EDUCAÇÃO AMBIENTAL E EDUCAÇÃO CTS NUMA PERSPECTIVA FREIREANA: A NECESSÁRIA SUPERAÇÃO DA CONTRADIÇÃO ENTRE CONSERVAÇÃO E DESENVOLVIMENTO

Rodrigo da Luz, Eliane dos Santos Almeida, Rosiléia Oliveira de Almeida

Resumo


No cenário mundial atual, marcado pelas relações capitalistas de produção, se faz necessário que o ensino de ciências problematize as contradições socioambientais na direção do enfrentamento da crise civilizatória vivenciada. Este artigo tem o objetivo de discutir as contribuições da Educação Ambiental e da Educação CTS, numa perspectiva freireana, para o desvelamento da contradição entre conservação ambiental e desenvolvimento socioeconômico no contexto da Educação em Ciências. Para isso, refletimos sobre os obstáculos e desafios à humanização, com destaque para as ideologias e situações-limite que impedem a percepção das condições existenciais dos sujeitos. Diante desse contexto, ressaltamos os contributos da Educação CTS e da Educação Ambiental no processo de desvelamento e transformação da realidade capitalista opressora, por meio de um ensino de ciências que possa contribuir para a construção de uma nova forma de sociabilidade em que a conciliação entre desenvolvimento e conservação esteja finalmente materializada no seio das relações sociais.


Palavras-chave


Educação em Ciências; Paulo Freire; Ideologias; Situações-Limite; Humanização

Texto completo:

PDF

Referências


Amaral, I. A. (2001). Educação Ambiental e Ensino de Ciências: uma história de controvérsias. Pro-posições, 12(1), 73-93. Recuperado de https://periodicos.sbu.unicamp.br/ojs/index.php/proposic/article/view/8644012/11461

Almeida, E. S. (2018). A Investigação Temática na perspectiva da articulação Freire-CTS. (Dissertação de mestrado). Programa de Pós-Graduação em Educação em Ciências, Universidade Estadual de Santa Cruz, Ilhéus, Brasil. Recuperado de http://www.biblioteca.uesc.br/biblioteca/bdtd/ 201610055D.pdf

Almeida, E. S., & Gehlen, S. T. (2019). Organização Curricular na perspectiva Freire-CTS: propósitos e possibilidades para a Educação em Ciências. Ensaio Pesquisa em Educação em Ciências, 21, 1-24. https://doi.org/10.1590/1983-21172019210126

Archanjo, M. G. J., & Gehlen, S. T. (2020). A Tecnologia Social e sua contribuição para a Educação em Ciências. Revista Brasileira de Pesquisa em Educação em Ciências, 20, 345-374. https://doi.org/10.28976/1984-2686rbpec2020u345374

Auler, D. (2002). Interações entre ciência-tecnologia-sociedade no contexto da formação de professores de ciências. (Tese de doutorado). Programa de Pós-Graduação em Educação Científica e Tecnológica, Universidade Federal de Santa Catarina, Florianópolis, Brasil. Recuperado de https://repositorio.ufsc.br/handle/123456789/82610

Auler, D., & Delizoicov, D. (2006). Ciência-Tecnologia-Sociedade: relações estabelecidas por professores de ciências. Revista Electrónica de Enseñanza de las Ciencias, 5(2), 337–35. Recuperado de http://reec.uvigo.es/volumenes/volumen5/ART8_Vol5_N2.pdf

Auler, D. (2018). Cuidado! Um cavalo viciado tende a voltar para o mesmo lugar. Curitiba, PR: Appris.

Barbosa, L. S., Lima, J. A., Santos, J. S., & Gehlen, S. T. (2020) O Brincar e os Três Momentos Pedagógicos: contribuições para o ensino de Ciências Naturais na Educação Infantil. Experiências em Ensino de Ciências, 15(1), 39-60. Recuperado de http://if.ufmt.br/eenci/artigos/Artigo_ID677/v15_n1_a2020.pdf

Bourdieu, P. (1996). Razões práticas: sobre a teoria da ação. Tradução Mariza Corrêa. Campinas, São Paulo, SP: Papirus.

Cachapuz, A., Gil Pérez, D., Carvalho, A. M. P., Praia, J., & Vilches, A. (2011). A necessária renovação do ensino das ciências. (2a ed.). São Paulo, SP: Cortez.

Chauí, M. (2008). O que é ideologia. (2a ed. 9a. reimpr.). São Paulo, SP: Brasiliense.

