INVESTIGANDO APROXIMAÇÕES ENTRE TEXTOS DE DIVULGAÇÃO CIENTÍFICA E LIVROS DIDÁTICOS DE QUÍMICA

Maria Bruna Costa de Oliveira, Leonardo Baltazar Cantanhede, Severina Coelho da Silva Cantanhede

Resumo


Com o objetivo de promover a utilização de Textos de Divulgação Científica (TDC), por professores de Química da Educação Básica, este trabalho buscou analisar afinidades existentes entre os TDC publicados na Revista Ciência Hoje, selecionados por Cantanhede (2012) e Sousa, Cantanhede e Cantanhede (2020) para o conteúdo Ligações Químicas, e as discussões sobre esse conteúdo presentes nos seis Livros Didáticos de Química, indicados pelo Programa Nacional do Livro Didático (PNLD), para o triênio 2018/2020. A análise da afinidade foi realizada pela ferramenta Wordle, a partir da geração de nuvem de palavras, que destaca os termos mais frequentes em um conjunto de palavras, e o software IRaMuTeQ, utilizado para análise qualitativa de dados textuais, a partir da Análise Fatorial por Correspondência (AFC) e análise de Similitude. Os TDC, Por que a água não pega fogo se é formada por dois elementos combustíveis? (Edição 231, out/2006) e Como o enxofre pode se ligar mais de duas vezes ao oxigênio sendo ambos bivalentes? (Edição 276, nov/2010), apresentaram uma afinidade satisfatória com a forma com que o conteúdo Ligações Químicas é discutido nos LD investigados, considerando as nuvens de palavras geradas a partir desses materiais. Os termos de maior destaque nos LD foram: hidrogênio, átomo, substância, elemento, molécula e ligação. Os TDC se utilizam desses termos para fazer menções de significados e explicações dos fenômenos químicos com os termos em destaque nas nuvens. Essas relações entre TDC e LD, podem representar um importante parâmetro para a utilização de TDC em sala de aula e, assim, sustentar discussões de forma contextualizada de conteúdos químicos na Educação Básica.


Palavras-chave


Textos de Divulgação Científica; Livro Didático; Ligações Químicas; Wordle; Iramuteq

Texto completo:

PDF

Referências


Alferes, S. C., & Agustini, C. L. H. (2008). A escrita da divulgação científica. Horizonte Científico, 2(1), 1–23. Recuperado de: http://www.seer.ufu.br/index.php/horizontecientifico/article/view/4134

Atkins, P. W., & Jones, L. (2011). Princípios de Química: Questionando a Vida Moderna e o Meio Ambiente (5a ed.). Porto Alegrre, RS: Bookman.

Baralt, M., Pennestri, S., & Selvandin, M. (2011). Action Research: using wordles to teach foreign language writing. Language Learning & Technology, 15(2), 12–22. https://doi.org/http://dx.doi.org/10125/44245

Benites-Lazaro, L. L., Mello-Théry, N. A., & Lahsen, M. (2017). Business storytelling about energy and climate change: The case of Brazil’s ethanol industry. Energy Research and Social Science, 31, 77–85. https://doi.org/10.1016/j.erss.2017.06.008

Brasil. (2017). PNLD 2018: Apresentação – guia de livros didáticos – Ensino Médio. Brasília, DF: Ministério da Educação, Secretária de Educação Básica.

Bueno, W. C. (2009). Jornalismo cientifico: revisitando o conceito. In C. Victor, G. Caldas, & S. Bortoliero (Eds.), Jornalismo científico e desenvolvimento sustentável (pp. 157–178). São Paulo, SP: All Print.

