O USO DE SEQUÊNCIAS DIDÁTICAS NO ENSINO SOBRE MICRORGANISMOS: UMA REVISÃO DA LITERATURA EM PERIÓDICOS E EVENTOS NACIONAIS

Dayane Ferreira Santos, Christiana Andrea Vianna Prudêncio

Resumo


As sequências, módulos ou unidades didáticas consistem em um importante instrumento no contexto do Ensino de Microbiologia, tendo em vista a sua potencialidade para a superação do modelo tradicional de ensino e a desconstrução de concepções equivocadas dos educandos em relação aos microrganismos. No entanto, ainda são pouco evidenciadas as escolhas teóricas e metodológicas que têm orientado a sua elaboração.  Partindo destes pressupostos, o objetivo deste estudo é compreender quais escolhas teóricas e metodológicas têm orientado o desenvolvimento das Sequências Didáticas no Ensino de Microbiologia. Para entender esse cenário, revisamos trabalhos publicados nos periódicos e eventos nacionais mais relevantes para a área no período de 2009 a 2019, a fim de identificar as principais tendências relacionadas a este campo de estudo. Os estudos foram caracterizados e analisados com base na Análise Textual Discursiva (ATD), em que foi possível identificar: 1) duração da SD; 2) termo mais utilizado; 3) conteúdos contemplados; 4) referencial teórico-metodológico adotado; 5) relação das estratégias didáticas com os objetivos propostos; 6) relação do processo avaliativo com a aprendizagem a ser alcançada.  Constatamos que os estudos sobre este campo são heterogêneos do ponto de vista teórico e metodológico, o que justifica a inexistência de uma nomenclatura em comum, e pesquisas sobre o uso de SD para o Ensino de Microbiologia apesar de crescente ainda são incipientes nos periódicos e eventos analisados. Quanto à duração, referencial teórico-metodológico, estratégias e processos avaliativos, ainda não estão explícitos os parâmetros utilizados para definir esses elementos, o que evidencia a necessidade de um maior rigor na elaboração e estruturação de planejamentos de ensino na forma de SD. Ressaltamos que as pesquisas envolvendo este tipo de planejamento devem evidenciar os seus elementos constituintes e as abordagens teórico-metodológicas utilizadas, bem como os parâmetros utilizados para definir o tipo de estratégia didática e avaliação de aprendizagem adotada e a duração da sequência. Diante dos resultados, entendemos que, será importante como próximo passo investigativo, a elaboração de planejamentos didático-pedagógicos, que incorporem e articulem todos os seus elementos, além de serem pautados em referenciais teórico-metodológicos consolidados e que considerem as teorias que envolvam sua construção, uma vez que, estudos com essas características no contexto do Ensino de Ciências ainda são incipientes.

Palavras-chave


Planejamento Docente; Sequências Didáticas; Microbiologia

Texto completo:

PDF

Referências


Alves, M. (2018). Características, elementos e importância do planejamento didático-pedagógico: uma revisão de termos e conceitos na área de ensino de ciências. (Dissertação de mestrado em Química). Universidade Estadual Paulista, Araraquara, São Paulo, SP. Recuperado de https://repositorio.unesp.br/bitstream/handle/11449/153132/alves_m_me_araiq_int.pdf?sequence=3&isAllowed=y

Alves, M., & Bego, A. M. (2018). O planejamento didático-pedagógico como foco de investigação: uma revisão sistemática dos trabalhos do ENDIPE. In Anais do XIX Encontro Nacional de Didática e Práticas de Ensino. (pp. 1-15).Salvador, BA. Recuperado de http://www.xixendipe.ufba.br/

Alves M., & Bego, A. M. (2017a). Levantamento bibliográfico acerca da utilização de termos relacionados ao planejamento didático-pedagógico na área de Ensino de Ciências. In Anais do XI Encontro Nacional de Pesquisa em Educação em Ciências. (pp. 1-10). Florianópolis, SC. Recuperado de http://www.abrapecnet.org.br/enpec/xi-enpec/anais/resumos/R0580-1.pdf

