ANÁLISE PSICOMÉTRICA DAS ESTRATÉGIAS DE ESTUDO E APRENDIZAGEM EM IMUNOLOGIA

Jean Carlos Souza Silva, Dayseanne Araujo Falcão, Iron Macêdo Dantas

Resumo


A falta de estratégias de aprendizagem e estudo é um dos motivos mais importantes de frustração e fracasso escolar do aluno, portanto, as estratégias de aprendizagem e estudo assemelham-se a uma ferramenta aplicada na resolução de problemas acadêmicos, auxiliando o aluno a desenvolver as competências exigidas em seu curso acadêmico. Identificar e potencializar essas estratégias ajuda o sujeito a ter sucesso na educação universitária dependendo de suas próprias capacidades, descobrindo-as e fortalecendo-as. Pensando nesta meta, estabeleceu-se um processo investigativo acerca das estratégias de estudo e aprendizagem dos alunos matriculados na disciplina de Imunologia, tendo em vista os desafios enfrentados pelos docentes de disciplinas na área biomédica. O método de escolha para o levantamento foi a aplicação para os alunos da versão validada para o Brasil do Learning and Study Strategies Inventory – LASSI que possibilita o levantamento de dados estatísticos quantitativos, e consequentemente, o grau e perfil de uso das estratégias de aprendizagem dos discentes selecionados. Foram avaliadas as categorias: processamento da informação, ansiedade, organização de tempo, concentração, atitude, preocupação ao estudar, seleção das ideias principais, auxiliares de estudos, motivação e internet como fonte de estudo. Analisou-se as categorias de formas independentes entre si e em comparação com diferentes subgrupos de alunos, tais como: gênero, execução de atividade remunerada, modalidade de curso e instituição de formação no ensino médio. A pesquisa de caráter exploratório oportunizou o levantamento de dados acerca de um contexto ainda não investigado na área de Ensino de Imunologia. Com este levantamento, foi possível apresentar um panorama do uso de estratégias de estudo e aprendizagem pelos alunos matriculados na disciplina de Imunologia no ano letivo de 2017. Os resultados permitiram a identificação de áreas em que os estudantes apresentam contratempos, dificuldades, perturbações e disfunções na disciplina analisada, tais como: reduzido uso da biblioteca como ferramenta de auxílio nos estudos, dificuldades de organização e administração de tempo, alto grau de ansiedade e tensão. Como resultado da comparação das estratégias utilizadas por diferentes grupos, identificou-se que alunos da modalidade bacharelado são mais hábeis em selecionar as ideias principais e mais motivados; que discentes exercendo atividade remunerada apresentam maior atitude em relação aos estudos. Desse modo, a investigação permitiu a análise dos diversos fatores que podem contribuir com déficits no processo de aprendizagem dos alunos e o direcionamento de possíveis estratégias a serem utilizadas em projetos de intervenção voltados para a facilitação da aprendizagem e construção do conhecimento significativo.


Palavras-chave


Ensino de Imunologia; Inventário de Estratégias de Estudo e Aprendizagem; LASSI; Psicometria

Texto completo:

PDF

Referências


Abbas, A. K., Lichtman, A. H., & Pillai, S. (2015). Imunologia Celular e Molecular (8th ed.). Philadelphia, United States of America: Elsevier, Saunders. Recuperado de https://www.elsevier.com/books/cellular-and-molecular-immunology/abbas/978-0-323-22275-4

Agar, D. L., & Knopfmacher, N. (1995). The learning and study strategies inventory: A South African application. Higher Education, 30(1), 115–126. https://doi.org/10.1007/BF01384056

Alkhateeb, H. M., & Nasser, R. (2014). Assessment of learning and study strategies of university students in Qatar using an Arabic translation of the learning and study strategies inventory. Psychological Reports, 114(3), 947–965. https://doi.org/10.2466/11.03.PR0.114k26w3

Avelar, A. C. (2015). a Motivação Do Aluno No Contexto Escolar. Anuário De Produções Acadêmico-Científicas Dos Discentes Da Faculdade Araguaia, 3, 71–90. Recuperado de http://www.faculdadearaguaia.edu.br/sipe/index.php/anuario/article/viewFile/271/244

Bardhoshi, G., Duncan, K., & Erford, B. T. (2016). Psychometric Meta-Analysis of the English Version of the Beck Anxiety Inventory. Journal of Counseling & Development, 94(3), 356–373. https://doi.org/10.1002/jcad.12090

Barral, A. M. P., & Barral Netto, M. (2007). Uma breve perspectiva da imunologia no Brasil e na Bahia. Gazeta Médica Da Bahia, 77(2), 241–244.

