CONCEPÇÕES DE EDUCAÇÃO EM SAÚDE NOS JOGOS DIDÁTICOS SOBRE Aedes aegypti NO BRASIL: UMA REVISÃO INTEGRATIVA

Andréia Guerra Pimentel, Carolina Nascimento Spiegel, Ana Paula Massadar Morel, Carla Cristina Moreira Ribeiro, Suzete Araujo Oliveira Gomes, Gutemberg Gomes Alves

Resumo


A Educação Popular pode contribuir na formação de cidadãos capazes de atuar na luta pela promoção da saúde, por incentivar diálogos e a participação popular na tomada de decisões. Jogos didáticos podem ser pensados para estimular debates que considerem a saúde de forma ampla, o que poderia ser de grande importância na questão das arboviroses, pela promoção de diálogos contextualizados com a realidade da população. Neste estudo, foi realizada uma revisão integrativa para mapear, no Brasil, o quanto os jogos didáticos relacionados ao mosquito Ae. aegypti e arboviroses apresentam enfoque em Educação Popular. Foram feitas buscas nas bases Google Acadêmico, Biblioteca Virtual em Saúde e Scielo. Foram analisadas características dos jogos didáticos tais como o tema abordado, a linguagem utilizada, modalidade (individual ou em grupo) e público-alvo, permitindo um mapeamento e síntese qualitativa dos jogos identificados pela busca. A fim de identificar características de Educação em Saúde, foram elaborados critérios para analisar com que concepção de educação em saúde os jogos mais se identificavam e balizar a análise do referencial teórico apresentado pelos trabalhos. Oitenta e um trabalhos foram incluídos, descrevendo setenta e dois jogos, em sua maioria voltados para o ensino formal e fundamental. Prevaleceu nos jogos o enfoque em Educação Sanitária, caracterizado pela ênfase em transmitir informações como tratamento e sintomas, ciclo biológico do vetor e formas de prevenção. A participação popular era reduzida à execução de ações individuais de controle do mosquito, com ênfase na necessidade de eliminar criadouros apenas no âmbito das residências. Apesar de alguns jogos apresentarem características de Educação Popular em seu embasamento teórico, em nenhum o tema Saúde foi abordado de forma abrangente, englobando aspectos socioeconômicos, culturais e ambientais. Os resultados apontam uma importante lacuna na produção e avaliação de jogos didáticos que problematizem os temas mosquito Ae. aegypti e arboviroses através de diálogos que valorizem os saberes populares e estimulem a ação popular na busca de soluções, no planejamento e tomadas de decisões.


Palavras-chave


Educação Popular; Promoção da Saúde; Problematização; Arboviroses

Texto completo:

PDF

Referências


Adade, M., & Monteiro, S. (2014). Educação sobre drogas: uma proposta orientada pela redução de danos. Educação e Pesquisa, 40(1), 215-230. https://doi.org/10.1590/S1517-97022013005000009

Andrade, A. F., Madeira, C. A. G., & Melo, H. H. A. R. F. (2013). Batalha de Vetores Virtual: uma proposta de jogo pedagógico para o ensino de biociências. In Anais do XVIII Conferência Internacional sobre Informática na Educação (TISE). Porto Alegre, RS. Recuperado de http://www.tise.cl/volumen9/TISE2013/105-112.pdf

Aragao, H. T., Santos, S. M. dos, Menezes, A. N., Lemos, A. C. M. L. F., Souza, G. T. R., & Melo, C. M. (2019). Conhecimento sobre Zika vírus e métodos contraceptivos: Ensaio randomizado com adolescentes no Nordeste brasileiro. Adolescência e Saúde, 16(1), 21-32. Recuperado de http://www.adolescenciaesaude.com/detalhe_artigo.asp?id=768#

Araújo, D. C., Rodrigues, A. N., Lima, P. V. L., Ferreira, M. A. D., & Santos, H. R. M. (2016). Processo de desenvolvimento do jogo sério Missão Aedes: relações entre objetivos pedagógicos, ludicidade e implicações de design. In Anais do XXVII Simpósio Brasileiro de Informática na Educação-SBIE. Uberlândia, MG. http://dx.doi.org/10.5753/cbie.sbie.2016.597

Assis, S. S., Schall, V. T., & Pimenta, D. N. (2013). As representações visuais da dengue em livros didáticos e materiais impressos. Revista Eletrônica de Comunicação, Revista Eletrônica de Comunicação Informação & Inovação em Saúde, 7(3), 1-21. https://doi.org/10.3395/reciis.v7i3.504

