A PRODUÇÃO DISCURSIVA EM AULAS DE CIÊNCIAS POR MEIO DA DIVULGAÇÃO CIENTÍFICA: O CASO DO USO DO DISCURSO DIRETO

Marcelo Giordan, Guilherme da Silva Lima

Resumo


Este trabalho apresenta uma investigação acerca do papel da divulgação científica na produção discursiva da cultura científica e tecnológica em sala de aulacom o objetivo de compreender o uso do discurso direto pelo professor de Ciências em situações formais de ensino. O trabalho analisa um caso em que um professor de Ciências do 9o ano do Ensino Fundamental utiliza um livro de divulgação científica, “Bilhões e Bilhões”, de Carl Sagan, para explicar e contextualizar a notação científica em uma sequência didática que abordou o micro e o macrocosmo.O arcabouço teórico-metodológico se fundamentou nas contribuições de Bakhtin e do círculo. As análises foram baseadas numa abordagem qualitativa, que pode ser classificada como estudo de caso, selecionada a partir de um conjunto de sequências didáticas produzido em um curso de especialização em Ensino de Ciências. Os resultados indicaram uma produção enunciativa híbrida que aproximou esferas de criação ideológicas distintas (divulgação científica e educação científica) para contemplar um propósito específico que foi determinado pelo professor, além de um entrelaçamento diversificado entre o discurso de divulgação científica e o discurso científico escolar.

Palavras-chave


Discurso citado; Divulgação científica; Ensino de Ciências; Heterodiscurso; Narrativa

Texto completo:

PDF

Referências


Almeida, C., Correa, M. F. N., Bento, l., Jardim, G. A., Ramalho, M., & Dahmouche, M. (2018). Ciência e teatro: um estudo sobre as artes cênicas como estratégia de educação e divulgação da ciência em museus. Ciência e Educação (Bauru), 24, 375-393. http://dx.doi.org/10.1590/1516-731320180020008

Almeida, M. J. P. M., & Sorpreso, T. (2011). Dispositivo analítico para compreensão da leitura de diferentes tipos textuais: exemplos referentes à física. Pró-Posições, 22, 83-95. http://dx.doi.org/10.1590/S0103-73072011000100008

Almeida, S. A., & Giordan, M. (2016). Appropriation of the Gender of Science Communication by Children: Fragments of a Journey. Revista Brasileira de Pesquisa em Educação em Ciências, 16, 799-823. Recuperada de https://periodicos.ufmg.br/index.php/rbpec/article/view/4589

Amorin, M. (2009). Memória do objeto – uma transposição bakhtiniana e algumas questões para a educação. Bakhtiniana, 1(1), p. 8-22. Recuperado de https://revistas.pucsp.br/bakhtiniana/article/view/2993/1927

Bakhtin, M. (2006). Estética da criação verbal. (Tradução Paulo Bezerra). São Paulo, SP: Martins Fontes.

Bakhtin, M. (Volochínov, V.) (2009). Marxismo e Filosofia da Linguagem: Problemas fundamentais do método sociológico na ciência da linguagem. (Trad. Michel Lahud et al. 9a ed.). São Paulo, SP: Hucitec.

Bakhtin, M. (2015). Teoria do romance I: a estilística. (Tradução Paulo Bezerra). São Paulo, SP: Editora 34.

Brandist, C. (2016). Bakhtinian Bildung and the Educational Process: Some Historical Considerations. Educational Philosophy and Theory, 49(9), 867-878. https://dx.doi.org/10.1080/00131857.2015.1135411

Bucchi, M. & Trend, B. (2014) Science communication research: Themes and challenges. In M. Bucchi, & B. Trend (Eds.) Routledge Handbook of Public Communication of Science and Technology (1-14). (2nd. ed.). New York: Routledge.

Cerezo, J., & Cámara, M. (2007). Scientific culture and social appropriation of the science. Social Epistemology, 21(1), 69-81. https://dx.doi.org/10.1080/02691720601125522

Cohen, L., Manion, L., & Morrison, K. (2007). Research Methods in Education. (6th ed). London: Routledge.

Correia, D., & Sauerwein, I. (2017). As leituras de textos de divulgação científica feitas por licenciandas no estágio supervisionado em física. Revista Brasileira de Ensino Física, 39(3), e3401. http://dx.doi.org/10.1590/1806-9126-rbef-2016-0260

Crepalde, R., & Aguiar Jr, O. (2018). O híbrido energia enunciado por professores de física e biologia em formação inicial. Educação em revista, 34, e184028-26. http://dx.doi.org/10.1590/0102-4698184028

Cunha, M. (2009). A percepção de Ciência e Tecnologia dos estudantes do ensino médio e a divulgação científica. Tese (Doutorado) – FE/USP, São Paulo, Brasil. http://dx.doi.org/10.11606/T.48.2010.tde-02032010-091909

Dias, R., & Almeida, M. J. P. M. (2009). Especificidades do jornalismo científico na leitura de textos de divulgação científica por estudantes de licenciatura em física. Revista Brasileira de Ensino de Física, 31(4), 4401-4412. http://dx.doi.org/10.1590/S1806-11172009000400013

Duarte, N. (1998). Relações entre ontologia e epistemologia e a reflexão filosófica sobre o trabalho educativo. Perspectiva, 16, 29, 99-16. https://dx.doi.org/10.5007/%25x

Faraco, C. (2009). Linguagem & diálogo: as ideias linguísticas do círculo de Bakhtin. São Paulo, SP: Parábola.

