NEUROCIÊNCIAS COGNITIVAS NO ESTUDO DO SISTEMA NERVOSO: UM OLHAR CRÍTICO POR MEIO DO LIVRO DIDÁTICO DE EDUCAÇÃO BÁSICA

Taís Oliveira Martins, Marcelo Leandro Eichler

Resumo


Esta pesquisa analisou como livros didáticos mostram a relação entre mente e cérebro em suas abordagens para o estudo do sistema nervoso e discutiu se estes livros apresentam informações que promovam o acesso dos jovens estudantes a discussões atuais, que estão além do senso comum. Para tanto, foram selecionados livros de Ciências e Biologia distribuídos por meio do Programa Nacional do Livro e do Material Didático (PNLD) nos anos de 2017 e 2018, e analisados em cada livro o capítulo, a unidade ou o tema que aborda o sistema nervoso. Pesquisou-se a ocorrência de apresentação do tema por meio de tese cefalocêntrica, a utilização de modelos de referência para a explicação do funcionamento do sistema nervoso e, por fim, uma busca no texto por termos utilizados no campo das neurociências cognitivas. Ao fim da análise foi possível demonstrar que o enfoque nos livros pesquisados é dado a questões puramente biológicas, com ênfase a mecanismos de estímulo/resposta que pode incentivar crenças voltadas para um funcionamento mecânico do cérebro e a não compreensão do papel da mente neste processo. Para que haja a oportunidade do desenvolvimento de senso crítico neste tema, aponta-se a necessidade da desvinculação com o senso comum e com o discurso que promove o campo neurocientífico idealizado, homogêneo, infalível, finalista.


Palavras-chave


livro didático; neurociências; neuroconstrutivismo; sistema nervoso

Texto completo:

PDF

Referências


Aguilera, D., & Perales, F. J. (2018). El libro de texto, las ilustraciones y la actitud hacia la Ciencia del alumnado: percepciones, experiencias y opiniones del profesorado. Enseñanza de las ciencias, 36(3), 41-58. https://doi.org/10.5565/rev/ensciencias.2423

Amabis, J. M., & Martho, G. R. (2016). Biologia Moderna. São Paulo, SP: Moderna.

Aranha, G., & Sholl-Franco, A. (2012). Caminhos da Neuroeducação. Rio de Janeiro, RJ: Ciências & Cognição.

Battro, A. M., Fischer, K. W., & Léna, P. J. (2008). The Educated Brain: Essays in Neuroeducation. Cambridge: University Press.

Bizzo, N. (2016). Biologia novas bases (Vol. 2). São Paulo, SP: IBEP.

Bunge, M. (1988). El problema mente-cerebro: Um enfoque psicobiológico (2a ed.). Madri: Editorial Tecnos. (Original publicado em 1980).

Canto, E. L. do (2015). Ciências naturais – Aprendendo com o cotidiano (5a ed.). São Paulo, SP: Moderna.

Carnevalle, M. R. (org.) (2014). Projeto Araribá – Ciências (4a ed.). São Paulo, SP: Moderna.

Catani, A. et al. (2016). Ser protagonista: Biologia (Vol. 2, 3a ed.). São Paulo, SP: Edições SM.

Changeux, J. P. (1997). Neuronal Man: The biology of mind. New Jersey: Princeton University Press. (Original publicado em 1983).

Dias, M. C. da P. ,Bittencourt, A. S. ,& Amado, M. V. (2013). Análise do conteúdo de sistema nervoso nos livros de biologia aprovados no PNLEM (2012-2014): uma reflexão a partir das abordagens do processo de ensino e aprendizagem. Em: Atas, IX Encontro Nacional de Pesquisa em Educação em Ciências. Recuperado de http://www.nutes.ufrj.br/abrapec/ixenpec/atas/resumos/R0709-1.pdf

Favaretto, J. A. (2016). Biologia unidade e diversidade (Vol. 2). São Paulo: FTD.

Gewandsznajder, F. (2015). Projeto Teláris – Ciências (2a ed.). São Paulo: Ática.

Giordan, A., & Vecchi, G. de (1996). As origens do saber: das concepções dos aprendentes aos conceitos científicos. Porto Alegre, RS: Artes Médicas.

Gouvêa, G., & Oliveira, C. I. C. (2010). Memória e representação: imagens nos livros didáticos de física. Ciências & Cognição, 15(3), 069-083. Recuperado de http://pepsic.bvsalud.org/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S1806-58212010000300008

Gowdak, D., & Martins, E. (2015). Ciências Novo Pensar (2a ed.). São Paulo, SP: FTD.

Hansen, L., & Monk, M. (2002). Brain development, structuring of learning and Science education: where are we now? A review of some recent research. International Journal of Science Education, 24(4), 343-356. https://doi.org/10.1080/09500690110049105

Jiménez, J. de D; Prieto, R. H., & Perales, F. J. (1997). Análisis de los modelos y los grafismos en los libros de texto. Revista Alambique, 11, 1-6. Recuperado de https://www.researchgate.net/publication/39151558_Analises_de_los_modelos_y_los_grafismos_utilizados_en_los_libros_de_texto

Linhares, S., Gewandsznajder, F., & Pacca, H. (2016). Biologia Hoje (Vol 2, 3a ed.) São Paulo: Ática.

