IMAGINÁRIOS DE FUTUROS PROFESSORES DE FÍSICA SOBRE OS SABERES DOCENTES: SENTIDOS PRODUZIDOS NA INTERFACE UNIVERSIDADE-ESCOLA NO ESTÁGIO CURRICULAR SUPERVISIONADO

Tatiana Iveth Salazar López, Roberto Nardi

Resumo


Partindo da ideia de que se tornar um professor é um processo contínuo, afetado por diferentes elementos como, por exemplo, a experiência prévia enquanto estudantes, neste artigo apresentamos uma análise sobre os saberes docentes que os futuros professores mobilizaram para responder à questão: “O que você pode dizer sobre o que precisa um professor de Física para ensinar Física?”. A pesquisa ocorreu no contexto da última das quatro disciplinas de Estágio Curricular Supervisionado de um curso de Licenciatura em Física de uma universidade pública. Considerou-se a Análise de Discurso como referencial teórico-metodológico para analisar o imaginário de sete licenciandos. Os resultados mostraram que os licenciandos partem do imaginário social de que, para ensinar é preciso dominar o conteúdo de ensino e alguns elementos de didática, e produzem repetições e novos sentidos sobre esse imaginário. Observamos ainda que, no caso dos licenciandos que não tinham experiência em sala de aula, a regência no estágio foi decisiva para construir sentidos sobre a questão.

Palavras-chave


Ensino de Física; Saberes Docentes; Identidade Docente; Análise do Discurso

Texto completo:

PDF

Referências


Avraamidou, L. (2014). Studying science teacher identity: current insights and future research directions. Studies in Science Education, 50(2), 145-179. https://doi.org/10.1080/03057267.2014.937171

Almeida, M. J. P. M. (2012). O imaginário de estudantes de licenciatura sobre exercícios em aulas de física. Nuances: estudos sobre educação, 22(23), 57-71. http://dx.doi.org/10.14572/nuances.v22i23.1750

Barbosa, A. (2012). As implicações dos baixos salários para o trabalho docente no Brasil. In Anais Reunião da ANPED 35 – PG (pp. 1-18). Porto de Galinhas, PE, Brasil. Recuperado de https://anped.org.br/sites/default/files/gt05-2468_int.pdf

Bejarano, N., & Carvalho, A. (2003). Tornando-se professor de ciências: crenças e conflitos. Ciência & Educação (Bauru), 9(1), 1-15. Recuperado de https://www.scielo.br/scielo.php?pid=S1516-73132003000100001&script=sci_abstract&tlng=pt

Bolívar, A. (2006). La identidad profesional del profesorado de Secundaria: crisis y reconstrucción. Málaga, España: Aljibe.

Parecer CNE/CP 009 (2002). Diretrizes Curriculares Nacionais para a Formação de Professores da Educação Básica, em nível superior, curso de licenciatura, de graduação plena. Aprovado em 8 maio 2001, homologado em 17 jan. 2002. Publicado no DOU em 18 jan. 2002. Recuperado de http://portal.mec.gov.br/cne/arquivos/pdf/009.pdf

Camargo, S. (2007). Discursos presentes em um processo de reestruturação curricular de um curso de licenciatura em Física: o legal, o real e o possível. (Tese de doutorado em Educação para a Ciência). Faculdade de Ciências, Universidade Estadual Paulista, Bauru, SP. Recuperado de https://repositorio.unesp.br/handle/11449/102019

Camargo, S., Nardi, R., Ghiotto, R., Caluzi, J., Xavier, J., Rubbo, E., & Ruggiero, L. (2012). A Reestruturação do Projeto Pedagógico de um curso de Licenciatura em Física de uma Universidade Pública: Contribuições de Licenciandos ao Processo. Ensaio Pesquisa em Educação em Ciências, 14(3), 217-235. Recuperado de https://www.scielo.br/pdf/epec/v14n3/1983-2117-epec-14-03-00217.pdf

Cortela, B. S. C. (2011). Formação inicial de professores de Física: fatores limitantes e possibilidades de avanços. (Tese de doutorado em Educação para a Ciência). Faculdade de Ciências, Universidade Estadual Paulista, Bauru, SP. Recuperado de https://repositorio.unesp.br/handle/11449/90965

Delorenzi, O., Boubée, C., & Nuñez, R. (2012). Las concepciones sobre la naturaleza de la ciencia: Incidencia en la construcción de la identidad en las primeras inserciones laborales. In Memórias Jornadas de Enseñanza e Investigación Educativa en el Campo de las Ciencias Exactas y Naturales 3 – La Plata (pp. 186-197. La Plata, Argentina). Recuperado de http://sedici.unlp.edu.ar/handle/10915/32495.