Camargo, B. V., & Justo, A. M. (2013). IRAMUTEQ: Um software gratuito para análise de dados textuais. Temas em Psicologia, 21(2), 513–518. https://doi.org/10.9788/tp2013.2-16

Cantanhede, S. C. da S. (2012). Textos da Revista Ciência Hoje como recurso didático: análise e possibilidades de uso no ensino médio de Química. (Dissertação de mestrado). Universidade Federal de São Carlos, São Carlos, SP. Recuperado de http://www.fiocruz.br/brasiliana/media/Dissertacao_UFSCar_SeverinaCastanheda.pdf

Cantanhede, S. C. da S., Alexandrino, D. M., & Queiroz, S. L. (2015). Divulgação científica como recurso didático no ensino de Química. Recuperado de http://www.gpeqsc.com.br/sobre/manuais/DivulgacaoCiencRecursoDidEnsiQuimica.pdf

Clement, T., Plaisant, C., & Vuillemot, R. (2008). The story of one: Humanity scholarship with visualization and text analysis. Retrieved from College Park, MD: University of Maryland, Human-Computer Interaction Lab. Recuperado de http://www.cs.umd.edu/hcil/trs/2008-33/2008-33.pdf

Costa, G. G. de O. (2015). Curso de Estatística Básica: teoria e prática (2a ed.). São Paulo: Atlas.

DePaolo, C. A., & Wilkinson, K. (2014). Get Your Head into the Clouds: Using Word Clouds for Analyzing Qualitative Assessment Data. TechTrends, 58(3), 38–44. https://doi.org/10.1007/s11528-014-0750-9

Dias, G. R., Silva, J. M., Bento, J. I. M., Cantanhede, S. C. da S., & Cantanhede, L. B. (2016). Textos de divulgação científica : análise e caracterização para utilização no ensino de matemática. Revista Eletrônica de Educação Matemática - REVEMAT, 11(1), 84–98. https://doi.org/http://dx.doi.org/10.5007/1981-1322.2016v11n1p84

Ferreira, L. N. de A., & Queiroz, S. L. (2011). Artigos da Revista Ciência Hoje como recurso didático no Ensino de Química. Química Nova, 34(2), 354–360. Recuperado de https://www.scielo.br/pdf/qn/v34n2/33.pdf

Ferreira, L. N. de A., & Queiroz, S. L. (2012). Textos de divulgação científica no ensino de Ciências: uma revisão. Alexandria: Revista de Educação em Ciência e Tecnologia, 5(1), 3–31. Recuperado de https://periodicos.ufsc.br/index.php/alexandria/article/view/37695/28866

Fontanella, D., & Meglhioratti, F. A. (2013). A Divulgação Científica e o Ensino de Ciências: Análise das Pesquisas. VIII EPCC Encontro Internacional de Produção Cientifica. Recuperado de http://www.cesumar.br/prppge/pesquisa/epcc2013/oit_mostra/Denise_Fontanella.pdf

Grillo, S. V. C. (2013). Divulgação científica: linguagens, esferas e gêneros (Universidade de São Paulo). Recuperado de https://teses.usp.br/teses/disponiveis/livredocencia/8/tde-04112015-181038/publico//2013_SheilaVieiraDeCamargoGrillo.pdf

Lopes, A. C. (2007). Currículo e epistemologia. Ijuí, RS: Unijuí.

Maia, J. de O., Sá, L. P., Massena, E. P., & Wartha, E. J. (2011). O Livro Didático de Química nas Concepções de Professores do Ensino Médio da Região Sul da Bahia. Química Nova na Escola, 33(2), 115–124. Recuperado de http://qnesc.sbq.org.br/online/qnesc33_2/07-PE7110.pdf

Mandják, T., Lavissière, A., Hofmann, J., Bouchery, Y., Lavissière, M. C., Faury, O., & Sohier, R. (2019). Port marketing from a multidisciplinary perspective: A systematic literature review and lexicometric analysis. Transport Policy, 84, 50–72. https://doi.org/10.1016/j.tranpol.2018.11.011

Marchand, P., & Ratinaud, P. (2012). L’analyse de similitude appliquée aux corpus textuels : les primaires socialistes pour l’élection présidentielle française (septembre-octobre 2011). Actes Des 11èmes Journées Internationales d’Analyse Des Données Textuelles (JADT), 687–699. Recuperado de http://lexicometrica.univ-paris3.fr/jadt/jadt2012/Communications/Marchand, Pascal et al. - L’analyse de similitude appliquee aux corpus textuels.pdf

Massarani, L., & Moreira, I. de C. (2002). Aspectos históricos da divulgação científica no Brasil. In L. Massarani, I. de C. Moreira, & F. Brito (Eds.), Ciência e público: caminhos da divulgação científica no Brasil. (pp. 25–42). Rio de Janeiro, RJ: UFRJ.