Freitas, M. T. A., Bernardes, A. S., Pereira, A. P. M. S. & Pereira, M. L. (2015). O sujeito nos textos de Vigotski e do Círculo de Bakhtin: implicações para a prática da pesquisa em Educação. Fractal: Revista de Psicologia, 27, 50-55. http://dx.doi.org/10.1590/1984-0292/1355

Galvão, C. (2005). Narrativas em educação. Ciência & Educação, 11(2), 327-345. http://dx.doi.org/10.1590/S1516-73132005000200013

Giordan, M. (2008) Computadores e linguagens nas aulas de ciências: Uma perspectiva sociocultural para compreender a construção de significados. Ijuí/RS: UNIJUÍ.

Godin, B., & Gingras, Y. (2000). What is scientific and technological culture and how is it measured? A multidimensional model. Public Undestand os Science, 9(1), 43-58. https://dx.doi.org/10.1088/0963-6625/9/1/303

Grillo, S. (2006a). A noção de 'tema do gênero' na obra do Círculo de Bakhtin. Estudos linguísticos. (São Paulo), 1, 1825-1834.

Grillo, S. (2006b). Divulgação científica na esfera midiática. Intercâmbio, 15, 1-10. Recuperado de https://revistas.pucsp.br/intercambio/article/view/3691/0

Kemper, A., Zimmermann, E., & Gastal, M. (2010). Textos populares de divulgação científica como ferramenta didático-pedagógica: o caso da evolução biológica. Revista Brasileira de Pesquisa em Educação em Ciências. 10(3), 25-50. Recuperado de https://periodicos.ufmg.br/index.php/rbpec/article/view/4086

Lima, G. S., & Giordan, M. A divulgação científica em sala de aula: aportes do planejamento de ensino entre professores de ciências. In M. Giordan, & M. B. da Cunha. (Orgs.). Divulgação científica na sala de aula: perspectivas e possibilidades. Ijuí/RS: Unijuí, 2015, v. 1, p. 285-306

Lima, G. S. (2016). O professor e a divulgação científica: apropriação e uso em situações formais de ensino. (Tese de doutorado). Faculdade de Educação da Universidade de São Paulo, São Paulo/SP. https://dx.doi.org/10.11606/T.48.2016.tde-16082016-093959

Lima, G. S., & Giordan, M. (2017a) Propósitos da divulgação científica no planejamento de ensino. Ensaio: Pesquisa em educação em ciências, 19, p. 1-23. https://dx.doi.org/10.1590/1983-21172017190122

Lima, G. S. & Giordan, M. (2017b). Características do discurso de divulgação científica: implicações da dialogia em uma interação assíncrona. Investigações em Ensino de Ciências, 22(2), 83-95. http://dx.doi.org/10.22600/1518-8795.ienci2017v22n2p83

Lima, G. S., & Giordan, M. (2018). The Teacher’s Movements Toward the Use of Science Communication in the Classroom: A Model from the Activity Theory. Revista Brasileira de Pesquisa em Educação em Ciências, 18, 521-547. https://dx.doi.org/10.28976/1984-2686rbpec2018182521

Lima, G. S., & Giordan, M. (2021, no prelo). Da reformulação discursiva a uma práxis da cultura científica: reflexões sobre a divulgação científica. História, Ciências, Saúde-Manguinhos.

Marx, K. (2013). O capital: crítica da economia política: Livro I: o processo de produção do capital. São Paulo, SP: Boitempo.

Matusov, E. (2009). Journey into dialogic pedagogy. New York: Nova Science Publishers.

Miller, Steve (2001). Public understanding of science at the crossroads. Public Understanding of Science, 10, 115-120. https://dx.doi.org/10.3109/a036859

Moreira, L., & Marandino, M. (2015). Teatro de temática científica: conceituação, conflitos, papel pedagógico e contexto brasileiro. Ciência & Educação (Bauru) 21(2), 511-523. http://dx.doi.org/10.1590/1516-731320150020015

Mortimer, E. F., & Scott, P. Atividade discursiva nas salas de aula: uma ferramenta sociocultural para analisar e planejar o ensino. Investigações em Ensino de Ciências, 3(7), 2002. Recuperado de https://www.if.ufrgs.br/cref/ojs/index.php/ienci/article/view/562

Mota, G. P. R., Gontijo, G. B., & Oliveira, J. R. S. (2017). A revista Pesquisa Fapesp como recurso para abordagem da Sociologia da Ciência. Revista Brasileira de Pesquisa em Educação em Ciências, 17, 953-983. https://dx.doi.org/10.28976/1984-2686rbpec2017173953

