade de Educação, Universidade de São Paulo, São Paulo). Recuperado de http://www.teses.usp.br/teses/disponiveis/48/48133/tde-16082013-145625/pt-br.php

Brasil. (2006). Orientações Curriculares para o Ensino Médio: ciências da natureza, matemática e suas tecnologias. PCN+. Brasília. MEC.

Cardoso, A. M. S., Gonçalves, H. A., & Cardoso, M. A. B. (1996). Ciências da Escola para a Vida. Belo Horizonte: Lê.

Carroll, S. B. (2006). Endless Forms Most Beautiful. The New Science of Evo-Devo. New York: Norton & Company.

Castro, N.B.L., & Augusto, T.G.S. (2009). Análise dos Trabalhos sobre o ensino de Evolução Biológica. In Anais do VII Encontro Nacional de Pesquisa em Educação em Ciências, Florianópolis, SC. Recuperado de http://posgrad.fae.ufmg.br/posgrad/viienpec/pdfs/1416.pdf

Cicillini, G. A. (1997). A produção do conhecimento biológico no contexto da cultura escolar do Ensino Médio: a Teoria da Evolução como exemplo. (Tese de Doutorado em Educação. Faculdade de Educação, Universidade Estadual de Campinas, Campinas). Recuperado de http://www.bibliotecadigital.unicamp.br/document/?code=vtls000114537

Cicillini, G. A. (1999). Concepções de Evolução de professores em escolas públicas do Ensino Médio. In IV Escola de Verão, 4 (pp.127-131), Uberlândia.

Coimbra, R. L. (2007). A Influência da Crença Religiosa no Processo de Ensino em Evolução Biológica. (Dissertação de Mestrado em Ensino de Ciências e Matemática. Universidade Luterana Brasileira, Canoas). Recuperado de http://www.ppgecim.ulbra.br/teses/index.php/ppgecim/article/view/68/62

Corrêa, A. L. (2010). História e Filosofia da Biologia na formação inicial de professores: Reflexões sobre o conceito de evolução biológica. Dissertação (Mestrado em Educação para a Ciência. Faculdade de Ciências, Universidade Estadual de São Paulo, Bauru). Recuperado de http://repositorio.unesp.br/bitstream/handle/11449/90944/correa_al_me_bauru.pdf

Corrêa, A. L., Meglhioratti, F.A., Araujo, L.N.N., & Caldeira, A.M.A. (2010). História e Filosofia da Biologia como ferramenta no Ensino de Evolução na formação inicial de professores de Biologia. Filosofia e História da Biologia, 5(2), 217-237.

Dascal, M. (1994). Epistemologia, Controvérsias e Pragmática. Revista da SBHC, 12, 73-98.

Dascal, M. (2005). A Dialética na Construção Coletiva do Saber Científico. Recuperado de http://www.tau.ac.il/humanities/philos/dascal/publications.html

Dobzhansky, T. (1973). Nothing in Biology Makes Sense except in the Light of Evolution. The American Biology Teacher, 35(3), 125-129.

Freeman, S., & Herron, J. C. (2009). Análise Evolutiva. (4ª ed). Porto Alegre: Artmed.

Futuyma, D. (2005). Evolution. Nova York: Sinauer Associates, Inc.

Futuyma, D. (2009). Biologia Evolutiva. Ribeirão Preto: FUNPEC Editora.

Gasek, P. & Paul, D. (2012). Descobrindo Ardi. Novodisc Midia Digital da Amazônia Ltda. Barueri, São Paulo.

Geison, G. L. (2002). A Ciência Particular de Louis Pasteur. Rio de Janeiro: Contraponto.

Gil-Perez, D., Montoro, I. F., Alís, J. C., Cachapuz, A., & Praia, J. (2001). Para uma imagem não deformada do trabalho científico. Ciência & Educação, 7(2), 125-153.

