CONCEPÇÕES DE TECNOLOGIA NA FORMAÇÃO INICIAL DE PROFESSORES DE FÍSICA

Elio Carlos Ricardo

Resumo


Tem havido uma crescente ênfase na tecnologia no contexto educacional. No entanto, não está claro o que é a tecnologia. Frequentemente, as pessoas pensam a tecnologia como uma ciência aplicada ou um simples artefato, como um computador ou um smartphone. Raramente se pensa na tecnologia como um processo ou a relação entre inovações tecnológicas e os aspectos sociais, econômicos e históricos. Mas, os professores estão preparados para discutir a tecnologia na sala de aula? Este artigo apresenta uma análise qualitativa acerca das concepções de tecnologia em cursos de formação inicial de professores de física. Para isso, foram analisados os Projetos Pedagógicos de 19 cursos de licenciatura em física. As análises indicam que concepções de tecnologia criticadas pela literatura estão presentes nesses documentos, tais como: tecnologia como ciência aplicada, tecnologia como artefato, modelo linear de desenvolvimento tecnológico e determinismo tecnológico.


Palavras-chave


Concepções de tecnologia; física e tecnologia; educação tecnológica; ensino de tecnologia

Texto completo:

PDF

Referências


Abreu, T. B., Fernandes, J. P., & Martins, I. (2013). Levantamento sobre a produção CTS no Brasil no período de 1980-2008 no campo de ensino de ciências. Alexandria Revista de Educação em Ciência e Tecnologia, 6(2), 3-32. Recuperado de https://periodicos.ufsc.br/index.php/alexandria/article/view/37953

Alcíbar, M. (2009). Comunicación pública de la tecnociencia: más allá de la difusión del conocimiento. Zer. 14(27), 165-188. Recuperado de https://ojs.ehu.eus/index.php/Zer/article/view/2408

Araújo, R. F. (2009). Os grupos de pesquisa em ciência, tecnologia e sociedade no Brasil. Revista Brasileira de Ciência, Tecnologia e Sociedade, 1(1), 81-97. Recuperado de http://www.necso.ufrj.br/atorede2011/osgruposdepesquisaemctsnobrasil.pdf

Asghar, A., Huang, Y-S., Elliott, K., & Skelling, Y. (2019). Exploring secondary students´ alternative conceptions about engineering design technology. Education Sciences, 9(1), 1-18. https://doi.org/10.3390/educsci9010045

Bardin, L. (1977). Análise de conteúdo. Lisboa, Portugal: Edições 70.

Bispo Fl., D. O., Maciel, M. D., Sepini, R. P., & Alonso, A. V. (2013). Alfabetização científica sob o enfoque da ciência, tecnologia e sociedade: implicações para a formação inicial e continuada de professores. Revista Electrónica de Enseñanza de las Ciencias, 12(2), 313-333. Recuperado de http://reec.uvigo.es/volumenes/volumen12/REEC_12_2_5_ex649.pdf

Bunge, M. (1985). Philosophy of science and technology: formal and physical sciences. Treatise on Basic Philosophy. Dordrecht: Reidel.

Cachapuz, A., Paixão, F., Lopes, J. B., & Guerra, C. (2008). Do estado da arte da pesquisa em educação em ciências: linhas de pesquisa e o caso “ciência-tecnologia-sociedade”. Alexandria Revista de Educação em Ciência e Tecnologia, 1(1), 27-49. Recuperado de https://periodicos.ufsc.br/index.php/alexandria/article/view/37408/28738

Caillot, M. (1996). La théorie de la transposition didactique est-elle transposable? In Raisky, C., & Caillot, M. (1996). Au-delà des didactiques, le didactique: débats autour de concepts fédérateurs. Bruxelles, Belgium: De Boeck & Larcier

Cerezo, J. A. L. (1998). Ciencia, tecnología y sociedad: el estado de la cuestión en Europa y Estados Unidos. Revista Iberoamericana de Educación, 18, 41-68. https://doi.org/10.35362/rie1801091

Cerezo, J. A. L. (1999). Los estudios de ciencia, tecnología y sociedad. Revista Iberoamericana de Educación, 20, 1-6. https://doi.org/10.35362/rie2001049

Cerezo, J. A. L. (2009). Ciencia, técnica y sociedad. In Ibarra, A., & Olivé, L. (2009). Cuestiones éticas de la ciencia y la tecnología en el siglo XXI. Madrid, España: Biblioteca Nueva.