Azevedo, G., & Sarinho, V. (2019). Aedes vs Repelentes: aplicando dinâmicas de Tower Defense em um jogo digital de combate ao mosquito. In Anais da XIX Escola Regional de Computação Bahia, Alagoas e Sergipe, Porto Alegre, RS. Recuperado de https://sol.sbc.org.br/index.php/erbase/article/view/8948

Ballester, L. M., Monteiro, S., Meirelles, R. M. S., & Araújo-Jorge, T. C. (2005). Experiência de grupos colaborativos para educação e saúde e prevenção em dengue, In Atas do V Encontro Nacional de Pesquisa em Educação em Ciências, Bauru, SP. Recuperado de http://www.nutes.ufrj.br/abrapec/venpec/conteudo/artigos/3/pdf/p43.pdf

Beinner, M. A., Morais, E. A. H., Reis, I. A., Reis, E. A., & Oliveira, S. R. (2015). O uso de jogo de tabuleiro na educação em saúde sobre dengue em escola pública. Revista de Enfermagem UFPE Online, 9(4), 7304–7313. Recuperado de https://periodicos.ufpe.br/revistas/revistaenfermagem/issue/view/1260

Bernieri, J. C., & Vieira, K. R. C. F. (2016). Uma análise sobre o uso de jogos digitais como atividade pedagógica em uma turma de 4o do ensino fundamental de uma escola de rede pública de ensino de Santa Catarina. (TCC de Especialização). Curso de Especialização em Educação na Cultura Digital, Universidade Federal de Santa Catarina, Florianópolis, SC. Recuperado de https://repositorio.ufsc.br/handle/123456789/169037

Braga, I. A., & Martin, J. L. S. (2015). Histórico do controle de Aedes aegypti. In D.Valle (Org.). Dengue: Teorias e Práticas. (pp. 61-73). Rio de Janeiro, RJ: Fiocruz.

Brandão, C. R. (2006). O que é educação popular. São Paulo, SP: Brasiliense.

Buchinger, D., Hounsell, M. S., & Dias, C. (2012). Experiências no Projeto de um Jogo Colaborativo sobre a Dengue. In Anais do Congresso Sul Brasileiro de Computação (SULCOMP), Criciúma-SC. Recuperado de http://periodicos.unesc.net/sulcomp/article/view/1014

Carizio, B. G., Borsato, F. R., Santos, A. G., Sousa Neto, J. C., Britto, D., Domiciano, C. L. C., ..., & Eguchi, H. C. (2014). Jogo de tabuleiro educativo: Instrumento de conscientização ambiental e de combate ao vírus da dengue. In Anais do 11o Congresso Brasileiro de Pesquisa e Desenvolvimento em Design. Gramado, RS. Recuperado de http://www.ufrgs.br/ped2014/prototipos/pdf/1104.pdf

Cirne, G. N. M., Araújo, C. L. M., Santos, A. S., Silva, J. A., Menezes, J. M., Gomes, L. C. P.,..., & Almeida Júnior, J. J. (2014). Saúde e cidadania: todos juntos na corrente contra a dengue. Revista Eletrônica Extensão & Sociedade, 5(2), 1–9. Recuperado de https://periodicos.ufrn.br/extensaoesociedade/article/view/8844

Costa, E. C. P., & Meirelles, R. M. S. (2013). “Jogando água” explorando as potencialidades do jogo como material paradidático. (Dissertação de mestrado). Programa Stricto Sensu em Ensino em Biociências e Saúde, Instituto Oswaldo Cruz, Rio de Janeiro, RJ. Recuperado de https://www.arca.fiocruz.br/handle/icict/19684

Da Silva Braga, M. R., & Costa, R. G. (2017). Usando jogos digitais educacionais para apoiar o processo Ensino-aprendizagem em escolas Fundamentais brasileiras. Revista de Ciência, Tecnologia e Inovação, 2(2), 26-35. Recuperado de http://www.revista.unifeso.edu.br/index.php/revistacienciatecnologiainovacao/article/view/570

Da Silva Jr., C. D., Bertin, D. N. S., Lucca, D., & Marques, R. N. (2019). Uma abordagem diferenciada para o ensino do tema saúde no ensino médio. Temas em Educação e Saúde, 15(2), 234–247. https://doi.org/10.26673/tes.v15i2.13056

Dargains, A. R., & Sampaio, F. F. (2010). Eu-Aedes: Um Jogo para Explorar a Dengue do ponto de vista dos mosquitos. In Memórias do XVIII Congresso Internacional de Informática Educativa.

