A EPISTEMOLOGIA DE BACHELARD E A CONSTRUÇÃO DO CONCEITO DE ADAPTAÇÃO DAS ESPÉCIES

Paola Sussai Luz Cezare, Mariana Aparecida Bologna Soares de Andrade

Resumo


A adaptação das espécies é uma das ideias centrais da síntese evolutiva, contudo, alguns obstáculos epistemológicos estão presentes na construção histórica desse conceito. A história da ciência emerge de interpretações dos contextos de desenvolvimento e produção da ciência, os obstáculos epistemológicos emergem dos mesmos contextos, dessa forma a epistemologia de Bachelard é adotada como referencial teórico principal. Ao utilizar a epistemologia histórica e crítica de Bachelard, são evidenciados os obstáculos epistemológicos presentes na construção do conceito de adaptação, ao longo do tempo, desde a visão fixista das espécies até à síntese moderna. Rupturas e descontinuísmos também foram evidenciados nessa retomada histórico-epistemológica. Concluímos que o conceito de adaptação passou por controvérsias. Em princípio mudanças foram atribuídas à obra do criador que visava o melhor arranjo possível para as espécies; em outro momento as ideias de mudança ganharam força, no entanto, a adaptação foi entendida como uma resposta ao ambiente; posteriormente, com a publicação das ideias de Darwin, a adaptação é compreendida como algo que existe nos indivíduos (os indivíduos apresentam diferentes tipos de adaptações), porém o ambiente seleciona as combinações mais favoráveis; a conciliação entre a teoria de Darwin e Mendel culminou na síntese evolutiva, aqui os mecanismos genéticos mais a seleção natural explicam a surgimento e a fixação de características adaptativas nas espécies.


Palavras-chave


Obstáculos Epistemológicos; História da Ciência; Ensino de Evolução; Adaptação Biológica

Texto completo:

PDF

Referências


Alvarez, M. (2009/2010). O Contributo da Genética para a Evolução do Pensamento Evolutivo. Antropologia Portuguesa, 26(27), 121-135.

Andrade, B. L. de, Zylbersztajn, A., & Ferrari, N. (2002). As Analogias e Metáforas no Ensino de Ciências à Luz da Epistemologia de Gaston Bachelard. Ensaio – Pesquisa em Educação em Ciências, 2(2), 1-11.

Bachelard, G.(1977). A epistemologia. Rio de Janeiro, RJ: Zahar Editores.

______ (1991). A filosofia do não. Tradução de Joaquim José Moura Ramos. (5a ed.). Lisboa: Editorial Presença.

______(1996). A formação do espírito científico: contribuição para uma psicanálise do conhecimento. Rio de Janeiro, RJ: Contraponto.

Biehl, L. V. (2003). A Ciência ontem, hoje e sempre. Porto Alegre, RS: ULBRA.

Bizzo, N. (1991). Ensino de Evolução e História do Darwinismo (Tese de doutorado). Faculdade de Educação da Universidade de São Paulo, São Paulo. Recuperado de www.teses.usp.br/teses/disponiveis/48/48133/tde-16082013-145625/

Bizzo, N., & El- Hani, C. N. (2009). O arranjo curricular do ensino de evolução e as relações entre os trabalhos de Charles Darwin e Gregor Mendel. Filosofia e História da Biologia, 4, 235-257.

Capponni, G. (2008) Georges Cuvier: un fisiólogo de museo. México (D.F.): Editorial Limusa.

______ (2011). La segunda agenda darwiniana contribución preliminar a uma historia del programa adaptacionistas. Centro de Estudios Filosóficos, Políticos y Sociales Vicente Lombardo Toledano.

Carmo, A. V., & Martins, L. A. P. (2006) Charles Darwin, Alfred Russel Wallace e a seleção natural: um estudo comparativo. Filosofia e História da Biologia, 1, 335-350.

Ceschim, B., Oliveira, T. B., & Ccaldeira, A. M. A. (2016). Teoria Sintética e Síntese Estendida: uma discussão epistemológica sobre articulações e afastamentos entre essas teorias. Filosofia e História da Biologia. 11(11). 1-29. Recuperado de: http://www.abfhib.org/FHB/FHB-11-1/FHB-11-1-01-Beatriz-Ceschim_Thais-Oliveira_Ana-Maria-Caldeira.pdf

Cezare, P. S. L., & Andrade, M. B. S. de. (2015). A história como um valor cognitivo: o panorama teórico da evolução biológica. In Anais do Encontro de História e Filosofia da Biologia, (pp.305-310). São Paulo, SP.

Chalmers, A. F. (1997). O que é ciência afinal? Tradução de Raul Fiker. São Paulo, SP: Brasiliense.

Churchill, F. B. (1968). August Weismann and a break from tradition. Journal of the History of Biology, 1(1), 91-112.

Darwin, C. (1961). A origem das espécies. Tradução de Joaquim Dá Mesquita Paul. Porto: Lello & Irmão Editores.

______(1982). A origem das espécies: ilustrada. (Condensado e com introdução de Richard E.

Leakey). Brasília: Ed. Universidade de Brasília.

El-Hani, C. N. & Meyer, D. (2009). A Evolução da Teoria Darwiniana. ComCiência. n.107.

Evolucionismo (2015,12 de agosto). Recuperado de http://wwwevolucionismo.org.br.

Felipe, A., & Faria, F. (2010). Georges Cuvier: história natural em tempos pré-darwinianos. História Ciência Saúde-Manguinhos. 17(4),1031-1034.

Freeman, S., & Herron, J. C. (2009). Análise evolutiva. Tradução de Maria Regina Borges -

-Osório e Rivo Fisher. (4a ed.). Porto Alegre, RS: Artmed.

