ANALOGIAS EM LIVROS DIDÁTICOS DESTINADOS AO ENSINO SUPERIOR: QUÍMICA ORGÂNICA VERSUS FÍSICO-QUÍMICA

Josué Martins Gonçalves, Murilo Sérgio da Silva Julião

Resumo


Os livros didáticos de Química, via de regra, fazem uso de analogias por se tratar de uma disciplina que envolve inúmeros conceitos abstratos. No entanto, há pouca pesquisa envolvendo identificação e explicação sobre as analogias utilizadas em livros didáticos direcionados ao ensino superior. Nesse sentido, o presente trabalho apresenta um estudo comparativo entre as analogias encontradas em livros de Química Orgânica e Físico-química destinados a estudantes do ensino superior. Foram identificadas 277 analogias nos livros analisados e categorizadas conforme sistemas adaptados de Thiele e Treagust (1994) e Francisco Junior (2009).Uma forma de abordagem mais adequada de utilização das analogias nesses livros foi realizada, bem como a verificação da importância do papel dos professores no uso desse recurso didático. Os resultados indicam que esses livros são ricos em analogias simples, dando ênfase às análogos estruturais no caso de livros de Química Orgânica e análogos funcionais nos de Físico-Química. As analogias simples são mais fáceis de induzirem os alunos a erros conceituais, pois mostram poucas similaridades entre os domínios comparados. É importante ressaltar que nesta pesquisa observa-se uma baixa ocorrência de analogias em que o autor do livro reconhece as limitações e/ou discute estas, repassando toda a responsabilidade ao professor e ao aluno no que se refere à explicação e percepção das analogias, respectivamente. É mister afirmar que muitas das analogias encontradas em alguns capítulos dos livros analisados, poderiam ser suprimidas sem perda significativa da compreensão dos conceitos abordados.


Palavras-chave


conceitos abstratos; ensino superior; livro didático; Química

Texto completo:

PDF

Referências


Andrade, A. C. S., Sussuchi, E. M., Magalhães, C. N., & Piovesan, A. F. (2014). Analogias e metáforas no ensino e aprendizagem do conceito de átomo: breve análise em livros didáticos. Scientia Plena, 10(4), 1-9.

Atkins, P., & De Paula, J. (2006). Físico-Química. (8a ed.) Rio de Janeiro: LTC.

Ball, D. W. (2006). Físico-química. São Paulo: Thomson.

Bernardino, M. A. D., Rodrigues, M. A., & Bellini, L. M. (2013). Análise crítica das analogias do livro didático público de Química do estado do Paraná. Ciência & Educação, 19(1), 135-150. DOI: 10.1590/S1516-73132013000100010

Bruice, P. Y. (2006). Química Orgânica.(4a ed.) São Paulo: Pearson Prentice Hall.

Chang, R. (2010). Físico-química para as ciências químicas e biológicas. (3a ed.) Porto Alegre: AMGH.

Cunha, M. C. C. (2006). Analogias nos livros de ciências para as séries iniciais do ensino fundamental. Revista Brasileira de Pesquisa em Educação em Ciências, 6(2), 1-15.

Curtis, R. V., & Reigeluth, C. M. (1984). The use of analogies in written text. Instructional Science, 13(2), 99-117. DOI: 10.1007/BF00052380

Duit, R. (1991). On the role of analogies and metaphors in learning science. Science Education, 75(6), 649-672. DOI: 10.1002/sce.3730750606

Francisco Junior, W. E. (2007). Bioquímica no ensino médio?! (De) Limitações a partir da análise de alguns livros didáticos de Química. Ciência & Ensino, 1(2), 1-10.

Francisco Junior, W. E. (2009). Analogias em livros didáticos de química: um estudo das obras aprovadas pelo Plano Nacional do Livro Didático Para o Ensino Médio 2007. Ciências & Cognição, 14(1), 121-143.

Francisco Junior, W. E., & Francisco, W., & Oliveira, A. C. (2012). Analogias em livros de Química Geral destinados ao ensino superior. Ensaio: Pesquisa em Educação em Ciências, 14(3), 131-147.

Furió, C., & Furió, C. (2000). Dificultades conceptuales y epistemológicas en el aprendizaje de los procesos químicos. Educación química, 11(3), 300-308.