d’Escoffier, L. N., Figueiredo, M. S., & Braga, M. (2019). O jogo Dengue Hunt: ferramenta potencial para a estratégia de combate ao mosquito Aedes aegypti. In Anais do XVIII SBGames, Rio de Janeiro, RJ. Recuperado de https://www.sbgames.org/sbgames2019/files/papers/WorkshopJogosSaude/196636.pdf

De Freitas, B. C. M., Nascimento, V., França, V. B., & Lima, D. A. (2019). Desenvolvimento de Jogo Usando Inteligência Artificial para Conscientização ao Combate do Mosquito da Dengue. In Anais do 6o Encontro de Pesquisa & Extensão (EnPE). Patrocínio, MG. Recuperado de http://200.131.116.17/index.php/enpe/article/view/48

De Oliveira Júnior, J. F., Tubelo, R. A., Gradella, G., Padilha, J. M., Zanatta, E. J., Portella, F. F., ..., & Dahmer, A. (2016). O design da informação aplicado ao desenvolvimento da interface gráfica de um jogo sério sobre o combate ao mosquito Aedes aegypti. Jornal Brasileiro de TeleSSaúde, 4(2), 246–254. https://www.e-publicacoes.uerj.br/index.php/jbtelessaude/article/view/33570

De Sousa, I. M. (2019). Run-Aedes jogo divertido com temática Aedes aegypti. In Anais do XIII Seminário de Jogos Eletrônicos, Educação e Comunicação, Maceió, AL. Recuperado de https://www.revistas.uneb.br/index.php/sjec

De Souza, L. H. R., & Pazinato, F. A. C. (2012). Desenvolvimento de Aplicativo Educativo para Plataforma Android. (TCC de Graduação). Instituto Municipal de Ensino Superior de Assis, Fundação Educacional do Município de Assis, Assis, SP. Recuperado de https://cepein.femanet.com.br/BDigital/arqTccs/0911270334.pdf

Dos Santos, D. C. M., Silva, A. P. L., Costa, I. A. S., & Souza, G. P. V. A. (2017). Interação universidade-escola: uso de jogos didáticos para conhecer e prevenir o Aedes aegypti. Revista Extensão & Sociedade da UFRN, 8(1), 57–68. Recuperado de https://periodicos.ufrn.br/extensaoesociedade/article/view/11958

Duarte, F. D. R., & Vaz, A. C. R. (2014). Doenças de veiculação hídrica e meio ambiente: um estudo da percepção dos alunos quanto à saúde ambiental. (Monografia de especialização). Especialização em Ensino de Ciências por Investigação, Universidade Federal de Minas Gerais, São Gotardo, MG. Recuperado de https://repositorio.ufmg.br/handle/1843/BUOS-AAGRD2

Ferreira, F. A., Vasconcellos, R. F. R. R., & Cardozo, S. V. (2017). Desenvolvimento e avaliação de estratégias educativas para combater a Dengue, Zika e Chikungunya no ensino fundamental II. (Dissertação de mestrado). Pós-Graduação em Ensino de Ciências, Universidade do Grande Rio, Duque de Caxias, RJ. Recuperado de http://tede.unigranrio.edu.br/handle/tede/292

Figueiredo, J. P. (2015). Webgames aplicados ao Ensino Fundamental (6 a 14 anos). In G. M. Schwartz, & G. H. Tavares (Orgs.). Webgames com o corpo: vivenciando jogos virtuais no mundo real. São Paulo, SP: Phorte.

Flisch, T. M. P., Pimenta, D. N., & Schall, V. T. (2017). Intersetorialidade, Educação em Saúde e Dengue: Múltiplos Olhares do Setor Saúde e do Setor Educação. (Tese de doutorado). Programa de Pós-graduação em Saúde Coletiva, Fundação Oswaldo Cruz, Belo Horizonte, MG. Retirado de https://www.arca.fiocruz.br/handle/icict/32422

Freire, Paulo (1987). Pedagogia do oprimido. (17a ed.). Rio de Janeiro, RJ: Paz e Terra.

Gomes, V. O., & Sarinho, V. T. (2019). ZikAcerte-Um Jogo de Mensagens Instantâneas para Conscientização Sobre o Aedes aegypti e suas Doenças. In Anais do XVIII SBGames. Rio de Janeiro, RJ. https://sol.sbc.org.br/index.php/erbase/article/view/8950

Irigoyen, A. P., Souza, E. P., Ferreira, L.R., & Valença, R. G. (2019) Aedes Adventure: jogo de realidade aumentada criado por adolescentes para reflexão sobre a importância do combate ao mosquito Aedes aegypti. In Anais da 71ª Reunião Anual da SBPC. Campo Grande, MS. Recuperado de http://reunioessbpc.org.br/campogrande/inscritos/resumos/3765_1124989d08bfff84ee8686a59ffab3496.pdf

Jardim, J. B., & Schall, V. T. (2015). Participação social no controle da dengue: a importância de uma mudança conceitual. In D. Valle (Org.). Dengue: Teorias e Práticas (pp. 317-338). Rio de Janeiro, RJ: Fiocruz.