Chiqueto, M. J. (2011). O Currículo de física do ensino médio no Brasil: discussão retrospectiva. Revista e-Curriculum (PUCSP), 7(1), 1-16. Recupedaro de https://revistas.pucsp.br/index.php/curriculum/article/view/5646

Chrispino, A., Lima, L. S., Albuquerque, M. B., Freitas, A. C. C., & Silva, M. A. F. B. (2013). A área CTS no Brasil vista como rede social: onde aprendemos? Ciência & Educação (Bauru), 19(2), 455-479. https://doi.org/10.1590/S1516-73132013000200015

Constantinou, C., Hadjilouca, R., & Papadouris, N. (2010). Student´s epistemological awareness concerning the distinction between science and technology. International Journal of Science Education, 32(2), 143-172. https://doi.org/10.1080/09500690903229296

Cupani, A. (2013). Filosofia da tecnologia: um convite. Florianópolis, SC: UFSC.

Deconto, D. C. S., Cavalcanti, C. J. H., & Ostermann, F. (2016). A perspectiva ciência, tecnologia e sociedade na formação inicial de professores de física: estudando concepções a partir de uma análise bakhtiniana. Alexandria Revista de Educação em Ciência e Tecnologia, 9(2), 87-119. https://doi.org/10.5007/1982-5153.2016v9n2p87

Díaz, J. A., Alonso, A. V., Mas, M. A. M., & Romero, P. A. (2003). Creencias sobre la tecnología y sus relaciones con la ciencia. Revista Eletrónica de Enseñanza de las Ciencias, 2(3), 1-26. http://reec.uvigo.es/volumenes/volumen2/REEC_2_3_9.pdf

Digironimo, N. (2011). What is technology? Investigating student conceptions about the nature of technology. International Journal of Science Education, 33(10), 337-352. https://doi.org/10.1080/09500693.2010.495400

Dreyfus, A. (1992). Content analysis of school textbooks: the case of a technology-oriented curriculum. International Journal of Science Education, 14(1), 3-12. https://doi.org/10.1080/0950069920140102

Dusek, V. (2006). Filosofia da tecnologia. São Paulo, SP: Loyola.

Eijck, M. V., & Claxton, N. X. (2008). Rethinking the notion of technology in education: techno-epistemology as a feature inherent to human práxis. Science Education, 93(2), 218-232. https://doi.org/10.1002/sce.20308

Firme, R. N., & Amaral, E. M. R. (2008). Concepções de professores de química sobre ciência, tecnologia, sociedade e suas inter-relações: um estudo preliminar para o desenvolvimento de abordagens CTS na sala de aula. Ciência & Educação (Bauru), 14(2), 251-269. https://doi.org/10.1590/S1516-73132008000200005

Fourez, G. (2003). Crise no ensino de ciências? Revista Investigações em Ensino de Ciências, 8(2), 109-123. Recuperado de https://www.if.ufrgs.br/cref/ojs/index.php/ienci/article/view/542

Freitas, L. M., & Ghedin, E. (2015). Pesquisas sobre estado da arte em CTS: análise comparativa com a produção em periódicos nacionais. Alexandria Revista de Educação em Ciência e Tecnologia, 8(3), 3-25. http://doi.org/10.5007/1982-5153.2015v8n3p3

