MAIS UM NADA COMUM DIA NA ESCOLA: UM JOGO EDUCACIONAL COMPLEXO NO ESTILO RPG DE AVENTURA PARA TRATAR O TEMA SEXUALIDADE

Fleuriane Dantas Lira, Roberta Smania-Marques

Resumo


Na Educação Básica, a sexualidade é ainda vista como um assunto de difícil abordagem no ensino. Uma estratégia encontrada para aproximar discentes do tema de forma lúdica é o uso de jogos educacionais. Objetivamos apresentar um jogo educacional complexo validado para abordar este tema, através de um trabalho qualitativo exploratório, ancorado na pesquisa de desenvolvimento conforme orientações da Design Research. Utilizamos o construtivismo e a construção de competência como norteadores dos objetivos de aprendizagem. Analisamos o discurso dos feedbacks na validação por pares, que apontou aperfeiçoamentos já implementados para alcançar os objetivos de aprendizagem propostos. O RPG situa-se no segundo ciclo de prototipagem com novos especialistas e grupos do público-alvo para enfim a disponibilização do arquivo, com possível publicação por uma editora universitária.

Palavras-chave


Sexualidade; Jogos Pedagógicos; Ensino de Ciências; Material Didático

Texto completo:

PDF

Referências


Aberastury, A., & Knobel, M. (1981). Adolescência normal. Tradução de Suzana Maria Garagoray Ballve. Porto Alegre, RS: Artes Médicas. Recuperado de https://psicoeducauff.files.wordpress.com/2018/09/aberastury-a-adolescc3a3c2aancia-normal.pdf

Amaral, R. R., & Bastos, H. F. N. (2011). O Roleplaying Game na sala de aula: uma maneira de desenvolver atividades diferentes simultaneamente. Revista Brasileira de Pesquisa em Educação em Ciências, 11(1), 103-122. Recuperado de https://periodicos.ufmg.br/index.php/rbpec/article/view/4126

Bardin, L. (1979). Análise de conteúdo. São Paulo, SP: Edições 70. Recuperado de https://www.ets.ufpb.br/pdf/2013/2%20Metodos%20quantitat%20e%20qualitat%20-%20IFES/Livros%20de%20Metodologia/10%20-%20Bardin,%20Laurence%20-%20An%C3%A1lise%20de%20Conte%C3%BAdo.pdf

Bernardo, M. L., Vasconcelos, G. B., Lira, F. D., & Smania-Marques, R. (2018). Jogos educacionais em foco: Como têm sido avaliados quando utilizados em intervenções educacionais? In S. N. D., Bastos, S. N. Chaves, & L. V. A., Silva (Eds.) Anais do VII ENEBIO - Encontro Nacional de Ensino de Biologia. (pp. 4547-4557). Belém, PA. Recuperado de https://sbenbio.org.br/wp-content/uploads/anais/anais_vii_enebio_norte_completo_2018.pdf

Bogdan, R. C., & Biklen, S. K. (1982). Qualitative research methods for education. Boston, Massachusetts: Allyn and Bacon, Inc.

Carvalho, F. A. (2020). Sexos, sexualidades e gêneros: uma contribuição das teorizações feministas para a discussão dos limites das explicações e categorizações biológicas. REnBio - Revista de Ensino de Biologia da SBEnBio, 13(1), 223-242. https://doi.org/10.46667/renbio.v13i1.313

Domingos, D. C. A., & Recena, M. C. P. (2010). Elaboração de jogos didáticos no processo de ensino e aprendizagem de química: a construção do conhecimento. Ciências & Cognição, 15(1). 272-281. Recuperado de http://cienciasecognicao.org/revista/index.php/cec/article/view/113

Duit, R., Gropengießer, H., Kattmann, U., Komorek, M., & Parchmann, I. (2012). The Model of Educational Reconstruction: A Framework for Improving Teaching and Learning Science. In D. Jorde & J. Dillon, (Eds.), Science Education Research and Practice in Europe: Restropertive and Prospective. (pp. 13-37). Rotterdam, The Netherlands: Sense Publishers. Retirado de https://brill.com/view/book/edcoll/9789460919008/BP000003.xml