Domingo, S., & Pérez, G. (2005). Crisis de identidad profesional y formación del profesorado de ciencias en la Eso. Enseñanza de las ciências, (extra) 1-4. Recuperado de https://core.ac.uk/download/pdf/13303169.pdf

Flick, U. (2009). Uma introdução à pesquisa qualitativa. (3a ed.). Porto Alegre, RS: Bookman.

Galieta, T. (2014). Análise de discursos de futuros professores de Biologia sobre Educação Ambiental: sentidos produzidos no contexto de uma avaliação. Revista Iberoamericana de Educación, 2(66),1-13. https://doi.org/10.35362/rie662278

García, R., & Fonseca, C. (2016). Ser un buen professor: una mirada desde dentro. Edetania. Estudios y propuestas socioeducativas, 50, 191-208. Recuperado de https://dialnet.unirioja.es/servlet/articulo?codigo=6039921

Gatti, B. (2009). Atratividade da carreira docente no Brasil: relatório final de pesquisa. São Paulo, SP: Fundação Vitor Civita.

Gatti, B. (2010). Formação de professores no Brasil: características e problemas. Educação & Sociedade, 31(113), 1355-1379. Recuperado de https://www.scielo.br/pdf/es/v31n113/16

Gauthier, C., Martineu, S., Desbiens, J. F., Maio, A., & Simard, D. (1998). Por uma teoria da pedagogia: pesquisas contemporâneas sobre o saber docente. Ijuí, RS: Unijuí.

Ghedin, E. (2012). Professor reflexivo: da alienação da técnica à autonomia da crítica. In S. G. Pimenta & E. Ghedin (Orgs.). Professor reflexivo no Brasil: gênese e crítica de um conceito. (7a ed.). São Paulo, SP: Cortez.

Genovese, L. G., & Genovese, C. L. (2012). Estágio Supervisionado em Física: considerações preliminares. Goiânia, GO: Uab.

Gil-Pérez, D. (1991). ¿Qué hemos de saber y saber hacer los profesores de ciencias? Revista Enseñanza de las Ciencias, 9(1), 69 – 77. Recuperado de https://www.raco.cat/index.php/Ensenanza/article/view/51357

Hilger, T., Stipcich, M., & Moreira, M. (2017). Representações sociais sobre física quântica entre estudantes de graduação brasileiros e argentinos. Latin American Journal of Physics Education, 11(1),1303-1-1303-9. Recuperado de https://dialnet.unirioja.es/servlet/articulo?codigo=6019779

Iza, D., Benites, L., Neto, L., Cytino, M., Ananias, E., Arnosti, R., & Neto, S. (2014). Identidade Docente: as várias faces da constituição do ser professor. Revista Eletrônica de Educação, 8(2), 273-292. Recuperado de http://www.reveduc.ufscar.br/index.php/reveduc/article/viewFile/978/339

Jesus, A. C. (2017). Sentidos Produzidos por Licenciandos em Física no Contexto do Estágio sobre Temas da Pesquisa em Ensino. (Tese de doutorado em Educação para a Ciência). Faculdade de Ciências, Universidade Estadual Paulista, Bauru, SP. Recuperado de https://repositorio.unesp.br/handle/11449/151206

Kussuda, S. R. (2012). A escolha profissional de licenciados em Física de uma universidade. (Dissertação de mestrado em Educação para a Ciência) Faculdade de Ciências, Universidade Estadual Paulista, Bauru, SP. Recuperado de https://repositorio.unesp.br/handle/11449/90967

Kussuda, S. R. (2017). Um estudo sobre a evasão em um curso de licenciatura em Física: discursos de ex-alunos e professores. (Tese de doutorado em Educação para a Ciência). Faculdade de Ciências, Universidade Estadual Paulista, Bauru, SP. Recuperado de https://repositorio.unesp.br/handle/11449/152951

Langhi, R., & Nardi, R. (2012). Educação em astronomia: repesnando a formação de professores. São Paulo, SP: Escrituras.

