DISCUTINDO AVALIAÇÃO PARA ESTUDANTES DO ENSINO FUNDAMENTAL NO ENSINO DE CIÊNCIAS: UMA ESTRATÉGIA DIDÁTICO-AVALIATIVA BASEADA EM MÚLTIPLAS REPRESENTAÇÕES E NEUROCIÊNCIA

Mário Sérgio Nunes Bica, Rafel Roehrs

Resumo


Discutir avaliação é uma tarefa complexa, porém necessária, já que muitas das decisões políticas educacionais são tomadas com base nos instrumentos avaliativos atuais. A legislação brasileira prescreve que os aspectos qualitativos se sobreponham aos quantitativos no modo de avaliar os estudantes. No entanto, são os indicadores quantitativos que prevalecem no nosso sistema de avaliação educacional. Existe na literatura um amplo debate sobre os aspectos que devem ser contemplados nos instrumentos avaliativos, não sendo diferente na área do Ensino de Ciências (EC). Com base nas atuais contribuições da neurociência para a educação, entendemos que cada indivíduo carrega consigo um conjunto de imagens neurais exclusivas, decorrentes de um contexto único, que faz com que compreendam o mundo de forma particular. Respeitando esta individualidade cognitiva, a linha de investigação das Múltiplas Representações (MR) defende o uso de diferentes formas simbólicas no discurso do EC. Esse respeito à diversidade cognitiva merece ser integrado à avaliação, estruturando-a conforme o modo representacional empregado no processo de ensino e aprendizagem.  Portanto, o nosso trabalho busca fomentar a discussão sobre avaliação no ensino básico, apresentando uma forma de união e inter-relação entre o processo de ensino e aprendizagem e os instrumentos de avaliação, exemplificada através de uma Estratégia Didático-Avaliativa (EDA). Voltada ao EC, esta estratégia foi estruturada sob o viés de uma avaliação qualitativa, guiada pela diversidade representacional e pelos fundamentos da neurociência. Sendo um dos autores desse estudo pesquisador e professor regente do ensino fundamental,realizamos a aplicabilidade dessa estratégia em uma turma do sexto ano do ensino fundamental, numa escola da rede pública municipal, no município de Uruguaiana/RS. Por meio de uma pesquisa-ação, buscamos promover uma perspectiva crítica e humanista no enfoque da avaliação, para que ela passe a valorizar diferentes formas de expressão, e não apenas as que são ditadas pelas demandas do mercado. O conteúdo gerado nessa pesquisa-ação resulta de uma ação empreendida a título de experimentação, em uma situação real de sala de aula. Como resultados dessa investigação-ação, notamos a influência do conhecimento prévio dos estudantes sobre a construção do próprio conhecimento. Além disso, quando ofertado um modo alternativo de exporem suas ideias, eles se expressaram de forma autêntica e genuína, representando, por vezes, símbolos do seu cotidiano. Em uma atividade prática em grupo, utilizada tanto como recurso de ensino quanto como instrumento de avaliação, permitiu-nos perceber habilidades que só se sobressaem em atividades experimentais. Essa multiplicidade de representações, adotada em nossa EDA, desafiou-nos a analisar as diferentes respostas manifestadas nos instrumentos avaliativos estabelecidos, por meio dediferentes juízos de valor, pois a qualidade da avaliação também está no respeito à diversidade, ao ritmo e à maneira como cada estudante constrói o seu conhecimento nas diferentes modalidades representacionais. Dessa forma, com o conteúdo gerado pelo presente trabalho, esperamos contribuir para o contínuo avanço de uma prática de avaliaçãoque seja desenvolvida durante o processo de ensino e aprendizagem, e que não se restrinja apenas a uma etapa final.

Palavras-chave


Avaliação; Múltiplas Representações; Neurociência; Ensino de Ciências.

