O USO DO MODELO PADRÃO DE ARGUMENTAÇÃO DE STEPHEN TOULMIN NO ENSINO DE CIÊNCIAS NO ÂMBITO DA DISCIPLINA DE FÍSICA: ALGUNS RESULTADOS DE PESQUISA E REFLEXÕES A PARTIR DE DEBATES EM SALA DE AULA

Ricardo Rangel Guimarães, Neusa Teresinha Massoni

Resumo


Este artigo tem como objetivo principal apresentar resultados de análise sobre um módulo de ensino realizado em uma turma do primeiro ano do Ensino Médio de uma escola pública do RS, no âmbito de uma pesquisa mais abrangente de estudos de pós-doutoramento do primeiro autor. A pesquisa investiga a pertinência de tratar de temáticas científicas variadas utilizando como referencial teórico-metodológico o ensino por argumentação, particularmente a teoria da argumentação de Stephen Toulmin, delineada e desenvolvida no seu livro “Os Usos do Argumento”. O módulo aqui referido foi realizado na disciplina regular de Física, onde foram tratados temas interdisciplinares como missões e corridas espaciais, colonização planetária e questões socioambientais. A proposta foi a de apresentar conceitos básicos sobre estas temáticas, para, a partir de então, conduzir debates e diálogos orientados, sob a supervisão do pesquisador, com os estudantes, estimulando a capacidade argumentativa deles acerca destas questões, fazendo com que os mesmos apresentassem razões que justificassem suas argumentações. As aulas foram gravadas e foram produzidas anotações em um diário de campo, reunindo um conjunto de dados que, a partir da análise, permitiram investigar a natureza dos argumentos construídos em sala de aula pelos estudantes sob a perspectiva do padrão de argumentação de Toulmin. Fazemos também reflexões sobre a importância de tal método na educação científica para fomentar nos jovens características essenciais como o desenvolvimento de autonomia intelectual e de pensamento crítico sobre questões científicas.


Palavras-chave


ensino; argumentação; educação científica; autonomia intelectual; pensamento crítico

Texto completo:

PDF

Referências


Andrade, A.N., & Gonçalves, C.B. (2017). Do conhecimento científico à divulgação das ciências. In Anais VII Simpósio de Educação em Ciências na Amazônia/SECAM (p. 588). Recuperado de http://www.pos.uea.edu.br/data/area/evento/download/4-1.pdf

Billig, M. (1996). Arguing and Thinking: A Rhetorical Approach to Social Psychology. Cambridge, United States of America: Cambridge University Press.

Bernardo, J. R. da R. (2015.). Vieira, R. D., & Nascimento, S. S. Argumentação no Ensino de Ciências: tendências, práticas e metodologia de Análise (Curitiba, Appris, 2013). Resenha. Revista Ensaio, 17(1). http://dx.doi.org/10.1590/1983-211720175170113

Dourado, L. F. (2015). Diretrizes curriculares nacionais para a formação inicial e continuada dos profissionais do magistério da educação básica: concepções e desafios. Educação & Sociedade, 36(131), 299–324. https://dx.doi.org/10.1590/ES0101-73302015151909

Driver, R., & Newton, P., & Osborne, J. (2000). Establishing the Norms of Scientific Argumentation in Classrooms. Science Education, 84(3), 287-312. https://doi.org/10.1002/(SICI)1098-237X(200005)84:3<287::AID-SCE1>3.0.CO;2-A

European Union Council (2011). Council conclusions on the role of education and training in the implementation of the ‘‘Europe 2020’’ strategy. Recuperado de http://www.consilium.europa.eu/uedocs/cms_data/docs/pressdata/en/educ/119282.pdf

Geach, P. (2012). Razão e Argumentação. Penso.

Gomes, T. G., & Barboza, L. C. (2013). Uma proposta de júri simulado como estratégia lúdica para ensino de história da química no ensino médio: a teoria do flogístico. VII EPPEQ: Encontro Paulista de Pesquisa em Ensino de Química - Universidade Federal do ABC. Recuperado de http://eventos.ufabc.edu.br/eppeq2013/anais/resumos/91.pdf

Jímenez-Aleixandre, M. P., & Brocos, P. (2015). Desafios Metodológicos na Pesquisa da Argumentação em Ensino de Ciências. Revista Ensaio, Belo Horizonte, 17, 139-159. http://dx.doi.org/10.1590/1983-2117201517s08

Kuhn, D. (1993). Science as argument: implications for teaching and learning scientific thinking. Science Education, 77(3), 319- 337. http://doi.org/10.1002/sce.3730770306

Kuhn, D. (1991) The Skills of Argument. New York, United States of America: Cambridge University.