Goedert, L. (2004). A Formação do Professor de Biologia na UFSC e o Ensino da Evolução Biológica. (Dissertação em Educação Científica e Tecnológica. Universidade Federal de Santa Catarina. Florianópolis). Recuperado de https://repositorio.ufsc.br/bitstream/handle/123456789/101549/213161.pdf?sequence=1&isAllowed=y

Goedert, L., Delizoicov, N. D., & Rosa, V. L. (2003). A Formação de Professores de Biologia e a Prática Docente: O Ensino de Evolução. In Atas do IV Encontro Nacional de Pesquisa em Educação em Ciências, (pp 1-11) Bauru, SP.. Recuperado de http://fep.if.usp.br/~profis/arquivos/ivenpec/Arquivos/Orais/ORAL012.pdf

Goedert, L., Leyser, V., & Delizoicov, N. D. (2006). A Formação do Professor de Biologia na UFSC e o Ensino da Evolução Biológica. Contexto e Educação, 21, 13-41.

Gould, S. J. (1990). O Sorriso do Flamingo. Reflexões sobre história natural. Ciência aberta. São Paulo: Martins Fontes.

Gratão, M. S., Rangel Jr, M. J., & Neves, W. A. (2015). Primeiros Bípedes. In Neves, W. A.; Rangel Junior, M. J. & Murrieta, R. S. S. (Org.). Assim Caminhou a Humanidade. São Paulo: Palas Athena.

Hawks, J. (2011). Meet Ardipithecus ramidus. 04 out. 2011. Recuperado de http://johnhawks.net/explainer/laboratory/meet-ardipithecus/

Henrique, R. S. (2011). Evolução Humana: O que Pensam os Estudantes Ingressantes em um Curso de Ciências Biológicas sobre o Assunto? (Monografia apresentada, Centro de Ciências Biológicas e da Saúde, Universidade Presbiteriana Mackenzie, Licenciatura em Ciências Biológicas. São Paulo) Recuperado de http://www.mackenzie.br/fileadmin/Graduacao/CCBS/Cursos/Ciencias_Biologicas/1o_2012/Biblioteca_TCC_Lic/2011/1o_2011/RAFAEL_DOS_SANTOS_HENRIQUE.pdf

Hidalgo, M. R., & Junior, A. L. (2014). A Evolução do Homem e o Ensino Fundamental: Contribuições da História e Filosofia da Ciência. In IV Simpósio Nacional de Ensino de Ciência e Tecnologia (SINECT). Ponta Grossa, PR.

Jablonka, E., Lamb, M. J. (2010). Evolução em Quatro Dimensões. DNA, Comportamento e História da Vida. São Paulo: Companhia das Letras.

Jungers, W. (2009). Ardi tinha características humanas? Scientific American Brasil. Recuperado de http://www2.uol.com.br/sciam/noticias/ardi_tinha_caracteristicas_humanas_.html

Kimbel, W. H., Suwa, G., Asfaw, B., Rak, Y., & White, T.D. (2014). Ardipithecus ramidus and the evolution of the human cranial base. PNAS, 111(3), 948–95.

Kitcher, P. (2000). Patterns of Scientific Controversies. In Machamer, P.; Pera, M. & Baltas, A. (Org.). Scientific Controversies: Philosophical and Historical Perspectives. (pp. 21-39) New York: Oxford University Press.

Klein, R. G. (2010). Fóssil considerado maior descoberta de 2009 é contestado. Postado em 31 mai 2010, às 09h56 e atualizado às 10h35. Recuperado de: http://noticias.terra.com.br/ciencia/pesquisa/fossil-considerado-maior-descoberta-de-2009-e-contestado,649959d9e3837310VgnCLD100000bbcontrovérsia científicaeb0aRCRD.htm

Lacey, H. (1998). Valores e Atividade Científica. São Paulo: Discurso Editorial.

Lacey, H. (2003). Há uma distinção relevante entre valores cognitivos e sociais? Scientiae Studia. 1(2), 121-149.

Lieberman, D. E. (2015). A História do Corpo Humano. Evolução, Saúde e Doença. Rio de Janeiro: Zahar.

Machamer, P., Pera, M., & Baltas, A. (2000). Scientific Controversies: An Introduction. In Machamer, P.; Pera, M.; & Baltas, A. (Org.). Scientific Controversies: Philosophical and Historical Perspectives. (pp. 3-17) New York: Oxford University Press.