Deconto, D. C. S., Cavalcanti, C. J. H., & Ostermann, F. (2016). A perspectiva Ciência, Tecnologia e Sociedade na formação inicial de professores de Física: estudando concepções a partir de uma análise Bakhtiniana. Alexandria, Revista de Educação em Ciência e Tecnologia 9(2), 87-119. https://doi.org/10.5007/1982-5153.2016v9n2p87

Delizoicov, D. (1991). Conhecimento, tensões e transições. (Tese de doutorado). Faculdade de Educação, Universidade de São Paulo, São Paulo, Brasil. Recuperado de https://repositorio.ufsc.br/handle/123456789/75757?locale-attribute=es

Delizoicov, D., Angotti, J. A. P., & Pernambuco, M. M. C. A. (2018). Ensino de Ciências: fundamentos e métodos. (5a. ed.). São Paulo, SP: Cortez.

Dias, G. F. (2004). Educação Ambiental: princípios e práticas. (9a ed.). São Paulo, SP: Gaia.

Diegues, A. C. (2008). O mito moderno da natureza intocada. (6a. ed.). São Paulo, SP: Hucitec.

Duarte, N. (2000). Educação e moral na sociedade capitalista em crise. In V. M. Candau (Org.). Ensinar e aprender: sujeitos, saberes e pesquisa. Rio de Janeiro, RJ: DP&A, 175-189.

Farias, C. R. O., & Freitas, D. (2007). Educação ambiental e relações CTS: Uma perspectiva integradora. Revista Ciência & Ensino, (v. esp.1). Recuperado de http://200.133.218.118:3535/ojs/index.php/cienciaeensino/article/viewFile/159/124

Fernandez, B. (2011). Ecodesenvolvimento, Desenvolvimento Sustentável e Economia Ecológica: em que sentido representam alternativas ao paradigma de desenvolvimento tradicional? Desenvolvimento e Meio ambiente, 23(0),109-120. https://doi.org/10.5380/dma.v23i0.19246

Freire, P. (1996). Pedagogia da autonomia: saberes necessários à prática educativa. São Paulo, SP: Paz e Terra.

Freire, P. (2005). Pedagogia do oprimido. (42a. ed. 49a. reimpr.) Rio de Janeiro, RJ: Paz e Terra.

Freire, P., Shor, I. (1986). Medo e ousadia: o cotidiano do professor. Rio de Janeiro, RJ: Paz e Terra.

Frigotto, G. (2003). Educação e formação humana: ajuste neoconservador e alternativa democrática. In G. Frigotto (Ed.). Educação e a crise do capitalismo real. São Paulo, SP: Cortez, p. 135-207.

Gentili, P. (1996). Neoliberalismo e educação: manual do usuário. In T. T. Silva & P. Gentili (Orgs.). Escola S.A.: quem ganha e quem perde no mercado educacional no neoliberalismo. Brasília, DF: CNTE. p. 9-49.

Hansen, T. R., Marsango, D., & Santos, R. A. (2019). Práticas educativas CTS e Educação Ambiental na problematização dos valores presentes no direcionamento dado ao desenvolvimento científico-tecnológico. REMEA - Revista Eletrônica do Mestrado em Educação Ambiental, 0(2), 118-129. https://doi.org/10.14295/remea.v0i2.8885

Layrargues, P. P., & Lima, G. F. C. (2014). As macrotendências político-pedagógicas da Educação Ambiental Brasileira. Ambiente & Sociedade, 7(1), 23-40. https://doi.org/10.1590/s1414-753x2014000100003

Leff, E. (2001). Saber ambiental: sustentabilidade, racionalidade, complexidade, poder. Petrópolis,RJ: Vozes.

Lessa, S., & Tonet, I. (2008). Introdução à filosofia de Marx. São Paulo, SP: Expressão Popular.

Lima, G. F. C. (1997). O debate da sustentabilidade na sociedade insustentável. Política & Trabalho (Impresso), 13, 202-222. Recuperado de https://periodicos.ufpb.br/ojs/index.php/politicaetrabalho/article/view/6404

Lima, G. F. C. (2003). O discurso da sustentabilidade e suas implicações para a educação. Ambiente & Sociedade, 6(2), 99-119. https://doi.org/10.1590/s1414-753x2003000300007

Loureiro, C. F. B. (2012). Trajetórias e fundamentos da Educação Ambiental. (4a. ed.). São Paulo, SP: Cortez.

Loureiro, C. F. B., & Lima, J. G. S. (2009). Educação ambiental e educação científica na perspectiva Ciência, Tecnologia e Sociedade (CTS): pilares para uma educação crítica. Acta Scientiae, 11(1), 88-100. Recuperado de http://www.periodicos.ulbra.br/index.php/acta/article/viewFile/57/51

Löwy, M. (2010). Ideologias e ciência social: elementos para uma análise marxista. (19a. ed.). São Paulo, SP: Cortez.