Harrison, A. G., & Treagust D. F. (1993). Teaching with analogies: A case study in grade-10 optics. Journal of Research in Science Teaching, 30(10), 1291-1307. DOI: 10.1002/tea.3660301010

Justi, R. S., & Mendonça, P. C. C. (2008). Usando analogias com função criativa: uma nova estratégia para o ensino de química. Educación química, 1(1), 24-29. DOI: 10.2436/20.2003.02.4

Lima, A. A. (2007). O uso de modelos no ensino de química: uma investigação acerca dos saberes construídos durante a formação inicial de professores de Química da UFRN. (Tese de doutorado em Educação) Universidade Federal do Rio Grande do Norte, Natal, RN. Recuperado de https://repositorio.ufrn.br/jspui/handle/123456789/14122

Mcmurry, J. (2011). Química Orgânica. (7a ed.) São Paulo: CENGAGE Learning.

Melzer, E. E. M., & Castro, L., & Aires, J. A., & Guimarães, O. M. (2009). Modelos Atômicos nos Livros Didáticos de Química: Obstáculos à Aprendizagem. In Atas do VII Encontro Nacional de Pesquisa em Educação em Ciência-VII ENPEC (1-9). Florianópolis, SC, Brasil. Recuperado de posgrad.fae.ufmg.br/posgrad/viienpec/pdfs/399.pdf

Mendonça, P. C. C., Justi, R., & Oliveira, M. M. (2006). Analogias sobre ligações químicas elaboradas por alunos do ensino médio. Revista Brasileira de Pesquisa em Educação em Ciências, 6(1), 22-34.

Monteiro, I. G., & Justi, R. S. (2000). Analogias em livros didáticos de química brasileiros destinados ao ensino médio. Investigações em Ensino de Ciências, 5(2), 67-91.

Nelson, D. L., & Cox, M. M. (2002). Lehninger: Princípios de Bioquímica. (3a ed.) Traduzido por A. A. Simões e W. R. Lodi. São Paulo: Sarvier.

Raviolo, A., & Siracusa, P., Gennari, F., & Corso, H. (2004). Utilización de un modelo analógico para facilitar la comprensión del proceso de preparación de disoluciones: primeros resultados. Enseñanza de las Ciencias, 22(3), 379-388.

Rigolon, R. G., & Obara, A. T. (2011). Distinção entre analogia e metáfora para aplicação do modelo Teaching with analogies por licenciandos de Biologia. Revista Electrónica de Enseñanza de las Ciencias, 10(3), 481-498.

Ros, A. C. (2001). La enseñanza de la química en el inicio del nuevo siglo una perspectiva desde España. Educación Química, 12(1), 7-17.

Souza, V. C. A., Justi, R. S., & Ferreira, P. F. M. (2006). Analogias utilizadas no ensino dos modelos atômicos de Thomson e Bohr: uma análise crítica sobre o que os alunos pensam a partir delas. Investigações em Ensino de Ciências 11(1), 7-28.

Solomons, T. W. G., & Fryhle, C. B. (2011). (9a ed.)Química Orgânica. Rio de Janeiro: LTC.

Terrazzan, E. A., Pimentel, N. L.,Silva, L. L., Buske, R., & Amorim, M. A. L. (2005). Estudo das analogias utilizadas em coleções didáticas de Física, Química e Biologia. Enseñanza de las Ciencias, [Extra, 1-6].

Thiele, R. B., & Treagust, D. F. (1994). The nature and extent of analogies in secondary chemistry textbooks. Instructional Science, 22(1), 61-74. DOI:10.1007/BF00889523

Thiele, R. B., & Treagust, D. F. (1995). Analogies in chemistry textbooks. International Journal of Science Education, 17(6), 783-795. DOI: 10.1080/0950069950170609




DOI: http://dx.doi.org/10.22600/1518-8795.ienci2016v21n3p92

Licença Creative Commons
Este obra está licenciado com uma Licença Creative Commons Atribuição-NãoComercial 4.0 Internacional.

Revista Investigações em Ensino de Ciências (IENCI) - ISSN: 1518-8795 

Creative Commons License