AS REPRESENTAÇÕES DA CIÊNCIA EM MATÉRIAS DE UMA REVISTA DE DIVULGAÇÃO CIENTÍFICA: A COSMOLOGIA SUPERINTERESSANTE

Romulo Ramunch Mourão Silva, Daniel Fernando Bovolenta Ovigli

Resumo


O presente artigo é produto de uma pesquisa de Mestrado em Educação desenvolvida junto à Universidade Federal do Triângulo Mineiro. Nela defendemos o pressuposto de que a educação científica de uma sociedade não deve ser atribuída unicamente ao espaço escolar e aos espaços de educação formal. Acreditamos que toda a sociedade, em seus diversos tempos e espaços, deve contribuir para esta promoção. Também consideramos que a ciência é um campo de construção de produtos culturais materiais e simbólicos, os quais incluem visões e concepções acerca do que do que é, quem faz e como se faz ciência. Compreendemos que essas concepções são promovidas pela e na sociedade via atores sociais que promovem a educação científica supracitada. Desse modo, consideramos interessante investigar como a ciência é apresentada em uma revista de divulgação científica que apresenta mais apelo ao público jovem no Brasil, a SuperInteressante, em sua versão digital, no período de 2010 a 2019. O delineamento da pesquisa se deu a partir de matérias que tinham como principal tema a Cosmologia, devido ao forte apelo que esse tema possuí e por sua ainda reduzida presença nas salas de aula brasileiras. A análise empreendida sobre os textos foi de natureza qualitativa, por meio da Análise Textual Discursiva. Compreendemos 5 elementos que consideramos fundamentais para compreender a apresentação da ciência na revista em questão, as quais se configuraram como nossas principais categorias: (i) conhecimento científico, (ii) trabalho científico, (iii) cientista, (iv) desenvolvimento científico e (v) suas influências. Identificamos apresentações consideradas adequadas a respeito do empreendimento científico, mas também uma visão por vezes ficcional desse campo do saber. Discutimos e concluímos a respeito das influências que essas apresentações podem ter sobre a sociedade e o público leitor desta publicação.


Palavras-chave


Cultura Científica; Divulgação Científica; Natureza da Ciência

Texto completo:

PDF

Referências


Abdalla, M.C.B. (2005). Sobre o discreto charme das partículas elementares. Física na Escola, 6(1), 38-44.

Aikenhead, G. S. (2009). Research into STS science education. Revista Brasileira de Pesquisa em Educação em Ciências, 9(1). Recuperado de https://periodicos.ufmg.br/index.php/rbpec/article/view/4005

Alters, B. J. (1997). Whose nature of science. Journal of Research in the Science Teaching, 34(1), 39-55.

Auler, D., & Bazzo, W. A. (2001). Reflexões para a implementação do movimento CTS no contexto educacional brasileiro. Ciência & Educação (Bauru), 7(1), 1-13. Recuperado de http://dx.doi.org/10.1590/S1516-73132001000100001

Bueno, W. C. (2010). Comunicação científica e divulgação científica: aproximações e rupturas. Informação & Informação, Londrina, 15(n.esp.), 1-12. Recuperado de https://brapci.inf.br/index.php/article/download/14078

Cardoso, D., Noronha, A., Watanabe, G., & Gurgel, I. (2015). Textos jornalístico sobre a ciência: Uma análise do discurso sobre a natureza da ciência. Alexandria - Revista de Educação em Ciência e Tecnologia, 8(3), 229-251. Recuperado de https://doi.org/10.5007/1982-5153.2015v8n3p229

Chalmers, A. F. (1993). O que é Ciência afinal? São Paulo, SP: Brasiliense.

Cunha, M. B. d., & Giordan, M. (2009). A divulgação científica como um gênero de discurso: Implicações na sala de aula. In Atas do VII Encontro Nacional de Pesquisa em Educação em Ciências – SC. Florianópolis, Santa Catarina, Brasil. Recuperado de http://axpfep1.if.usp.br/~profis/arquivos/viienpec/VII%20ENPEC%20-%202009/www.foco.fae.ufmg.br/cd/pdfs/89.pdf

Dicionário Aurélio da Língua Portuguesa. (2010). DESVENDAR. Positivo Soluções Didáticas LTDA, aplicativo de celular. Recuperado de https://play.google.com/store/apps/details?id=br.com.editorapositivo.aurelio&hl=pt_BR

Dicionário Aurélio da Língua Portuguesa. (2010). NERD. Positivo Soluções Didáticas LTDA, aplicativo de celular. Recuperado de https://play.google.com/store/apps/details?id=br.com.editorapositivo.aurelio&hl=pt_BR

Diniz, N. de P., & Rezende Junior, M. F. (2018). Percepções sobre a natureza da ciência em textos de divulgação científica da revista Ciência Hoje Online. Acta Scientiae (Canoas), 20(4), 571-592. Recuperado de https://doi.org/10.17648/acta.scientiae.v20iss4id4038

Feyerabend, P. (1977). Contra o Método. (2a ed.). Rio de Janeiro: Editora Francisco Alves.

