DIVULGAÇÃO CIENTÍFICA ITINERANTE E OS EDITAIS DE POPULARIZAÇÃO DA CIÊNCIA: ANÁLISE DE PROJETOS SUBMETIDOS AO CONSELHO NACIONAL DE DESENVOLVIMENTO CIENTÍFICO E TECNOLÓGICO (CNPQ) (2003-2015)

Willian Vieira de Abreu, Jessica Norberto Rocha, Luisa Massarani, Carolina Chaves Peçanha

Resumo


O presente estudo, de caráter exploratório e de análise documental, visa identificar e analisar as ações de divulgação científica itinerantes financiadas pelos editais de popularização da ciência do Conselho Nacional de Desenvolvimento Científico e Tecnológico (CNPq), entre os anos de 2003 e 2015. A amostra total foi composta por 245 projetos aprovados em 26 editais estudados. Para análise, foram aplicados métodos mistos que exploram dados quantitativos e qualitativos. Os resultados apontam que, de forma geral, os editais obtiveram, ao longo dos anos, adesão de instituições públicas do país. Sobressaíram a diversidade de tipos de ações de divulgação científica itinerante (embora em sua maioria projetos propunham exposição móvel, seguidos de oficinas, cursos e ações de astronomia), a variada gama de temáticas e a relação estreita com o público escolar. Todos os estados brasileiros tiveram pelo menos uma proposta de itinerância aprovada sinalizando que essa política pública pode adentrar diversas regiões e potencialmente favorecer populações que não têm acesso à divulgação científica. Universidades e instituições de pesquisa públicas foram as que mais tiveram propostas aprovadas, destacando seu protagonismo na popularização da ciência no país. Finalizamos destacando a relevância do desenvolvimento de estudos como esses para compreender a complexidade e abrangência de políticas públicas voltadas para a popularização da ciência e tecnologia no país, bem como para sustentar práticas futuras.


Palavras-chave


divulgação científica; itinerância; editais

Texto completo:

PDF

Referências


ABC. (2004). Edital de Chamada Pública de Projetos ABC No 01/2004 - Projeto Ciência Móvel. Rio de Janeiro, RJ: ABC/MCT.

Abrantes, A. C. S. de. (2008). Ciência, Educação e Sociedade: o caso do Instituto Brasileiro de Educação, Ciência e Cultura (IBECC) e da Fundação Brasileira de Ensino de Ciências (FUNBEC). (Tese de doutorado). Programa de Pós-Graduação em História das Ciências e da Saúde. Casa de Oswaldo Cruz, Fundação Oswaldo Cruz, Rio de Janeiro, RJ. Recuperado de https://www.arca.fiocruz.br/handle/icict/15976

Abreu, W. V. de, Norberto Rocha, J., Massarani, L., & Rocha, M. (2022). Olimpíadas científicas: análise dos projetos apoiados por editais do CNPq (2005-2015). Caderno Brasileiro de Ensino de Física, 39(1), 59-82. https://doi.org/10.5007/2175-7941.2022.e80531

Almeida, C., Brito, F., Ferreira, J. F., Massarani, L., & Amorim, L. (2015). Centros e museus de ciência do Brasil 2015. Rio de Janeiro, RJ: Associação Brasileira de Centros e Museus de Ciência: UFRJ.FCC. Casa da Ciência, Fiocruz. Museu da Vida. Recuperado de http://www.museudavida.fiocruz.br/index.php/publicacoes/livros/714-tcc-23

AMNH. (1927). Annual Report, 1927. New York, United States of America: American Museum of Natural History.

Austrilino, L., Medeiros, M. L., & Soares, F. J. P. (2021). Caravana Itinerante de Ciência e Tecnologia de Alagoas: Trajetória de divulgação científica, extensão e formação profissional. ACTIO, 6(2), 1-17. https://doi.org/10.3895/actio.v6n2.14284

Bardin, L. (1977). Análise de conteúdo. Lisboa, Portugal: Edições 70.

Bardin, L. (2011). Análise de Conteúdo. São Paulo, SP: Edições 70.

Barros, L. G., Melo, M. S., Rosa, S. E., Souza, C. C., & Almeida Junior, E. F. (2021). Caminhão da ciência: caracterização, percurso e contribuições para a educação científica no oeste baiano. ACTIO, 6(1), 1-24. https://doi.org/10.3895/actio.v6n2.14126

Bertoletti, J. (2004). Projeto PROMUSIT (Projeto Museu Itinerante). O Museu vai à Comunidade e Relatório Técnico PROMUSIT/ MCT-PUCRS de 2003 - Material complementar. Edital da ABC No. 01/2004 - Projeto Ciência Móvel. Arquivo Físico, Banco de projetos e relatórios da Academia Brasileira de Ciências do Edital ABC No. 01/2004. Porto Alegre, RS: MCT-PUCRS.