Justiniano, S. C. B., Araújo, C. S. O., & Moroni, R. B. (2015). Doenças infecciosas e parasitárias transmitidas por insetos: Modelos didáticos de aprendizagem em sala de aula. Latin American Journal of Science Education, 2, 1-14. Recuperado de http://lajse.org/may15/12029_Brandao.pdf

Kraemer, A. & Sobrinho, R. A. S. (2018). Efetividade de um treinamento de escolares no controle do Aedes aegypti baseado em um sistema web gamificado. (Dissertação de mestrado). Programa de Pós-Graduação em Saúde Pública em Região de Fronteira, Universidade Estadual do Oeste do Paraná, Foz do Iguaçu, PR. Recuperado de http://tede.unioeste.br/handle/tede/3833

Lopes, N., Nozawa, C., & Linhares, R. E. C. (2014). Características gerais e epidemiologia dos arbovírus emergentes no Brasil. Rev Pan-Amazônica de Saúde, 5(3),55-64. Recuperado de http://revista.iec.gov.br/submit/index.php/rpas/article/view/590

Lopes, M. C. R., Bornstein, V. J., Morel, A. P., Pereira, I. D. F., & Morel, C. M. (2020). Como podemos trabalhar com promoção da saúde? In: Morel, C. M. T. M., Pereira, I. D. F., & Lopes, M. C. R. Educação em saúde - material didático para formação técnica de agentes comunitários de saúde. (pp. 239-244). Rio de Janeiro, RJ: EPSJV.

Lourenço-de-Oliveira, R. (2013). Principais insetos vetores e mecanismos de transmissão das doenças infecciosas e parasitárias. In J. R. Coura. Dinâmica das doenças infecciosas e parasitárias. (pp.108-130). (2a ed.). Rio de Janeiro, RJ: Guanabara Koogan.

Luz, B. E. S. C., & Nascimento, S. S. (2014). Atividades lúdicas em Ciências no Ensino Fundamental II na temática do controle da Dengue. (Dissertação de mestrado). Programa de Pós-Graduação em Educação, Universidade Federal de Minas Gerais, Belo Horizonte, MG. Recuperado de https://repositorio.ufmg.br/bitstream/1843/BUOS-9URRJV/1/disserta__o_final.pdf

Machado, L. F., & Villela, M. L. (2019). Emprego de atividades lúdicas na Educação em Saúde voltadas ao controle de Aedes (Stegomyia) aegypti (Linnaeus, 1762), e prevenção da Dengue, Zika e Chikungunya: uma revisão integrativa. (Dissertação de mestrado). Pós-Graduação stricto sensu em Vigilância e Controle de Vetores, Instituto Oswaldo Cruz, Rio de Janeiro, RJ. Recuperado de https://www.arca.fiocruz.br/handle/icict/39508

Marteis, L. S., Makowski, L. S., & Santos, R. L. C. (2011). Abordagem sobre Dengue na educação básica em Sergipe: análise de cartilhas educativas. Scientia Plena, 7(6), 1-8. Recuperado de https://scientiaplena.org.br/sp/article/view/191

Miguel, A. B. R., & Sarinho, V. T. (2019). Aedes na Mira 2.0-Um Jogo Baseado em Realidade Virtual para Prevenção e Combate ao Mosquito Aedes aegypti. In Anais do XIX Simpósio Brasileiro de Computação Aplicada à Saúde, Niterói, RJ. https://doi.org/10.5753/sbcas.2019.6265

Monteiro, S. S., Vargas, E. P., & Rebello, S. M. (2003). Educação, prevenção e drogas: resultados e desdobramentos da avaliação de um jogo educativo. Educação & Sociedade, 24(83), 659-678. https://doi.org/10.1590/S0101-73302003000200018

Morais, D. C. S., Galdino, J. P., Gomes, T., & Peres, F. (2012). Vírion-Jogo Educacional Desenvolvido por Alunos de Nível Médio. Anais do 23º Simpósio Brasileiro de Informática na Educação (SBIE 2012). Rio de Janeiro, RJ. http://dx.doi.org/10.5753/cbie.sbie.2012.%25p

