INTEGRANDO ARTE E CIÊNCIA NA FORMAÇÃO DE PROFESSORES DE QUÍMICA: UMA ANÁLISE SEMIÓTICA PEIRCEANA

Matheus de Castro e Silva, Penha das Dores Souza Silva

Resumo


As atividades e as práticas humanas, assim como os processos de ensino e aprendizagem, são estruturadas por meio das linguagens e seus signos que podem ser produzidos de diversas maneiras, constituindo um fenômeno de comunicação e construção de sentidos (semiose). Este trabalho investiga as formas pelas quais os licenciandos em Química abordam conceitos, entidades, modelos e fenômenos científicos a partir da expressão artística do desenho. Para isso, analisamos, segundo a semiótica de Charles Sanders Peirce, seis desenhos produzidos por estudantes de licenciatura em Química representando os elementos carbono e mercúrio e suas substâncias. Assim, entendemos o papel dos licenciandos não só como observadores, mas também como criadores de símbolos, ícones e índices. As análises guiadas pelos pontos de vista qualitativo-icônico, singular-indicativo e convencional-simbólico propostos por Santaella (2018) apontaram uma pluralidade de construções de significados, oportunizada pela expressão artística, pela experiência estética e pelo conhecimento científico abordado em cada imagem. A apropriação de símbolos convencionados pela Ciência na identificação do elemento químico representado nem sempre assumiu um papel central na semiose, especialmente quando eram tratadas as propriedades e aplicações das substâncias. Nestes casos, os licenciandos optaram por uma mediação sígnica estruturada por criações próprias, utilizando-se de diferentes formas, cores e proporções.


Palavras-chave


Desenho; Semiótica; Formação de Professores; Elemento Químico

Texto completo:

PDF

Referências


Bulfinch, T. (2006). O livro de ouro da Mitologia: história de deuses e heróis. Rio de Janeiro, RJ: Ediouro.

Crochik, L. (2019). Performance, educação e ensino de física: aproximações imprevistas. Educação em Revista, 35(1), 1-32. https://doi.org/10.1590/0102-4698185187

Cappelle, V., & Munford, D. (2015). Desenhando e escrevendo para aprender Ciências nos anos iniciais do Ensino Fundamental. Alexandria- Revista de Educação em Ciência e Tecnologia, 8(2), 123-142. https://doi.org/10.5007/1982-5153.2015v8n2p123

Eco, U. (2014). Tratado geral de semiótica. São Paulo, SP: Perspectiva.

Gilbert, J. K., Boulter, C. J., & Elmer, R. (2000). Positioning models in Science education and in design and technology education. In Gilbert, John K., & Boulter, C. J. (Orgs.). Developing models in science education. Dordretch: Kluwer, 3-17.

Girod, M. (2007). A conceptual overview of the role of beauty and aesthetics in Science and Science education. Studies in Science Education, 43(1), 36-61.

Gois, J., & Giordan, M. (2007). Semiótica na Química: a teoria dos signos de Peirce. Cadernos Temáticos de Química Nova na Escola – Representação Estrutural em Química, 7(1), 34-42. Recuperada de http://qnesc.sbq.org.br/online/cadernos/07/a06.pdf.

Gouvêa, G. (2020). A cultura visual e a técnica em imagens produzidas por estudantes de curso de licenciatura. Revista Eletrônica de Educação, 14(1), 1-24. https://doi.org/10.14244/198271993834.

Hadzigeorgiou, Y. (2016). “Artistic” Science Education. In ______. Imaginative Science Education: The Central Role of Imagination on Science Education. Dordrecht: Springer, 185-251.

Klein, C., & Dutrow, B. (2012). Manual de ciência dos minerais. Porto Alegre, RS: Bookman.

Klein, T. A. S., & Laburú, C. E. (2012). Multimodos de Representação e Teoria da Aprendizagem Significativa: Possíveis Interconexões da Construção do Conceito de Biotecnologia. Revista Ensaio, 14(2), 137-152. http://dx.doi.org/10.1590/1983-21172012140209

Lucena, P. A. M., & Perticarrari, A. (2020). (Re)significados das Ciências Biológicas: análise do processo de semiose do conceito de camuflagem em desenhos animados. Investigações em Ensino de Ciências, 25(2), 122-147. http://dx.doi.org/10.22600/1518-8795.ienci2020v25n2p122

Mendes, T. F. & Almeida, L. M. W. (2020). Signos interpretantes em atividades de Modelagem Matemática. Revista Eletrônica de Educação, 14(1), 1-24. https://doi.org/10.14244/198271993504

Netto, J. T. C. (2010). Semiótica, informação e comunicação. São Paulo, SP: Perspectiva.

