QUAL É O EFEITO DA DESIGUALDADE SOCIAL NO DESEMPENHO EM CIÊNCIAS DOS ESTUDANTES BRASILEIROS? UMA ANÁLISE DO EXAME NACIONAL DO ENSINO MÉDIO (2012-2019)

Paulo Lima Junior, Jailton Correia Fraga Junior

Resumo


Recentemente, o baixo desempenho dos estudantes brasileiros nas avaliações internacionais ganhou os noticiários, levantando a suspeita de que a qualidade da educação científica no país esteja em queda. Neste artigo, inspirados pela sociologia da educação de Pierre Bourdieu, nós investigamos o efeito da desigualdade social no desempenho dos estudantes brasileiros em Ciências da Natureza. Uma amostra representativa de todos os participantes do ENEM entre 2012 e 2019 (n = 489.167) foi submetida a uma análise de correspondência múltipla ajustada e inserida em um modelo linear multivariado. Como primeiro resultado, observamos que a origem social é capaz de explicar mais de 35% do desempenho em ciências dos estudantes. Logo, grande parte do sucesso escolar é devido ao privilégio de classe. Por outro lado, frequentar uma escola privilegiada é mais importante que nascer em uma família privilegiada, pois o efeito social da escola mostrou-se quase quatro vezes superior ao efeito social individual. Esses resultados trazem implicações importantes para pensarmos criticamente a educação científica em vista da ideologia do mérito e da distribuição desigual de recursos e oportunidades no sistema educacional.


Palavras-chave


Desigualdade social; Luta de classes; Bourdieu; ENEM; Ciências da Natureza

Texto completo:

PDF

Referências


Almeida, M. P. de, & Watanabe, G. (2019). As concepções de graduandos sobre o seu capital cultural: perspectivas e persistências históricas nos contextos educacionais. Revista Brasileira de Ensino de Ciência e Tecnologia, 12(3). https://doi.org/10.3895/rbect.v12n3.8538

Anderhag, P., Hamza, K. M., & Wickman, P.-O. (2015). What Can a Teacher Do to Support Students’ Interest in Science? A Study of the Constitution of Taste in a Science Classroom. Research in Science Education, 45(5), 749–784. https://doi.org/10.1007/s11165-014-9448-4

Archer, L., Dawson, E., DeWitt, J., Seakins, A., & Wong, B. (2015). “Science capital”: A conceptual, methodological, and empirical argument for extending bourdieusian notions of capital beyond the arts. Journal of Research in Science Teaching, 52(7), 922–948. https://doi.org/10.1002/tea.21227

Bourdieu, P. (1984). Distinction: a social critique of the judgement of taste. London, England: Routledge.

Bourdieu, P. (1990). The logic of practice. Stanford, United States of America: Stanford University Press.

Bourdieu, P. (2004). A produção da crença: contribuição para uma economia dos bens simbólicos. Porto Alegre, RS: Zouk.

Bourdieu, P. (2007). A Economia das Trocas Simbólicas (6a. ed.). São Paulo, SP: Perspectiva.

Bourdieu, P. (2013). Outline of a theory of practice. Cambridge, England: Cambridge University Press.

Bourdieu, P., & Passeron, J.-C. (2009). A reprodução: elementos para uma teoria do sistema de ensino (2a. ed.). Petrópolis, RJ: Vozes.

Claussen, S., & Osborne, J. (2013). Bourdieu’s notion of cultural capital and its implications for the science curriculum. Science Education, 97(1), 58–79. https://doi.org/10.1002/sce.21040

Evolucional. (2020). Consolidação das notas por escola do Enem 2019. Campinas, SP: Evolucional. https://enem2019.evolucional.com.br

Fahrmeir, L., Kneib, T., Lang, S., & Marx, B. (2013). Regression: models, methods and applications. Berlin, Germany: Springer.