Gilbert, J. K. (1992). The interface between science education and technology education. International Journal of Scence Education, 14(5), 563-578. https://doi.org/10.1080/0950069920140507

Gilbert. J. K. (1995). Educación tecnológica: una nueva asignatura en todo el mundo. Enseñanza de las Ciencias, 13(1), 15-24. Recuperado de https://www.raco.cat/index.php/Ensenanza/article/view/21389

Gonçalves, R. S., & Menezes, P. H. D. (2013). Educação em ciências balizada pelo enfoque CTS: perspectivas e possibilidades para o ensino de ciências da escola básica. In Atas IX Encontro Nacional de Pesquisa em Educação em Ciências. Águas de Lindóia.

Gordillo, M. M., & Galbarte, J. C. G. (2002). Reflexiones sobre la educación tecnológica desde el enfoque CTS. Revista Iberoamericana de Educación, 28, 1-28. https://doi.org/10.35362/rie280958

Guillén, D., & Gallegos, O. S. (2006). La enseñanza de la tecnología en la educación básica (un enfoque pedagógico). In Actas I Congreso Iberoamericano de Ciencia, Tecnología, Sociedad e Innovación CTS+i. México – D.F.

Gutiérrez, M. A., & Serna, C. V. (2012). De la técnica a la tecnología. In Quintanilla, M. A., & Aibar, E. (2012). Ciencia, Tecnología y Sociedad. Madrid, España: Trotta.

Hunsche, S., Dalmolin, A., Roso, C. C., Santos, R. A., & Auler, D. (2009). O enfoque CTS no contexto brasileiro: caracterização segundo periódicos da área de educação em ciências. In Atas do VII Encontro Nacional de Pesquisa em Educação em Ciências. Florianópolis.

Lopes, N. C., Andrade, J. A. N., Queirós, W. P., Souza, R. R, Nardi, R., & Carvalho, W. L. P. (2009). Tendências do movimento CTS em dois eventos nacionais da área de ensino de ciências. In Atas do XVII Simpósio Nacional de Ensino de Física. Vitória, Brasil.

Lüdke, M., & André, M. (1986). Pesquisa em educação: abordagens qualitativas. São Paulo, SP: E. P. U..

Maiztegui, A., Acevedo, J. A., Caamaño, A., Cachapuz, A., Cañal, P., Carvalho, A. M. P., Carmen, L., Carré, D., Garritz, A., Gil, D., Gonzalez, E., Gras-Martí, A., Guisasola, J., López-Cerezo, J. A., Macedo, B., Martínez-Torregrosa, J., Moreno, A., Praia, J., Rueda, C., Tricárico, H., Valdés, P., & Vilches, A. (2002). Papel de la tecnología en la educación científica: una dimensión olvidada. Revista Iberoamericana de Educación, 28, 1-19. https://doi.org/10.35362/rie280962

Martinand, J-L. (2003). L´éducation technologique à l´école moyenne en France: problémes de didactique curriculaire. La Revue Canadienne de l´Énseignement des Sciences des Mathématiques et des Technologies, 3(1), 102-116. https://doi.org/10.1080/14926150309556554

MEC – Ministério da Educação. (2018). Base nacional comum curricular. Secretaria da Educação Básica. Brasília, DF: MEC.

Mitchan, C. (1994). Thinking through technology: the path between engineering and philosophy. Chicago: The University of Chicago Press.

Niezwida, N. R. A. (2007). A tecnologia como objeto de estudo na educação geral básica obrigatória: características e tendências a partir de um estudo com professores. Dissertação (Mestrado em Educação Científica e Tecnológica), Universidade Federal de Santa Catarina. Recuperado de http://repositorio.ufsc.br/xmlui/handle/123456789/90482

Niezwida, N. R. A. (2009). A tecnologia como objeto de estudo: tendências de educação tecnológica. In Atas do VII Encontro Nacional de Pesquisa em Educação em Ciências. Florianópolis.