Bose, A. (1983). Mobile Science Exhibition. Calcutta, India: Unesco Regional Office of Science and Technology for South and Central Asia.

Costa, A. (2021). Solon Leontsinis e a proposta de criação do Serviço de Exposições Circulantes de Empréstimo do Museu Nacional (1959). ACTIO, 6(2), 1-22. https://doi.org/10.3895/actio.v6n2.14290

Cerrolaza Calvo, S. (2018). Los museos sin territorio. Una tipología de museo sin edificio. EME Experimental Illustration, Art & Design, 6, 80-89. https://doi.org/10.4995/eme.2018.9002

Faria, A. C. G. (2013). O caráter educativo do Museu Histórico Nacional: o curso de Museus e a construção de uma matriz intelectual para os museus brasileiros. (Dissertação de mestrado). Programa de Pós-Graduação em Educação. Universidade Federal do Rio Grande do Sul, Porto Alegre, RS. Recuperado de https://lume.ufrgs.br/handle/10183/72139

Fernandes, A. V. C. (2020). Um panorama dos museus universitários mais visitados no Brasil, entre 2014 e 2018. Revista CPC, 15(30esp), 15-33. https://doi.org/10.11606/issn.1980-4466.v15i30espp15-33

Ferreira, J. R. (2014). Popularização da ciência e as políticas públicas no Brasil (2003-2012). (Tese de doutorado. Programa de Pós-Graduação em Ciências Biológicas – Biofísica, IBCCF, Universidade Federal do Rio de Janeiro, Rio de Janeiro, RJ. Recuperado de http://www.fiocruz.br/brasiliana/cgi/cgilua.exe/sys/start.htm?infoid=880&sid=26

Floud, P. (1950). Le service de prêt du Victoria and Albert Museum. Museum, III(4), 296-298. Paris, France: Unesco. https://doi.org/10.1111/j.1755-5825.1950.tb00056.x

Gaspar, A. (1993). Museus e centros de ciências – conceituação e proposta de um referencial teórico. (Tese de doutorado em Didática). Faculdade de Educação, Universidade de São Paulo, São Paulo, SP. Recuperado de http://www.fiocruz.br/brasiliana/cgi/cgilua.exe/sys/start.htm?infoid=189&sid=27

Gil, A.C. (2007). Como elaborar projetos de pesquisa. (4a ed.). São Paulo, SP: Atlas.

Hatt, R. T. (1950). The temporary exhibitions in the science museum. Museum, III(4), 313-316. Paris, France: Unesco.

Johnson, R. B., & Onwuegbuzie, A. (2004). Mixed methods research: a research paradigm whose time has come. Educational Researcher, 33(7), 14-26. https://doi.org/10.3102/0013189X033007014

Junior; P. D. C., Silva, R. R. M., Folador, H. F., Silva, M. I., & Ovigli, D. F. B. (2021). Visitas de crianças ao Planetário Itinerante da UFTM: a divulgação científica em foco. ACTIO, 6(2), 1-22. https://doi.org/10.3895/actio.v6n2.14175

Köptcke, L. S. (2005). Bárbaros, escravos e civilizados: o público dos museus no Brasil. In M. S. Chagas (Org.) Museu: antropofagia da memória e do patrimônio. Revista do Patrimônio Histórico e Artístico Nacional, (31), 184- 205.

Lopes, M. M. (1997). O Brasil descobre a pesquisa científica: os museus de ciências naturais no século XIX. São Paulo, SP: Hucitec.

Massarani, L. (2021). Divulgação científica. In J. Szwako & J. L. Ratton (Orgs.). Dicionário dos negacionismo no Brasil. Recife, PE: Pernambuco CEPE.

Massarani, L., Castelfranchi, Y., & Pedreira, A. E. (2019). Cientistas na TV: como homens e mulheres da ciência são representados no Jornal Nacional e no Fantástico. Cadernos Pagu, 56, 1-34. https://doi.org/10.1590/18094449201900560015

Massarani, L., & Moreira, I. (2016). Science communication in Brazil: A historical review and considerations about the current situation. Anais da Academia Brasileira de Ciências, 88(3), 1577-1595. https://doi.org/10.1590/0001-3765201620150338

Massarani, L., & Moreira, I. (2021). Divulgação científica no Brasil: algumas reflexões sobre a história e desafios atuais. In L. Massarani & I. Moreira (Eds.). Pesquisa em divulgação científica: textos escolhidos. Fiocruz: Rio de Janeiro, RJ. Recuperado de https://www.inct-cpct.ufpa.br/wp-content/uploads/2021/04/Livro-VPEIC_pesquisa_divulgacao_cientifica_final.pdf