Lopes, S. (2015). Investigar e conhecer: Ciências da natureza. São Paulo, SP: Saraiva.

Lopes, S., & Rosso, S. (2016). Bio (Vol. 2, 3a ed.) São Paulo, SP: Saraiva.

Macedo, E. (2004). A imagem da ciência: folheando um livro didático. Educação & Sociedade, 25(86), 103-129. https://doi.org/10.1590/S0101-73302004000100007

Martins, T. O. (2018). Relações entre epistemologia genética e as neurociências cognitivas: o construtivismo neuronal e suas abordagens em educação em ciências. (Dissertação de mestrado). Programa de Pós-Graduação em Educação, Universidade Federal do Rio Grande do Sul. Recuperado de https://lume.ufrgs.br/handle/10183/189613

Martins, T. O., & Eichler, M. L. (2019). Epistemología genética y la (in)visibilidad de los enfoques constructivistas en neurociencias. Sophia, Colección de Filosofía de la Educación, 26(1), 115-140. https://doi.org/10.17163/soph.n26.2019.03

Martins, T. O., Vieira, J., & Eichler, M. L. (2017). Representações de crianças sobre o pensamento e o funcionamento da mente e do cérebro. Em Anais XI Encontro Nacional de Pesquisa em Educação em Ciências, Florianópolis, SC. Recuperado de http://www.abrapecnet.org.br/enpec/xi-enpec/anais/busca.htm?query=representa%E7%F5es+de+crian%E7as

Mehlecke, C. de M., Eichler, M. L., Salgado, T. D. M., & Del Pino, J. C. (2012). A abordagem histórica acerca da produção e da recepção da Tabela Periódica em livros didáticos brasileiros para o ensino médio. Revista Electrónica de Enseñanza de las Ciencias, 11(3), 521-545. Recuperado de https://dialnet.unirioja.es/servlet/articulo?codigo=5645619

Mendonça, V. L. (2016). Biologia: os seres vivos (Vol. 2, 3a ed.). São Paulo, SP: AJS.

Mulinari, G., & Mohr, A. (2017). O tema corpo humano em livros didáticos de Biologia: distanciamentos e aproximações com os parâmetros curriculares nacionais do ensino médio. Em Anais XI Encontro Nacional de Pesquisa em Educação em Ciências. Florianópolis, SC. Recuperado de http://www.abrapecnet.org.br/enpec/xi-enpec/anais/resumos/R2004-1.pdf

Munakata, K. (2012). O livro didático: alguns temas de pesquisa. Revista Brasileira de História da Educação, 12(3) (30), 179-197. https://doi.org/10.4322/rbhe.2013.008

Nascimento, T. G., & Martins, I. (2005). O texto de genética no livro didático de ciências: uma análise retórica crítica. Investigação em Ensino de Ciências, 10(2), 255-278. Recuperado de https://www.if.ufrgs.br/cref/ojs/index.php/ienci/article/view/519/316

Neto, J. M., & Fracalanza, H. (2003). O livro didático de ciências: problemas e soluções. Ciência & Educação (Bauru), 9(2), 147-157. Recuperado de https://www.scielo.br/pdf/ciedu/v9n2/01.pdf

Niaz, M. (2001). Understanding nature of science as progressive transitions in heuristic principles. Science Education, 85(6), 684-690. https://doi.org/10.1002/sce.1032

Niaz, M. (2005). Do general chemistry textbooks facilitate conceptual understanding? Química Nova, 28(2), 335-336. https://doi.org/10.1590/S0100-40422005000200027

Ogo, M., & Godoy, L. (2016). #Contato Biologia (Vol. 2) São Paulo: Quinteto Editorial.

Oliveira, M. dos S., & Carvalho, F. A. H. de (2017). Neurociências para estudantes: O livro didático e projetos de intervenção. Revista Práxis Educacional, 13(25), 251-272. https://doi.org/10.22481/praxis.v13i25.963

Perales, F. J. (2019). ¿Cómo podemos ayudar a los maestros en formación a analizar los libros de texto de ciencias? UTE. Revista de Ciències de l’Educació, Monogràfic, 33-42. https://doi.org/10.17345/ute.2019.2.2616

Piaget, J. (1973). Psicologia e epistemologia: Por uma teoria do conhecimento. Rio de Janeiro, RJ: Forense Universitária.

Quartz, S. R., & Sejnowski, T. J. (1997). The neural basis of cognitive development: a constructivist manifesto. Behavioral and Brain Sciences, 20, 537-596. https://doi.org/10.1017/S0140525X97001581

Silva Júnior, C. da, Sasson, S., & Caldini Júnior, N. (2016). Biologia (Vol. 2, 12a ed.). São Paulo: Saraiva.

Thompson, M., & Rios, E. P. (2016). Conexões com a Biologia (Vol. 2, 2a ed.). São Paulo: Moderna.

Usberco, J., Martins, J. M., Schechtmann, E., Ferrer, L. C., & Velloso, H. M. (2015). Companhia das ciências (4a ed.). São Paulo, SP: Saraiva.




DOI: http://dx.doi.org/10.22600/1518-8795.ienci2020v25n2p272

Licença Creative Commons
Este obra está licenciado com uma Licença Creative Commons Atribuição-NãoComercial 4.0 Internacional.

Revista Investigações em Ensino de Ciências (IENCI) - ISSN: 1518-8795 

Creative Commons License