Feyerabend, P. (1979). Consolando o especialista. In I Lakatos, & A. Musgrave (Orgs.). A Crítica e o Desenvolvimento do Conhecimento (pp. 244-284). São Paulo, SP: Universidade de São Paulo.

Fioresi, C. A., & Silva, H. C. (2017). Textos de Divulgação Científica: Uma análise sobre a Natureza da Ciência. In Atas do XI Encontro Nacional de Pesquisa em Educação em Ciências – SC. Florianópolis, Santa Catarina, Brasil. Recuperado de http://www.abrapecnet.org.br/enpec/xi-enpec/anais/resumos/R0565-1.pdf

Gil-Pérez, D., Montoro, I. F., Alís, J. C., Cachapuz, A., & Praia, J. (2001). Para uma imagem não deformada do trabalho científico. Ciência & Educação (Bauru), 7(2), 125-153. Recuperado de http://dx.doi.org/10.1590/S1516-73132001000200001

Góes, A. C. de S., & Oliveira, B. V. X. (2014). Projeto Genoma Humano: Um retrato da construção do conhecimento científico sob a ótica da revista Ciência Hoje. Ciência & Educação (Bauru), 20(3), 561-577. Recuperado de http://dx.doi.org/10.1590/1516-73132014000300004

Gontijo, G. B., Mota, G. P. R., & Oliveira, J. R. (2015). Análise da revista Minas Faz Ciência: a divulgação científica sob o olhar da sociologia de Latour. In Atas do X Encontro Nacional de Pesquisa em Educação em Ciências – SP, Águas de Lindóia, São Paulo, Brasil. Recuperado de http://www.abrapecnet.org.br/enpec/x-enpec/anais2015/resumos/R0385-1.PDF

Grigolleto, E. O. (2005). O discurso da divulgação científica: um espaço intervalar. Tese de Doutorado em Teorias do Texto e do Discurso - Universidade Federal do Rio Grande do Sul, Porto Alegre. Recuperado de https://lume.ufrgs.br/handle/10183/5322

Jané, M B. (2003). Información y divulgación científica: dos conceptos paralelos y complementarios en el periodismo científico. Estudios sobre el Mensaje Periodístico, 9, 43-53. Recuperado de https://revistas.ucm.es/index.php/ESMP/article/view/ESMP0303110043A/12657

Kantor, C. A. (2012). Educação em Astronomia sob uma perspectiva humanístico-científica: a compreensão do céu como espelho da evolução cultural. (Tese de doutorado em Educação). Universidade de São Paulo. Recuperado de https://www.teses.usp.br/teses/disponiveis/48/48134/tde-12062012-150132/publico/CARLOS_APARECIDO_KANTOR_rev.pdf

Kuhn. T. S. (1970). Estrutura das Revoluções Científicas. (5a ed.). São Paulo, SP: Perspectiva

Kuhn. T. S. (1979a). Lógica da descoberta ou psicologia da pesquisa? In I. Lakatos & A. Musgrave (Orgs.). A Crítica e o Desenvolvimento do Conhecimento (pp. 5-32). São Paulo, SP: Universidade de São Paulo.

Kuhn. T. S. (1979b). Reflexões sobre os meus críticos. In I. Lakatos, & A. Musgrave (Orgs.). A Crítica e o Desenvolvimento do Conhecimento (pp. 285-343). São Paulo, SP: Universidade de São Paulo.

Lakatos, I. (1978). La metodologia de los programas de investigación científica. Madrid, España: Alianza Editorial.

Lakatos, I. & Musgrave, A. (Orgs.). (1979). A Crítica e o Desenvolvimento do Conhecimento. São Paulo, SP: Universidade de São Paulo.

Levy-Leblond, J. (2006). Cultura Científica: Impossível e Necessária. In C. Vogt (Org.). Cultura Científica: Desafios (pp. 28-43). São Paulo, SP: Universidade de São Paulo.

Lüdke, M., & André, M. E. D. A. (1986). Pesquisa em educação: abordagens qualitativas. São Paulo: EPU.