Moreira, L., Moises, P., Silva, D., Silva, H., Faria, P., & Pedroso, J. (2016). Realidade Virtual aplicada na proteção do meio ambiente e combate ao mosquito Aedes aegypti. In Anais dos Workshops do V Congresso Brasileiro de Informática na Educação. Uberlândia, MG. http://dx.doi.org/10.5753/cbie.wcbie.2016.672

Morel, C. M, Pereira, I. D. F., & Lopes, M. C. R. (2020). Para pensar sobre materiais educativos. In C. M. T. M. Morel, I. D. F. Pereira, & , M. C. R. Lopes (Orgs.). Educação em saúde - material didático para formação técnica de agentes comunitários de saúde (pp. 173-177). Rio de Janeiro, RJ: Epsjv. Recuperado de http://www.epsjv.fiocruz.br/sites/default/files/livro_mat_did_acs.pdf

Moura, A. S., Lessa, B. R. A. S., Bezerra, E. S. S., & Santos, M. M. (2018). Escola contra o mosquito Aedes aegypti. Ciência na Fama, 2(1), 100–108. Recuperado de http://revistafama.faculdadeamadeus.com.br:8282/ojs-2.4.6/index.php/Ciencianafama/article/view/55

MS - Ministério da Saúde. (1986). Relatório Final da 8ª Conferência Nacional de Saúde. Brasília, DF: MS. Recuperado de http://bvsms.saude.gov.br/bvs/publicacoes/8_conferencia_nacional_saude_relatorio_final.pdf

Munn, Z., Stern, C., Aromataris, E., Lockwood, C., & Jordan, Z. (2018). What kind of systematic review should I conduct? A proposed typology and guidance for systematic reviewers in the medical and health sciences. BMC Medical Research Methodology, 18(5). http://doi.org/10.1186/s12874-017-0468-4

Nascimento, S. B. S., Souza, D. G., Lopes, E. P. F., Carvalho, G. M., & Braga, P. E. T. (2015). O jogo da memória como instrumento para o ensino em biologia, com ênfase na diferenciação de doenças causadas por fungos e vírus. In Anais do II Congresso Nacional de Educação (CONEDU), Campina Grande, PB. Recuperado de https://editorarealize.com.br/artigo/visualizar/16456

Nascimento, A. R., Borloti, E. B., & Haydu, V. B. (2018). Prevenção da dengue na infância: efeitos da participação em um campeonato com um jogo educativo. Perspectivas em Análise do Comportamento, 9(1), 90–109. https://doi.org/10.18761/PAC.2017.014

Nespoli, G. (2016). Da educação sanitária à educação popular em saúde. In V. J. Bornstein (Org.). Curso de Aperfeiçoamento em Educação Popular em Saúde: textos de apoio (p. 47-51). Rio de Janeiro, RJ: Epsjv. Recuperado de http://www.epsjv.fiocruz.br/sites/default/files/cad_texto_edpopsus.pdf

Oliveira, R. M., & Valla, V. V. (2001). As condições e as experiências de vida de grupos populares no Rio de Janeiro: repensando a mobilização popular no controle do dengue. Caderno de Saúde Pública, (Supl.), (17) 77-88.

Oliveira, D. F., Mendonça, C. C. R., Meirelles, R. M. S., Coutinho, C. M. L. M., Araújo-Jorge, T. C., & Luz, M. R. M. P. (2012). Construção de espaços de escuta, diagnóstico e análise coletiva de problemas de saúde pública com linguagem teatral: o caso das oficinas de jogos teatrais sobre dengue. Interface - Comunicação, Saúde, Educação, 16(43), 929-941. https://doi.org/10.1590/S1414-32832012005000052

Oliveira, F. M., Santos, J. F., & Santos, L. A. (2014). Sistematização de práticas educativas relacionadas ao vetor da Dengue no Ensino Médio regular. Anais do VIII Colóquio Internacional Educação e Contemporaneidade. São Cristóvão, SE.

Oliveira, R. P., & Moura, J. A. B. (2015). Crowdsourcing e gamificação no combate à Dengue. (Dissertação de mestrado). Pós-Graduação em Ciência da Computação, Universidade Federal de Campina Grande, Campina Grande, PB. Recuperado de http://dspace.sti.ufcg.edu.br:8080/jspui/handle/riufcg/581

Oliveira, Y. R. D., & Almeida-Júnior, J. J. (2016). Jogos Educativos em Saúde na Prevenção e Controle do Aedes aegypti. (Monografia de Graduação). Curso de Enfermagem, Universidade Federal do Rio Grande do Norte, Rio Grande do Norte, RN. Recuperado de https://monografias.ufrn.br/jspui/handle/123456789/3330

OPAS. Organização Panamericana da Saúde. (1997). Dengue and dengue hemorraghic fever in the Americas: guidelines for Prevention and control. Washington: Organização Pan-Americana de Saúde.