Marconi, M. A., & Lakatos, E. M. (2003). Fundamentos da Metodologia Científica. (5ª ed). São Paulo: Atlas.

Martins, L. A. P. (2009). Pasteur e a Geração Espontânea: Uma História Equivocada. Filosofia e História da Biologia, 4, 65-100.

Mayr, E. (2008). Isto é Biologia: a ciência do mundo vivo. São Paulo: Companhia das Letras.

Mayr, E. (2009). O Que é a Evolução. Rio de Janeiro: Rocco.

McComas, W.F., Clough, M.P., & Almazroa, H. (1998). The Role and Character of the Nature of Science in Science Education. Science & Education, 7(6), 511-532.

McMullin, E. (1987). Scientific controversy and its termination. In. Engelhardt Jr., H. T., & Caplan, A. L. (Org.). Scientific controversies: Case studies in resolution and closure of disputes in science and technology. (pp.49-92). Cambridge, MA: Cambridge University Press.

Medeiros, T. A. (2014). Recusa ao Espírito Científico? Resistência ao aprendizado da teoria da evolução por futuros professores de ciências. (Dissertação de mestrado. Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia do Rio de Janeiro, Nilópolis). Recuperado de http://www.ifrj.edu.br/webfm_send/8832

Meyer, D., & El-Hani, C.N. (2005). Evolução: o sentido da biologia. São Paulo: UNESP.

Mianutti, J. (2010). Uma proposta de formação continuada de professors de biologia em Mato Grosso do Sul: de manuais didáticos à obras clássicas no estudo de evolução biológica. (Tese de Doutorado em Educação para a Ciência. Universidade Estadual de São Paulo, São Paulo) Recuperado de http://repositorio.unesp.br/bitstream/handle/11449/102007/mianutti_j_dr_bauru.pdf?sequence=1&isAllowed=y

Monroe, J. S., & Wicander, R. (2011). Fundamentos de Geologia. São Paulo: Cengage Learning.

Moura, J. C. S., & Silva-Santana, C. C. (2012). A evolução humana sob a ótica do professor do ensino médio. Revista Metáfora Educacional, 13, 93-108.

Narasimhan, M. G. (2001). Controversy in science. Journal of Biosciences, 26(3), 299-304.

Neto, A. P. C. (2004). A evolução biológica aos olhos de professores não-licenciados. (Dissertação de Mestrado em Educação Científica e Tecnológica. Universidade Federal de Santa Catarina, Florianópolis). Recuperado de https://repositorio.ufsc.br/bitstream/handle/123456789/87246/210787.pdf?sequence=1

Oleques, L. C. (2010). Evolução Biológica: Percepções de Professores de Biologia de Santa Maria. (Dissertação de Mestrado em Educação em Ciências. Universidade Federal do Rio Grande do Sul, Porto Alegre). Recuperado de http://cascavel.ufsm.br/tede//tde_busca/arquivo.php?codArquivo=3392

Oleques, L. C., Bartholomei-Santos, M. L., & Boer, N. (2011). Evolução Biológica: percepção de professores de biologia. Revista Electrónica de Enseñanza de las Ciencias, 10(2), 243-263.

Paesi, R. A., & Araújo, A. M. (2014). Evolução Humana nos Livros Didáticos e Biologia: o antropocentrismo em questão. In Salão UFRGS: X Salão de ensino da UFRGS. Porto Alegre. Recuperado de http://www.lume.ufrgs.br/bitstream/handle/10183/110386/Ensino2014_Resumo_34857.pdf?sequence=1

Pickering, T. R. (2013). Rough and Tumble: Aggression, Hunting, and Human Evolution. University of California Press, Ltda.

Picq, P. (2012). As Origens do Homem Explicadas para Crianças. São Paulo: Unesp.

Prothero, D. R. (2007). Evolution: What the Fossils Say and Why It Matters. New York. Columbia University Press.

Ridley, M. (2006). Evolução. (3ª ed). Porto Alegre: Artmed.