Marandino, M., Silveira, R. V. M., Chelini, M. J., Fernandes, A. B., Rachid, V., Martins, L. C. et al. (2003). A educação não formal e a Divulgação Científica: o que pensa quem faz? In: Atas do IV Encontro Nacional de Pesquisa em Educação em Ciências – SP. Bauru, São Paulo, Brasil. Recuperado de http://abrapecnet.org.br/enpec/iv-enpec/orais/ORAL009.pdf

Martins, R. A. (2005). A dinâmica relativística antes de Einstein. Revista Brasileira de Ensino de Física, 27(1), (pp. 11-26). Recuperado de http://dx.doi.org/10.1590/S0102-47442005000100003

McComas, W. F., Almazroa, H., & Clough, M. P. (1998). The nature of science in science education: An introduction. Science & Education, 7, 511-532. Recuperado de https://www.researchgate.net/publication/226566562_The_Nature_of_Science_in_Science_Education_An_Introduction

McComas, W. F. (1998). The Principal Elements of the Nature of Science: Dispelling the myths. In W. F. McComas (Orgs.). Science Education, 53-72. New York, Boston, Dodretch, Moscow: Kluwer Academic Publisher.

Moraes, R., & Galiazzi, M. C. (2016). Análise Textual Discursiva. (3a ed.). Ijuí, RS: Unijuí.

Moura, B. A. (2014). O que é natureza da ciência e qual a sua relação com a história e filosofia da ciência? Revista Brasileira de História da Ciências, 7(1), 32-46. Recuperado de https://www.sbhc.org.br/arquivo/download?ID_ARQUIVO=1932#:~:text=Segundo%20estes%20trabalhos%2C%20o%20entendimento,e%20organiza%C3%A7%C3%A3o%20do%20conhecimento%20cient%C3%ADfico.

Mussato, G. A., & Catelli, F. (2015). Concepções epistemológicas de reportagens sobre ciência a mídia brasileira e suas implicações no âmbito educacional. Investigações em Ensino de Ciências. 20(1), 35-39. Recuperado de http://dx.doi.org/10.22600/1518-8795.ienci2016v20n1p35

Nogueira, S. (2017). A maior revolução na astronomia em 400 anos. Superinteressante, São Paulo, 2017, n. 383, 24 nov. 2017. Recuperado de https://super.abril.com.br/ciencia/a-maior-revolucao-na-astronomia-em-400-anos/#:~:text=EM%2014%20de%20setembro%20de,Gravitacionais%20por%20Interfer%C3%B4metro%20de%20Laser.

Ostermann, F., & Moreira, M. A. (2000). Uma revisão bibliográfica sobre a área de pesquisa “física moderna e contemporânea no ensino médio”. Investigações em Ensino de Ciências, 5(1), 23-48.

Pereira, A. P., & Ostermann, F. (2009). Sobre o ensino de física moderna e contemporânea: uma revisão da produção acadêmica recente. Investigações em Ensino de Ciências, 14(3), 393-420.

Popper, K. R. (1953). A lógica da pesquisa científica. São Paulo, SP: Pensamento – Cultrix.

Popper, K. R. (1979). A Ciência normal e seus Perigos. In I Lakatos, I. & A. Musgrave (Orgs.). A Crítica e o Desenvolvimento do Conhecimento. (pp. 63-71). São Paulo, SP: Universidade de São Paulo.

Praia, J., Gil-Pérez, D. & Vilches, A. (2007). O papel da natureza da ciência na educação para cidadania. Ciência & Educação, 13(2), 141-156. Recuperado de http://dx.doi.org/10.1590/S1516-73132007000200001

Redação da Revista SuperInteressante. (2011). O som do espaço. Superinteressante, São Paulo, n. 295, 15 nov. 2011. Recuperado de https://super.abril.com.br/ciencia/som-do-espaco/

Redação da Revista SuperInteressante. (2012a). O bóson de Higgs não deu nem pro começo. Superinteressante, São Paulo, n. 307, 15 ago. 2012. Recuperado de https://super.abril.com.br/ciencia/o-boson-de-higgs-nao-deu-nem-pro-comeco/#:~:text=O%20mundo%20assistiu%20recentemente%20a,%C3%A9%20o%20b%C3%B3son%20de%20Higgs.&text=E%20o%20resultado%20dessa%20intera%C3%A7%C3%A3o,%C3%A9%20um%20raio%20de%20luz).

Redação da Revista SuperInteressante E. (2012b). E se o Big Bang não tivesse acontecido? Superinteressante, São Paulo, n. 307, 2 set. 2012. Recuperado de https://super.abril.com.br/ciencia/e-se-o-big-bang-nao-tivesse-acontecido/

Redação da Revista SuperInteressante. (2014). Rachaduras nas paredes do universo. Superinteressante, São Paulo, n. 332. 15 set. 2014. Recuperado de https://super.abril.com.br/ciencia/rachaduras-nas-paredes-do-universo/#:~:text=%C3%89%20que%2C%20se%20existem%20ondas,como%20cicatrizes%20daquele%20crescimento%20fulminante.

