INVESTIGANDO PROCESSOS DE RETOMADA DE CONHECIMENTOS DE FÍSICA POR INTERMÉDIO DO JOGO PERFÍSICA

Maria Eduarda Silva da Gama Afonso, Marta Maximo-Pereira

Resumo


O interesse pela questão do lúdico na sala de aula e em espaços não formais de educação parece cada vez mais crescente no Ensino de Ciências. Alinhado a essa tendência, o objetivo deste trabalho é investigar como ocorre a retomada de conhecimentos de Física durante a aplicação de um jogo previamente elaborado, denominado PerFísica. Ele consiste em um tabuleiro e em um conjunto de cartas, que apresentam, cada uma, algum conhecimento de Física e 12 dicas sobre ele. Os grupos de alunos devem tentar adivinhar o conhecimento de Física presente na carta por meio das dicas lidas pelo professor mediador do jogo. A elaboração do PerFísica e a análise dos dados da pesquisa têm como base a perspectiva histórico-cultural. Elementos mediadores já existentes na literatura foram usados como categorias de análise das retomadas de conhecimento científico escolar identificadas. O PerFísica foi aplicado em uma turma de Ensino Médio Integrado ao Ensino Técnico de uma instituição federal de ensino. Foram analisadas as gravações em áudio das conversas entre os grupos e a professora mediadora do jogo. Foram identificados diversos elementos mediadores utilizados pelos grupos ao tentarem adivinhar o conhecimento presente na carta: interação aluno-aluno, interação professor-aluno, nomes dos assuntos estudados, leis físicas, livro didático. Também foi observado um elemento mediador ainda não mapeado pela literatura: a interação aluno-jogo, que se refere ao uso dos conteúdos científicos das cartas do PerFísica para a retomada de assuntos já estudados e para a identificação do conhecimento presente na carta. Espera-se que o presente artigo contribua para a reflexão e o diálogo acadêmico sobre o papel do lúdico no Ensino de Ciências com base na análise de uma experiencia concreta de utilização de um jogo em contexto escolar.


Palavras-chave


Ludicidade; Jogo; Perspectiva histórico-cultural; Ensino de Física

Texto completo:

PDF

Referências


Bakhurst, D. (2002). A memória social no pensamento soviético. In H. Daniels (Org.), Uma introdução a Vygotsky (229-254). São Paulo, SP: Loyola.

Carvalho, A. O., Adão, C. M. S., Lopes, C. G., Dias, J. S., Silva, K. S., Gonçalves, M. M. G., Roque, M. L., Nascimento, N. S., Chagas, P. H. F., Nascimento, R. G. C., & Maximo-Pereira, M. (2014). MÁFIA: jogos didáticos para a aprendizagem de Física. In EXPOTEC-2014 (Semana de Extensão do CEFET/RJ - UnED Nova Iguaçu). Rio de Janeiro, RJ. Recuperada de http://www.cefet-rj.br/attachments/article/2417/Livro%20Semana%20de%20Extens%C3%A3o%202014.pdf

Cunha, M. B. (2012). Jogos no Ensino de Química: Considerações Teóricas para sua Utilização em Sala de Aula. Química Nova na Escola, 34(2), 92-98. Recuperada de http://qnesc.sbq.org.br/online/qnesc34_2/07-PE-53-11.pdf?agreq=Jogos%20no%20Ensino%20de%20Qu%C3%ADmica:%20Considera%C3%A7%C3%B5es%20Te%C3%B3ricas%20para%20sua%20Utiliza%C3%A7%C3%A3o%20em%20Sala%20de%20Aula&agrep=jbcs,qn,qnesc,qnint,rvq

Daniels, H. (2003). Vygotsky e a pedagogia. São Paulo, SP: Edições Loyola.

Fonseca, C. V., & Cardoso, K. A. (2017). Jogos didáticos e pesquisa em ensino de Ciências da Natureza: Estudo documental em edições do ENPEC (2007-2015). In XI Encontro Nacional de Pesquisa em Educação em Ciências. Florianópolis, SC. Recuperada de http://www.abrapecnet.org.br/enpec/xi-enpec/anais/resumos/R1889-1.pdf

Gehlen, S. T., & Delizoicov, D. (2012). A dimensão epistemológica da noção de problema na obra de Vigotski: implicações no ensino de ciências. Investigações em Ensino de Ciências. 17(1), 59-79.

Recuperada de https://www.if.ufrgs.br/cref/ojs/index.php/ienci/article/download/207/141

Kishimoto, T. M. (1996). O jogo e a educação infantil. In T. M. Kishimoto. Jogo, brinquedo, brincadeira e a educação. São Paulo, SP: Cortez.