Parreira, F. J., Silveira, S. R., Skalee, A. A., Zortea, C. F., Kliszcz, S., & Souza, A. S.

(2016). Desenvolvimento de Jogos Educacionais Digitais: algumas experiências do Grupo de Pesquisa IATE/UFSM–Inteligência Artificial e Tecnologia Educacional. In Anais do EATI - Encontro Anual de Tecnologia da Informação. Frederico Westphalen, RS. Recuperado de http://eati.info/eati/2016/assets/anais/Longos/116.pdf

Pinheiro, R. F., & Rocha, M. B. (2018). Contribuição de uma sequência didática no ensino de ciências para combate ao Aedes aegypti. Revista Eletrônica Ensino, Saúde e Ambiente, 11(3), 186-201. https://doi.org/10.22409/resa2018.v11i3.a21555

Porcino, T. M., Strauss, E., & Clua, E. G. (2014). Hugo against dengue: a serious game to educate people about dengue fever prevention. In Anais do IEEE 3nd International Conference on Serious Games and Applications for Health (SeGAH). Dubai, Emirados Árabes Unidos. https://doi.org/10.1109/SeGAH.2014.7067105

Quinquiolo, N. C. R, Silva, P., Ribeiro, M., & Schneider, S. G. (2019). Aplicação de um jogo de cartas como estratégia pedagógica para o ensino de patologias virais e bacterianas nos anos finais do Ensino Fundamental. Ciência & Ensino (Bauru), 8(1) 10-21.

Quintão, M. S., Lins, T. S., & Lima, T. F. M. (2016). X-Dengue: game design e estratégias de gamificação de um jogo educativo sobre a dengue. (Monografia de graduação). Curso de Bacharelado em Sistemas de Informação, Universidade Federal de Ouro Preto, João Monlevade, MG. Recuperado de https://www.monografias.ufop.br/handle/35400000/254

Randi, M. A. F., & Carvalho, H. F. (2013). Aprendizagem através de Role-Playing Games: uma Abordagem para a Educação Ativa. Revista Brasileira de Educação Médica Online, 37(1), 80-88. http://dx.doi.org/10.1590/S0100-55022013000100012

Rangel, M. L. (2008). Dengue: educação, comunicação e mobilização na perspectiva do controle- propostas inovadoras. Interface Comunicação Saúde Educação, 12(25), 433-441. Recuperado de https://www.scielosp.org/article/icse/2008.v12n25/433-441/pt/

Ryzy, C. R., & Crisostimo, A. L. (2018). Guia do professor para a utilização do jogo “Batalha Viral: combatendo o mosquito Aedes aegypti”. (Produto educacional de mestrado). Pós-Graduação em Ensino de Ciências Naturais e Matemática), Universidade Estadual do Centro-Oeste. Paraná, PR. Recuperado de https://www3.unicentro.br/wp-content/uploads/sites/28/2018/11/Produto_Educacional_CAROLINI_R__RYZY_5be972ad1ecd1.pdf

Rodrigues, B. B., Fernandes, R. F. D., Bonfim, R. S., Rezende, R. C., & Porto, Y. V. (2019).

Capacitação de agentes mirins no combate à dengue por meio de metodologia lúdica. Brazilian Journal of Development, 5(10), 21356–21363. Curitiba. https://doi.org/10.34117/bjdv5n10-291

Sampaio, D. G. F., & Sarinho, V. T. (2019). “Batalha Da Vizinhança”: Um Jogo de Tabuleiro Para o Combate a Dengue. In Anais do XVIII SBGames. Rio de Janeiro, RJ. Recuperado https://www.sbgames.org/sbgames2019/files/papers/WorkshopJogosSaude/198237.pdf

Santos, M. V. D., Marcolino, L. M., & Morais, F. V. (2016). Proposta lúdica para ensino do conteúdo das doenças infecciosas e parasitárias que afetam o homem. (TCC de graduação). Faculdade de Educação e Artes, Universidade do Vale do Paraíba, São José dos Campos, SP. Recuperado de https://biblioteca.univap.br/dados/000032/000032db.pdf

Santos, E. R., & Franco, M. A. M. (2017). Atenção básica e ensino de ciências: um jogo de trilha como recurso pedagógico para a promoção da saúde no Ensino Fundamental. (Dissertação de mestrado). Pós Graduação em Ensino de Ciências, Universidade Federal de Ouro Preto, Ouro Preto, MG. Recuperado de https://www.repositorio.ufop.br/handle/123456789/9234