Texto completo:

PDF

Referências


Ainsworth, S. (1999). The functions of multiple representations. Computers & Education, 33, 131-152. https://doi.org/10.1016/S0360-1315(99)00029-9

Alípio, A. C. N., & Galieta, T. (2018). Os diferentes processos avaliativos no ensino de ciências: quais são as interpretações dos alunos? Revista Brasileira de Ensino de Ciência e Tecnologia, 11(1), 50-72. https://10.3895/rbect.v11n1.4747

Barros Filho, J., & Silva, D. (2000). Algumas reflexões dos estudantes sobre avaliação no ensino de ciências. Ciência & Ensino, (9), 14-17. Recuperado de http://143.0.234.106:3537/ojs/index.php/cienciaeensino/issue/view/10/showToc

Barros Filho, J., & Silva, D. (2002). Buscando um sistema de avaliação contínua: ensino de eletrodinâmica no ensino médio. Ciência & Educação, 8(1), 27-38. https://doi.org/10.1590/S1516-73132002000100003

Bica, M.S.N., Mello-Carpes, P.B., & Roehrs, R. (2018). A neurociência e as múltiplas representações: possíveis convergências para o ensino de ciências. #Tear: Revista de Educação, Ciência e Tecnologia. 7(2). https://doi.org/10.35819/tear.v7.n2.a3192

Black, P., & Wiliam, D. (1998). Inside the black box: raising standards through classroom assessment. The Phi Delta Kappan, 80(2), 139-148. Recuperado de https://jgregorymcverry.com/readings/Inside-the-Black-Box-of-Assessment-PDK-2010.pdf

Cabrito, B. G. (2009). Avaliar a qualidade em educação: avaliar o quê? avaliar como? avaliar para quê? Caderno Cedes Campinas, 29(78), 178-200. http://dx.doi.org/10.1590/S0101-32622009000200003

Carvalho, F. A. H. (2011). Neurociências e educação: uma articulação necessária na formação docente. Trabalho, Educação e Saúde, 8(3), 537-550. http://dx.doi.org/10.1590/S1981-77462010000300012

Castro, M. H. G. A. (2009). Consolidação da política de avaliação da educação básica no Brasil. Meta: Avaliação, 1(3), 271-96. http://dx.doi.org/10.22347/2175-2753v1i3.51

Chueiri, M. S. F. (2008). Concepções sobre a avaliação escolar. Estudos em Avaliação Educacional, 19(39), 49-64. https://doi.org/10.18222/eae193920082469

Coelho, T. S. F., Lélis, I. S. S., Ferreira, A. C., Piuzana, T. M., & Quadros, A. (2014). Explicando fenômenos a partir de aulas com a temática Água. Química Nova na Escola, 36(1), 71-81. http://dx.doi.org/10.5935/0104-8899.20140009

Damásio, A. R. (1996). O erro de Descartes: emoção, razão e cérebro humano. São Paulo, SP: Companhia das Letras.

Dantas, C. R., Massoni, N. T., & Santos, F. M. T. (2017). A avaliação no ensino de ciências naturais nos documentos oficiais e na literatura acadêmica: uma temática com muitas questões em aberto. Ensaio: Avaliação e Políticas Públicas em Educação, 25(95), 440-482. https://doi.org/10.1590/S0104-40362017002500807

Demo, P. (2005). Avaliação qualitativa (8a ed.). Campinas, SP: Autores Associados.

Dias, N. M. (2014). Promoção do desenvolvimento de funções executivas em crianças: apresentação do Piafex e evidências de estudos nacionais. In Anais do I Seminário tecnologias aplicadas a educação e saúde. (pp. 48-57). Salvador, BA. Recuperado de https://www.revistas.uneb.br/index.php/staes/article/view/952

Duval, R. (2006). A cognitve analysis of problems of comprehension in a learning of mathematics. Educacional Studies of Mathematics, 61, 103-131. Recuperado de http://www.edumatec.mat.ufrgs.br/artigos/esm_2008_v68/5semiotic.pdf

Esteban, M. T. (2001). O que sabe quem erra? reflexões sobre a avaliação e fracasso escolar. Rio de Janeiro, RJ: DP&A.