Alves, M., & Bego, A. M. (2017b). Levantamento bibliográfico acerca de elementos do planejamento didático-pedagógico na área de Ensino de Ciências. In Atas do XV evento de Educação em Química (EVEQ)-SP. (pp. 1-10). Araraquara, SP. Recuperado de https://www.iq.unesp.br/#!/eveq/anais-atualizados/xv-eveq/

Amaral, I. A. (2006). Metodologia do Ensino de Ciências como produção social. Campinas, SP: Faculdade de Educação. Recuperado de https://www.fe.unicamp.br/drupal/sites/www.fe.unicamp.br/files/pf/subportais/graduacao/proesf/textos1.pdf

Amorim, M. C., & Leyser, V. (2009). A evolução biológica e seu ensino nos Encontros Nacionais de Pesquisa em Educação em Ciências. In Anais do VII Encontro Nacional de Pesquisa em Educação em Ciências. (pp.1-12). Florianópolis, SC. Recuperado de http://www.fep.if.usp.br/~profis/arquivos/viienpec/VII%20ENPEC%20-%202009/www.foco.fae.ufmg.br/cd/pdfs/1152.pdf

Anastasiou, L. das G. C.,& Alves, L. P. (2004). Estratégias de ensinagem. In L. das G. C. Anastasiou, & L. P. Alves, (Orgs.). Processos de ensinagem na universidade. Pressupostos para as estratégias de trabalho em aula. (pp. 67-100). (3a. ed.). Joinville, SC: Univille, .

Assai N. D. S., Arrigo, V., & Broietti, F. C. D. (2018). Uma proposta de mapeamento em periódicos nacionais da área de ensino de ciências. Revista de Produtos Educacionais e Pesquisa em Ensino, 2(1), 150-166. Recuperado de http://seer.uenp.edu.br/index.php/reppe/article/view/1380/675.

Azevedo, T. M., & Sodré, L. (2010). Conhecimento de Estudantes da Educação Básica sobre Bactérias: saber científico e concepções alternativas. Revista de Educação, Ciências e Matemática, 4, 22-36. Recuperado de http://publicacoes.unigranrio.edu.br/index.php/recm/article/viewFile/2478/1252.

Barbosa, F. H. F., & Barbosa, L. P. J. L. (2010). Alternativas metodológicas em microbiologia: viabilizando atividades práticas. Revista de Biologia e Ciências da Terra, 10(2), 134-143. Recuperado de http://joaootavio.com.br/bioterra/workspace/uploads/artigos/artigo_15_v10_n2-51562daa0b616.pdf

Brasil (1999). Parâmetros Curriculares Nacionais: ensino médio. Ministério da Educação, Brasília, DF. Recuperado de http://portal.mec.gov.br/seb/arquivos/pdf/CienciasNatureza.pdf

Bastos, M. R., Silva-Pires, F. E. S., Freitas, C. A. V., & Trajano, V. S. (2017). A utilização de sequências didáticas em biologia: revisão de artigos publicados de 2000 a 2016. In Anais do XI Encontro Nacional de Pesquisa em Educação em Ciências. (pp. 1-11). Florianópolis, SC. Recuperado de http://www.abrapecnet.org.br/enpec/xi-enpec/anais/resumos/R2614-1.pdf

Bego, A. M.(2013). O professor e o planejamento didático-pedagógico. In _______. Sistemas Apostilados de Ensino e Trabalho Docente: Estudo de caso com professores de Ciências e gestores de uma Rede Escolar Pública Municipal. (Tese de doutorado em Educação para a Ciência). Faculdade de Ciências, Universidade Estadual Paulista, Bauru, SP. Recuperado de https://repositorio.unesp.br/bitstream/handle/11449/102057/bego_am_dr_bauru.pdf

Bego, A. M., Alves, M., & Giordan, M. (2019). O planejamento de sequências didáticas de química fundamentadas no Modelo Topológico de Ensino: potencialidades do Processo EAR (Elaboração, Aplicação e Reelaboração) para a formação inicial de professores. Revista Ciência & Educação (Bauru), 25(3), 625-645. https://doi.org/10.1590/1516-731320190030016

Bernardi, G., Leonardi, A de F., Silveira, M. dos S., Ferreira, A.S. & Goldschmidt, A. I. (2019). Concepções prévias dos alunos dos anos iniciais sobre microrganismos. Revista Ciências & Ideias, 10(1), 55-69. Recuperado de https://revistascientificas.ifrj.edu.br/revista/index.php/reci/article/view/974/643

Cavalcanti, M. H. da S., Ribeiro, M. M., & Barro, M.R. (2018). Planejamento de uma sequência didática sobre energia elétrica na perspectiva CTS. Revista Ciência e Educação (Bauru), 24(4), 859-874. https://doi.org/10.1590/1516-731320180040004.