Frezzati Jr, W. A.(2011) A construção da oposição entre Lamarck e Darwin e a vinculação de Nietzsche ao eugenismo. Scientiae Studia (USP). 9 (4)791-820.

Futuymo, D. J. (2009) Evolution. (2a ed.). Sunderland: Sinauer Associates.

Hahn, H.,Neurath, O., & Carnap, P, R. (1986). A concepção científica do mundo – Círculo de Viena. Cadernos de História e Filosofia da Ciência, 10, 5-20.

Haing, D. (2007). Weismann rules! ok? Epigenetics and the Lamarckian Temptation. Biology and Philosophy, 22, 415-428.

Japiassu, H.(1986) Introdução ao pensamento epistemológico. (4a ed.). Rio de Janeiro, RJ: Francisco Alves Editora.

______(1976). Para ler Bachelard. Rio de Janeiro, RJ: F. Alves.

______(1981). Questões Epistemológicas. Rio de Janeiro, RJ: Imago.

Kuhn, T. S. (1998). A Estrutura das Revoluções Científicas. (5a ed.). São Paulo, SP: Perspectiva.

Lakatos, I. (1998) A história das ciências e suas reconstruções racionais. Tradução de Mendes E. Lisboa: Ed. 70.

Lamarck, J. B. P. A. M. (1830). Philosophie zoologique. Paris: Flammarion.

Lopes, A. R. C. (1996). Bachelard: o filósofo da desilusão. Caderno Catarinense de Ensino de Física,13(3), 248-273.

Martins, A. F. P.(2004). Concepções de estudantes acerca do conceito de tempo: uma análise à luz da epistemologia de Gaston Bachelard. (Tese de doutorado). Universidade de São Paulo, São Paulo. Recuperado de www.teses.usp.br/teses/disponiveis/48/48134/tde-30112004-183841/

Martins, L. A. P.(2015) A herança de caracteres adquiridos nas teorias “evolutivas” do século XIX, duas possibilidades: Lamarck e Darwin. In Anais do Encontro de História e Filosofia da Biologia. São Paulo, SP.

______(2007). A teoria de progressão dos animais de Lamarck. Rio de Janeiro: Booklink; São Paulo: FAPESP: GHTC/ Unicamp.

Martins, L. A. P.(2003). August Weismann e evolução: os diferentes níveis de seleção. Revista da Sociedade Brasileira de História da Ciência (1),53-75.

Martins, L. A. P., & Batista A.M.H.(2007). Lamarck, evolução orgânica e o tempo: algumas considerações. História e Filosofia da Biologia, 2. São Paulo: Fundo Mackenzie de Pesquisa-Mack Pesquisa; Livraria da Física.

Martins, R. A. (2010). August Weismann, Charles Brown-Séquard e a controvérsia sobre herança de caracteres adquiridos no final do século XIX. Filosofia e História da Biologia, 5(1), 141-176.

Mayr, E. (1966). Animal species and evolution. The Belknap press of Harvard University Press. Cambridge, Massachusetts.

______(2005). Biologia, ciência única: reflexões sobre a autonomia de uma disciplina científica. Tradução de Marcelo Leite. São Paulo, SP: Companhia da Letras.

______(2009). O que é evolução. Rio de Janeiro, RJ: Rocco.

______(1991). One long argument: Charles Darwin and the Genesis of Modern Evolutionary Thought.

Melo, A. C. S. de (2005). Contribuições da epistemologia histórica de Gaston Bachelard no estudo da evolução dos conceitos da óptica (Dissertação de Mestrado). Universidade Federal de Santa Catarina, Santa Catarina. Recuperado de www.filoczar.com.br/filosoficos/Bachelard/Dissert.pdf

Meyer, D., & El-Hani, C. N (2005). Evolução: o sentido da biologia. São Paulo: Editora UNESP.

Morin, E. (1996). O problema epistemológico da complexidade. (2a ed.). Lisboa: Europa-América.

Pigliucci, M., & Müller, G. B. (2010). Evolution: the extended synthesis. Cambridge: The MIT Press.

Rafferty, P. J. (2011) New thinking about evolution. Britannica Educational Publishing.

Ridley, M. (2006). Evolução. Tradução de Henrique Ferreira; Luciane Passaglia; Rivo Fisher. (3a ed.). Porto Alegre, RS: Artmed.

Sepúlveda, C., & El-Hani, C. N. Controvérsias sobre o conceito de adaptação e suas implicações para o ensino de evolução. In Anais do V Encontro de Pesquisa em Ensino de Ciências, ENPEC, p. 1-13, 2006. Recuperado de http://axpfep1.if.usp.br/~profis/arquivos/vienpec/CR2/p742.pdf

Serra, P. J. M.(2008). Filosofia e ciência. Coleção: artigos Lusosofia. Covilhã.

Silva, P. R. da, Andrade, M. B. S. de, & Caldeira, A. M. (2014). Biology teachers’ conceptions of the diversity of life and the historical development of evolutionary concepts. Journal of Biological Education, 49(1), 3-21, doi: http://dx.doi.org/10.1080/00219266.2014.882377

Silveira, B. (2007). Minidicionário da língua portuguesa. (2a ed.). São Paulo, SP: FTD.

Yamazaki, S. C. (2013/2014). As ideias de Gaston Bachelard e de Ludwik Fleck: por uma convergência epistemológica. Revista Sul-Americana de Filosofia e Educação. (21),117-135.




DOI: http://dx.doi.org/10.22600/1518-8795.ienci2016v21n3p53

Licença Creative Commons
Este obra está licenciado com uma Licença Creative Commons Atribuição-NãoComercial 4.0 Internacional.

Revista Investigações em Ensino de Ciências (IENCI) - ISSN: 1518-8795 

Creative Commons License