Figueiredo, R. S., Souza, M. L., & Barbosa, A. A. L. (2019). Gênero e sexualidade na escola: uma experiência com o programa institucional de bolsa de iniciação à docência (PIBID). Revista de Ensino de Biologia da SBEnBio, 12(2), 168-187. https://doi.org/10.46667/renbio.v12i2.250

Kishimoto, T. M. (1995). O Brinquedo na Educação: Considerações históricas. Série Ideias. 7(1), 39-45. Retirado de https://edisciplinas.usp.br/pluginfile.php/5723180/mod_resource/content/1/KISHIMOTO%2C%20T.%20O%20Brinquedo%20na%20educação-considerações%20históricas.pdf

Lei n. 9.394, de 20 de dezembro de 1996. (1996). Estabelece as diretrizes e bases da educação nacional, Diário Oficial de União. Brasília, DF: Diário Oficial da República Federativa do Brasil. Recuperado de http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/leis/l9394.htm

Lira, F. D., Bernardo, M. L., & Smania-Marques, R. (2021). Desenvolvimento e teste de uma ferramenta para avaliação e validação de jogos educacionais de tipo RPG. In E-book VIII ENEBIO, VIII EREBIO-NE E II SCEB: Itinerários de resistência: pluralidade e laicidade no Ensino de Ciências e Biologia. Encontro Nacional do Ensino de Biologia. (pp. 281-290). Fortaleza, CE. Recuperado de https://editorarealize.com.br/artigo/visualizar/74661

Louro, G. L. (2000) Pedagogias da Sexualidade. In: Louro, G. L. (Org.). O corpo educado: pedagogias da sexualidade (2a ed.). (pp. 7-34) Belo Horizonte, MG: Autêntica. Recuperado de https://core.ac.uk/download/pdf/30353576.pdf

Macêna Jr, A. G., Boas, A. C. V., & Passos, M. M. (2017). RPG pedagógico como ferramenta alternativa para o ensino de Física no Ensino Médio. Caderno Brasileiro de Ensino de Física, 34(2), 372-403 http://dx.doi.org/10.5007/2175-7941.2017v34n2p372

Machado, E. C. F. (2014). Corpo máquina ou corpos vivos? O corpo que a escola afirma por meio dos livros didáticos. (Dissertação). Programa de Pós-Graduação em Educação para Ciências e Matemática, Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia de Goiás, Jataí, GO. Recuperado de https://repositorio.ifg.edu.br/handle/prefix/30

MEC – Ministério da Educação e do Desporto (1998). Parâmetros curriculares nacionais: Terceiro e Quarto Ciclos do Ensino Fundamental. Secretaria de Educação Fundamental. Brasília, DF: MEC/SEF. Recuperado de http://portal.mec.gov.br/seb/arquivos/pdf/introducao.pdf

MEC – Ministério da Educação (2017). Base Nacional Comum Curricular. Ministério de Estado da Educação. Secretaria Executiva. Secretaria de Educação Basica. (Proposta preliminar, segunda versão revista).Brasília, DF: MEC. Recuperado de http://portal.mec.gov.br/index.php?option=com_docman&view=download&alias=78231-anexo-texto-bncc-reexportado-pdf-1&category_slug=dezembro-2017-pdf&Itemid=30192

Nothaft, S. C. S., Zanatta, E. A., Brumm, M. L. B., Galli, K. S. B., Erdtmann, B. K., Buss, E., & Silva, P. R. R. (2014). Sexualidade do adolescente no discurso de educadores: possibilidades para práticas educativas. Revista Mineira de Enfermagem, 18(2), 284-294. http://www.dx.doi.org/10.5935/1415-2762.20140022

Oliveira, A. A., & Benite-Ribeiro, S. A. (2012). Um modelo de role-playing game (rpg) para o ensino dos processos da digestão. Itinerarius Reflectionis, 2(13), 1-15. https://doi.org/10.5216/rir.v2i13.22340

Ollaik, L. G., & Ziller, H. M. (2012). Concepções de validade em pesquisas qualitativas. Educação e Pesquisa, 38(1), 229-242. https://doi.org/10.1590/S1517-97022012005000002

Perrenoud, P. (1997). Construire des compétences dès l'école. Paris, France: ESF éditeur.

Perrenoud, P. (2011). Quand l’école prétend préparer à la vie… Des compétences ou d’autres savoirs? Paris, France: ESF éditeur.