Carvalho, A. M. P. (2013) O ensino de Ciências e a proposição de sequências de ensino investigativas. In A. M. P. Carvalho (Org.). Ensino de Ciências por investigação: condições para implementação em sala de aula. São Paulo, SP: Cengage Learning. Recuperado de https://edisciplinas.usp.br/pluginfile.php/2670273/mod_resource/content/1/Texto%206_Carvalho_2012_O%20ensino%20de%20ci%C3%AAncias%20e%20a%20proposi%C3%A7%C3%A3o%20de%20sequ%C3%AAncias%20de%20ensino%20investigativas.pdf

Castro, T. F., & Goldschmidt, A. I. (2016). Aulas práticas em ciências: concepções de estagiários em licenciatura em biologia e a realidade durante os estágios. Revista de Educação em Ciências e Matemática, 13, 116-34. Recuperado de https://periodicos.ufpa.br/index.php/revistaamazonia/article/view/3800.

Cassanti, A. C., Cassanti, A. C., Araujo, E. E. de., & Ursi, S. (2008).Microbiologia democrática: estratégias de ensino-aprendizagem e formação de professores. São Paulo, SP: Colégio Dante Alighieri. Recuperado de http://botanicaonline.com.br/geral/arquivos/Cassantietal2008%20microbiologia.pdf

Cordeiro, G. N., & Cordeiro, T. M. S. C. (2017). Métodos de avaliação no processo ensino aprendizagem numa escola do interior do Nordeste. Revista Diálogos Interdisciplinares, 6, 68-85.Recuperado de https://revistas.brazcubas.br/index.php/dialogos/article/view/233/357

Delizoicov, D., Slongo, I. I. P., & Lorenzetti, L. (2007). ENPEC: 10 anos de disseminação da pesquisa em educação em ciências. In Anais do VI Encontro Nacional de Pesquisa em Educação em Ciências. (pp-1-12). Florianópolis, SC. Recuperado de http://www.nutes.ufrj.br/abrapec/vienpec/CR2/p555.pdf

Douady, R., Artigue, M., & Comiti, C. (1987). L'ingenierie didactique: un instrument privilegie pour une prise en compte de la complexité de la classe. In Bergeron, J. C., Herscovics, N., & Kieran, C. (Ed.). Proceedings of the eleventh International Conference Psychology of Mathematics Education. (pp.222-228). Quebec, Canadá. Recuperado de https://files.eric.ed.gov/fulltext/ED383532.pdf

Falbo, R. de A.(2018). Mapeamento Sistemático. Retrieved October, 7, 1-25.Recuperado de http://claudiaboeres.pbworks.com/w/file/fetch/133747116/Mapeamento%20Sistem%C3%A1tico%20-%20v1.0.pdf

Farias, M. E., & Bandeira, K. (2009). O uso das analogias no ensino de ciências e de biologia. Ensino, Saúde e Ambiente, 2(3), 60-71. https://periodicos.uff.br/ensinosaudeambiente/article/view/21051/12526.

Farias, I. M. S., Sales, J. O. C. B., Braga, M. M. S. C., & França, M. S. L. M. (2011). Didática e docência: aprendendo a profissão. (3a ed.). Brasília, DF: Liber Livro.

Freire, P. (1996). Pedagogia da Autonomia: saberes necessários à prática educativa. São Paulo, SP: Paz e Terra. Recuperado de http://www.apeoesp.org.br/sistema/ck/files/4-%20Freire_P_%20Pedagogia%20da%20autonomia.pdf

Giordan, M., Guimarães, Y. A. F., & Massi, L.(2011). Uma análise das abordagens investigativas de trabalhos sobre sequências didáticas: tendências no ensino de ciências. In Atas do VIII Encontro Nacional de Pesquisa em Educação em Ciências. (pp. 1-12). Campinas, SP. Recuperado de http://abrapecnet.org.br/atas_enpec/viiienpec/resumos/R0875-3.pdf

Gonçalves, A. V., & Ferraz, M. R. R. (2016). Sequências Didáticas como instrumento potencial da formação docente reflexiva. DELTA, 32(1), 119-141. http://dx.doi.org/10.1590/0102-445027474109576182.