Fernandes, C. T., Muniz, C.A., Mourão-Carvalhal, M., & Dantas, P. M. S. (2015). Possibilidades de aprendizagem: reflexões sobre neurociência do aprendizado, motricidade e dificuldades de aprendizagem em cálculo em escolares entre sete e doze anos. Ciência & Educação (Bauru), 21(2), 395-416. http://dx.doi.org/10.1590/1516-731320150020009

Fontanive, N. S. (2013). A divulgação dos resultados das avaliações dos sistemas escolares: limitações e perspectivas. Ensaio: Avaliação e Políticas Públicas, 21(78), 83-100. Recuperado de http://www.scielo.br/pdf/ensaio/2013nahead/aop_0413.pdf

Freitas, D. P. S., Motta, C. S., & Mello-Carpes, P. B. (2015). As bases neurobiológicas da aprendizagem no contexto da investigação temática freiriana. Trabalho Educação e Saúde, 13(1), 109-122. http://dx.doi.org/10.1590/1981-7746-sip00023

Gardner, H. (2015). As inteligências múltiplas. Revista Neuroeducação, 3, 28-35.

Gipps, C. (1999). Chapter 10: socio-cultural aspects of assessment. Review of Research in Education, 24(1), 355–392. https://doi.org/10.3102/0091732X024001355

Gowdak, D. O. (2015). Ciências novo pensar (2a ed.). São Paulo, SP: FTD.

Guerra, L. B. (2011). O diálogo entre a neurociência e a educação: da euforia aos desafios e possibilidades. Revista Interlocução, 4(4), 3-12. Recuperado de https://pdfs.semanticscholar.org/411b/080cd31a62e712b11db48097642f878d1435.pdf?_ga=2.32712830.1183001901.1572894760-261916262.1572894760

Herculano-Houzel, S. (2009). Neurociências na educação. Rio de Janeiro, RJ: CEDIC.

Hoffmann, J. (2003). Avaliação mediadora: uma prática em construção da pré escola à universidade (25a ed.). Porto Alegre, RS: Mediação.

INEP (2014). Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais Anísio Teixeira. Sistema de Avaliação da Educação Básica. Brasília, DF: INEP/Saeb. Recuperado de http://portal.inep.gov.br/web/guest/educacao-basica/saeb/resultados

Izquierdo, I. (2011). Memória (2a ed.). Porto Alegre, RS: Artmed.

Klein, T. A. S., & Laburú, C.E. (2012). Multimodos de representação e teoria da aprendizagem significativa: possíveis interconexões na construção do conceito de biotecnologia. Revista Ensaio, 14(2), 137-152. https://doi.org/10.1590/1983-21172012140209

Köse, S. (2008). Diagnosis student misconceptions: using drawings as a research method. World Applied Sciences Journal, 3(2), 183-193. Recuperado de http://idosi.org/wasj/wasj3%282%29/20.pdf

Laburú, C. E., Barros, M. A., & Silva, O. H. M. (2011. Multimodos, múltiplas representações, subjetividade e aprendizagem significativa. Ciência & Educação (Bauru), 17(2), 469-487. http://dx.doi.org/10.1590/S1516-73132011000200014

Laburú, C. E., Mamprin, M. I. L. L., & Salvadego, W. N. C. (2011). Professor das ciências naturais e a prática de atividades experimentais no ensino médio: uma análise segundo Charlot. Londrina, PR: Eduel.

Lei nº 9.394 (1996, 20 de dezembro). Estabelece as diretrizes e bases da educação nacional. Diário Oficial da União, 23/12/1996, p. 27833-27841. Brasília, DF: Diário Oficial da República Federativa do Brasil. Recuperado de http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/Leis/L9394.htm

Lei nº 13.005 (2014, 25 de junho). Aprova o plano nacional de educação - PNE e dá outras providências. Diário Oficial da União, 26/06/2014. Brasília, DF: Diário Oficial da República Federativa do Brasil. Recuperado de. http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/_ato2011-2014/2014/lei/l13005.htm

Lent, R. (2010). Cem bilhões de neurônios? conceitos fundamentais de neurociência (2a ed.). São Paulo, SP: Atheneu.