Mingues, E. (2014). O museu vai à praia: uma análise de uma ação educativa à luz da Alfabetização Científica. (Dissertação de mestrado). Faculdade de Educação, Universidade de São Paulo, São Paulo, SP. https://doi.org/10.11606/D.48.2014.tde-08122014-130944

Moreira, I. de C. (2006). A inclusão social e a popularização da ciência e tecnologia no Brasil. Inclusão Social, 1(2). Recuperado de http://revista.ibict.br/inclusao/article/view/1512

Morley, G. M. C. C. (1950). Introduction. Museum, III(4), 264-266. Musées et expositions itinerantes. Paris, France: Unesco, 1950.

Musson, A. E., & Robinson, E. (1989). Science and technology in the Industrial Revolution. Londres, England: Gordon & Breach Science Publishers.

Nogueira, E. C., Fumian, S. de L. F., Chacon, E. P. Borges, M. N., & Luz, D. M. (2021). Casa da Descoberta Itinerante: análise de uma trajetória de 1999 a 2019. ACTIO, 6(2). https://doi.org/10.3895/actio.v6n2.14274

Norberto Rocha, J. (2018). Museus e centros de ciências itinerantes: análise das exposições na perspectiva da alfabetização científica. (Tese de doutorado). Faculdade de Educação, Universidade de São Paulo, São Paulo, SP. https://doi.org/10.11606/T.48.2018.tde-03122018-122740

Osborn, E. Manual of Travelling Exhibitions. Museums and Monuments V. Paris, France: Unesco, 1953.

Raw, I. (1970). An effort to improve science education in Brazil (mimeo). São Paulo, SP: IBECC.

Rivière, G. H. (1960). Stage régional d’études de L’UNESCO sur le rôle éducatif des musées. Etudes et documents d’éducation, 38. France, France: Unesco.

Silva, M. C. da. (2019). A Rede Brasileira de Coleções e Museus Universitários: proposição, pesquisa, colaboração e manifestação de apoio ao Museu Nacional da Universidade Federal do Rio de Janeiro e ao Instituto Brasileiro de Museus. Revista CPC, 27, 297-309. https://doi.org/10.11606/issn.1980-4466.v14i27p297-309

Soares, L. C. (2012). John Banks: um professor independente e itinerante de Filosofia Natural e Experimental no limiar da Revolução Industrial Inglesa. Revista Brasileira de História da Ciência, Rio de Janeiro, 5(1), 171-182. Recuperado de https://www.sbhc.org.br/arquivo/download?ID_ARQUIVO=672

Supplee, C. (1974). Museum on wheels. Museum News, 27-35.

Trigueiros, F. dos S. (1958). Museu e Educação. Rio de Janeiro, RJ: Irmãos Pongetti.

UNESCO. (1958). Seminario regional de la Unesco sobre la función educativa de los museos. France: Unesco.

Valente, M. E. A. (2008). Museus de Ciências e Tecnologia no Brasil: uma história da museologia entre as décadas de 1950-1970. (Tese de doutorado) Programa de Pós-Graduação em Ensino e História de Ciências da Terra. Universidade Estadual de Campinas, Campinas, SP.

Versolato, M. S., Graciano, M., & Izidoro, E. (2021). Divulgação Científica e a Formação Inicial de Professores (as): Uma Experiência no Cárcere. ACTIO, 6(2), 1-26. https://doi.org/10.3895/actio.v6n2.14089

VITAE. (2006). Relatório final 1985 a 2006. Relatório anual 2005. São Paulo, SP: Vitae.

Xavier, D. (2012). Museus em Movimento. Uma reflexão acerca de experiências museológicas itinerantes no marco da Nova Museologia. (Dissertação de mestrado). Curso de Mestrado em Museologia. Universidade Lusófona de Humanidades e Tecnologias, Lisboa, Portugal. Recuperado de http://www.museologia-portugal.net/files/upload/mestrados/denise_walter_xavier.pdf

Zucker, B. F. (1983). A survey of outreach and loan programs offered by museums. Curator, 26(2), 155-174. https://doi.org/10.1111/j.2151-6952.1983.tb00603.x




DOI: http://dx.doi.org/10.22600/1518-8795.ienci2022v27n1p478

Licença Creative Commons
Este obra está licenciado com uma Licença Creative Commons Atribuição-NãoComercial 4.0 Internacional.

Revista Investigações em Ensino de Ciências (IENCI) - ISSN: 1518-8795 

Creative Commons License