Guimarães, Y. A. F., & Giordan, M.(2013). Elementos para validação de sequências didáticas. In

Anais do IX Encontro Nacional de Pesquisa em Educação em Ciência. (pp.1-8). Águas de Lindóia, SP. Recuperado de http://www.nutes.ufrj.br/abrapec/ixenpec/atas/resumos/R1076-1.pdf

Kapp, A. M., Miranda, E. M., & Freitas, D. (2014). Biotecnologia a partir da perspectiva Ciência, Tecnologia e Sociedade (CTS): representações nos materiais didáticos. In Atas do IV Congreso Iberoamericano de Ciencia, Tecnología, Innovación y Educación. (pp.1-25). Buenos Aires, Argentina. Recuperado de https://www.oei.es/historico/congreso2014/memoriactei/1152.pdf

Libâneo, J. C. (2013). Didática. (2a ed.). São Paulo, SP: Cortez.

Lima, D.F. (2018). A importância da sequência didática como metodologia no ensino da disciplina de física moderna no ensino médio. Revista Triângulo, 11(1), 151 - 162. Recuperado de http://seer.uftm.edu.br/revistaeletronica/index.php/revistatriangulo/article/view/2664/pdf

.

Marcussi, S, Santos, G. M., Vieira, K. C., Maciel, R. F., Magalhaes, R., & Suart, R. C.(2011). Questionários e desenhos como instrumento de avaliação: trabalhando o tema soluções no ensino médio. In Atas do VIII Encontro Nacional de Pesquisa em Educação em Ciências e I CIEC. (pp.1-13). Campinas, SP. Recuperado de http://www.nutes.ufrj.br/abrapec/viiienpec/resumos/R0203-2.pdf

Méheut, M.,& Psillos, D.(2004). Teaching–learning sequences: aims and tools for science education research. International Journal Science Education, 26(5), 515–535. https://doi.org/10.1080/09500690310001614762.

Menegolla, M., & Sant’Anna, I.M. (2002). Por que planejar, como planejar?:Currículo-área aula. (11a ed). Petrópolis, RJ: Vozes.

Moraes, R, & Galiazzi, M.C. (2011). Análise textual discursiva. (2a ed. rev). Ijuí, RS: Unijuí.

Morhy, P. E. D. , Teran, A. F., & Negrao, F. C. (2019). Avaliação formativa na educação infantil: sequências didáticas a partir do tema água. Experiências em ensino de ciências, 14, 531-541. Recuperado de http://if.ufmt.br/eenci/artigos/Artigo_ID628/v14_n2_a2019.pdf

Motokane, M. T. (2015). Sequências didáticas investigativas e argumentação no ensino de ecologia. Ensaio: Pesquisa em Educação em Ciências (Impresso), 17, 115-138. https://doi.org/10.1590/1983-2117201517s07.

Nuhs, A. C.,& Tomio, D. (2011). A prova escrita como instrumento de avaliação da aprendizagem do aluno de ciências. Estudos em Avaliação Educacional, 22(49), 259-284. Recuperado de http://www.fcc.org.br/pesquisa/publicacoes/eae/arquivos/1637/1637.pdf

Oliveira, N. F., Azevedo, T. M., & Sodré Neto, L. (2016). Concepções alternativas sobre microrganismos: alerta para a necessidade de melhoria no processo ensino-aprendizagem de biologia. Revista Brasileira de Ensino de Ciência e Tecnologia, 9, 260-276. Recuperado de https://periodicos.utfpr.edu.br/rbect/article/view/2031

Oliveira, R. P.A. de., & Amaral, E. M. R. do. (2012) Análise das tendências do ensino das ciências nas temáticas como: sequências didáticas, interdisciplinaridade e prática docente. In Atas do I Congresso Iberoamericano de Investigación en Enseñanza de las Ciencias (CIEC) e VIII Encontro Nacional de Pesquisa em Educação em Ciências. (pp1-10), Campinas, SP. Recuperado de http://abrapecnet.org.br/atas_enpec/viiienpec/resumos/R1179-2.pdf