McNaught, C., & Lam, P. (2010). Using wordle as a supplementary research tool. Qualitative Report, 15(3), 630–643. Recuperado de https://nsuworks.nova.edu/tqr/vol15/iss3/8

Mendes, A. M., Tonin, F. S., Buzzi, M. F., Pontarolo, R., & Fernandez-Llimos, F. (2019). Mapping pharmacy journals: A lexicographic analysis. Research in Social and Administrative Pharmacy, 15(12), 1464–1471. https://doi.org/10.1016/j.sapharm.2019.01.011

Mendes, M. P. de L. (2011). O conceito de reação química no nível médio: História, transposição didática e ensino. Universidade Federal da Bahia. Recuperado de https://ppgefhc.ufba.br/sites/ppgefhc.ufba.br/files/maricleide_pereira_de_lima_mendes_-_o_conceito_de_reacao_quimica_no_nivel_medio_historia_transposicao_didatica_e_ensino.pdf

Messias, M. A., Alves, T. I. P., Melo, C. M., Lima, M., Rivera-Rebella, C., Rodrigues, D. F., & Madi, R. R. (2019). Ethnoecology of Lutjanidae (snappers) in communities of artisanal fisheries in northeast Brazil. Ocean and Coastal Management, 181(June), 104866. https://doi.org/10.1016/j.ocecoaman.2019.104866

Oliveira, A. C. G. de. (2014). O Livro Didático De Química Como Discurso Curricular – Recontextualizações No Campo Das (Universidade de Campinas). Recuperado de http://www.repositorio.unicamp.br/handle/REPOSIP/254110

Pereira, G. W. T., Cantanhede, S. C. da S., & Cantanhede, L. B. (2018). Revista Ciência Hoje: textos da seção “O Leitor Pergunta” como recurso didático para o ensino de Biologia. VII Encontro Nacional de Ensino de Biologia / I Encontro Regional de Ensino de Biologia - Norte, 4940–4948. Recuperado de https://sbenbio.org.br/wp-content/uploads/anais/anais_vii_enebio_norte_completo_2018.pdf

Plumecocq, G. (2014). The second generation of ecological economics: How far has the apple fallen from the tree? Ecological Economics, 107, 457–468. https://doi.org/10.1016/j.ecolecon.2014.09.020

Ribeiro, R. A., & Kawamura, M. R. D. (2005). A Ciência em diferentes vozes: uma análise de textos de divulgação científica. V Encontro Nacional de Pesquisa em Educação Em Ciências, 1–13. http://dx.doi.org/10.1590/S1413-24782007000300013

Rocha, M. B. (2012). O potencial didático dos textos de divulgação científica segundo professores de ciências. Revista Brasileira de Ensino de Ciência e Tecnologia, 5(2), 47–68. https://doi.org/10.3895/s1982-873x2012000200005

Rocha, S. (2015). Estatística geral e aplicada: para cursos de engenharia (2a. ed.). São Paulo, SP: Atlas.

Russell, J. B. (1994). Química Geral: Volume 1 (2a. ed.). São Paulo-SP: Pearson Universidades.