Leite, H. A., & Tuleski, S. C. (2011). Psicologia Histórico-Cultural e desenvolvimento da atenção voluntária: novo entendimento para o TDAH. Psicologia Escolar e Educacional, 15(1), 111-119. Recuperada de https://www.scielo.br/pdf/pee/v15n1/12.pdf

Maximo-Pereira, M., & Abib, M. L. V. S. (2017). Elementos mediadores para a retomada de conhecimento científico escolar. In XI Encontro Nacional de Pesquisa em Educação em Ciências. Florianópolis, SC. Recuperada de http://www.abrapecnet.org.br/enpec/xi-enpec/anais/resumos/R0562-1.pdf

Mendonça, T. A. F., & Maximo-Pereira, M. (2018). Jogos no ensino: pesquisa documental nos anais do Encontro Nacional de Ensino de Biologia (ENEBIO) (2005-2016) no Brasil. Latin American Journal of Science Education, 5, 1-8. Recuperada de http://www.lajse.org/may18/2018_12002.pdf

Messeder Neto, H. S. (2016). O Lúdico no Ensino de Química na Perspectiva Histórico-Cultural: além do espetáculo, além da aparência. Curitiba, PR: Prismas.

Messeder Neto, H. S. (2019). O jogo é a Excalibur para o ensino de ciências?: apontamentos para pensar o lúdico no ensino de conceitos e na formação de professores. ACTIO (Curitiba), 4(3), 77-91. Recuperada em https://periodicos.utfpr.edu.br/actio/article/download/9764/6941

Messeder Neto, H. S., & Moradillo, E. F. (2016). O Lúdico no Ensino de Química: Considerações a partir da Psicologia Histórico-Cultural. Química Nova na Escola, 38(4), 360-368. Recuperada em http://qnesc.sbq.org.br/online/qnesc38_4/11-EQF-33-15.pdf

Moreira, H., & Caleffe, L. G. (2008). Metodologia da pesquisa para o professor pesquisador. Rio de Janeiro: Lamparina.

Rezende, F. A. M., & Soares, M. H. F. B. (2019). Jogos no ensino de química: um estudo sobre a presença/ausência de teorias de ensino e aprendizagem na perspectiva do V Epistemológico de Gowin. Investigações em Ensino de Ciências. 24(1), 103-121. http://dx.doi.org/10.22600/1518-8795.ienci2019v24n1p103

Santos, G. S., & Alves-Oliveira, M. F. (2018). Jogo como recurso didático para o ensino de nutrição: na trilha dos nutrientes. Revista Eletrônica Ensino, Saúde e Ambiente, 11, 1-27. https://doi.org/10.22409/resa2018.v11i3.a21508

Silva, J. D. S., Monteiro, N. S., Germano, A. P. P., Pereira, A. J. S., & Catunda Vasconcelos, F. C. G. (2019). Jogada química: construção do conhecimento científico a partir de situações do cotidiano à luz da teoria da atividade. Experiências em Ensino de Ciências, 14, 593-610. Recuperada de https://if.ufmt.br/eenci/artigos/Artigo_ID632/v14_n2_a2019.pdf

Smolka, A. L. B. (2000). O (im)próprio e o (im)pertinente na apropriação das práticas sociais. Cadernos CEDES, 20(50), 26-40.

Soares, M. H. F. B. (2004). O Lúdico em Química: Jogos e atividades aplicados ao ensino de química. (Tese de Doutorado). Programa de Pós-Graduação em Química, Universidade Federal de São Carlos, São Carlos, SP. Recuperada de https://repositorio.ufscar.br/bitstream/handle/ufscar/6215/4088.pdf

Soares, M. H. F. B. (2008). Jogos e Atividades Lúdicas no Ensino de Química: teoria, métodos e aplicações. In Atas do XIV Encontro Nacional de Ensino de Química (p. 1-12), Curitiba, PR. Recuperada de http://www.quimica.ufpr.br/eduquim/eneq2008/resumos/R0309-1.pdf

Vigotski, L. S. (2007). A Formação Social da Mente. São Paulo, SP: WMF Martins Fontes.

Vigotski, L. S. (2009). A construção do pensamento e da linguagem. São Paulo, SP: WMF Martins Fontes.




DOI: http://dx.doi.org/10.22600/1518-8795.ienci2020v25n3p323

Licença Creative Commons
Este obra está licenciado com uma Licença Creative Commons Atribuição-NãoComercial 4.0 Internacional.

Revista Investigações em Ensino de Ciências (IENCI) - ISSN: 1518-8795 

Creative Commons License