Oliveira, P. B. L., & Morbeck, L.L. B. (2019). Contextualizando o ensino de Microbiologia. Id on Line Revista Multidiscilpinar e de Psicologia, 13(45), 450-461. Recuperado de https://idonline.emnuvens.com.br/id/article/view/1738

Paixão, M. C.S. da.(2018). O professor de Biologia e o livro didático: análise da Educação CTS na EJA. (Dissertação de mestrado em Educação em Ciências). Universidade Estadual de Santa Cruz, Ilhéus, BA. Recuperado de http://www.biblioteca.uesc.br/biblioteca/bdtd/201610061D.pdf

Pereira, S. P. A., & Carneiro, M. H. S. (2001). Educação de jovens e adultos no ensino médio, uma revisão bibliográfica sobre o ensino de Ciências. In Atas do VIII Encontro Nacional de Pesquisa em Educação em Ciências. (pp.1-10). Campinas, SP. Recuperado de http://www.nutes.ufrj.br/abrapec/viiienpec/resumos/R1322-1.pdf

Plomp, T. (2009). Educational design research: an introduction. In Plomp, T., & Nieveen, N. (Ed.). An introduction to educational design research. (pp.11-50). Enschede, Netherlands: SLO. Recuperado de

https://www.researchgate.net/profile/Brenda_Bannan/publication/263733328_The_Integrative_Learning_Design_Framework_114__133_An_Illustrated_Example_from_the_Domain_of_Instructional_Technology/links/0046353bc22945ecfd000000/The-Integrative-Learning-Design-Framework-114-133-An-Illustrated-Example-from-the-Domain-of-Instructional-Technology.pdf#page=12

Prata, R. V., & Martins, I. (2005). Ensino de ciências e educação de jovens e adultos: pela necessidade de diálogo entre campos e práticas. In Atas do V Encontro Nacional de Pesquisa em Educação em Ciências. (pp.1-11). Bauru, SP. Recuperado de

http://abrapecnet.org.br/atas_enpec/venpec/conteudo/artigos/1/pdf/p307.pdf

Romeiro, S. S., Sousa, L. F., & Oliveira L. S. (2016). Microbiologia: uma abordagem através de aulas práticas/experimentais. Ciência & Tecnologia (FATEC-JB), 8 (n. esp.) . Recuperado de https://docplayer.com.br/69170898-Microbiologia-uma-abordagem-atraves-de-aulas-praticas-experimentais-microbiology-an-approach-through-practical-classes-and-experiments.html

Sanmartí, N.(2002). Didactica de las ciencias en la educación secundaria obligatoria.. Madrid, Espanha: Síntesis. Recuperado de https://pt.scribd.com/doc/247274728/Didactica-de-las-ciencias-en-la-Educacion-Secundaria-Obligatoria-Neus-Sanmarti-pdf

Sánchez Blanco, G., & Valcárcel Pérez, M. V. (1993). Diseño de unidades didácticas en el área de Ciencias Experimentales.. Enseñanza de las ciencias: revista de investigación y experiencias didácticas (en línea),1(11),33-44. Recuperado de https://www.raco.cat/index.php/Ensenanza/article/view/39774

Silva, M. S., & Bastos, S. N. D. (2012). Ensino de microbiologia: percepção de docentes e discentes nas escolas públicas de Mosqueiro, Belém, Pará. In Anais do III Encontro Nacional de Ensino de Ciências da Saúde e do Ambiente. (pp.1-13). Niterói, RJ. Recuperado de http://www.enecienciasanais.uff.br/index.php/ivenecienciassubmissao/eneciencias2012/paper/viewFile/414/285

Silva, F.da., & Colombo, A.V. (2019). Jogos: Uma Proposta Pedagógica no ensino da Microbiologia para o Ensino Superior. Id on Line Revista Multidisciplinar e de Psicologia, 13(45), 110-123. Recuperado de https://idonline.emnuvens.com.br/id/article/view/1801

