O MODELO DE QUATRO FASES DO DESENVOLVIMENTO DO INTERESSE APLICADO À APRENDIZAGEM DA DOCÊNCIA

George Francisco Santiago Martin, Sérgio de Mello Arruda, Marinez Meneghello Passos

Resumo


Este artigo apresenta os resultados de uma pesquisa sobre o desenvolvimento do interesse pela docência. Os sujeitos do estudo eram estudantes de uma universidade pública do Paraná, Brasil, que integravam subprojetos PIBID em Ciências Biológicas, Física e Química. Os procedimentos metodológicos basearam-se na análise textual discursiva, a partir do qual foi possível organizar os dados de acordo com o Modelo de Quatro Fases do Desenvolvimento do Interesse (MDI) de Hidi e Renninger (2006). Após análise, foi possível caracterizar o interesse desses alunos pela docência, sugerindo que este interesse pode ser desenvolvido em estudantes durante a formação inicial. Nossos dados mostram, além disso, que o interesse pela docência tem duas características principais: o desejo de ser um professor e a curiosidade dos alunos para saber como é ser um professor. Além disso, verificou-se que os professores da escola (supervisores) podem influenciar diretamente na manutenção do interesse dos estudantes em seguir uma carreira docente.

Palavras-chave


Modelo de quatro fases do Desenvolvimento do Interesse (MDI); Interesse pela docência; Formação inicial de professores; Focos da Aprendizagem Docente (FAD)

Texto completo:

PDF

Referências


Abbagnano, N. (2007). Dicionário de Filosofia. São Paulo: Martins Fontes.

Arruda, S. de M.; Passos, M. M.; Fregolente, A. (2012). Focos da aprendizagem docente. Alexandria – Revista de Educação em Ciência e Tecnologia, Florianópolis, 5(3), 25-48.

Flick, U. (2009). Introdução à pesquisa qualitativa. Tradução de Joice Elias Costa. (3a ed.) Porto Alegre: Artmed.

Gauthier, C., Martineau, S., Desbiens, J. F., Malo, A., & Simard, D. (2006). Por uma Teoria da Pedagogia: pesquisas contemporâneas sobre o saber docente. Ijuí: Unijuí.

Hidi, S., Renninger, K. A., & Krapp, A. (2004). Interest, a motivational variable that combines affect and cognitive functioning. In Day, D. Y., & Sternberg, R. J. (Eds.). Motivation, emotion, and cognition: integrative perspectives on intellectual functioning and development. (pp. 89-115). Mahwah, NJ: Erlbaum.

Hidi, S., & Renninger, K. A. (2006). The four-phase model of interest development. Educational Psychologist. Recuperado de http://moodle2.karelia.fi/file.php/732/Verkkopedagogiikka/renninger_4_phase_model.pdf

Leme, L. F. (2012). Atratividade do magistério para o ensino básico: estudo com ingressantes de cursos superiores da Universidade de São Paulo. (Dissertação de mestrado, Faculdade de Educação, Universidade de São Paulo, São Paulo). Recuperado de http://www.xxx colocar URL

Moraes, R.; Galiazzi, M. C. (2011). Análise textual discursiva. Ijuí: Unijuí.

National Research Council. (2009). Learning science in informal environments: people, places, and pursuits. Committee on learning science in informal environments, national research council of the national.academies. Washington, DC: The National Academies Press. Recuperado de http://www.nap.edu/catalog/12190.html.

______ (2010). Fenichel, M., & Schweingruber, H. A. Surrounded by Science: Learning science in informal environments. Board on Science Education, Center for Education, Division of Behavioral and Social Sciences and Education. Washington, DC. The National Academies Press, Washington, DC. Recuperado de http://www.nap.edu/catalog.php?record_id=12614.

Passos, M. M. (2004). O ser professor de matemática e a reconstrução da subjetividade: estudo realizado com alunos do 1º ano do curso de Matemática da Universidade Estadual de Londrina. (Dissertação de mestrado, Centro de Educação, Comunicação e Artes, Universidade Estadual de Londrina, Londrina, PR). Recuperado de http://www.bibliotecadigital.uel.br/document/?code=vtls000100034

Popper, K. R. (1975). Conhecimento objetivo: uma abordagem evolucionária. Belo Horizonte: Editora Itatiaia; São Paulo: Editora da Universidade de São Paulo.

Sacristán, J. G. (2005). Tendências investigativas na formação de professores. In Pimenta, S. G., & Ghedin, E. (Org.) Professor reflexivo no Brasil: gênese e crítica de um conceito. (pp. 81-87). São Paulo: Cortez.




DOI: http://dx.doi.org/10.22600/1518-8795.ienci2016v21n1p46

Licença Creative Commons
Este obra está licenciado com uma Licença Creative Commons Atribuição-NãoComercial 4.0 Internacional.

Revista Investigações em Ensino de Ciências (IENCI) - ISSN: 1518-8795 

Creative Commons License