Oliveira, S., Guimarães, O. M., & Lorenzetti, L. (2016). O enfoque CTS e as concepções de tecnologia de alunos do ensino médio. Alexandria Revista de Educação em Ciência e Tecnologia, 9(2), 121-147. https://doi.org/10.5007/1982-5153.2016v9n2p121

Osorio, M. C. (2002). La educación científica y tecnológica desde el enfoque en ciencia, tecnología y sociedad: aproximaciones y experiencias para la educación secundaria. Revista Iberoamericana de Educación, 28, 1-15. https://doi.org/10.35362/rie280959

Pacey, A. (1990). La cultura de la tecnología. Ciudad de México – D.F: Fondo de Cultura Económica.

Palacios, E. M. G., Galbarte, J. C. G., Cerezo, J. A. L., Luján, J. L., Gordillo, M. M., Osorio, C., & Valdés, C. (2001). Ciencia, tecnología y sociedad: una aproximación conceptual. Madrid: Organización de Estados Iberoamericanos para la Educación, la Ciencia y la Cultura – OEI.

Parselis, M. (2018). Dar sentido a la técnica. Madrid, España: Catarata.

Perrenoud, P. (1999). Construir as competências desde a escola. (Trad. Bruno C. Magne). Porto Alegre, RS: Artes Médicas Sul.

Quintanilla, M. A. (2005). Tecnología: un enfoque filosófico y otros ensayos de filosofía de la tecnología. México – D.F.: Fondo de Cultura Económica.

Quintanilla, M. A. (2012). Tecnología, cultura e innovación. In Quintanilla, M. A., & Aibar, E. (2012). Ciencia, tecnología y sociedad. Madrid, España: Trotta.

Quintanilla, M. A., & Bravo, A. (1997). Cultura tecnológica e innovación. Primera Parte: el concepto de cultura tecnológica. Madrid, España: Fundación COTEC.

Quintanilla, M. A., Parselis, M., Sandrone, D., & Lawler, D. (2017). Tecnologías entrañables. Madrid, España: Catarata.

Quintanilla, M. A., & Lopez, S. M. (2018). Una nueva agenda para la política científica. Sistema – Revista de Ciencias Sociales. 249-250, 137-149. Recuperado de https://fundacionsistema.com/una-nueva-agenda-para-la-politica-cientifica

Ricardo, E. C., Custódio, J. F., & Rezende Jr., M. F. (2007). A tecnologia como referência dos saberes escolares: perspectivas teóricas e concepções dos professores. Revista Brasileira de Ensino de Física, 29(1), 135-147. https://doi.org/10.1590/S1806-11172007000100020

Ricardo, E. C., Albayay, G. A., & Couso, D. (2011). Um estudo exploratório das concepções dos alunos acerca do ensino da física no Brasil, Chile e Espanha. In Actas del I Congreso Internacional de Enseñanza de las Ciencias y la Matemática. Tandil, Argentina, 1-10.

Ricardo, E. C., & Freire, J. C. A. (2007). A concepção dos alunos sobre a física do ensino médio: um estudo exploratório. Revista Brasileira de Ensino de Física, 29(2), 251-266. https://doi.org/10.1590/S1806-11172007000200010

Ricardo, E. C., & Zylbersztajn, A. (2002). O ensino das ciências no nível médio: um estudo sobre as dificuldades na implementação dos Parâmetros Curriculares Nacionais. Caderno Brasileiro de Ensino de Física., 19(3), 351-370. https://doi.org/10.5007/%25x

Ricardo, E. C., & Zylbersztajn, A. (2007). Os parâmetros curriculares nacionais na formação inicial dos professores das ciências da natureza e matemática do ensino médio. Investigações em Ensino de Ciências, 12(3), 339-355. Recuperado de https://www.if.ufrgs.br/cref/ojs/index.php/ienci/article/view/464

Ricardo, E. C., & Zylbersztajn, A. (2008). Os parâmetros curriculares nacionais para as ciências do ensino médio: uma análise a partir da visão de seus elaboradores. Investigações em Ensino de Ciências, 13(3), 257-274. Recuperado de https://www.if.ufrgs.br/cref/ojs/index.php/ienci/article/view/442

Rosenblueth, E. (1980). Tecnologia e filosofia. In Bunge, M. (1980). Epistemologia. São Paulo, SP: T. A. Queiros/Edusp.