Silva, N. J, Nascimento Junior, B. B., & Oliveira-Neto, N. M. (2015). Uma Avaliação sobre Sequências Didáticas desenvolvidas no Ensino de Química. In Anais do X Encontro Nacional de Pesquisa em Educação em Ciências. (pp.1-8). Águas de Lindoia, SP. Recuperado de http://www.abrapecnet.org.br/enpec/x-enpec/anais2015/resumos/R1896-1.PDF

Silva, R.C.da, Silva, M. das D. da., & Santos, C.G, dos. (2019). Mapeamento Sistemático: Métodos, Técnicas e Artefatos para o ensino da microbiologia sem o uso de Laboratórios. Id on Revista Multidisciplinar e de Psicologia, 13(45), 270-281. Recuperado de https://idonline.emnuvens.com.br/id/article/view/1838.

Silveira, m. L., Oliveros, p. B., & Araújo, M. F. F. (2011). Concepções espontâneas sobre bactérias de alunos do 6º ao 9º ano. In Atas do VIII Encontro Nacional de Pesquisa em Educação em Ciências. (pp.1-13), Campinas, SP. Recuperado de http://www.nutes.ufrj.br/abrapec/viiienpec/resumos/R0347-1.pdf

Sousa, g. P., & Teixeira, P. M. M. (2014). Educação CTS e genética. Elementos para a sala de aula: potencialidades e desafios. Experiências em Ensino de Ciências, 9(2), p. 83-103. Recuperado de https://if.ufmt.br/eenci/artigos/Artigo_ID244/v9_n2_a2014.pdf

Souza, R. W. L.(2014). Modalidades e recursos didáticos para o ensino de biologia. REB, 7(2), 124-142. Recuperado de https://revistas.pucsp.br/reb/article/view/14979/15125.

Zabala, A. (1998). A Prática Educativa: como ensinar. Porto Alegre, RS: ARTMED.

Lista dos 27 estudos que constituíram o corpus da pesquisa

Aznar, c. V.,& Puig, B.(2016). Concepciones y modelos del profesorado de primaria en formación acerca de la tuberculosis. Enseñanza de las Ciencias, 34(1), 33-52. https://doi.org/10.5565/rev/ensciencias.1670.

Baggio, l. A.,& Lorencini J.R, Á. (2019). Análise de uma sequência didática sobre microrganismos sob a perspectiva da aprendizagem significativa. Experiências em ensino de ciências, 14, 26-43. Recuperado de http://if.ufmt.br/eenci/artigos/Artigo_ID563/v14_n1_a2019.pdf.

Bonisson, S. A. S., Ferreira, l. B. &, Menolli Jr. (2019). Sequência de Ensino Investigativa sobre antibióticos baseada em competências e habilidades do PISA. Revista Ciências & Idéias, 10, 231-253. http://dx.doi.org/10.22407/2019.v10i2.1061.

Chefer, C., Santos, A., A. dos, & Oliveira, A. L. (2019). Análise de uma sequência didática no contexto do ensino de ciências por investigação: a compreensão da proposta por Pibidianos de ciências. In Anais do XII Encontro Nacional de Pesquisa em Educação em Ciências. (pp.1-9). Natal, RN. Recuperado de http://abrapecnet.org.br/enpec/xii-enpec/anais/trabalhos.htm

Ferreira, S. A., Bernardi, G., Silveira, M. dos S, Leonardi, A. de F., & Goldschmidt, A.I. (2019). Atividades metacognitivas como facilitadoras na aprendizagem sobre seres vivos nos anos iniciais. Amazônia: Revista de Educação em Ciências e Matemáticas, 14(29),p. 43-62. Recuperado de https://periodicos.ufpa.br/index.php/revistaamazonia/article/view/5374/4768

Franco-Mariscal, A. J., Blanco-López, A., & España-Ramos (2014). El desarrollo de la competencia científica en una unidad didáctica sobre la salud bucodental. Diseño y análisis de tareas. Enseñanza de las Ciencias, 32(3), 649-667. https://doi.org/10.5565/rev/ensciencias.1346.