Lima, M. S. (2012). Estágio e aprendizagem da profissão docente. Brasília, DF: Líder Livro.

López, R. A. M., & Tamayo, O. E. (2012). Las prácticas de laboratório en la enseñanza de las ciencias naturales. Revista latinoamericana de estúdios educativos. 8(1), 145 – 166. Recuperado de https://www.redalyc.org/pdf/1341/134129256008.pdf

Lüdke, M., & André, M. E. D. A. (1986). Pesquisa em educação: abordagens qualitativas. São Paulo, SP: Epu.

Lunkes, M., & Rocha Filho, J. (2011). A baixa procura pela licenciatura em Física, com base em depoimentos de estudantes do ensino médio público do Oeste catarinense. Ciência & Educação (Bauru), 17(1), 21-34. Recuperado de http://www.scielo.br/pdf/ciedu/v17n1/02.pdf

Mizukami, M. G. (1986). Ensino: as abordagens do processo. São Paulo, SP. Epu.

Orlandi, E. L. P. (1996). Discurso, fato, dado, exterioridade. In: Castro, M. F. P (Org). O método e o dado no estudo da linguagem (209-218). Campinas. SP: Editora da Unicamp.

Orlandi, E. L. P. (2009). Análise do Discurso: princípios e procedimentos. (9a ed.). Campinas, SP: Pontes.

Ortiz, A. J., & Magalhães Junior, C. A. O. (2019). Ser professor de Física: representações sociais na licenciatura. Ensaio Pesquisa em Educação em Ciências, 21, e10462. https://doi.org/10.1590/1983-21172019210107

Pêcheux, M. (2006). O discurso: estrutura ou acontecimento. (4a ed). Campinas, SP: Pontes.

Salazar, L. T. I. (2017). Um estudo sobre a mobilização de saberes docentes no contexto de estágio curricular supervisionado de uma licenciatura em Física. (Tese de doutorado em Educação para a Ciência). Faculdade de Ciências, Universidade Estadual Paulista, Bauru, SP. Recuperado de https://repositorio.unesp.br/handle/11449/152490

Saviani, D. (2009). Formação de professores: aspectos históricos e teóricos do problema no contexto brasileiro. Revista Brasileira de Educação, 14(40), 143-155. Recuperado de http://www.scielo.br/pdf/rbedu/v14n40/v14n40a12.pdf

Silva, L. M., & Barbosa, R. C. (2019). Aspectos sociais na escolha pela licenciatura em Física: uma análise em universidades do Rio Grande do Sul. Ensaio Pesquisa em Educação em Ciências, 21,1- 16. https://doi.org/10.1590/1983-21172019210112

Silva, A. L., & Teixeira, O. P. B. (2016). Estágio Supervisionado & Imaginário: A articulação da identidade, da autoria, das relações de poder da alteridade na construção do diário de prática. Investigações em Ensino de Ciências, 21(3), 195-215. Recuperado de https://pdfs.semanticscholar.org/d65b/8d3ccc38a3f8e27be29331de69076a0e7d4e.pdf

Tardif, M. (2002). Saberes docentes e formação profissional. Petrópolis, RJ: Vozes.

Tardif, M.; Lessard, C., & Gauthier C. (2001). Formação dos professores e contextos sociais. Porto, Portugal: Rés.

Teixeira, B., & Cyrino, M. C. C. T. (2015). O estágio de regência como contexto para o desenvolvimento da identidade profissional docente de futuros professores de matemática. Alexandria: Revista de Educação em Ciência e Tecnología, 8(3) 131-149. https://doi.org/10.5007/1982-5153.2015v8n3p131

Testoni, L., & Abib, M. L. (2014). Caminhos criativos na formação inicial do professor de Física. Jundiaí, SP: Paco.

Vasconcellos, C. S. (2010). Planejamento: projeto de ensino-aprendizagem e projeto político pedagógico. (21 ed.) Sao Paulo, SP: Libertad.




DOI: http://dx.doi.org/10.22600/1518-8795.ienci2020v25n3p454

Licença Creative Commons
Este obra está licenciado com uma Licença Creative Commons Atribuição-NãoComercial 4.0 Internacional.

Revista Investigações em Ensino de Ciências (IENCI) - ISSN: 1518-8795 

Creative Commons License