A TEORIA DA EVOLUÇÃO EM QUADRINHOS: UMA ANÁLISE DA REVISTA “SAIBA MAIS SOBRE CHARLES DARWIN”

José João Vieira Júnior, Sheila Alves de Almeida

Resumo


O presente artigo se configura como uma pesquisa documental com o objetivo analisar a Revista em quadrinhos “Saiba Mais sobre Charles Darwin”. Essa publicação foi comercializada nas bancas, e transita entre a fantasia que busca o entretenimento e a apresentação de conceitos sobre Evolução Biológica. Para a análise do objeto, em todas as páginas da revista foi observado como os quadrinistas utilizaram os recursos visuais em combinação com a linguagem verbal, e como eles se complementam contribuindo para a propagação da mensagem científica expressa pelos quadrinhos. Os resultados indicaram que a maioria dos quadrinhos apresentam verbetes. Em alguns quadrinhos da revista, a mudança abrupta de estilo nos desenhos revela certa dificuldade da indústria de entretenimento de transitar pelo gênero de divulgação científica para as crianças. Os textos escritos dos quadrinhos apresentam marcas discursivas bem acentuadas tais como definições, exemplificações e explicações. Assim, a obra apresenta um saber estável, não problemático, inquestionável, o que contrasta com o próprio conhecimento científico, que é assumidamente provisório, problemático, discutível. A chancela editorial opta por uma visão estereotipada do cientista como alguém que já se anunciava cientista. Contudo, reitera-se a importância da “Saiba Mais sobre Charles Darwin” para a promoção da leitura e a democratização da linguagem de divulgação científica para crianças. Pois, a revista analisada evidencia uma das mais importantes teorias cientificas, que mudou significativamente a forma como observamos o mundo natural, em um momento de grande pressão para enfraquecimento da teoria da evolução, através da tentativa de validação do criacionismo como teoria cientifica.


Palavras-chave


Histórias em quadrinhos; Darwin; Teoria da evolução; Divulgação científica para as crianças

Texto completo:

PDF

Referências


Almeida, S. A., & Lima, M. E. C. C. (2016). Cientistas em revistas: Einstein, Darwin e Marie Curie na Ciência Hoje das Crianças. Revista Ensaio, 18(2), 29-47. Recuperado de https://doi.org/10.1590/1983-21172016180202

Andrade, R. S. (2019). Deus e Darwin nos tribunais: a controvérsia criação-evolução na arena jurídica dos tribunais estadunidenses. HORIZONTE - Revista de Estudos de Teologia e Ciências da Religião, 17(52), 345-365. Recuperado de https://doi.org/10.5752/P.2175-5841.2019v17n52p345-365

Bardin, L. (2011). Análise de conteúdo. São Paulo, SP: Edições.

Bueno, W. C. (2009). Jornalismo científico no Brasil: os desafios de uma longa trajetória. In C. M. Porto (Org.) Difusão e cultura científica: Alguns recortes. (pp. 113-125) Salvador, BA: Edufba.

Bueno, W. C. (2012). A formação do jornalista científico deve incorporar uma perspectiva

crítica. Revista da Faculdade de Tecnologia e Ciências, 10(29). Recuperado de http://dialogos.ftc.br/index.php?option=com_docman&task=doc_download&gid=307&Itemid=15

Bizzo, N. M. V. (2006). “Earth Is Very Old”: What Does This Mean To Young Students Who Face Fossils Everyday?. In R. M. Janiuk, & E. Samonek-Miciuk. Science and Technology for a Diverse World - dilemmas, needs and partnerships. Lublin, Poland: Maria Curie Sklodowska University Press.

Cabello, K. S. A., Rocque, L., & Sousa, I. C. F. (2010). Uma história em quadrinhos para o ensino e divulgação da hanseníase. Revista Electrónica de Enseñanza de las Ciencias, 9(1), 225-241. Recuperado de https://www.arca.fiocruz.br/handle/icict/8943

Dorville, L. F. M., & Selles, S. L. E. (2016), Criacionismo: transformações históricas e implicações para o ensino de ciências e biologia. Cadernos de Pesquisa, 46(160), 442-465. Recuperado de https://doi.org/10.1590/198053143581

Fioravanti, C. H., Andrade, R. O., & Marques, I. C. (2016). Os Cientistas em quadrinhos: humanizando as ciências. História, Ciências e Saúde – Manguinhos, 23(4), 1191-1208. Recuperado de 0104-5970-hcsm-23-4-1191.pdf (scielo.br)

Gil, A. C. (2008). Métodos e técnicas de pesquisa social. (6a ed.). São Paulo, SP: Atlas.

Lima, E. A. B. G. (2006). Piratas do Tietê: Cenários e Fundos de Cena das HQs. (Dissertação de mestrado.). Faculdade de Educação, Universidade Federal de Campinas, SP. Recuperado de

http://repositorio.unicamp.br/jspui/handle/REPOSIP/252751

Martins, E. K. (2012). Histórias em Quadrinhos no Ensino de Ciências: Uma experiência para o Ensino do Sistema Nervoso. (Dissertação de mestrado.). Universidade Tecnológica Federal do Paraná, PR. Recuperado de PG_PPGECT_M_Martins, Elisangela Karine_2012.pdf (utfpr.edu.br)

Massarani, l. (1999). Reflexões sobre a divulgação científica para crianças. In: Anais do xxii congresso brasileiro de ciências da comunicação, Rio de Janeiro. RJ, Brasil.