Barros, A. L. B. L. de, Humerez, D. C. de, Fakih, F. T., & Michel, J. L. M. (2003). Situações geradoras de ansiedade e estratégias para seu controle entre enfermeiras: estudo preliminar. Revista Latino-Americana de Enfermagem, 11(5), 585–592. https://doi.org/10.1590/S0104-11692003000500004

Bartalo, L. (2006). Mensuração de estratégias de estudo e aprendizagem de alunos universitários: learning and study strategies inventory (lassi) adaptação e validação para o Brasil. Universidade Estadual Paulista, São Paulo, SP. Recuperado de http://hdl.handle.net/11449/102215

Bartalo, L., & Guimarães, S. E. R. (2008). Estratégias de estudo e aprendizagem de alunos universitários: um estudo exploratório. Informação & Informação, 13(2), 1. https://doi.org/10.5433/1981-8920.2008v13n2p1

Bernardo, I. C. (2010). Investigação do nível de ansiedade e sintomas de depressão entre alunos de graduação em Odontologia. Piracicaba, SP.

Boruchovitch, E., Góes, N. M., Felicori, C. M., & Acee, T. W. (2019). Tradução e adaptação do learning and study strategies inventory - lassi 3a edição para uso no Brasil: considerações metodológicas. Educação em Análise, 4(1), 7. https://doi.org/10.5433/1984-7939.2019v4n1p7

Cano, F. (2006). An In-Depth Analysis of Strategies Inventory ( LASSI ). Educational and Psychological Measurement, 66(6), 1023–1038.

Demo, P. (2007). Escola pública e escola particular: semelhanças de dois imbróglios educacionais. Ensaio: Avaliação e Políticas Públicas Em Educação, 15(55), 181–206. https://doi.org/10.1590/S0104-40362007000200002

Dill, A. L., Justice, C. A., Minchew, S. S., Moran, L. M., Wang, C., & Weed, C. B. (2014a). The Use of the LASSI (The Learning and Study Strategies Inventory) to Predict and Evaluate the Study Habits and Academic Performance of Students in a Learning Assistance Program. Journal of College Reading and Learning, 45(1), 20–34. https://doi.org/10.1080/10790195.2014.906263

Echeveste, S., Bayer, A., Silva, S. L. C. da, & Grilo, B. (2011). Um Estudo Sobre a Mensuração das Estratégias de Aprendizagem em Estatística utilizando o Instrumento Lassi (Learning And Study Strategies Inventory) Adaptado para o Brasil. Anais Do Seminário Estadual de Pesquisa, 1, 51–63.

Figueira, A. P. C. (1994). Inventário de estratégias de estudo e de aprendizagem - Learning and Study Strategies Inventory - LASSI (Weinstein e Palmer, 1990) - Estudos de validação e adaptação. Psychologica, 12, 79–114.

Figueira, Ana Paula Couceiro, & Costa, R. (2017). Estratégias de estudo e aprendizagem e resolução de problemas: ensino regular vs. ensino vocacional. Revista Educação Em Questão, 55(43), 41. https://doi.org/10.21680/1981-1802.2017v55n43ID11804

Flowers, L. A., Bridges, B. K., & Moore, J. L. (2012). Concurrent validity of the learning and study strategies inventory (LASSI): A study of African American precollege students. Journal of Black Studies, 43(2), 146–160. https://doi.org/10.1177/0021934711410881

Formiga, N. S., & Mello, I. (2000). Testes psicológicos e técnicas projetivas: uma integração para um desenvolvimento da interação interpretativa indivíduo-psicólogo. Psicologia: Ciência e Profissão, 20(2), 12–19. https://doi.org/10.1590/S1414-98932000000200004

Gordon, W. (1994). An Analysis of the Measurement of Study-Strategy. Mid-Western Educational Research Asociation.

Haghani, F., & Sadeghizadeh, A. (2011). Intervention in the learning process of second year medical students. Journal of Research in Medical Sciences : The Official Journal of Isfahan University of Medical Sciences, 16(3), 346–352. Recuperado de http://www.ncbi.nlm.nih.gov/pubmed/22091256

Hall, J. E., & Guyton, A. C. (2017). Tratado de Fisiologia Médica (13th ed.). Elsevier.

Haught, P. A., Hill, L. A., Walls, R. T., & Nardi, A. H. (n.d.). Improved Learning and Study Strategies Inventory (LASSI) and Academic Performance: The Impact of Feedback on Freshmen.