Rezende, R. (2010). O que havia antes do Big Bang? Superinteressante, São Paulo, n. 281, 20 set. 2010. Recuperado de https://super.abril.com.br/ciencia/o-que-havia-antes-do-big-bang/

Rezende, R. (2015). "O humor é uma arma da Ciência". Superinteressante. n. 344, 5 dez. 2015. Recuperado de https://super.abril.com.br/ciencia/o-humor-e-uma-arma-da-ciencia/

Romero, L. (2015). LHC, depois da festa vem o quê? SuperInteressante, São Paulo, n. 344, 6 dez. 2015. Recuperado de https://super.abril.com.br/ciencia/lhc-depois-da-festa-vem-o-que/#:~:text=%C3%89%20isso%20que%20o%20LHC%20faz.&text=Quando%20voc%C3%AA%20bate%20uma%20coisa,transformam%2Dse%20em%20energia%20pura.

Santos, M. E. V. M. (2005a). Educação pela Ciência e educação sobre Ciência nos manuais escolares. In Atas do II Encontro Iberoamericano sobre investigações básicas de pesquisa em educação em ciências – Burgos, Burgos, Espanha, 76-89.

Santos, M. E. V. M. (2005b). Cidadania, conhecimento, ciência e educação CTS: Rumos a “novas” dimensões epistemológicas. Revista CTS, 6(2), 137-157.

Santos, W. L. P., & Mortimer, E. F. (2002). Uma análise de pressupostos teóricos da abordagem C-T-S (Ciência-Tecnologia-Sociedade) no contexto brasileiro. Revista Ensaio – Pesquisa em Educação em Ciências, 2(2). Recuperado de http://dx.doi.org/10.1590/1983-21172000020202

Silva, R. R. M. (2020). A Cosmologia em revista: Uma ciência SuperInteressante? Dissertação de Mestrado em Educação – Universidade Federal do Triângulo Mineiro, Uberaba, MG. Recuperado de https://drive.google.com/file/d/1v8wCTcE16wa5fBSnMDbR6E1_3klTMW1V/view?usp=sharing

Smith, M. U., Lederman, N. G., Bell, R. L., McComas, W. F., & Clough, M. P. (1997). How Great is the Disagreement about the Nature of Science: A Response to Alters. Journal of Research in Science Teaching, 34(10), 1101-1103. Recuperado de https://doi.org/10.1002/(SICI)1098-2736(199712)34:10<1101::AID-TEA8>3.0.CO;2-V

Snow, C. P. (2015). As Duas Culturas e uma Segunda Leitura. São Paulo, SP: Universidade de São Paulo.

Szklarz, E., & Garattoni, B. (2013). De onde viemos? Superinteressante, São Paulo, SP. n. 316, 3 jun. 2013. Recuperado de https://super.abril.com.br/ciencia/de-onde-viemos-3/#:~:text=Por%20dois%20longos%20e%20tediosos,anos%20atr%C3%A1s%2C%20algo%20revolucion%C3%A1rio%20aconteceu.

Triviños, A. N. S. (1987). Introdução à pesquisa em Ciências Sociais: A pesquisa qualitativa em educação. São Paulo, SP: Atlas.

Vaiano, B. (2019). Marcelle Soares-Santos: a caçadora de luz. Superinteressante, São Paulo, 2019, n. 402, 23 abr. 2019. Recuperado de https://super.abril.com.br/especiais/a-cacadora-de-luz/

Vogt, C. A. (2003). Espiral da Cultura Científica. ComCiência – Revista Eletrônica. Recuperado de http://www.comciencia.br/dossies-1-72/reportagens/cultura/cultura01.shtm

Vogt.C. A. (2006). O desafio de divulgar ciência: entrevista. Recuperado de http://www.unicamp.br/unicamp/unicamp_hoje/ju/outubro2006/ju342pag11.html

Watkins, J. W. N. (1979). Contra a Ciência normal. In I. Lakatos & A. Musgrave, (Orgs.). A Crítica e o Desenvolvimento do Conhecimento. (pp. 33-48). São Paulo: Universidade de São Paulo.




DOI: http://dx.doi.org/10.22600/1518-8795.ienci2021v26n1p343

Licença Creative Commons
Este obra está licenciado com uma Licença Creative Commons Atribuição-NãoComercial 4.0 Internacional.

Revista Investigações em Ensino de Ciências (IENCI) - ISSN: 1518-8795 

Creative Commons License