Sacchelli, S., Fabbrizzi, S., & Menghini, S. (2016). Climate Change, Wine and Sustainability: A Quantitative Discourse Analysis of the International Scientific Literature. Agriculture and Agricultural Science Procedia, 8, 167–175. https://doi.org/10.1016/j.aaspro.2016.02.090

Salém, S., & Kawamura, M. R. (1999). As perguntas dos leitores nas revista de divulgação científica: possíveis contribuições ao ensino de Física. II Encontro Nacional de Pesquisa em Educação em Ciências, 1–13. Recuperado de http://www.abrapecnet.org.br/enpec/ii-enpec/trabalhos/A53.pdf

Santos, W. L. P. dos, & Carneiro, M. H. da S. (2006). Livro Didático de Ciências : Fonte de Informação ou Apostila de Exercícios? Contexto e Educação, 21(76), 201–222. https://doi.org/10.21527/2179-1309.2006.76.201-222

Santos, M. S. (2017). Análise Histórico-Crítica dos Livros Didáticos de Química Aprovados no PNLD 2015. Universidade Federal da Bahia e Universidade Estadual de Feira de Santana. Recuperado de http://repositorio.ufba.br/ri/handle/ri/22550

Schirmer, S. B., & Sauerwein, I. P. S. (2017). Livros Didáticos Em Publicações Na Área De Ensino: Contribuições Para Análise E Escolha. Investigações em Ensino de Ciências, 22(1), 23. https://doi.org/10.22600/1518-8795.ienci2017v22n1p23

Schober, A., Kittel, C., Baumgartner, R. J., & Füllsack, M. (2018). Identifying dominant topics appearing in the Journal of Cleaner Production. Journal of Cleaner Production, 190, 160–168. https://doi.org/10.1016/j.jclepro.2018.04.124

Silva, M. da P. A. N. (2016). Análise das atividades experimentais nos livros didáticos de Química do PNLD 2012 para o conteúdo de funções inorgânicas (Universidade Federal da Paraíba). Recuperado de http://dspace.bc.uepb.edu.br/jspui/handle/123456789/14288

Sousa, B. L. S., Cantanhede, S. C. da S., & Cantanhede, L. B. (2020). Caracterização de Textos da Revista Ciência Hoje, Seção o Leitor Pergunta, uma Perspectiva para o Ensino da Química na Educação Básica. Exatas Online, 11(1), 50–62. Recuperado de https://drive.google.com/file/d/1_rvWI5UqQqKoEDKTA8z7M7TptdQEqOh3/view

Souza, M. A. R. de, Wall, M. L., Thuler, A. C. de M. C., Lowen, I. M. V., & Peres, A. M. (2018). O uso do software IRAMUTEQ na análise de dados em pesquisas qualitativas. Revista Da Escola de Enfermagem Da U S P, 52, 1–7. https://doi.org/10.1590/S1980-220X2017015003353

Verceze, R., & Silvino, E. (2008). O Livro Didático E Suas Implicações Na Prática Do Professor Nas Escolas Públicas De Guajará-Mirim. Revista Práxis Educacional, 4(4), 83–102. Recuperado de http://periodicos2.uesb.br/index.php/praxis/article/view/562/456

Wartha, E., Silva, E., & Bejarano, N. (2013). Cotidiano e contextualização no ensino de Química. Química Nova Na Escola, 35(2), 84–91. Recuperado de http://qnesc.sbq.org.br/online/qnesc35_2/04-CCD-151-12.pdf

Williams, W., Parkes, E. L., & Davies, P. (2013). Wordle: A method for analysing MBA student induction experience. The International Journal of Management Education, 11(1), 44–53. https://doi.org/10.1016/j.ijme.2012.10.002

Zamboni, L. M. S. (2001). Cientistas, jornalistas e a divulgação científica: subjetividade e heterogeneidade no discurso da divulgação científica. Campinas: Editora Autores Associados.




DOI: http://dx.doi.org/10.22600/1518-8795.ienci2020v25n3p601

Licença Creative Commons
Este obra está licenciado com uma Licença Creative Commons Atribuição-NãoComercial 4.0 Internacional.

Revista Investigações em Ensino de Ciências (IENCI) - ISSN: 1518-8795 

Creative Commons License