Figueiredo, P.S. de, Ribas, M. B., Freitas, M.S.A.,& Guimarães, A. P. M. (2015). Processo colaborativo de construção e aplicação de uma sequência didática com abordagem social e biológica acerca das bactérias In Atas do IX Encontro Nacional de Pesquisa em Educação em Ciências. (pp.1-8). Águas de Lindóia, SP. Recuperado de http://www.abrapecnet.org.br/enpec/x-enpec/anais2015/resumos/R0893-1.PDF

Lima; G. P. de S., & Teixeira, P. M. M. (2011). Análise de uma sequência didática de Citologia baseada no movimento CTS. In Atas do VIII Encontro Nacional de Pesquisa em Educação em Ciências. (pp.1-13). Campinas, SP. Recuperado de http://www.nutes.ufrj.br/abrapec/viiienpec/resumos/R0047-1.pdf

Limiñana, R., Rey, A., Menargues, A, M., Nicolás, C., Rosa Cintas, S., & Martínez-Torregrosa, J. (2017) Propuesta de una unidad didáctica mediante indagación dirigida a niños de educación infantil para prevenir enfermedades a través de la higiene de las manos. Enseñanza de las ciencias, (n. extr.), p.5247-5253. Recuperado de https://dialnet.unirioja.es/servlet/articulo?codigo=6690818

Mourão, M.L.M., & Gobara, S T. (2017). A lousa digital interativa como instrumento de mediação entre o professor e alunos para a evolução dos conceitos sobre microorganismos. In Anais do XI Encontro Nacional de Pesquisa em Educação em Ciências. (pp.1-10). Florianópolis, SC. Recuperado de http://www.abrapecnet.org.br/enpec/xi-enpec/anais/resumos/R0944-1.pdf

Nogueira, L. V, Freitas, K. C, de.,& Cunha, F. (2017). Argumentação na sala de aula: construindo discursos científicos. In: Anais do XI Encontro Nacional de Pesquisa em Educação em Ciências. (pp.1-10). Florianópolis, SC.. Recuperado de http://www.abrapecnet.org.br/enpec/xi-enpec/anais/resumos/R1605-1.pdf

Oliveira, E. C. de, Almeida, E. F,de., & Aquino, S. F. (2018). Sequência didática baseada na pedagogia histórico-crítica para abordar o Papilomavírus Humano (HPV) no ensino médio. Revista de Estudos e Pesquisas sobre Ensino Tecnológico, 4 7), 3-10.https://doi.org/10.31417/educitec.v4i07.239,

Pereira, R. G., & Trivelato, S. L. F. (2011). Qual o conhecimento é utilizado por estudantes do ensino médio quando discutem sobre temas científicos. In Atas do VIII Encontro Nacional de Pesquisa em Educação em Ciências. (p.1-8). Campinas, SP. Recuperado de http://www.nutes.ufrj.br/abrapec/viiienpec/resumos/R0779-1.pdf

Petry, L. S., Lima, V. M. do. R., & Lahm, R. A. (2010). Aplicação de uma unidade de aprendizagem sobre Ecossistemas como proposta metodológica voltada ao Ensino de ciências. In Anais XV Encontro Nacional de Didática e Prática de Ensino. Belo Horizonte, BH. Recuperado de http://endipe.fae.ufmg.br/local.php

Pinheiro, R. F., & Rocha, M. (2018). Contribuição de uma sequência didática no ensino de ciências para combate ao Aedes aegypti. Ensino, Saúde e Ambiente, 11(3), 186-201. https://doi.org/10.22409/resa2018.v11i3.a21555.

Porto, M. D. L. O.,& Teixeira, P. M. M. (2016). A articulação da tríade CTS: reflexões sobre o desenvolvimento de uma proposta didática aplicada no contexto da EJA. Investigações em Ensino de Ciência, 21(1), 124-144. Recuperado de https://www.if.ufrgs.br/cref/ojs/index.php/ienci/article/view/241.

