DESENVOLVIMENTO DE UM EXERCÍCIO DE IMAGINAÇÃO PEDAGÓGICA A PARTIR DE UMA PROPOSTA METODOLÓGICA INTERDISCIPLINAR

Robson Kleemann, Vitor José Petry

Resumo


Estabelecer relações interdisciplinares no processo de ensino-aprendizagem é de fundamental importância na perspectiva de trabalhar conceitos de diferentes disciplinas, a partir de uma situação-problema. Assim, para o presente trabalho foi desenvolvida uma proposta metodológica de ensino, visando um trabalho interdisciplinar na abordagem de conceitos de Matemática e Física, e, a partir dessa, desencadeou-se um exercício de imaginação pedagógica. Este exercício teve como objetivo identificar possibilidades e potencialidades em relação a conteúdos e conceitos a serem explorados na resolução do problema descrito na proposta e contou com a participação de professores das duas disciplinas envolvidas e que atuam no Ensino Médio. Objetos virtuais de Aprendizagem (OVA) interativos foram desenvolvidos, usando o software GeoGebra, com o intuito de proporcionar visualização geométrica e algébrica de propriedades relacionadas à situação-problema proposta. Os dados coletados durante a pesquisa foram submetidos a uma análise do discurso em que, evidenciaram-se novas possibilidades de conteúdos e conceitos a serem trabalhados a partir da aplicação da proposta. Os resultados indicam que a utilização de situações-problema com relações interdisciplinares e de OVA são características favoráveis à obtenção de resultados satisfatórios na prática docente, sendo que o exercício de imaginação pedagógica com os professores trouxe contribuições para sua formação continuada, e para sua interação com os recursos tecnológicos disponíveis, numa perspectiva de que sejam usados em suas aulas.

Palavras-chave


Relações interdisciplinares; Imaginação pedagógica; Proposta metodológica; Objetos virtuais de aprendizagem

Texto completo:

PDF

Referências


Alves, I. K., Velho, A. R. T., & Berwaldt, R. (2016). Repensando a forma de ensinar e aprender a divisão por meio das Tecnologias Digitais. Revista Eletrônica da Matemática, 2(2), pp. 105-121. https://doi.org/10.35819/remat2016v2i2id1552

Artuso, A. R., & Wrublewski, M. (2013). Física. (v. 02). Curitiba, PR: Positivo.

Assumpção, I. (2011). Interdisciplinaridade: uma tentativa de compreensão do fenômeno. In I. Fazenda. (Org.). Práticas Interdisciplinares na Escola. (pp. 23-25). (12a ed.). São Paulo, SP: Cortez.

Audino, D. F., & Nascimento, R. S. (2010). Objetos de aprendizagem – diálogos entre conceitos e uma nova proposição aplicada à educação. Revista Contemporânea de Educação, 10(5), pp. 128-148. https://doi.org/10.20500/rce.v5i10.1620.

Bardin, L. (1977). Análise de Conteúdo. Lisboa, Portugal: Edições 70.

Bardin, L. (2011). Analise de Conteúdo. São Paulo, SP: Edições 70.

Biotto Filho, D., Faustino, A. C., & Moura, A. Q. (2017). Cenários para investigação, imaginação e ação. Revista Paranaense de Educação Matemática, 12(6), 64-80. Recuperado de http://www.fecilcam.br/revista/index.php/rpem/article/view/1597

Borba, M. C., Silva, R. S. R., & Gadanidis, G. (2018). Fases das Tecnologias Digitais em Educação Matemática: sala de aula e internet em movimento. (2a ed.; 2ª reimp.). Belo Horizonte, MG: Autêntica.

Brasil (2018). Ministério da Educação. Base Nacional Comum Curricular: educação é a base. Brasília, DF: MEC/CNE. Recuperado de http://basenacionalcomum.mec.gov.br/

Dantas, S. C., & Matucheski, S. (2019). Resolução de um problema com o uso de diferentes ferramentas do GeoGebra. Pesquisa e Debate em Educação, 9(1), 588-605. Recuperado de http://www.revistappgp.caedufjf.net/index.php/revista1/article/view/259

Fazenda, I. (1998). Didática e Interdisciplinaridade. (16a ed.) Campinas, SP: Papirus.

Fazenda, I. (2002). Dicionário em construção: interdisciplinaridade. (2a ed.) São Paulo, SP: Cortez.

Fazenda, I. (2008). Interdisciplinaridade-Transdisciplinaridade: visões culturais e epistemológicas. In I. Fazenda. (Org.). O que é Interdisciplinaridade? (pp. 17-28). São Paulo, SP: Cortez.

Fazenda, I. (2011). Práticas Interdisciplinares na Escola. I. C. A. Fazenda. (Org.). (12a ed.). São Paulo, SP: Cortez.