Roma, V. N. (2011). Os livros didáticos de biologia aprovados pelo programa nacional do livro didático para o ensino médio (PNLEM 2007/2009): a evolução biológica em questão. (Dissertação de Mestrado em Ensino de Ciências. Universidade de São Paulo, São Paulo). Recuperado de http://www.teses.usp.br/teses/disponiveis/81/81133/tde-31052012-104844/pt-br.php

São Tiago, M. F. (2011). ‘Natureza da Ciência’ através do exemplo do desenvolvimento das ideias que levaram à Gravitação Universal (caderno do professor). (Dissertação de mestrado. Universidade Federal do Rio de Janeiro, Rio de Janeiro). Recuperado de http://www.if.ufrj.br/~pef/producao_academica/dissertacoes/2011_Marcelo_SaoTiago/caderno_do_professor.pdf

Sarmiento, E. (2010). Comment on the Paleobiology and Classification of Ardipithecus ramidus. Science, 328 (1105). Recuperado de http://science.sciencemag.org/content/sci/328/5982/1105.2.full.pdf

Sepulveda, C., & El-Hani, C. N. (2009). Ensino de Evolução: uma experiência na formação inicial de professores de biologia. In Teixeira, P. M. M; Razera, J. C. C. Ensino de Ciências pesquisas e pontos em discussão. (pp. 21-45). Campinas: Komedi.

Silva, M. G. B. (2011). Um estudo sobre a evolução biológica como eixo norteador do processo de formação do professor de Biologia. (Dissertação de Mestrado em Ensino, Filosofia e História das Ciências. Universidade Federal da Bahia, Salvador). Recuperado de https://twiki.ufba.br/twiki/pub/PPGEFHC/DissertacoesPpgefhc/Maria_Grazi%E9lle_Bossi_da_Silva_2011.pdf

Silva, C. C., & Moura, B. A. (2008). A natureza da ciência por meio do estudo de episódios históricos: o caso da popularização da óptica newtoniana. Revista Brasileira de Ensino de Física, 30(1), 1602.

Sterelny, K. (2007) Dawkins vs. Gould. Survival of the Fittest. Australia: Allen & Unwin Pty Ltda.

Tattersall, I. (2013). Masters of the Planet. The Search for Our Human Origins. New York: Palgrave Macmillan.

Tidon, R., & Lewontin, R. C. (2004). Teaching evolutionary biology. Genetics and Molecular Biology, 27(1), 124-31.

Véras, R. (2013). Afinal, viemos ou não viemos dos macacos? Três respostas possíveis. Recuperado de http://evolucionismo.org/profiles/blogs/afinal-viemos-ou-nao-viemos-dos-macacos-tres-respostas-possiveis

Wallace, A. R. (2007). My Life. A Record of Events and Opinion. New York: Cosimo Classics.

White, T. D., Suwa, G. & Asfaw B. (1994). Australopithecus ramidus, a new species of early hominid from Aramis, Ethiopia. Nature, 371, 306-312.

White, T. D., Asfaw, B., Beyene, Y., Haile-Selassie, Y., Lovejoy, C. O., Suwa, G., & Woldegabriel, G. (2009). Ardipithecus ramidus and the Paleobiology of Early Hominids. Science, 326(5949), 75-86.

White, T. D., Suwa, G., & Lovejoy, C. O. (2010). Response to Comment on the Paleobiology and Classification of Ardipithecus ramidus. Science, 328 (5982), 1105.

White, T. D., Lovejoy, C. O., Asfaw, B., Carlson, J. P., & Suwa, G. (2015). Neither chimpanzee nor human, Ardipithecus reveals the surprising ancestry of both. PNAS, 112(16), 4877–4884.

Wood, B. (2005). Human Evolution. A Very Short Introduction. New York: Oxford University Press.

Zamberlan, E. S. J., & Silva, M. R. (2012). O Ensino de Evolução Biológica e sua Abordagem em Livros Didáticos. Educação & Realidade. 37(1), 187-212.




DOI: http://dx.doi.org/10.22600/1518-8795.ienci2016v21n2p01

Licença Creative Commons
Este obra está licenciado com uma Licença Creative Commons Atribuição-NãoComercial 4.0 Internacional.

Revista Investigações em Ensino de Ciências (IENCI) - ISSN: 1518-8795 

Creative Commons License