Lezak, M. D. (1982). The problem of assessing executive functions. International Journal of Psychology, 17(1-4), 281-297. https://doi.org/10.1080/00207598208247445

Loch, J.M.P. (2000). Avaliação: uma perspectiva emancipatória. Química Nova na Escola, 12, 30-33. Recuperado de http://qnesc.sbq.org.br/online/qnesc12/v12a07.pdf

Luckesi, C.C. (2011). Avaliação da aprendizagem escolar: estudos e proposições (22a ed.). São Paulo, SP: Cortez.

Maia, P. F., & Justi, R. (2008). Desenvolvimento de habilidades no ensino de ciências e o processo de avaliação: análise da coerência. Ciência & Educaçã (Bauru)o, 14(3). http://dx.doi.org/10.1590/S1516-73132008000300005

MEC - Ministério da Educação. (2017). Base Nacional Comum Curricular: Conselho Nacional de Educação. Brasília, DF: MEC/BNCC/CONSED/, Recuperado de http://basenacionalcomum.mec.gov.br/images/BNCC_publicacao.pdf

Moreira, M. A., & Masini, E. F. S. (2009). Aprendizagem significativa: a teoria de David Ausubel. São Paulo, SP: Centauro.

Pacca, J. L. A., Fukui, A., Bueno, M. C. F., Costa, R. H. P., Valério, R. M., & Mancini, S. (2003). Corrente elétrica e circuito elétrico: algumas concepções do senso comum. Caderno Brasileiro de Ensino de Física, 20(2), 151-167. https://doi.org/10.5007/%25x

Pacheco, J. A. (2014). Políticas de avaliação e qualidade da educação: uma análise crítica no contexto da avaliação externa de escolas, em Portugal. Avaliação: Revista da Avaliação da Educação Superior, 19(2), 363-71. http://dx.doi.org/10.1590/S1414-40772014000200005

Perrenoud, P. (1999). Avaliação: da excelência à regulação das aprendizagens: entre duas lógicas. Porto Alegre, RS: Artes Médicas Sul.

Piñeros, J. R., Baptista, G. C. S., & Costa-Neto, E. M. (2018). Uso de desenhos como ferramenta para investigação das concepções de estudantes agricultores sobre a relação inseto-planta e diálogo intercultural. Investigações em Ensino de Ciências, 23(2), 159-171. https://doi.org/10.22600/1518-8795.ienci2018v23n2p159

PISA - Program International of Students Evaluation. (2012) Assessment and analytical framework: mathematics, reading, science, problem solving and financial literacy. Organization for Economic Co-operation and Development. Paris, FRA: OECD. http://dx.doi.org/10.1787/9789264190511-em

Pizarro, M. V., & Lopes Jr., J. (2017). Os sistemas de avaliação em larga escala e seus resultados: O PISA e suas possíveis implicações para o ensino de ciências. Revista Ensaio, 19, 1-24. http://dx.doi.org/ 10.1590/1983-21172017190119

Portaria n. 366, de 29 de abril de 2019. (2019). Estabelece as diretrizes de realização do Sistema de Avaliação da Educação Básica (SAEB) no ano de 2019. Ministério da Educação. Diário Oficial da União, DF: Diário Oficial da República Federativa do Brasil. Recuperado de http://www.in.gov.br/web/dou/-/portaria-n%C2%BA-366-de-29-de-abril-de-2019-86232542

Ramos, A. S. F. (2014). Dados recentes da neurociência fundamentam o método: brain based learning. Revista Psicopedagogia, 31(96), 263-74. Recuperado de http://pepsic.bvsalud.org/pdf/psicoped/v31n96/04.pdf

Resolução nº 510 (2016, 07 de abril). Estabelece as normas aplicáveis a pesquisas em ciências humanas e sociais. Conselho Nacional de Saúde. Diário Oficial da União, 07/04/ 2016. Brasília, DF: Diário Oficial da República Federativa do Brasi. Recuperado de http://bvsms.saude.gov.br/bvs/saudelegis/cns/2016/res0510_07_04_2016.html