Mccloud, S. (1995). Desvendando os quadrinhos. São Paulo, SP: Makron Books.

Mendoça, M. J., & Reis, L. C. T. (2015). Histórias em quadrinhos: um campo recente da pesquisa em geografia sobre conflitos. Revista GEO UERJ, 27, 98-119. Recuperado de https://www.e-publicacoes.uerj.br/index.php/geouerj/article/view/12347

Mendonça, M. R. S., & Bunzen, C. (2013). Revistas de divulgação científica no Ensino Médio: múltiplas linguagens. In: Bunzen, C., & Mendonça, M. (Orgs.). Múltiplas linguagens para o Ensino Médio. (pp. 177-206). São Paulo, SP: Parábola Editorial.

Oliveira, A. P. F. (2010). Enunciados Verbovisuais na Ciência Hoje das Crianças: uma abordagem dialógica. (Dissertação de Mestrado) – Faculdade de Filosofia, Letras e Ciências Humanas, Universidade de São Paulo, SP. Recuperado de http://www.teses.usp.br/teses/disponiveis/8/8142/tde-18012011-142652/

Oliveira, C. V. (2012). O valor informativo das histórias em quadrinhos como canal de divulgação científica. (Dissertação de Mestrado) – Instituto Brasileiro de Informação e Tecnologia, Universidade Federal do Rio de Janeiro, RJ. Recuperado de http://ridi.ibict.br/handle/123456789/768

Oliveira, I. C. A. (1997). A divulgação científica nos quadrinhos: Análise do caso Watchman. (Dissertação de mestrado). Faculdade de Comunicação Social, Universidade Metodista de São Paulo, São Bernardo do Campo, SP.

Oliveira, M. J. A. (2005). A dinamização de coleções de histórias em quadrinhos nas bibliotecas populares do Rio de Janeiro. (Trabalho de Conclusão de Curso.). Universidade Federal Fluminense, Niterói, SP.

Paiva, F. S. (2011). Educação e violência nas histórias em quadrinhos de super-heróis – a percepção dos leitores de Batman. (Dissertação de Mestrado) – Centro de Educação, Universidade Federal de Pernambuco, Recife, PE. Recuperado de https://repositorio.ufpe.br/handle/123456789/4679

Rojo, R. (2008). O letramento escolar e os textos da divulgação científica – A apropriação dos gêneros de discurso na escola. Linguagem em (Dis)curso, 8(3), 581-612. Recuperado de https://www.scielo.br/pdf/ld/v8n3/09.pdf

Rowne, J. (2001). Darwin in caricature: A study in the popularisation and dissemination of evolution. Proceedings of the American Philosophical Society, 145(4), 496-509. Recuperado de https://dash.harvard.edu/handle/1/3372264

Santos, V. B., Tura, L. F. R., & Arruda, A. M. S. (2011). As representações sociais de pessoa velha construídas por adolescentes. Revista Brasileira de Geriatria e Gerontologia.14(3), 497-509. Recuperado de https://doi.org/10.1590/S1809-98232011000300010

Santos. R. R. (2016). Revista de divulgação científica: Da mídia impressa para as mídias digitais. (Dissertação de Mestrado) – Instituto de Estudos da Linguagem, Universidade Estadual de Campinas, Campinas, SP. Recuperado de http://repositorio.unicamp.br/jspui/handle/REPOSIP/321599

Sá-Silva, J. R.; Almeida, C. D., & Guindani, J. F. (2009). Pesquisa documental: pistas teóricas e metodológicas. Revista Brasileira de História & Ciências Sociais, 1(1). Recuperado de https://periodicos.furg.br/rbhcs/article/view/10351

Schall, B; Fernandes, V, & Castelfranchi, Y. (2019). “Não estou aqui para discutir aspectos religiosos”: a defesa do criacionismo com argumentos tecno científicos. Religião & Sociedade, 39(3), 197-220. Recuperado de https://doi.org/10.1590/0100-85872019v39n3cap09

Shapin, S. (2010). O show de Darwin. Novos Estudos, 29(87), p.159-179. Recuperado de https://doi.org/10.1590/S0101-33002010000200010

Silva, H. C., & Neto, J. T. J. (2018). Transparência versus opacidade na educação em ciências: as imagens na física de partículas elementares. Em Aberto, 31(103), p. 125-147. Recuperado de http://rbepold.inep.gov.br/index.php/emaberto/article/view/3993

Souza, A. (2015). Moacy Cirne: o gênio criativo dos quadrinhos. Nova Iguaçu, RJ: Marsupial.

Valentim, A. P. S. (2015). A divulgação cientifica nos quadrinhos como objeto de memória: o discurso do cientista em “As aventuras de Tintim”. (Dissertação de Mestrado) – Centro de Ciências Humanas e Sociais, Universidade Federal do Estado do Rio de Janeiro, RJ. Recuperado de http://hdl.handle.net/unirio/12203

Vilela, M. T. R. (2012) A utilização dos quadrinhos no ensino de história: avanços, desafios e limites. (Dissertação de mestrado). Faculdade de Humanidade e Direito, Universidade Metodista de São Paulo, SP. Recuperado de http://tede.metodista.br/jspui/handle/tede/1688




DOI: http://dx.doi.org/10.22600/1518-8795.ienci2021v26n1p324

Licença Creative Commons
Este obra está licenciado com uma Licença Creative Commons Atribuição-NãoComercial 4.0 Internacional.

Revista Investigações em Ensino de Ciências (IENCI) - ISSN: 1518-8795 

Creative Commons License