Schall, V., Monteiro, S., Rebello, S. M.,& Torres, M. (1999). Evaluation of the ZIG-ZAIDS game: an entertaining educational tool for HIV/Aids prevention. Caderno de Saúde Pública 15(Sup. 2), 107-119. http://dx.doi.org/10.1590/S0102-311X1999000600011

Schall, V. (2005). A prevenção de DST/AIDS e do uso indevido de drogas a partir da pré-adolescência: uma abordagem lúdico-afetiva. In G. Acselrad (org.) Avessos do prazer: drogas, Aids e direitos humanos (pp. 231-257). (2a ed.). Rio de Janeiro, RJ: Fiocruz. https://doi.org/10.7476/9788575415368

Schall, V. T., Assis, S. S., & Pimenta, D. N. (2015). Educação em Saúde como estratégia no controle integrado da dengue: reflexões e perspectivas. In D. Valle (Org.). Dengue: Teorias e Práticas (pp.357-380). Rio de Janeiro, RJ: Fiocruz.

Silva, T. D. N., & Castro, H. C. (2007). Combate à dengue pela educação: desenvolvimento e avaliação de recursos lúdicos computacionais para aprendizagem. (Dissertação de mestrado). Pós-Graduação em Ensino em Biociências e Saúde, Instituto Oswaldo Cruz, Rio de Janeiro, RJ.

Silva, V., Almeida, A., Alves, D. S., Andrade, M., & Araujo A. (2011). Exterminadores de Dengue: Um jogo educativo dinâmico como ferramenta de educação contra a dengue. In Anais do X SBGames. Salvador, BA. Recuperado de http://www.sbgames.org/sbgames2011/proceedings/sbgames/papers/cult/short/92252_1.pdf

Silva, A. D. F., Souza Filho, J. C., & Jucá, P. (2016). Desafios no balanceamento de um jogo de tabuleiro. Recuperado de https://www.researchgate.net/profile/Jose_Cezar_De_Souza_Filho/publication/317336531_Desafios_no_balanceamento_de_um_jogo_de_tabuleiro/links/59334fe345851553b6ca7dfa/Desafios-no-balanceamento-de-um-jogo-de-tabuleiro.pdf

Silva, F. C. V., Brito, P. K. H., Leandro, G. B., Silva, B. N., & Fernandes, M. C. (2017). Utilização das tecnologias cuidativo-educacionais para prevenção de Dengue, Zika e Chikungunya em adolescentes: um relato de experiência. In Anais do 6º Congrefip. Campina Grande, PB. Recuperado de https://www.editorarealize.com.br/editora/anais/congrefip/2017/TRABALHO_EV069_MD1_SA2_ID444_02042017203226.pdf

Silva, F. M., Campos Neto, E. B., & Lopes, A. S. B. (2017). Educação em saúde no ambiente escolar por meio de terminais interativos. In Anais do XXIII Workshop de Informática na Escola. Recife, PE. http://dx.doi.org/10.5753/cbie.wie.2017.333

Silva, D. T. F. N. P., & Do Nascimento, C. R. (2019). Construindo conhecimento socializado sobre a temática dengue através do uso de jogo de tabuleiro e da produção de modelo. In G. M. C. One (Org.). Saúde Interativa (pp. 118-133). João Pessoa, PB: Instituto Medeiros de Educação Avançada (IMEA). Recuperado de https://www.researchgate.net/profile/Ana_Elza_Mendonca/publication/332627076_PHLEBITIS_IN_PERIPHERALS_VENOUS_ACCESSES_INTEGRATIVE_REVIEW/links/5cf29d15a6fdcc8475fccd40/PHLEBITIS-IN-PERIPHERALS-VENOUS-ACCESSES-INTEGRATIVE-REVIEW.pdf#page=118

Silva, I. R., & Bruno, R. V. (2019). Produção de materiais educativos como instrumento para o controle do Aedes aegypti: experiência de metodologia ativa de ensino em uma escola de nível fundamental no município do Rio de Janeiro. (Dissertação de mestrado). Programa de Pós-Graduação Profissional em Vigilância e Controle de Vetores de Doenças, Instituto Oswaldo Cruz, Rio de Janeiro, RJ. Recuperado de https://www.arca.fiocruz.br/handle/icict/39507

Silveira, L. F. V., Moreira, J. H., & Goulart, R. F. (2017). Jogo educativo em 3D para combater o Aedes aegypti. In Anais do I Seminário de Pesquisa e Inovação Tecnológica-SEPIT. Uberaba, MG. Recuperado de http://periodicos.iftm.edu.br/index.php/sepit/article/view/339

Soares Neto, J. M., Souza, K. E. S., Lopes, C. A. B., Seruffo, M. C. R., Francês, C. R. L., & Medeiros, R. C.