Fazenda, I. (2013). Práticas interdisciplinares na escola. Cortez. São Paulo, SP: Brasil.

Gatti, B. A. (2016). Formação de professores: condições e problemas atuais. Revista Internacional de Formação de Professores, 1(2), pp. 161-171. Recuperado de https://periodicos.itp.ifsp.edu.br/index.php/RIFP/article/view/347/360

Gil, A. C. (1999). Métodos e técnicas de pesquisa social. (5a ed.) São Paulo, SP: Atlas.

Guimarães, O., Piqueira, J. R., & Carron, W. (2014). Física. (vol. 02). São Paulo, SP: Ática.

Hay, R. H., & Knaack, L. (2007). Evaluating the learning in learning objects. Open Learning: The Journal of Open and Distance Education, 22(1), 5-28. https://doi.org/10.1080/02680510601100135

Jahn, A. P., Druck, I. de F., Bonomi, M. C., Giampaoli, V., & Dutra, I. M. (2014). Formação de Professores do Ensino Médio: Pacto Nacional pelo Fortalecimento do Ensino Médio, etapa II – caderno V: Matemática. Curitiba, PR: UFPR.

Kleemann, R., & Petry, V. J. (2020). Propostas metodológicas para o trabalho interdisciplinar entre a Matemática e a Física: potencialidades e contribuições. Acta Latinoamericana de Matemática Educativa. 33(1), 729-740. Recuperado de https://www.clame.org.mx/actas.html

Leite, A. C. C., Dolabella, A. R. V., Silva, M. C. F. R., Ferreira, N. R. S., & Campos, S. M. M. (2013). Interdisciplinaridade, práticas curriculares e a formação do docente interdisciplinar. In Fazenda, I. C. A., & N. R. S., Ferreira (Orgs.). Formação de Docentes Interdisciplinares. (pp. 35-61). Curitiba: CRV.

Meirieu, P. (1998). Aprender... sim, mas como? (7a ed.) Porto Alegre, RS: Artmed.

Milani, R. (2017). “Sim, eu ouvi o que eles disseram”: o diálogo como movimento de ir até onde o outro está. Bolema, 57(31), 35-52. https://doi.org/10.1590/1980-4415v31n57a02

Moran, J. M., Massetto, M. T., & Behrens, M. A. (2012). Novas tecnologias e mediações pedagógicas. Campinas, SP: Papirus.

Muniz Neto, A. C. (2013). Geometria. Rio de Janeiro, RJ: SBM.

Oliveira, C., & Moura, S. P. (2015). TIC’s na Educação: a utilização das tecnologias da informação e comunicação na aprendizagem do aluno. Recuperado de http://periodicos.pucminas.br/index.php/pedagogiacao/article/viewFile/11019/8864

Oliveira, G. P., Gonçalves, M. D., & Marquetti, C. (2015). Reflexões acerca da tecnologia e sua inserção na pesquisa em educação matemática. Educação Matemática Pesquisa: Revista do Programa de Estudos Pós-Graduados em Educação Matemática, 17(3), 472-489. Recuperado de http://revistas.pucsp.br/emp/article/view/25665

Paraná (2008). Diretrizes Curriculares da Educação Básica: Matemática. Secretaria de Estado da Educação do Paraná. Recuperado de http://www.educadores.diaadia.pr.gov.br/arquivos/File/diretrizes/dce_mat.pdf

Queiroz, M. R. P. P. P. (2019). Caracterizando e analisando insubordinações criativas e reativas em designs educacionais e ambientes de aprendizagem. Revista Internacional de Pesquisa em Educação Matemática 3(9), 68-83. Recuperado de http://sbem.iuri0094.hospedagemdesites.ws/revista/index.php/ripem/article/view/2182

Rolkouski, E. (2011). Tecnologias no Ensino de Matemática. Curitiba, PR: Ibpex.

Skovsmose, O. (2015). Pesquisando o que não é, mas poderia ser. In B. S., D´Ambrosio, & C. E., Lopes (Orgs.). Vertentes da subversão na produção científica em educação matemática. (pp. 63-90). Campinas, SP: Mercado de Letras.

Tomaz, V. S., & David, M. M. M. S. (2013). Interdisciplinaridade e Aprendizagem da Matemática em Sala de Aula. (3a ed.). Belo Horizonte, MG: Autêntica.




DOI: http://dx.doi.org/10.22600/1518-8795.ienci2020v25n3p232

Licença Creative Commons
Este obra está licenciado com uma Licença Creative Commons Atribuição-NãoComercial 4.0 Internacional.

Revista Investigações em Ensino de Ciências (IENCI) - ISSN: 1518-8795 

Creative Commons License