Lima, E. dos S. (2010). A "qualidade" da educação do Brasil: Escola pública x escola particular. Retrieved from https://www.webartigos.com/artigos/a-qualidade-da-educacao-do-brasil-escola-publica-x-escola-particular/34891/

MacCann, C., Fogarty, G. J., & Roberts, R. D. (2012). Strategies for success in education: Time management is more important for part-time than full-time community college students. Learning and Individual Differences, 22(5), 618–623. https://doi.org/10.1016/j.lindif.2011.09.015

Mayer, R. E. (1988). Learning strategies: An overview. In C. E. Weinstein, E. T. Goetz, & P. A. Alexander (Eds.), Learning and Study Strategies (pp. 11–22). San Diego: Academic Press. https://doi.org/10.1016/B978-0-12-742460-6.50008-6

McCombs, B. L. (1988). 9 - Motivational Skills Training: Combining Metacognitive, Cognitive, and Affective Learning Strategies. In C. E. Weinstein, E. T. Goetz, & P. A. Alexander (Eds.), Learning and Study Strategies (pp. 141–169). San Diego, United States of America: Academic Press. https://doi.org/10.1016/B978-0-12-742460-6.50015-3

McKeachie, W. J. (1988). 1 - THE NEED FOR STUDY STRATEGY TRAINING. In C. E. Weinstein, E. T. Goetz, & P. A. Alexander (Eds.), Learning and Study Strategies (pp. 3–9). San Diego, United States of America: Academic Press. https://doi.org/10.1016/B978-0-12-742460-6.50007-4

Melancon, J. G. (2002). Reliability, structure, and correlates of learning and study strategies inventory scores. Educational and Psychological Measurement, 62(6), 1020–1027. https://doi.org/10.1177/0013164402238088

Olaussen, B. S., & Bråten, I. (1998). Identifying latent variables measured by the learning and study strategies inventory (lassi) in norwegian college students. Journal of Experimental Education, 67(1), 82–96. https://doi.org/10.1080/00220979809598346

Oliveira, C. T. de, Carlotto, R. C., Teixeira, M. A. P., & Dias, A. C. G. (2016). Oficinas de Gestão do Tempo com Estudantes Universitários. Psicologia: Ciência e Profissão, 36(1), 224–233. https://doi.org/10.1590/1982-3703001482014

Palmer, D. J., & Goetz, E. T. (1988). 4 - SELECTION AND USE OF STUDY STRATEGIES: THE ROLE OF THE STUDIER’S BELIEFS ABOUT SELF AND STRATEGIES. In C. E. Weinstein, E. T. Goetz, & P. A. Alexander (Eds.), Learning and Study Strategies (pp. 41–61). San Diego, United States of America: Academic Press. https://doi.org/10.1016/B978-0-12-742460-6.50010-4

Pimentel da Silva, G., Xavier da Silva Guedes, J., Alves Ramos, R., de Fatima Possobon, R., CASATI LODI, J., & Beatriz Lisa Pace, A. (2017, October 21). Investigação dos níveis de ansiedade, estresse e sintomas de depressão e sua associação com locus de controle e senso de coerência entre alunos de graduação em Odontologia. https://doi.org/10.19146/pibic-2017-77805

Prevatt, F., Petscher, Y., Proctor, B. E., Hurst, A., & Adams, K. (2006). The revised learning and study strategies inventory: An evaluation of competing models. Educational and Psychological Measurement, Vol. 66, pp. 448–458. SAGE Publications Inc. https://doi.org/10.1177/0013164405282454

Reis, M. A. B. M. N., & Horta, M. P. (2015). O papel das emoções na relação confiança-exatidão do testemunho. Psicologia USP, 26(2), 231–239. https://doi.org/10.1590/0103-656420140003

Rosário, P., Nunes, T., Magalhães, C., Rodrigues, A., Pinto, R., & Ferreira, P. (2010). Processos de auto-regulação da aprendizagem em alunos com insucesso no 1.o ano de Universidade. Psicologia Escolar e Educacional, 14(2), 349–358. https://doi.org/10.1590/S1413-85572010000200017

Sarriera, J. C., Paradiso, Â. C., Schütz, F. F., & Howes, G. P. (2012). Estudo comparativo da integração ao contexto universitário entre estudantes de diferentes instituições. Revista Brasileira de Orientação Profissional, 13(2), 163–172.

Schmeck, R. R. (1988). 10 - INDIVIDUAL DIFFERENCES AND LEARNING STRATEGIES. In C. E. Weinstein, E. T. Goetz, & P. A. Alexander (Eds.), Learning and Study Strategies (pp. 171–191). San Diego, United States of America: Academic Press. https://doi.org/10.1016/B978-0-12-742460-6.50016-5

Schutz, C. M., Gallagher, M. L., & Tepe, R. E. (2011). Differences in Learning and Study Strategies Inventory Scores Between Chiropractic Students With Lower and Higher Grade Point Averages*. Journal of Chiropractic Education, 25(1), 5–10. https://doi.org/10.7899/1042-5055-25.1.5

Silva, C. A. M. G., Tavares, M. E. B., Silva, S. M. da S., & Silva, J. L. C. (2012). Um estudo sobre a importância da educação de usuários como serviço em bibliotecas universitárias: O caso da biblioteca da UFC – Campus Cariri em Juazeiro do Norte - CE. Múltiplos Olhares Da Ciência Da Informação, 3(2), 1–15.