Santana, S., Menezes, J., Folmer, V., Puntel, R., & Castelhano, M. (2011). Sugestão para planejamento de atividades experimentais (Colaborador), 1, 1-53 (1a ed.). Santa Maria, RS: UFSM. Recuperado de http://w3.ufsm.br/ppgecqv/Producao/atividades_experimentais.pdf

Sanzovo, D. T., & Laburú, C. E. (2017). Níveis significantes do significado das estações do ano com o uso de diversidade representacional na formação inicial de professores de ciências, Revista Brasileira de Pesquisa em Ensino de Ciências, 17(3), 745-772. https://doi.org/10.28976/1984-2686 rbpec 2017173745

SEDUC-RS, (2017). Estatísticas da educação, censo escolar: Secretaria da educação do estado do Rio Grande do Sul, Porto Alegre, RS. Recuperado de https://servicos.educacao.rs.gov.br/dados/estatisticas_mi_mun_2017.pdf

Silva, L. G., & Mello, E. M. B. (2018). Fundamentos de neurociência presentes na inclusão escolar: vivências docentes. Revista Educação Especial, 31(62), 759-776. http://dx.doi.org/10.5902/1984686X

Soares, M. H. F. B. (2008). Jogos e atividades lúdicas no ensino de química: teoria, métodos e aplicações. In Anais do XIV Encontro nacional de ensino de química. Curitiba, Paraná: UFPR. Recuperado de http://www.quimica.ufpr.br/eduquim/eneq2008/resumos/R0309-1.pdf

Thiollent, M. & Colette, M. M. (2014). Pesquisa-ação, formação de professores e diversidade. Acta Scientiarum. Human and Social Sciences, 36(2), 207-216. https://doi.org/10.4025/actascihumansoc.v36i2.23626

Tripp, D. (2005). Pesquisa ação: uma introdução metodológica. Educação e Pesquisa, 31(3), 443-466. https://doi.org/10.1590/S1517-97022005000300009

Uehara, E., Charchat-Fichman, H., & Landeira-Fernandez, J. (2013). Funções executivas: um retrato integrativo dos principais modelos e teorias desse conceito. Revista Neuropsicologia Latinoamericana, 5(3), 25-37. http://dx.doi.org/10.5579/rnl.2013.145

Vieira, L. B. G., & Sá, L. P. (2015). A avaliação da aprendizagem de acordo com as revistas brasileiras da área do ensino de ciências, In: X Encontro nacional de pesquisa em educação em ciências. (pp. 01-08). Águas de Lindóia, SP. Recuperado de http://www.abrapecnet.org.br/enpec/x-enpec/anais2015/lista_area_11.htm

Wiliam, D. (2019). A avaliação formativa do desempenho docente. Linhas Críticas, 25, 173-205. https://doi.org/10.26512/lc.v25i0.24275

Zampiri, M., & Souza, Â. R. (2014). O direito ao ensino fundamental em uma leitura dos resultados do IDEB e da política educacional em Curitiba-PR. Ensaio: Avaliação e Políticas Públicas em Educação, 22(84), 755-77. http://dx.doi.org/10.1590/S0104-40362014000300008

Zanon, L. B., & Silva, L. H. A. (2000). A experimentação no ensino de ciências. In R. P. Schnetzler & R. M. R. de Aragão (Eds.). Ensino de Ciências: fundamentos e abordagens (pp. 120-153). Campinas, PR: Capes/Unimep.

Zompero, A. F., Gonçalves, C. E. S., & Laburú, C. E. (2017). Atividades de investigação na disciplina de ciências e desenvolvimento de habilidades cognitivas relacionadas a funções executivas. Ciência & Educação (Bauru), 23(2), 419-436. https://doi.org/10.1590/1516-731320170020009




DOI: http://dx.doi.org/10.22600/1518-8795.ienci2021v26n1p27

Licença Creative Commons
Este obra está licenciado com uma Licença Creative Commons Atribuição-NãoComercial 4.0 Internacional.

Revista Investigações em Ensino de Ciências (IENCI) - ISSN: 1518-8795 

Creative Commons License