Luz, R. (2019). Interfaces entre a Educação Ambiental e a Educação CTS e CTSA no Brasil: possibilidades e limitações. (Dissertação de mestrado). Programa de Pós-Graduação em Educação em Ciências, Universidade Estadual de Santa Cruz, Ilhéus, Brasil. Recuperado de http://www.biblioteca.uesc.br/biblioteca/bdtd/201710069D.pdf

Luz, R., Almeida, E. S., Nascimento, E. S., & Prudêncio, C. A. V. (2019). Professores de Química em Formação Inicial: o que Pensam e Dizem sobre as Relações entre Meio Ambiente, Ciência, Tecnologia e Sociedade. Revista Brasileira De Pesquisa Em Educação Em Ciências, 19, 537-563. https://doi.org/10.28976/1984-2686rbpec2019u537563

Luz, R., Araújo-Queiroz, M., & Prudêncio, C. A. V. (2019). CTS ou CTSA: o que (não) dizem as pesquisas sobre educação ambiental e meio ambiente? Alexandria, 12(1), 31-54. https://doi.org/10.5007/1982-5153.2019v12n1p31

Maknamara, M. (2009). Educação Ambiental e ensino de Ciências em escolas públicas alagoanas. Contrapontos, 9(1), 55-64. Recuperado de https://siaiap32.univali.br/seer/index.php/rc/article/viewFile/975/832

Marx, K. (1971). O capital: crítica da economia política. (2a. ed.). Rio de Janeiro, RJ: Civilização Brasileira.

Marx, K., & Engels, F. (2007). A ideologia alemã. Trad. Rubens Enderle, Nélio Schneider e Luciano Cavini Martorano. São Paulo, SP: Boitempo.

Marx, K., & Engels, F. (2010). Manifesto do partido comunista. (5a. reimpr.). São Paulo, SP: Martin Claret.

Muenchen, C., & Auler, D. (2007). Configurações curriculares mediante o enfoque CTS: desafios a serem enfrentados na educação de jovens e adultos. Ciência e Educação. 13(3), 421- 434. https://doi.org/10.1590/s1516-73132007000300010

Rocha, C. C. (2014). “Bora vê quem pode mais”: uma etnografia sobre o fazer política entre os Tupinambá e Olivença (Ilhéus, Bahia). (Tese de doutorado). Programa de Pós Graduação em Educação Científica e Tecnológica, Universidade Federal de Santa Catarina, Florianópolis, Brasil. Recuperado de https://repositorio.ufsc.br/bitstream/handle/123456789/128885/ 329719.pdf?sequence=1&isAllowed=y.

Rosa, S. E. (2019). Educação CTS: contribuições para a constituição de culturas de participação. (Tese de doutorado). Programa de Pós-Graduação em Educação em Ciências, Universidade de Brasília, Brasília, DF, Brasil. Recuperado de https://repositorio.unb.br/handle/10482/39240

Roso, C. C. (2017). Transformações na Educação CTS: uma proposta a partir do conceito de Tecnologia Social. (Tese de doutorado). Programa de Pós-Graduação em Educação Científica e Tecnológica, Universidade Federal de Santa Catarina, Florianópolis, Brasil. Recuperado de https://repositorio.ufsc.br/handle/123456789/187060

Roso, C. C., & Auler, D. (2016). A participação na construção do currículo: práticas educativas vinculadas ao movimento CTS. Ciência & Educação, 22(2), 371-389. https://doi.org/10.1590/1516-731320160020007

Sachs, I. (1981). Espaços, tempos e estratégias do desenvolvimento. São Paulo, SP: Vértice.

Santos, W. L. P. (2008). Educação científica humanística em uma perspectiva Freireana: resgatando a função do ensino de CTS. Alexandria: Revista de Educação em Ciência e Tecnologia, 1(1),109-131. Recuperado de https://periodicos.ufsc.br/index.php/alexandria/article/view/37426

Santos, B. S. (2020). A cruel pedagogia do vírus. Coimbra, Portugal: Almedina.

Santos, R. A., Brum, D. L., & Fucks, P. M. (2018). Compreensões da não neutralidade da CT construídas em práticas educativas CTS com enfoque na Educação Ambiental na Educação Básica. Tecné, Episteme y Didaxis: TED (Revista de la Facultad de Ciencia y Tecnología), 0(0), 1-7. Recuperado de https://revistas.pedagogica.edu.co/index.php/TED/article/view/9130/6853

Sato, M., Amorim, A. G., Silva Junior, A. A., Mellado, B. Y., Ferreira, C. R., Souza, C. F. S., Pedrotti-Mansilla, D. E., Santos, D. L. M. S., Amorim, D. A. R., Willms, E. E., Valles, E. A., Bertier, F. L., Nora, G., Gomes, G. R. N. S., Tamaio, I., Souza, J. P. T., Reis, K. F. M., Silva, M. L., Amorim, P. M., Ramos, R. B., Silva, R., Simione, R. M., Jales Senra, R. E. F., Nardi, T. C., Luiz, T. C., & Mello, V. M. (2020). Os condenados da pandemia. Cuiabá, MT: GPEA Sustentável.