Fernandes, J., Ueno Guimarães, M. H., Robert, A., & Passos, M. M. (2020). Estudo da evasão dos estudantes de Licenciatura e Bacharelado em Física: uma análise à luz da Teoria do Sistema de Ensino de Bourdieu. Caderno Brasileiro de Ensino de Física, 37(1), 105–126. https://doi.org/10.5007/2175-7941.2020v37n1p105

Fowler, B. (2020). Pierre Bourdieu on social transformation, with particular reference to political and symbolic revolutions. Theory and Society, 49(3), 439–463. https://doi.org/10.1007/s11186-019-09375-z

Garcia-Silva, S., & Lima Junior, P. (2020). A Educação Científica das Periferias Urbanas: Uma Revisão sobre o Ensino de Ciências em Contextos de Vulnerabilidade Social (1985–2018). Revista Brasileira de Pesquisa Em Educação Em Ciências, 221–243. https://doi.org/10.28976/1984-2686rbpec2020u221243

Gatti, B. A. (2004). Estudos quantitativos em educação. Educação e Pesquisa, 30(1), 11–30. https://doi.org/10.1590/S1517-97022004000100002

Genovese, L. G. R., Queiroz, J. R. de O., & Castilho, D. D. (2015). Incorporação do habitus de homo magister no interior do estágio colaborativo em Física: um olhar sobre a relação entre professor supervisor e estagiário. Ensino Em Re-Vista, 22(2), 311–332. https://doi.org/10.14393/ER-v22n2a2015-5

Greenacre, M. (2007). Correspondence analysis in practice. New York, United States of America: Chapman & Hall.

Heidemann, L. A., Araujo, I. S., & Veit, E. A. (2016). Modelagem Didático-científica: integrando atividades experimentais e o pro-cesso de modelagem científica no ensino de Física. Caderno Brasileiro de Ensino de Física, 33(1), 3. https://doi.org/10.5007/2175-7941.2016v33n1p3

Kleinke, M. U. (2017). Influência do status socioeconômico no desempenho dos estudantes nos itens de física do Enem 2012. Revista Brasileira de Ensino de Fisica, 39(2), e2402. https://doi.org/10.1590/1806-9126-RBEF-2016-0081

Klüger, E. (2018). Análise de correspondências múltiplas: fundamentos, elaboração e interpretação. Revista Brasileira de Informação Bibliográfica Em Ciências Sociais, 86(2), 68–97. https://doi.org/10.17666/bib8604/2018

Lahire, B. (1997). Sucesso escolar em meios populares: as razões do improvável. São Paulo, SP: Ática.

Lemke, J. L. L. (2001). Articulating communities: Sociocultural perspectives on science education. Journal of Research in Science Teaching, 38(3), 296–316. https://doi.org/10.1002/1098-2736(200103)38:3<296::AID-TEA1007>3.0.CO;2-R

Lima Junior, P., Andrade, V. C. de, Fraga Junior, J. C., Silva, J. A. e, Goulart, F. M., & Araújo, I. M. (2020). Excelência, evasão e experiências de integração dos estudantes de graduação em Física. Ensaio Pesquisa em Educação em Ciências (Belo Horizonte), 22, e12165. https://dx.doi.org/10.1590/21172020210140

Lima Junior, P., Fraga Junior, J. C., Andrade, V. C. de, & Bernardino, P. R. P. (2020). A Integração dos Estudantes de Periferia no Curso de Física: razões institucionais da evasão segundo a origem social. Ciência & Educação (Bauru), 26, e20030. https://dx.doi.org/10.1590/1516-731320200030

Lima Junior, P., Ostermann, F., & Rezende, F. (2018). Razões para desistir: análise sociológica da evasão no curso de Física. Curitiba, PR: Appris Editora.