Kuhn, D., & Hemberger, L., & Khait, V. (2014) Argue with Me - Argument as a Path to Developing Students’ Thinking and Writing. Bronxville, United States of America: Wessex.

Lederman, N. G. (1992). Students’ and teachers’ conceptions of the nature of Science: a review of the research. Journal of Research in Science Teaching, 29(4), 331- 359. https://doi.org/10.1002/tea.3660290404

Leite, C., & Fernandes, P., & Figueiredo, C. (2018). Challenges of curricular contextualisation: teachers’ perspectives. Australian Educational Researcher, 45(4), 435–453. https://doi.org/10.1007/s13384-018-0271-1

Nascimento, S., & Vieira, R. (2008) Contribuições e limites do padrão de argumento de Toulmin aplicado em situações argumentativas de sala de aula de ciências. Revista Brasileira de Pesquisa em Educação em Ciências, 8(2), 1- 20. Recuperado de https://periodicos.ufmg.br/index.php/rbpec/article/view/4018/2582

Plantin, C. (2014) Lengua, argumentación y aprendizages escolares. TED, 36, 95-114. Recuperado de http://www.scielo.org.co/pdf/ted/n36/n36a07.pdf

Santos, W., & Mortimer, E., & Scott, P. (2001) A argumentação em discussões sócio-científicas: reflexões a partir de um estudo de caso. Revista Brasileira de Pesquisa em Educação em Ciências, I(1),140-152. Recuperado de https://periodicos.ufmg.br/index.php/rbpec/article/view/4191

Scarpa, D.L., & Sasseron, L.H., & Silva, M.B. (2017) O Ensino por Investigação e a Argumentação em Aulas de Ciências Naturais. Tópicos Educacionais, 23(1), 7-27. Recuperado de https://periodicos.ufpe.br/revistas/topicoseducacionais/article/view/230486/24551

Silva, B.V.C., & Martins, A.F.P. (2009) Júri simulado: um uso da história e filosofia da ciência no ensino da óptica. Física na Escola, 10(1), 17-20. Recuperado de http://www1.fisica.org.br/fne/phocadownload/Vol10-Num1/a031.pdf

Solomon, J. (1998) About argument and discussion. School Science Review, 80(291), 57- 62. Recuperado de https://eric.ed.gov/?id=EJ580559

Stumpf, A., & Oliveira, L. D. (2016) Júri Simulado: o uso da argumentação na discussão de questões sociocientíficas envolvendo radioatividade. Experiências em Ensino de Ciências, 11(2), 176-189. Recuperado de https://repositorio.pucrs.br/dspace/handle/10923/11961

Teixeira, E. C. (2002) O Papel das Políticas Públicas no Desenvolvimento Local e na Transformação da Realidade. In Políticas Públicas - O Papel das Políticas Públicas, 1-11. Recuperado de http://www.dhnet.org.br/dados/cursos/aatr2/a_pdf/03_aatr_pp_papel.pdf

Toulmin, S. (2001). Os usos do argumento. (Trad. R. Guarany). Martins Fontes.

UNESCO. (1990). World declaration on education for all and framework for action to meet the basic learning needs. Retrieved February 15, 2016. Recuperado de http://library.unesco-iicba.org/English/Girls%20Education/All%20Articles/Legal%20Instruments/EFA%20goals.pdf.

Vargas, G. C. (2010) Argumentação em sala de aula: um estudo sobre a aprendizagem na interação entre pares. (Dissertação de mestrado). Programa de Pós-Graduação em Psicologia Cognitiva, Universidade Federal de Pernambuco, Recife, PE. Recuperado de https://repositorio.ufpe.br/bitstream/123456789/8584/1/arquivo871_1.pdf

Vieira, R., & Nascimento, S. (2013) Argumentação no ensino de ciências: tendências, práticas e metodologia de análise. Curitiba, PR: Appris. Recuperado de https://www.redalyc.org/articulo.oa?id=129538266014




DOI: http://dx.doi.org/10.22600/1518-8795.ienci2020v25n3p487

Licença Creative Commons
Este obra está licenciado com uma Licença Creative Commons Atribuição-NãoComercial 4.0 Internacional.

Revista Investigações em Ensino de Ciências (IENCI) - ISSN: 1518-8795 

Creative Commons License