Simpson, M. L., Hynd, C. R., Nist, S. L., & Burrell, K. I. (1997). College Academic Assistance Programs and Practices. Educational Psychology Review, 9(1), 39–87. https://doi.org/10.1023/A:1024733706115

Siqueira-Batista, R., Gomes, A. P., Albuquerque, V. S., Madalon-Fraga, R., Aleksandrowicz, A. M. C., & Geller, M. (2009). Ensino de imunologia na educação médica: lições de Akira Kurosawa. Revista Brasileira de Educação Médica, 33(2), 186–190. https://doi.org/10.1590/S0100-55022009000200004

Torres, E. M. dos S., Gomes, F., Delou, C. M. C., Castro, H. C., Alves, L. A., Marian, R. M., & Silva, B. C. da. (2014). Material didático para o ensino de imunologia a indivíduos com necessidades educacionais especiais na perspectiva da surdez. Revista Aleph, 10(21), 55–67. Recuperado de https://www.arca.fiocruz.br/handle/icict/10265

Turnbough, R., & Christenberry, N. (1997). Study Skills Measurement: Choosing the Most Appropriate Instrument. Annual Meting of Mid-South Educational Research Asociation. Recuperado de http://www.eric.ed.gov/ERICWebPortal/recordDetail?accno=ED416207

Victoria, M. S., Bravo, A., Felix, A. K., Neves, B. G., Rodrigues, C. B., Ribeiro, C. C. P., … Saltoris, W. P. (2013). Níveis de Ansiedade e depressão em graduandos da Universidade do Estado do Rio de Janeiro (Uerj). Encontro: Revista de Psicologia, 16(25), 163–175. Recuperado de http://www.pgsskroton.com.br/seer/index.php/renc/article/viewFile/2447/2345

Vinha, T. P. (2009). A motivação do aluno. ETD - Educação Temática Digital, 10, 347. https://doi.org/10.20396/etd.v10in.esp..949

Walker, J. R. (2002). Introdução à Hospitalidade (2nd ed.). Manole Ltda.

Weinstein, C. E. (1987). LASSI user’s manual. H & H Publishing.

Weinstein, C. E., Goetz, E. T., & Alexander, P. A. (Eds.). (1988). EDUCATIONAL PSYCHOLOGY. In Learning and Study Strategies (p. ii). San Diego: Academic Press. https://doi.org/10.1016/B978-0-12-742460-6.50001-3

Weinstein, C. E., & Palmer, D. R. (2002). User’s manual for those administering the Learning and Study Strategies Inventory. Clearwater, FL: H&H Publishing.

Weinstein, C. E., Zimmermann, S. A., & Palmer, D. R. (1988). Assessing learning strategies: The design and development of the LASSI. In Educational Psychology. Learning and study strategies: Issues in assessment, instruction, and evaluation. (pp. 25–40). San Diego, United States of America: Academic Press.

Willson, V. L. (1988). 14 - EVALUATION OF LEARNING STRATEGIES RESEARCH METHODS AND TECHNIQUES. In C. E. Weinstein, E. T. Goetz, & P. A. Alexander (Eds.), Learning and Study Strategies (pp. 263–274). San Diego, United States of America: Academic Press. https://doi.org/10.1016/B978-0-12-742460-6.50020-7

Winograd, P., & Hare, V. C. (1988). Direct instruction of reading compreehension strategies: The nature of teacher expanation. In C. E. Weinstein, E. T. Goetz, & P. A. Alexander (Eds.), Learning and Study Strategies (pp. 121–139). San Diego, United States of America: Academic Press. https://doi.org/10.1016/B978-0-12-742460-6.50014-1

Wittrock, M. C. (1988). A constructive review of research on learning strategies. In C. E. Weinstein, E. T. Goetz, & P. A. Alexander (Eds.), Learning and Study Strategies (pp. 287–297). San Diego, United States of America: Academic Press. https://doi.org/10.1016/B978-0-12-742460-6.50022-0




DOI: http://dx.doi.org/10.22600/1518-8795.ienci2021v26n1p85

Licença Creative Commons
Este obra está licenciado com uma Licença Creative Commons Atribuição-NãoComercial 4.0 Internacional.

Revista Investigações em Ensino de Ciências (IENCI) - ISSN: 1518-8795 

Creative Commons License