Lima Junior, P. (2015). Crítica sociológica do Exame Nacional do Ensino Médio: uma análise bourdiana. Atas Do X Encontro Nacional de Pesquisa Em Educação Em Ciências, 1–8. Águas de Lindóia: ABRAPEC. Recuperado de http://www.abrapecnet.org.br/enpec/x-enpec/anais2015/resumos/R1971-1.PDF

Lima Junior, P., Ostermann, F., & Rezende, F. (2013). Análise dos condicionantes sociais do sucesso acadêmico em cursos de graduação em física à luz da sociologia de Bourdieu. Ensaio Pesquisa Em Educação Em Ciências, 15(1), 113–129. https://dx.doi.org/10.1590/1983-21172013150108

Lima Junior, P., Pinheiro, N., & Ostermann, F. (2012). Bourdieu en la educación científica: consecuencias para la enseñanza y la investigación. Didáctica de Las Ciencias Experimentales y Sociales, 160(26), 145–160. https://doi.org/10.7203/dces.26.1925

Massi, L., Muzzeti, L. R., & Suficier, D. M. (2017). A pesquisa sobre trajetórias escolares no Brasil. Revista Ibero-Americana de Estudos Em Educação, 12(3), 1854–1873. https://doi.org/10.21723/riaee.v12.n.3.2017.10364

Massi, L., & Villani, A. (2015). Um caso de contratendência: baixa evasão na licenciatura em química explicada pelas disposições e integrações. Educação e Pesquisa, 41(4), 975–992. https://doi.org/10.1590/s1517-9702201512135667

Mello, A. C. R. de, & Higa, I. (2018). Busca por capitais no campo da escola e sua relação com o desenvolvimento profissional docente de professores supervisores de estágio de Ciências e Biologia. Ciência & Educação (Bauru), 24(2), 301–317. https://doi.org/10.1590/1516-731320180020004

Moreno, A. C., & Oliveira, E. (2019). Brasil cai em ranking mundial de educação em matemática e Ciências; e fica estagnado em leitura. G1. Recuperado de https://g1.globo.com/educacao/noticia/2019/12/03/brasil-cai-em-ranking-mundial-de-educacao-em-matematica-e-ciencias-e-fica-estagnado-em-leitura.ghtml

Nascimento, M. M., Cavalcanti, C., & Ostermann, F. (2018). Uma busca por questões de Física do ENEM potencialmente não reprodutoras das desigualdades socioeconômicas. Revista Brasileira de Ensino de Física, 40(3). https://doi.org/10.1590/1806-9126-rbef-2017-0237

Nogueira, C. M. M., & Nogueira, M. A. (2009). Bourdieu e a Educação. Belo Horizonte, MG: Autêntica.

OECD. (2010). PISA 2009 Results: Overcoming Social Background. Paris, France: OECD. https://doi.org/10.1787/9789264091504-en

Salej, S. (2005). Quarenta anos do Relatório Coleman : capital social e educação. Educação Unisinos, 9(2), 116–129. Recuperado de http://revistas.unisinos.br/index.php/educacao/article/view/6310

Silva, F. P., & Pereira, A. P. de. (2019). Uma revisão sobre fracasso escolar no ensino de Ciências A review on school failure in science education. Atas Do XII Encontro Nacional de Pesquisa Em Educação Em Ciências, 1–7. Natal: ABRAPEC. Recuperado de http://abrapecnet.org.br/enpec/xii-enpec/anais/resumos/1/R1393-1.pdf

Silva, T. T. da. (2014). Documentos de Identidade. Belo Horizonte, MG: Autêntica.

Silveira, F. L. da. (1999). Um exemplo de análise multivariada aplicada à pesquisa quantitativa em ensino de Ciências: explicando o desempenho dos candidatos ao concurso vestibular de 1999 da Universidade Federal do Rio Grande do Sul. Investigações Em Ensino de Ciências, 4(2), 161–180. Recuperado de https://www.if.ufrgs.br/cref/ojs/index.php/ienci/article/view/607

Watanabe, G., & Gurgel, I. (2017). As Marcas Sociais Deixadas Pelas Escolas Em Nossos Professores De Ciências: a Questão Da Violência Simbólica. Revista Contexto & Educação, 31(99), 116. https://doi.org/10.21527/2179-1309.2016.99.116-148




DOI: http://dx.doi.org/10.22600/1518-8795.ienci2021v26n1p110

Licença Creative Commons
Este obra está licenciado com uma Licença Creative Commons Atribuição-NãoComercial 4.0 Internacional.

Revista Investigações em Ensino de Ciências (IENCI) - ISSN: 1518-8795 

Creative Commons License