(2016). Desenvolvimento e avaliação da aplicação Creuza vs. Aedes: prevenção do Aedes aegypti. In Anais do XV Congresso Brasileiro de Informática em Saúde. Goiania, GO.

https://pesquisa.bvsalud.org/portal/resource/pt/biblio-906311

Sousa, J., Guimarães, L., & Pires, Y. (2012). Elimine a dengue: Um jogo educativo interativo que oferece informações para eliminar a dengue. In Memorias do XVII Congresso Internacional de Informática, TISE, Chile. Recuperado de http://www.tise.cl/volumen8/TISE2012/73.pdf

Sousa, C. N. S., & Moita, F. M. G. S. C. (2017). Games na escola como estratégia de promoção da saúde e combate ao Aedes aegypti. (Dissertação de mestrado). Programa de Pós-Graduação em Ensino de Ciências e Educação Matemática, Universidade Estadual da Paraíba, Campina Grande, PB. Recuperado de http://tede.bc.uepb.edu.br/jspui/handle/tede/2977

Stotz, E. N. (1993). Enfoques sobre educação e saúde. In V. V. Valla, & E. N. Stotz (Orgs). Participação popular, educação e saúde: teoria e prática (pp. 11-22). Rio de Janeiro, RJ: Relume-Dumará. Recuperado de http://www.ensp.fiocruz.br/portal-ensp/_uploads/documentos-pessoais/documento-pessoal_10993.pdf

Stotz, E. N. (2020). Enfoques sobre educação popular e saúde. In C. M. T. M. Morel, I. D. F. Pereira, & , M. C. R. Lopes (Orgs). Educação em saúde - material didático para formação técnica de agentes comunitários de saúde (pp. 201-220). Rio de Janeiro, RJ: Epsjv. Recuperado de

http://www.epsjv.fiocruz.br/sites/default/files/livro_mat_did_acs.pdf

Tamanaha, A., Madeira, N. G., & Campos, L. M. L. (2008). Promoção da saúde nas séries iniciais do ensino fundamental: atividades educativas lúdicas e práticas no combate a dengue. (TCC de graduação). Curso de Licenciatura em Ciências Biológicas, Universidade Estadual Paulista, Botucatu, SP. Recuperado de https://repositorio.unesp.br/handle/11449/121527

Toledo, M. E., Vanlerberghe, V., Baly, A., Ceballos, E., Valdes, L., Searret, M.,..., Van der Sturf, P. (2007). Towards active community participation in dengue vector control: results from action research in Santiago de Cuba. Transações da Sociedade Real de Medicina Tropical e Higiene, 101(1), 56-63. https://doi.org/10.1016/j.trstmh.2006.03.006

Vasconcelos, E. M. (2004). Educação Popular: de uma Prática Alternativa a uma Estratégia de Gestão Participativa das Políticas de Saúde. PHYSIS: Revista Saúde Coletiva, 14(1) 67-83. Recuperado de https://www.scielo.br/scielo.php?pid=S0103-73312004000100005&script=sci_abstract&tlng=es

Vervoort, J. M. (2019). New frontiers in futures games: leveraging game sector developments. Futures. Elsevier, 105, 174-186. Recuperado de https://www.sciencedirect.com/science/article/abs/pii/S0016328717302768

Whittemore, R., & Knafl, K. (2005). The integrative review: updated methodology. Journal of advanced nursing, 52(5), 546-553. https://doi.org/10.1111/j.1365-2648.2005.03621.x

Xavier, L. L., & Meirelles, R. M. S. (2010). Elaboração de uma ferramenta lúdica sobre o tema dengue utilizando linguagem computacional. (Dissertação de mestrado). Pós-Graduação em Ensino em Biociências e Saúde, Instituto Oswaldo Cruz, Rio de Janeiro, RJ. Recuperado de https://www.arca.fiocruz.br/handle/icict/4051




DOI: http://dx.doi.org/10.22600/1518-8795.ienci2021v26n1p285

Licença Creative Commons
Este obra está licenciado com uma Licença Creative Commons Atribuição-NãoComercial 4.0 Internacional.

Revista Investigações em Ensino de Ciências (IENCI) - ISSN: 1518-8795 

Creative Commons License