Sato, M., Santos, D. L. M. S., & Sanches, C. (2020). Vírus: simulacro da vida? Cuiabá, MT: GPEA.

Sauvé, L. (2005). Educação Ambiental: possibilidades e limitações. Educação e Pesquisa, 31(2), 317-322. Recuperado de https://www.foar.unesp.br/Home/projetoviverbem/sauve-ea-possibilidades-limitacoes-meio-ambiente---tipos.pdf

Sauvé, L., & Asselin, H. (2017). En réponse à l’instrumentalisation de l’école comme antichambre du «marché du travail»: l’éducation à l’écocitoyenneté. Teoría de la Educación. 29(1), 217-244. http://dx.doi.org/10.14201/teoredu2017291217244

Silva. A. T. R. (2015). A conservação da biodiversidade entre os saberes da tradição e a ciência. Estudos Avançados, 29, 233-259. http://dx.doi.org/10.1590/S0103-40142015000100012

Strieder, R. B. (2012). Abordagens CTS na educação científica no Brasil: sentidos e perspectivas. (Tese de doutorado). Programa de Pós-Graduação Interunidades em Ensino de Ciências. Universidade de São Paulo, São Paulo, Brasil. Recuperado de http://www.teses.usp.br/teses/disponiveis/81/81131/tde-13062012-112417/pt-br.php

Tabarelli, M., Pinto, L. P. Silva, J. M. C., Hirota, M. M., & Bedê, L. C. (2005). Desafios e oportunidades para a conservação da biodiversidade na Mata Atlântica Brasileira. Megadiversidade, 1(1), 132-138. Recuperado de http://www.avesmarinhas.com.br/Desafios%20e%20oportunidades%20para%20a%20 conservação%20da%20biodiversidade.pdf

Tonet, I. (2002). Ética e capitalismo. Presença Ética, 2(0), 13-25. Recuperado de http://ivotonet.xp3.biz/arquivos/ETICA_E_CAPITALISMO.pdf

Tonet, I. (2009). Expressões socioculturais da crise capitalista na atualidade. In CFESS; ABEPSS. Serviço Social: direitos sociais e competências profissionais. Brasília: DF.

Tonet, I. (2014). Atividades educativas emancipadoras. Práxis Educativa, 9(1), 9-23. https://doi.org/10.5212/PraxEduc.v.9i1.0001

Tonet, I. (2015). Educação e meio ambiente. REBELA, 5(3), 479-491. Recuperado de https://rebela.emnuvens.com.br/pc/article/view/248

Torres, J. R., & Maestrelli, S. R. P. (2012). Apropriações da concepção educacional de Paulo Freire na Educação Ambiental: um olhar crítico. Revista Contemporânea de Educação, 07(14), 309-334. https://doi.org/10.20500/rce.v7i14.1674

Torres, J. R., & Maestrelli, S. R. P. (2014). Abordagem temática freireana: uma concepção curricular para a efetivação de atributos da educação ambiental escolar. Revista e-Curriculum, 12(2), 1391-1417. Recuperado de https://revistas.pucsp.br/curriculum/article/view/9272#:~:text=Este%20estudo%20pressup%C3%B5e%20que%20a,da%20Educa%C3%A7%C3%A3o%20Ambiental%20escolar%20em

Tozoni-Reis, M. F. C. (2006). Temas Ambientais como 'temas geradores': contribuições para uma metodologia educativa ambiental crítica, transformadora e emancipatória. Educar em Revista, (27), 93-110. https://doi.org/10.1590/S0104-40602006000100007

Vilches, A., Gil Pérez, D., & Praia, J. (2011). De CTS a CTSA: educação por um futuro sustentável. In W. L. P. Santos & D. Auler (Orgs.). CTS e educação científica: desafios, tendências e resultados de pesquisas. Brasília: UNB, 161-184.

Zizek, S. (1996). O espectro da ideologia. In S. Zizek (Org.). Um mapa da ideologia. Tradução de Vera Ribeiro. Rio de Janeiro, RJ: Contraponto, 7-36.




DOI: http://dx.doi.org/10.22600/1518-8795.ienci2020v25n5p162

Licença Creative Commons
Este obra está licenciado com uma Licença Creative Commons Atribuição-NãoComercial 4.0 Internacional.

Revista Investigações em Ensino de Ciências (IENCI) - ISSN: 1518-8795 

Creative Commons License