Narzetti, C. (2013). ‘A filosofia da linguagem de V. Voloshinov e o conceito de ideologia’. Alfa, 57(2), 367–388. https://dx.doi.org/10.1590/s1981-57942013000200002

Nascimento, T. (2005). O discurso da divulgação científica no livro didático de ciências: características, adaptações e funções de um texto sobre clonagem. Revista Brasileira de Pesquisa em Educação em Ciências, 5(2), 1-13. Recuperado de https://periodicos.ufmg.br/index.php/rbpec/article/view/4060

Navas, A. M., Contier, D., & Marandino, M. (2007) Controvérsia científica, comunicação pública da ciência e museus no bojo do movimento CTS. Ciência & Ensino (Bauru) (Online), 1(1), 1-12. Recuperado de http://143.0.234.106:3537/ojs/index.php/cienciaeensino/article/view/127/102

Piassi, L. (2013). Clássicos do cinema nas aulas de ciências - A física em 2001: uma odisseia no espaço. Ciência & Educação (Bauru), 19(3), 517-534. http://dx.doi.org/10.1590/S1516-73132013000300003

Pinto, G. (2009). Literatura não-canônica de divulgação científica em aulas de ciências. Ensaio: pesquisa em educação em ciências, 11(2), 299-317. http://dx.doi.org/10.1590/1983-21172009110207

Polino, C., & Castelfranchi, Y. (2012). Comunicación pública de la ciencia. Historia, prácticas y modelos. In E Aibar, & M. A. Quintanilla (Eds.). Enciclopedia Ibero Americana de Filosofía. v. 32: Ciencia, tecnología y sociedad (351-378) Madrid: Trotta.

Reznik, G., Massarani, L., & Moreira, I. C. (2019). How does the image of the scientist appear in short animation films? História, Ciências, Saúde-Manguinhos, 26(3), p. 753-777. http://dx.doi.org/10.1590/s0104-59702019000300003

Rocha, M. (2012). O potencial didático dos textos de divulgação científica segundo professores de ciências. Revista Brasileira de Ensino de Ciência e Tecnologia, 5(2), 47-68. http://dx.doi.org/10.3895/S1982-873X2012000200005

Rodrigues, R. (2004). Análise de gêneros do discurso na teoria bakhtiniana: algumas considerações teóricas e metodológicas. Linguagem em (Dis)curso, Tubarão, 4(2), 415-440. Recuperada de http://linguagem.unisul.br/paginas/ensino/pos/linguagem/linguagem-em-discurso/0402/040208.pdf

Sagan, C. (1996). Bilhões e Bilhões: reflexões sobre a vida e a morte na virada do milênio. São Paulo, SP: Companhia das Letras.

Santos, M. E. (2009). Ciência como cultura - paradigmas e implicações epistemológicas na educação científica escolar. Química Nova, 32(2), 530-537. http://dx.doi.org/10.1590/S0100-40422009000200043

Silva, L. S. & Alves, L. M. S. A. (2013). As contribuições do pensamento bakhtiniano para o campo das pesquisas em educação. Nuances: estudos sobre Educação, 24(3), 101-117. http://dx.doi.org/10.14572/nuances.v24i3.2701

Simis, M. J., Madden, H., Cacciatore, M. A. & Yeo, S. K. (2016) The lure of rationality: Why does the deficit model persist in science communication? Public Understanding of Science, 25(4), 400-414. https://dx.doi.org/10.1177/0963662516629749

Snow, C. (1993). As duas culturas e um segundo olhar. Trad. Renato Rezende Neto. São Paulo, SP: Universidade de São Paulo.

Souza, P. H. & Rocha, M. (2017). Análise da linguagem de textos de divulgação científica em livros didáticos: contribuições para o ensino de biologia. Ciência & Educação (Bauru), 23(2), 321-340. http://dx.doi.org/10.1590/1516-731320170020003

Souza, P. H. & Rocha, M. (2018). O caráter híbrido dos textos de divulgação científica inseridos em livros didáticos. Ciência & Educação (Bauru), 24(4), 1043-1063. http://dx.doi.org/10.1590/1516-731320180040015

Vigotski, Lev (2000). Psicologia concreta do homem. Educação & Sociedade, 21(71), 23-44. http://dx.doi.org/10.1590/S0101-73302000000200002

Vogt, Carlos (2011). The spiral of scientific culture and cultural well-being: Brazil and Ibero-America. Public Understanding of Science, 21(1), 4-16. https://dx.doi.org/10.1177/0963662511420410

Wertsch, James (1998). Mind as action. New York, USA: Oxford Univ. Press.

Zanetic, João (2006). Física e Arte: uma ponte entre duas culturas. Pro-Posições, 17(1), 39-57. Recuperado de https://www.fe.unicamp.br/pffe/publicacao/2344/49_dossie_zaneticj.pdf




DOI: http://dx.doi.org/10.22600/1518-8795.ienci2020v25n3p209

Licença Creative Commons
Este obra está licenciado com uma Licença Creative Commons Atribuição-NãoComercial 4.0 Internacional.

Revista Investigações em Ensino de Ciências (IENCI) - ISSN: 1518-8795 

Creative Commons License