Ruas, P. A. A. R. (2017). Interdisciplinaridade, problematização e contextualização: a perspectiva de um grupo de professores em um curso de formação. (Tese de doutorado em Educação). Faculdade de Educação, Universidade de São Paulo, SP. Recuperado de https://www.teses.usp.br/teses/disponiveis/48/48134/tde-10052017-144001/pt-br.php

Sá, M. B. Z., & Santin Fl., O. (2009). Relações entre ciência, tecnologia e sociedade em livros didáticos de química. Acta Scientiarum, 31(2), 159-166. https://doi.org/10.4025/actascihumansoc.v31i2.461

Santos, V. T., Campos, A. F., & Almeida, M. A. V. (2005). Concepções dos professores de química sobre o desenvolvimento de competências na Escola. Ensaio: Pesquisa em Educação em Ciências, 7(1), 33-46. https://doi.org/10.1590/1983-21172005070104

Santos, D. B. S. (2017). Abordagens de tecnologia presentes nos livros didáticos de química. (Dissertação de mestrado em Ensino de Ciências). Instituto de Física, Universidade de São Paulo, SP. https://doi.org/10.11606/D.81.2018.tde-05072018-141953

Santos, J. P. S., Tenório, A. C., & Sundheimer, M. L. (2018). Visões de ciência e tecnologia entre licenciandos em física quando utilizam a robótica educacional: um estudo de caso. Investigações em Ensino de Ciências, 23(1), 32-55. http://dx.doi.org/10.22600/1518-8795.ienci2018v23n1p32

Schmidt, R. B. (2013). A matemática nos parâmetros curriculares nacionais e na proposta curricular: a experiência docente na escola pública estadual de Santa Catarina. In Atas do VI Congresso Internacional de Ensino de Matemática – Canoas, Brasil.

Silva, M. R. (2008). Currículo e competências: a formação administrada. São Paulo, SP: Cortez.

Triviños. A. N. (1987). Introdução à pesquisa em ciências sociais: a pesquisa qualitativa em educação. São Paulo, SP: Atlas.

Utges, G., Fernández, P., & Jardon, A. (1996). Física y tecnología: una integración posible. Caderno Catarinense de Ensino de Física, 13(2), 108-120. https://doi.org/10.5007/%25x

Veraszto, E. V., Silva, D., Camargo, E. P., & Barros Fl., J. (2013). Concepções de tecnologia de graduandos do Estado de São Paulo e suas implicações educacionais: breve análise a partir de modelagem de equações estruturais. Ciência & Educação (Bauru), 19(3), 761-779. http://dx.doi.org/10.1590/S1516-73132013000300015

Vries, M. J. (1996). Technology education: beyond the “technology is applied Science” paradigm. Journal of Technology Education, 8(1), 1-12. https://doi.org/10.21061/jte.v8i1.a.1

Vries, M. J. (2005). The nature of technological knowledge: philosophical reflections and educational consequences. International Journal of Technology and Design Education, 15, 149-154. https://doi.org/10.1007/s10798-005-8276-2




DOI: http://dx.doi.org/10.22600/1518-8795.ienci2020v25n3p190

Licença Creative Commons
Este obra está licenciado com uma Licença Creative Commons Atribuição-NãoComercial 4.0 Internacional.

Revista Investigações em Ensino de Ciências (IENCI) - ISSN: 1518-8795 

Creative Commons License