Piccinini, C. L., & Andrade, M. C. P. (2018). O ensino de Ciências da Natureza nas versões da Base Nacional Comum Curricular, mudanças, disputas e ofensiva liberal-conservadora. Revista de Ensino de Biologia da SBEnBio, 11(2), 34-50. https://doi.org/10.46667/renbio.v11i2.124

Plomp, T. (2007). Educational Design Research: An Introduction. In Plomp, T., & Nieveen, N. (Eds.) An introduction to educational design research. Enschede, Netherlands: Netzodruk. Recuperado de https://ris.utwente.nl/ws/portalfiles/portal/14472302/Introduction_20to_20education_20design_20research.pdf

Santos, W. L. P., & Mortimer, E. F. (2000). Uma análise de pressupostos teóricos da abordagem C-T-S (Ciência-Tecnologia-Sociedade) no contexto da educação brasileira. Ensaio: pesquisa em educação em ciências, 2(2), 1-23. http://dx.doi.org/10.1590/1983-21172000020202

Silva, M. G. (2019). O modelo de reconstrução educacional como aporte teórico e metodológico para o design de uma sequência didática sobre o conceito de biodiversidade em uma perspectiva integral e polissêmica. (Tese). Programa de Pos-Graduacao em Ensino de Ciências, Universidade Federal Rural de Pernambuco, Recipe, PE. Recuperado de http://www.tede2.ufrpe.br:8080/tede2/handle/tede2/8343

Silva, M. G., & Ferreira, H. S. (2020). Modelo de Reconstrução Educacional como um aporte teórico e metodológico para o design de ambientes de ensino e aprendizagem da ciência. Investigações em Ensino de Ciências, 25(1), 262-281. http://dx.doi.org/10.22600/1518-8795.ienci2020v25n1p262

Soares, S. M., Amaral, M. A., Silva, L. B., & Silva, P. A. B. (2008). Oficinas sobre sexualidade na adolescência: revelando vozes, desvelando olhares de estudantes do ensino médio. Escola Anna Nery Revista de Enfermagem, 12(3), 485-491. https://doi.org/10.1590/S1414-81452008000300014

Talamoni, A. C. B. (2007). Corpo, ciência e educação: representações do corpo junto a jovens estudantes e seus professores. (Dissertação de mestrado). Programa de Pós-Graduação em Educação para a Ciência, Universidade Estadual Paulista, Faculdade de Ciências, Bauru, SP. Recuperado de https://repositorio.unesp.br/handle/11449/90975

Talamoni, A. C. B., & Bertolli-Filho, C. (2009). Corpo e vida nas representações de estudantes do ensino fundamental. In A. M. A. Caldeira, A. M. A. (Org.) Ensino de ciências e matemática, II: temas sobre a formação de conceitos (online). (pp. 75-89). São Paulo, SP: Editora UNESP; São Paulo, SP: Cultura Acadêmica. Recuperado de http://books.scielo.org/id/htnbt

Teixeira, P. M. M. (2020). A diversidade de pesquisas de natureza interventiva dentro da produção acadêmica em ensino de biologia: uma análise teórico-metodológica. Investigações em Ensino de Ciências, 25(1), 140-158. http://dx.doi.org/10.22600/1518-8795.ienci2020v25n1p140

Torres, M. A., Saraiva, I. M. M., & Gonzaga, R. M. (2020). Sexualidades no contexto escolar: violência ética e disputas por reconhecimento. Revista Brasileira de Educação, 25(1), 1-23. https://doi.org/10.1590/S1413-24782020250049

Yamazaki, S. C., & Yamazaki, R. M. O. (2014). Jogos para o Ensino de Física, Química e Biologia: elaboração e utilização espontânea ou método teoricamente fundamentado? Revista Brasileira de Ensino de Ciência e Tecnologia, 7(1), 159-181. https://doi.org/10.3895/S1982-873X2014000100009

Zabala, A. (1998). A prática educativa: como ensinar. Porto Alegre, RS: Artmed.




DOI: http://dx.doi.org/10.22600/1518-8795.ienci2021v26n2p290

Licença Creative Commons
Este obra está licenciado com uma Licença Creative Commons Atribuição-NãoComercial 4.0 Internacional.

Revista Investigações em Ensino de Ciências (IENCI) - ISSN: 1518-8795 

Creative Commons License