Nakagawa, R. M. O. & Cardoso, T. S. (2020). Epistemologia semiótica e a questão do observador em Peirce e Lotman. Estudos Semióticos, 16(3), 112-132. https://doi.org/10.11606/issn.1980-4016.esse.2020.172812

Oki, M. C. M. (2002). O Conceito de Elemento da Antiguidade à Modernidade. Química Nova na Escola, 16(1), 21-25.

Peirce, C. S. (2017). Semiótica. São Paulo, SP: Perspectiva.

Pena, D. M. B., & Quadros, A. L. (2020). Professores em formação: uma experiência com as representações multimodais. In Quadros, A. L. (org.). Representações multimodais no ensino de Ciências: compartilhando experiências. Curitiba, PS: CRV, 31-46.

Queiroz, J., & El-hani, C. N. (2010). Sobre a forma do signo e da semiose. Cognitio, 11(1), 122-138. Recuperada de https://revistas.pucsp.br/index.php/cognitiofilosofia/article/viewFile/13381/9916

Rojo, R. (2006). As relações entre fala e escrita: mitos e perspectivas. Belo Horizonte, MG: Ceale.

Sanjuan, M. E. C., & Santos, C. V. (2010). Uma proposta didática para a elaboração do pensamento químico sobre elemento químico, átomos, moléculas e substâncias. Experiências em Ensino de Ciências, 5(1), 7-20. Recuperada de https://if.ufmt.br/eenci/artigos/Artigo_ID93/v5_n1_a2010.pdf

Santaella, L. (2018). Semiótica aplicada. São Paulo, SP: Cengage Learning.

Santaella, L. (2012). O que é semiótica. São Paulo, SP: Brasiliense.

Santaella, L., & Nöth, W. (2015). Imagem: congnição, semiótica, mídia. São Paulo, SP: Iluminuras.

Santos, J. D., & Silva, J. R. R. T. (2019). A construção de significados do conceito de solubilidade consoante a mediação semiótica: uma análise a partir de uma intervenção didática. Experiências em Ensino de Ciências, 14(3), 230-249. Recuperada de https://if.ufmt.br/eenci/artigos/Artigo_ID650/v14_n3_a2019.pdf

Silva, A. C. A., & Mortimer, E. F. (2019). Práticas discursivas nas aulas de Ciências: um olhar para as abordagens comunicativas. Curitiba, PR: Appris.

Silva, J. A. P., & Nardi, R. (2017). Formação de professores: abordagens metodológicas na arte e na ciência. Revista Brasileira de Pesquisa sobre Formação Docente, 9(17), 11-27. https://doi.org/10.31639/rbpfp.v9i17.149.

Silva, R. R., Branco, J. C., Thomaz, S. M. T., & Cesar, A. (2017). Convenção de Minamata: análise dos impactos socioambientais de uma solução em longo prazo. Saúde em Debate, 42(esp.), 50-62. https://doi.org/10.1590/0103-11042017s205

Wartha, E. J., & Rezende, D. B. (2011). Os níveis de representação no ensino de Química e as categorias da semiótica de Peirce. Investigações em Ensino de Ciências, 16(2), 275-290. Recuperada de https://core.ac.uk/download/pdf/26907576.pdf

Wartha, E. J., & Rezende, D. B. (2017). As representações no ensino de química na perspectiva da semiótica peirceana. Chemical Education in Point of View, 1(1), 181-202. https://doi.org/10.30705/eqpv.v1i1.886.

Yorifuji, B. (2013). O fantástico mundo dos elementos: a tabela periódica personificada. São Paulo, SP: Conrad Editora do Brasil.




DOI: http://dx.doi.org/10.22600/1518-8795.ienci2021v26n1p244

Licença Creative Commons
Este obra está licenciado com uma Licença Creative Commons Atribuição-NãoComercial 4.0 Internacional.

Revista Investigações em Ensino de Ciências (IENCI) - ISSN: 1518-8795 

Creative Commons License