Roberto, S., Paixão Filho, F. J., & Megid Neto, J. (2019). Uma Sequência Didática sobre dengue desenvolvida no 5º ano do Ensino Fundamental. Experiências em ensino de ciências, 14(1), 441-460. Recuperado de http://if.ufmt.br/eenci/artigos/Artigo_ID589/v14_n1_a2019.pdf

Rodrigues, F.C., & Barboza (2019). Proposta de unidade de ensino potencialmente significativa sobre imunologia no ensino superior. In Anais do XII Encontro Nacional de Pesquisa em Educação em Ciências. (pp.1-9). Natal, RN. Recuperado de http://abrapecnet.org.br/enpec/xii-enpec/anais/resumos/1/R0738-1.pdf

Santos-Sobrinho M. M. S., & Borges, A. T. (2010). Aprendizagem de Epidemias Com Simulações Computacionais. Revista Brasileira de Ensino de Ciências e Tecnologia, 3, 41–61. 10.3895/S1982-873X2010000100003

Santos, S. M. dos, Fadini, G. P., Roldi, M.M.C., Amado, M. V., Terra, V. R., & Leite, S. Q. M. (2017). Interdisciplinaridade e Ensino por Investigação de Biologia e Química na Educação Secundária a partir da temática de Fermentação de Caldo de Cana. In Anais do XI Encontro Nacional de Pesquisa em Educação em Ciências. (pp.1-10). Florianópolis, SC. Recuperado de http://www.abrapecnet.org.br/enpec/xi-enpec/anais/resumos/R1063-1.pdf

Sarmento, A. C. H., R. R., Muniz, N. R., Silva, V. A., Pereira, M. A. S., Santana, T. S., Sá, T.S., & El-Hani, C.N. (2013). Investigando Princípios de Design de uma Sequencia Didática sobre Metabolismo Energético. Ciência & Educação (Bauru), 19(3), 573-598. Recuperado de https://doi.org/10.1590/S1516-73132013000300006.

Sena, J. Y.de.,& Rocha, Z.de F. D. C. R. (2018). Produto educacional para o Ensino de Ciências como proposta para aprendizagem mediada. REnCiMa, 9(5), 205-219. Recuperado de https://doi.org/10.26843/rencima.v9i5.1393

Silva, R. de P.O., Chernicharo, P. de. S. L., Tonidandel, S. M. R., & Trivelato, S. L. F. (2009). Análise da argumentação em uma atividade investigativa de biologia no ensino médio. In Atas do VII Encontro Nacional de Pesquisa em Educação em Ciências. (pp.1-11). Florianópolis, SC. Recuperado de http://www.fep.if.usp.br/~profis/arquivos/viienpec/VII%20ENPEC%20-%202009/www.foco.fae.ufmg.br/cd/pdfs/658.pdf

Silva, L. P., & Maciel, M. D.(2017).Desenvolvimento de uma Sequência Didática com enfoque em NdC&T/CTS para o ensino de conteúdos de Microbiologia em aulas de Biologia. In Anais do XI Encontro Nacional de Pesquisa em Educação em Ciências. (1-9). Florianópolis, SC. Recuperado de http://www.abrapecnet.org.br/enpec/xi-enpec/anais/resumos/R2016-1.pdf

Sousa G. P., & Teixeira, P. M. M. (2014). Educação CTS e genética. Elementos para a sala de aula: potencialidades e desafios. Experiências em Ensino de Ciências, 9(2), 83-103. Recuperado de http://if.ufmt.br/eenci/artigos/Artigo_ID244/v9_n2_a2014.pdf

Terra, V. R., & Leite, S. Q. M. (2017). Estudos culturais sobre a produção de vinagre para articular saberes escolares, científicos e populares: uma educação química com enfoque CTS/CTSA. In Anais do XI Encontro Nacional de Pesquisa em Educação em Ciências. (pp.1-10). Florianópolis, SC. Recuperado de http://www.abrapecnet.org.br/enpec/xi-enpec/anais/resumos/R2357-1.pdf

Zappe, J. A., & Sauerwein, I. P. S. (2018).Os pressupostos da educação pela pesquisa e o ensino de fungos: o relato de uma experiência didática. Revista Electrónica de Enseñanza de las Ciencias, 17(2), 476-490. Recuperado de http://reec.uvigo.es/volumenes/volumen17/REEC_17_2_10_ex1208.pdf.




DOI: http://dx.doi.org/10.22600/1518-8795.ienci2020v25n3p577

Licença Creative Commons
Este obra está licenciado com uma Licença Creative Commons Atribuição-NãoComercial 4.0 Internacional.

Revista Investigações em Ensino de Ciências (IENCI) - ISSN: 1518-8795 

Creative Commons License